A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Chines_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Francais_ Grego_ Italiano_ Portugues_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçeçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021 | of 2022 | of 2023 | of 2024

(pt) Argentina, F.O.R.A. - C.I.T. - Nem com Putin nem com a NATO - GUERRA À GUERRA (ca, de, en, it, tr)[traduccion automatica]

Date Sun, 19 May 2024 07:40:24 +0300


Unione Sindicale Italiana (USI) - CIT, Secretariado e Comissão Executiva: ---- A Rússia de Putin está a enviar tropas militares para as fronteiras da Ucrânia com a ameaça de intervenção para contrariar o movimento deste país em direcção à Europa e especialmente à NATO, com a possibilidade de posicionar mísseis nesta área dirigidos à Rússia. ---- Por outro lado, os EUA e a Grã-Bretanha, com a União Europeia (UE) a reboque, posicionam tropas militares da NATO (com a presença de tropas italianas na linha da frente com um custo estimado até agora de 78 milhões de euros ) contra a ameaça de intervenção russa.

As ameaças à acção de guerra são um pequeno passo em comparação com as consequências inimagináveis e dramáticas de um conflito internacional pelo qual o povo ucraniano pagaria mais do que qualquer outra pessoa. A persistência de uma situação conflituosa aumenta os custos energéticos, causando pobreza na nossa sociedade, colapso dos serviços sociais, emergência habitacional, aumento exponencial das contas e dos bens de primeira necessidade.

A guerra deve ser sempre rejeitada pelos trabalhadores, cujos interesses se opõem aos daqueles que dela beneficiam.

O sindicalismo de base, por ocasião da greve de 11 de outubro, colocou na agenda o combate às missões militares no estrangeiro e às despesas de guerra. É necessário ativar mobilizações para combater as operações de guerra em torno da questão da Ucrânia e a retirada das missões militares italianas daquela área.

Estamos perante dois blocos divididos por interesses imperialistas (controlo geopolítico do território) e interesses económicos (fornecimento e venda de gás). Conhecemos os objectivos hegemónicos e autoritários da Rússia de Putin. Conhecemos também os objectivos hegemónicos e falsamente democráticos dos EUA e aliados (Grã-Bretanha, UE) que se escondem atrás da presença militar anacrónica da NATO.

Na infeliz hipótese de que a situação ucraniana recaia na barbárie da guerra de dimensões internacionais, a União Sindical Italiana proclamará uma GREVE GERAL de protesto.

Não há mais despesas de guerra.

Não à participação da Itália na guerra imperialista entre a Rússia e os EUA.

Por gastos socialmente úteis para apoiar a saúde, a educação e reduzir o aumento dos custos de energia e serviços de necessidades básicas

CATEGORIA USI: INTERNACIONALPUBLICADO EM 7 DE MARÇO DE 2022 na Organização Obrera
https://organizacion-obrera.fora.com.ar/2022/03/07/guerra-a-la-guerra/

https://capital.fora.com.ar/ni-con-putin-ni-con-la-otan/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe https://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt