A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
Noticias en todos los idiomas
Ultimos 40 correos (Portada) Correos de las últimas dos semana Nuestros archivos de correos viejos

Los últimos cien correos, por idiomas
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ _ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeras Líneas de los últimos Diez Correos
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeras líneas de todos los correos de las últimas 24 horas

Links to indexes of first few lines of all posts of last 30 days | of last months of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021 | of 2022

(ca) Brazil, UNIPA: 1° de Maio - dia de luto e de luta por União Popular Anarquista - UNIPA (de, en, it, pt, tr)[Traducción automática]

Date Fri, 13 May 2022 09:52:25 +0300


O primeiro de Maio de 2022 foi marcado pelo agravamento da crise social, econômica e ecológica em virtude das consequências da pandemia provocada pelo COVID-19 e pela escalada da guerra na Ucrânia. Essa crise nos coloca mais ainda que o único caminho real é a revolução social e socialismo. A formação do autogoverno das trabalhadoras e trabalhadores. Neste sentido, a lembrança dos mártires de Chicago, trabalhadores anarquistas que lutavam pelo socialismo, deve ser pautada não como uma memória e prática vazia, mas muito pelo contrário, como um elemento para que possamos reafirmar justamente a destruição do mundo capitalista e a criação do socialismo.
No Brasil a situação atual é de aumento do desemprego, do emprego informal e da violência no campo. Os burgueses, generais e governantes tem aproveitado a crise para impor uma pauta de contínua perda de direitos e um novo mundo de trabalho ampliando as novas formas de exploração (terceirização, uberização, automação do trabalho), e assim mantendo a estrutura dos problemas socioeconômicos, políticos e econômicos que nos trouxeram até aqui como temos afirmado nos nossos documentos.

Não temos uma democracia a defender: temos um estado de exceção a combater!

Não temos uma democracia a salvar, temos uma tirania que sufoca, oprime e mata cotidianamente trabalhadoras e trabalhadores, principalmente jovens negros nas favelas e periferias de todo o país. Que continuamente assassina líderes de movimentos sociais do campo e da floresta. Essa tirania se escancarou na medida em que o governo Bolsonaro rompeu o pacto de conciliação da "abertura democrática" e trouxe o porão da ditadura para defender como política de Estado e Governo o que a muito tempo se faz no campo, nas periferias e favelas. Por duas vezes, em abril de 2020 e em 07 de setembro de 2021 o governo tentou o golpe para fechamento do regime. Por hora, não teve apoio dos generais e dos Estados Unidos.

Temos a ampliação do terrorismo de Estado que impõe o genocídio e o controle no campo e na cidade, e que tende a assumir as feições de uma guerra colonial aberta (contrainsurgência). As forças de repressão estão numa guerra de extermínio contra o povo negro, favelado, camponeses, povos indígenas, quilombolas e comunidade tradicionais. A tendência é de ampliação e aperfeiçoamento da repressão e aumento da exploração sobre as massas trabalhadoras.

Anúncios

DENUNCIAR ESTE ANÚNCIO

O programa proto-fascista, clerical e ultraliberal do governo Bolsonaro-Mourão-Guedes e dos generais tem avançando nas políticas entreguistas, com avanço de privatizações, desmonte dos serviços públicos e destruição dos direitos sociais e trabalhistas.

Assim, existe uma ofensiva geral do militarismo, da política contrainsurgente, do fundamentalismo religioso, do neoextrativismo e da superexploração da classe trabalhadora. Essa ofensiva tende a acirrar o conflito de classes, mas é preciso que de fato a classe trabalhadora se autoorganize e crie condições para uma resistência maior, construindo uma defensiva ativa e as condições da ofensiva estratégica revolucionária.

Construir o Sindicalismo Revolucionário

Ficou evidente pós 2013 que é preciso criar condições para expansão de formas de resistência e auto-organização das trabalhadoras e trabalhadores com base em experiências coletivas anti-sistêmicas, de ação direta. Enquanto liberais, sociasdemocratas, trabalhistas e todas as matizes da política burguesa se adequavam mais a ordem e ampliava a contrainsurgência, os setores autônomos e revolucionários foram incapazes de aumentar sua influência e criar auto-organizações de base federalista que funcionasse como um efetivo polo de resistência.

Temos tidos até agora pequenas experiências como a criação de movimentos de base comunitária autônomos e a construção da FOB. Neste sentido é fundamental a construção e expansão do sindicalismo revolucionário para ser uma referência de auto-organização para o conjunto da classe trabalhadora, principalmente para movimentos do proletariado marginal das favelas e periferias, dos trabalhadores das pequenas e médias cidades e dos povos do campo, indígenas, quilombolas e ribeirinhos. Isso é fundamental para combater e destruir o sindicalismo socialdemocrata (CUT, CTB) e o sindicalismo de Estado que são parte do Estado colonial brasileiro.

Ainda hoje, em plena ofensiva reacionária, a política principal da aristocracia operária da CUT é a ilusão de um novo pacto de conciliação de classes que beneficie empresários e operários da indústria nacional. Hoje essa ilusão se materializa na chapa Lula-Alckmin para salvar a falida república de 1988. O nacionalismo, o desenvolvimentismo e o industrialismo são ideologias dessa aristocracia operária. Essas ideologias são absolutamente incompatíveis com as lutas e resistências anticoloniais dos povos e para sua efetiva libertação.

Por isso, é fundamental a expansão do sindicalismo revolucionário, expandir ação direta e práticas mutualistas para enfrentar o aumento da miséria, do desemprego, do genocídio e do encarceramento, bem como o avanço da precarização e privatização dos serviços públicos. Ou seja, os paradigmas globais do liberalismo e socialdemocracia/comunismo (privatização x estatização) devem ser superados pela construção de uma estratégia mutualista e sindicalista revolucionária, que integre a criação de instituições econômicas e serviços públicos de novo tipo com a expropriação e autogestação das terras e fatores de produção e circulação pela própria classe trabalhadora. Essa linha mutualista, aplicada no campo e na cidade é um instrumento fundamental da aliança operário-camponesa.

Anúncios

DENUNCIAR ESTE ANÚNCIO

Assim, as e os anarquistas revolucionários devem estar comprometidos com essa construção, palmo a palmo, rua a rua, casa a casa. A saída está no povo. Só o povo salva o povo!

Viva o primeiro de Maio!
Destruir o imperialismo e o colonialismo!
Construir o Partido Revolucionário Bakuninista e a Confederação Sindicalista Revolucionária!

https://uniaoanarquista.wordpress.com/2022/05/01/1-de-maio-dia-de-luto-e-de-luta/
_______________________________________
AGENCIA DE NOTICIAS A-INFOS
De, Por y Para Anarquistas
Para enviar art�culos en castellano escribir a: A-infos-ca@ainfos.ca
Para suscribirse/desuscribirse: http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-ca
Archivo: http://www.ainfos.ca/ca