A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021 | of 2022

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Brazil, CAB, Bandeira Negra: Relato e fotos do VIII Sarau Primeiro de Maio Por CABN0 (ca, de, en, it, tr)[traduccion automatica]

Date Thu, 19 May 2022 09:30:24 +0300


Em sua oitava edição, realizamos mais um Sarau 1º de Maio. Neste ano, a data caiu em um domingo de sol, que reuniu dezenas de pessoas dentro da Associação de Moradores e Amigos do Bairro Itinga (Amorabi) e aqueceu nossos corações e nossos corpos que dançaram a cultura popular. ---- Neste ano, lembramos a importância das artes para nossas vivências e rebeldias, que somos seres culturais, apesar da burguesia nos enxergar apenas como peças de um maquinário que apenas produz. Em mais um 1º de maio dissemos que não, resistimos ao cotidiano do capital que esmaga nossos sonhos, nosso lazer e nossa arte, fomos fortes, unidos e brincamos no 1º de Maio.
Importante, porém, lembrar das vidas que se foram, vítimas de um Estado genocida, que visa o lucro ao invés da vida. Pelos companheiros que partiram, mantemos vivas suas memórias. Dos mártires de Chicago aos familiares e amigos mortos no contexto da pandemia do Covid-19.

Unidos, em memória de companheiros e companheiras, e celebrando a vida entre nossos pares, cantamos com a apresentação de Eu Também Sou Zé, vibramos com a Palhaça Tulipa, celebramos com os Poemas Lagunáticos, dançamos com o Baque Mulher, jogamos a Capoeira Integrativa e partilhamos alimentos e emoções.

Abaixo, deixamos alguns registros fotográficos deste Sarau que aqueceu nossos corações e nos uniu em solidariedade de classe. Mais abaixo, também compartilhamos nossa carta de abertura e as Poesias Lagunáticas declamadas na atividade.

Seguimos na luta do dia a dia. VIVA O ANARQUISMO! LUTAR, CRIAR, PODER POPULAR!

As fotos são de @cassi.reis.olhares.

Carta de Abertura do VIII Sarau Primeiro de Maio
Olá, boa tarde a todas as pessoas companheiras presentes.

É com uma alegria embriagada por amor e rebeldia que nós, do CABN, COLETIVO ANARQUISTA BANDEIRA NEGRA, integrante da CAB, COORDENAÇÃO ANARQUISTA BRASILEIRA, idealizamos, e agora acontece, o OITAVO SARAU PRIMEIRO DE MAIO.

Este é o nosso dia, de quem rala cotidianamente em diferentes locais de moradia, trabalho, educação e lazer, em meios urbanos e rurais. Este não é um dia para comemorar o trabalho, mas é um momento de cruzarmos os braços e olharmos para as nossas histórias de lutas, derrotas e vitórias contra toda classe dominante, que impõe um mundo cruel com suas diferentes formas de opressão e exploração.

Este é o momento para lembramos das nossas irmãs e irmãos que morreram durante a pandemia gerida por genocidas, como Bolsonaro, Johnson, Putin, Trump, Biden, Moises e Adriano. Estas são as caras e vozes da vez para mandar de acordo com os interesses políticos e econômicos de uma minoria mais rica que continua a lucrar na pandemia, deixando mais de seiscentos e sessenta mil mortos, somente no Brasil.

Agora, por favor, ao povo presente, pedimos um momento de silêncio pelos corpos que se tornaram ausentes no contexto da pandemia, mas que continuam presentes em nossas memórias e corações.

O dia Primeiro de Maio é dia de transformar luto em luta, mas não a luta proposta pelos de cima, com suas guerras lucrativas que jogam o povo contra o povo. É dia de nos colocarmos contra a máquina de guerra e nos organizarmos para sabota-la, seja a do Estado Russo, da OTAN ou da Polícia Militar.

É dia de encaramos o desafio de intensificar ainda mais os trabalhos em nossas bases, pondo à frente a luta contra a fome e a precarização que vem batendo cada vez mais forte no povo empobrecido, nas regiões periféricas, ocupações, escolas, bairros, nos campos e nas florestas. Este é um dia para nos colocarmos na mobilização pela saída urgente de Bolsonaro e seus comparsas e, independentemente do resultado das urnas, compor as trincheiras que constroem lutas locais, garantindo vitórias através da auto-organização.

O CABN busca contribuir na construção de uma identidade rebelde, fazendo uso das memórias e das histórias das classes oprimidas de locais próximos e longes daqui. Desde 2015, fizemos a opção de construir um espaço público da organização para envolver todos e todas companheiras da militância, anarquistas ou não, mas que estão comprometidos com a luta e organização popular. Queremos socializar as diferentes expressões de arte e cultura que fazemos, mas que o capitalismo nos proíbe de tornar públicos. Afinal, para o sistema capitalista somos apenas peças de uma engrenagem que produz.

O nome do espaço é SARAU PRIMEIRO DE MAIO. A escolha do dia é para trazer aos nossos olhos, ouvidos, mentes e corações como a data de hoje é um marco fundamental para a classe trabalhadora. Como escreveu o cronista Carlos de Oliveira:

"o 1º de Maio é o dia para lembrar e dar importância a todos e todas trabalhadores e trabalhadoras do mundo. Um dia para dedicar e homenagear os Mártires de Chicago. Oito pessoas que foram mortas pelo governo e patrões.
Todos que, hoje, ainda precisam dedicar seus esforços para enriquecer poucos, devem dedicar ao menos uma tarde do ano para Albert Parsons, Louis Lingg, Adolph Fischer, George Engel, August Spies, Michael Schwab, Samuel Fielden e Oscar Neebe."

E dos nossos mártires de Chigado partimos para somar nas ruas tomadas por barricadas desde a Comuna de Paris de 1871, até as várias cidades brasileiras com as resistências e organizações operárias de 1917. Tomamos parte dos intensos dias e noites da Revolução Social na Espanha de 1936, aos levantes operários e estudantis em Praga, Paris, México e São Paulo em 1968. Contra a carestia e o aumento do custo de vida, pelos que estão na linha de frente por saúde e os que lutam por vida digna.

Neste ano, depois de duas edições digitais transmitidas pelo YouTube, no canal da Coordenação Anarquista Brasileira, voltamos a fazer o sarau presencial, na Amorabi e trazemos como tema para esta oitava edição a "ARTE E ORGANIZAÇÃO POPULAR DAS REBELDIAS".

Na correria do dia a dia do capital que nos esmaga, acabamos impedidos de pensarmos as nossas práticas rebeldes. E, ainda assim, quando o tema chega em nossos debates, geralmente é em tom de condenação da rebeldia. Nos discursos das classes dominantes, quando percebem que não podem contra nossos atos rebeldes, tentam apagar nossa voz, que são convocadas apenas para estampar peças publicitárias em nome do lucro e de uma democracia burguesa. Mas nos bastidores da vida, continuam a desrespeitar nossos direitos à saúde, alimentação e lazer.

Nós somos anarquistas! Não acreditamos na sociedade baseada na hierarquia e exploração em nome da classe burguesa com seu racismo, machismo, LGBTQIfobia, colonialismo e todas formas de opressões. Alimentamos as nossas imaginações já buscando um futuro em que todas as pessoas oprimidas possam, junto a sua comunidade, criar um mundo novo, em que o Estado seja superado pela autogestão, liberdade e igualdade. As nossas ações rebeldes são como um agricultor, que no seu ofício, ao retirar sementes do pequeno pacote surrado, olha para a mão cheia, já imaginando o campo em abundância de alimentos para todos os povos do mundo.

Entre o ato de produzir no campo e nas cidades, muitos de nós, em segredo, ou de modo discreto, criamos rebeldias. Somos como a população cabocla de pouco mais de cem anos atrás, que ocupou o solo do que se convencionou a chamar de fronteira entre Paraná e Santa Catarina, mas que nossa memória de luta chama de Contestado. Uma população abandonada pelo Estado republicano, explorada por grandes companhias imperialistas e acolhia por uma esperança popular de um paraíso, reuniu suas forças para, em solidariedade, trabalhar na roça do vizinho. E no fim da jornada coletiva de esperança, as músicas eram criadas por artistas populares com mãos calejadas pelo clima, e pelas pás, enxadas e facões. Ali mesmo, faziam sua dança, sua música e sua arte.

Ao olharmos com mais atenção ao que nos cerca, do passado ao presente, é possível compreendermos que a arte não está separada de outras instâncias da vida. Ela nos move, e com amor e rebeldia, alimenta quem somos hoje para alcançarmos, com passos cuidadosos e firmes, a sociedade que queremos amanhã.

É por isso, que depois de dois anos fazendo o sarau virtualmente, voltamos com muita alegria para essa edição presencial do sarau 1º de Maio. Nos últimos anos, principalmente, muito nos foi negado, e em muitos momentos nossa rebeldia foi sufocada pelo luto, pelo isolamento e pelas dificuldades econômicas imposta pelos de cima. Mesmo assim, não deixamos de marcar e reivindicar nesta data tão importante. Os Saraus de 2020 e 2021, apesar de virtuais, trouxeram lampejos de esperança, amor e rebeldia diante da dureza da vida cotidiana.

É simbólico que nosso retorno presencial seja feito na AMORABI, um espaço de luta popular que resistiu nesses últimos dois anos realizando ações de apoio mútuo e solidariedade. Queremos agradecer à AMORABI, não só por nos receber nesse espaço, mas por ter, nesses tempos tão dificeis, mantido a chama da luta popular acesa. Seja no acolhimento das necessidades mais básicas, nos projetos de educação popular ou na arte.

Queremos com esse sarau, alimentar essa chama e incendiar os corações das e dos que lutam com amor e rebeldia. Enquanto a esquerda institucional martela que a única saída é tirar o título de eleitor, nós acreditamos que a saída está na luta popular. Nos organizando nos sindicatos, movimentos populares, associação de moradores, nas escolas e nos territórios. Não, não nos basta mudar quem está na direção da estrutura de poder, nós queremos muito mais. Queremos um povo forte, organizado desde baixo e à esquerda. Queremos o fim do capital, do Estado e de todas as estruturas de opressão e exploração. Queremos um mundo novo, onde caibam todos os mundos. É com esses objetivos que declaramos iniciado o oitavo sarau 1º de Maio!

VIVA O ANARQUISMO!

SÓ A LUTA MUDA A VIDA!

LUTAR, CRIAR, PODER POPULAR!

https://www.cabn.libertar.org/relato-e-fotos-do-viii-sarau-primeiro-de-maio/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe https://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center