A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Francais_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkurkish_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021 | of 2022

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) France, UCL AL #328 - Holofote, Debate: Libertários diante do neorreformismo (ca, de, en, fr, it, tr)[traduccion automatica]

Date Thu, 30 Jun 2022 08:39:16 +0300


A eleição presidencial de abril de 2022 consagrou o surgimento de um polo neorreformista com vocação governamental em torno da França rebelde. Por que falar de " neo-reformismo"? Além das promessas, o que esse governo poderia fazer em termos concretos? O que esse novo fenômeno muda para as lutas coletivas? E como os revolucionários libertários devem se posicionar diante desse fenômeno? ---- A eleição presidencial de 2022 recompôs o cenário político. À esquerda foi formada, em vista das eleições legislativas, a Nova União Popular Ecológica e Social (Nupes), reunindo La France insoumise (LFI, hegemônica), EELV e PCF (a reboque) e o PS (em processo de de implosão).

Com a liderança de LFI à esquerda do governo, estamos testemunhando um fenômeno que os menores de 40 anos não podem vivenciar: o retorno da "esperança à esquerda" ( veja nosso editorial ).
De fato, LFI provavelmente chegará ao poder um dia, e tem um
programa verdadeiramente reformista - ou melhor, neo-reformista. No entanto, essas noções têm sido usadas em demasia, e é necessário esclarecimento.

Três idades de reformismo
O reformismo histórico, formado na década de 1890, diferia da corrente revolucionária (anarquista, blanquista, alemanista etc.) mas pela eleição de uma maioria socialista no parlamento. As reformas graduais substituiriam gradualmente o capitalismo pelo socialismo. Como se as classes proprietárias estivessem indo, jogo limpo, reverenciando e deixando ir. Isso parece um pouco utópico hoje, mas essa crença foi - com altos e baixos - transmitida pela social-democracia na França até os anos 1970.

O reformismo gerencial é filho dos anos 1980 e 1990, quando o reformismo abandonou o objetivo teórico de superação do capitalismo em direção ao socialismo. A ambição foi reduzida a uma simples gestão social do capitalismo, "no interesse dos trabalhadores". Mas a lógica gerencial rapidamente prevaleceu. E seguindo essa lógica, para que a riqueza "escorra ", você precisa de umaeconomia"competitiva". Além disso, em todos os países onde a esquerda esteve no poder, ela abraçou mais ou menos rapidamente a ideologia liberal e se colocou a serviço dos empregadores.

O neorreformismo que hoje podemos taxar La France insoumise é a reinvenção não do reformismo histórico - porque a LFI não visa ir além do capitalismo - mas do reformismo gerencial, com a pretensão de administrar o capitalismo redirecionando seu propósito através do "planejamento ecológico" . . Este tropismo ecológico, consequência do perigo que ameaça a humanidade, constitui a novidade que autoriza falar de " neo-reformismo".

Duas questões estratégicas surgem para os revolucionários em relação a esse neo-reformismo. A primeira é prospectiva: o que LFI, em termos concretos, faria quando chegasse ao poder? A segunda diz respeito ao posicionamento: qual deve ser a atitude dos revolucionários e do movimento social, na presença de tal governo?

Promessas defensáveis e insustentáveis
Podemos tentar responder à primeira pergunta a partir das promessas contidas no programa L'Avenir en commun, e ecoadas no programa do Nupes. São dezenas de demandas concretas feitas pelo movimento social em termos de salários, jornada de trabalho, combate à precariedade e discriminação, moradia, digital etc. Mas há sobretudo uma espinha dorsal - o planeamento ecológico - e um projeto que será considerado um tanto incidental - " aSextaRepública ". Seria inútil entrar em detalhes aqui, mas podemos antecipar o seguinte.

Em primeiro lugar, as promessas fáceis de cumprir dizem respeito à revogação das emblemáticas contra-reformas dos anos 2000-2010: o desmantelamento das pensões, a do seguro-desemprego, a lei El Khomri, a lei de Segurança Global, a atividade nos hospitais , a abolição do ISF, etc. Também seria fácil regularizar os migrantes indocumentados e injetar 1 bilhão de euros na luta contra a violência contra as mulheres.

Em segundo lugar, muito mais difíceis são as promessas que se chocam diretamente com os interesses do lobby nuclear, do exército, dos empregadores ou que contrariam os tratados europeus. É a eliminação progressiva da energia nuclear em primeiro lugar. Mas também a saída da OTAN. Mas ainda o aumento de salários, a proibição de demissões em empresas que pagam dividendos, as 32 horas, a redução da precarização, nacionalizações nos setores de energia, transporte ou água.


Terceiro, há as promessas impossíveis de cumprir sem romper com o capitalismo: planejamento ecológico e realocação industrial. Estes só são concebíveis com uma socialização da economia em escala completamente diferente dos desejos piedosos, das medidas regulatórias e das poucas nacionalizações previstas. Como imaginar o planejamento deixando nas mãos dos capitalistas e do mercado setores estratégicos como a química, a metalurgia, a indústria farmacêutica, a indústria da construção, a indústria alimentícia, o setor bancário...? Aqui tocamos na contradição fundamental do reformismo: ele faz promessas que não pode cumprir, a menos que seja forçado a fazê-lo por um movimento revolucionário externo.

Que atitude do movimento social?
A partir daí, qual deve ser o estado de espírito dos revolucionários, do sindicalismo de luta e, mais amplamente, de todo o movimento social? Diante de um governo que promete romper com a velha ordem, há três atitudes possíveis.

O apoio do seguidor , quando o governo define o cronograma das reformas e o movimento social, "associado" à sua implementação, subordina sua ação a ele.

A vigilância, quando o governo marca o cronograma e o movimento social esquadrinha o conteúdo das reformas, recrimina e exige fidelidade às promessas.

A independência de ação, quando o movimento social permanece fiel às suas próprias demandas e ao seu próprio cronograma, não subordina sua ação e obriga os empregadores e o governo a responder a ela.

Alguns argumentariam que o movimento sindical e social está tão enfraquecido hoje que dificilmente pode definir sua própria agenda de ação em nível nacional. Responderemos que ele se enfraqueceria ainda mais para se colocar na roda de um governo, mesmo neo-reformista. E que sua ação se fortalecesse diante das decepções e promessas inevitavelmente não cumpridas por tal governo.

A pior configuração seria a anestesia, como em 1981-1983, quando a ideia de que não era necessário desestabilizar os "camaradas ministros"desmobilizou o sindicalismo, ao passo que, ao contrário, teria exigido uma ação massiva e resoluta para paralisar os empregadores e abrir todas as possibilidades.

Que atitude dos revolucionários?
Essa independência de ação deve ser acompanhada de uma visão política, que envolva pelo menos uma crítica ao neo-reformismo. Não para condenar ou denegrir sistematicamente. Decretar "Mélenchon = Macron" seria uma postura ultra-esquerdista ao mesmo tempo inaudível e falsa. Mas é preciso combater as mistificações e ilusões nocivas que a "nova esperança à esquerda" poderia engendrar. Essa crítica poderia seguir três linhas:

uma crítica à própria abordagem reformista: os libertários estão, é claro, lutando por reformas que melhorem a vida cotidiana, mas preferimos reformas mil vezes pela ação direta dos trabalhadores - porque cria solidariedade, consciência de classe, até consciência revolucionária - às reformas concedidas pelo poder, que mantêm a cultura da delegação.
uma crítica às promessas insustentáveis: não haverá "planejamento ecológico" sem a socialização dos meios de produção e troca. E socialização não é "nacionalização" (propriedade estatal passível de ser reprivatizada pelo próximo governo), mas sim a colocação dos principais meios de produção e troca sob o regime de "bens comuns " inalienáveis, administrados pelos trabalhadores e pelos próprios trabalhadores.
uma crítica à repressão que esse governo faria contra os movimentos sociais que mantiveram sua independência de ação. O que ele faria vis-à-vis os indocumentados, anti-nucleares Bure, coletes amarelos? Manter a ordem é muitas vezes o momento da verdade para um poder que pretende romper com a velha ordem...
Articulado a essa crítica, deve-se defender que a ruptura com o capitalismo é a única forma de reorientar radicalmente a economia - por exemplo, via comunismo libertário - para mudar a sociedade e preservar o planeta.

Guillaume Davranche (UCL Montreuil)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?11-Debat-Les-libertaires-face-au-neoreformisme _________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe https://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center