A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020 | of 2021

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) ANTES DA VITÓRIA DO CLASSISMO E DA ATUAL SUSPENSÃO DA "UNIÃO DE POLÍCIA" - OPINIÃO DA FAU DE MARÇO DE 2021 (ca, de, en, it)[traduccion automatica]

Date Thu, 25 Mar 2021 09:56:14 +0200


Um amplo e profundo debate tem sido gerado no movimento sindical e popular, e também na imprensa, com a participação de atores que nada têm a ver com as organizações sindicais sobre a suspensão do "sindicato" policial do PIT CNT, até um O Congresso analisa e define sua situação. ---- Há muito tempo, a Coordenação dos Sindicatos vem levantando a discussão sobre a relevância ou não da integração do "sindicato" policial no PIT CNT. Essa discussão ganhou mais relevância após a repressão a uma passeata contra a UPM em 2019. É lá que se instalam sindicatos de diversos ramos como ferrovias, correios, taxímetros, energia e água, educação pública e privada, gráfica, pesca, geladeiras municipais a questão, seja diretamente na Mesa Representativa da Convenção e / ou em seus respectivos sindicatos de base e em nível nacional. Outros grupos sindicais fazem o mesmo.
A militância da FAU tem participado ativamente do meio sindical neste processo, promovendo a expulsão total deste obsceno. Toda a nossa militância tem tomado este tema há vários anos como um eixo de agitação e nós o colocamos na mesa de todas as formas possíveis, não na imprensa, mas na propaganda e no debate entre os trabalhadores.
Mas, por outro lado, é impressionante a conjunção de vozes que saíram para defender os suspensos. Uma onda de indignação percorre a imprensa burguesa e amarela, políticos de todos os matizes, especialmente da rançosa direita e das correntes reformistas do movimento sindical. Gritos e berros em uníssono contra esta legítima decisão do Conselho Representativo, e também utilizando todos os meios de comunicação para divulgar a opinião pública de que os policiais que compõem o "sindicato" são "pobres que foram agredidos" os sindicatos que promovem a suspensão "alguns ultras" ou "alguns madrugados", que vivem um pouco mais "com os olhos no pescoço", como diria tantas vezes Sanguinetti.
Sindicato?
A pergunta deve ser feita, pois um sindicato supõe um conjunto de instâncias e ações onde os trabalhadores participam, realizam medidas de combate, negociam com os empregadores, etc. Nada disso é verificado neste caso. Estão proibidos de realizar greves e assembléias em seus locais de trabalho, por desrespeito à autoridade e não têm a prática de contestar tais mandatos e imposições. Por outro lado, não realizaram quaisquer medidas concretas de luta ao longo deste período e não se solidarizaram com ninguém.
Mais do que um sindicato, o Sipfom tem componentes corporativos, sendo também evidente a sua adesão oficial às políticas repressivas que estão a ser levadas a cabo, lembrando que estão mais próximos do actual governo -e do ministro Jorge Larrañaga- porque os leva em consideração com maior determinação suas propostas, e apontam que são a favor da Lei da Consideração Urgente, o marco legal para a política repressiva que virá, e que ela está sendo aplicada a partir de agora.
O "sindicato" policial aplaude a política do Ministério do Interior e as declarações do ministro, que se apresenta em sua defesa da suspensão. E seu representante legal pensa politicamente, como mais um dirigente sindical e não como seu advogado. Seu advogado é Andrés Ojeda, candidato suplente a prefeito de Montevidéu da "coalizão multicolorida".
Mas, acima de tudo, qualquer trabalhador sabe que um militar não é um igual, não é um trabalhador. Essa sabedoria popular foi forjada ao longo dos séculos e faz parte da tradição de nossa classe.
Isso tem uma longa história.Em
2005, com a posse da Frente Ampla, o então Ministério do Interior lançou uma política para permitir a "sindicalização" policial, que teve uma correlação imediata na direção maioritária do PIT CNT, abrindo o portas da Convenção à Polícia. Foi um processo de facto, que foi gradualmente encoberto, especialmente porque existiam vários "sindicatos" de polícias.
Foi uma operação dupla: do governo para "democratizar" a polícia e tentar cooptá-la para o progressismo. Para isso, eles ainda receberam aumentos salariais bem acima de qualquer trabalhador ou trabalhador. Hoje, um granadeiro recém-contratado como funcionário do Ministério do Interior ganha mais do que um professor com vários anos de antiguidade.
Por outro lado, as correntes reformistas do PIT CNT prestaram-se a esta tentativa de "democratização" das forças repressivas, sendo Fernando Pereira o dirigente que abrigou o "sindicato" policial sob a sua asa.
É no mínimo curiosa essa aceitação da polícia como trabalhador e de seus "sindicatos" como parte da classe trabalhadora organizada, em um movimento sindical como o uruguaio, com uma longa história e acúmulo de experiências e lutas, sempre enfrentando a repressão policial.
Aplicando o clube
Assim que Lacalle Pou tomou posse, a primeira providência foi reunir todos os novos delegados e dar "pautas de trabalho". Ficou evidente o aumento do patrulhamento e a volta da milicada a cavalo. Várias queixas foram divulgadas sobre abusos da polícia. A pandemia e a emergência de saúde relaxaram um pouco, mas depois voltaram à carga. São realizadas operações contra as comparsas de Candombe onde as mulheres de origem afro foram especialmente reprimidas. Vários detidos, pessoas espancadas, vão a tribunal, etc.
E o Sipfom apóia essa repressão e aponta que "cumpriu o protocolo", "agiu de acordo com as normas" e o advogado Ojeda também apóia e apóia.
Os acontecimentos ocorridos em Malvín Norte, onde policiais dispararam contra duas mulheres e tiveram que recuar ante a fúria dos vizinhos, falam claramente da essência da ação policial. Ou voltando alguns anos, o assassinato de Sergio Lemos em Santa Catalina. Ou o despejo do Codicen em 2015, a repressão aos trabalhadores da Buquebus, a prisão dos trabalhadores do transporte rodoviário por realização de assembléia na porta da fábrica de Montes del Plata, a tentativa de despejo dos trabalhadores da Bimbo e a repressão à mobilização contra a UPM, são alguns dos exemplos dos últimos anos que podemos citar.
As operações nos bairros não pararam. A pretexto da pandemia, acrescentaram patrulhas aéreas, o famoso helicóptero que sobrevoa a cidade e a costa como numa operação de guerra.
A "nova polícia" de Bonomi ... e a "velha" de Lacalle Pou
Durante a gestão da FA liderada por Bonomi, tentou-se lavar a cara de tão desastrosa instituição e falava-se "da nova polícia " Lacalle Pou voltou para a "velha polícia", que foi a protagonista da repressão ao Filtro na época do governo de Lacalle Sr.
Além de um certo "interno" entre as lideranças policiais, o aparato repressivo avançou tecnicamente de maneira importante nos últimos 15 anos, mas como o próprio Sipfom reconhece "são os mesmos policiais de sempre".
Uma instituição podre
A polícia não é uma instituição neutra, nem o Estado. Os da esquerda e do movimento sindical que tentam justificar a filiação do "sindicato" policial ao PIT CNT sobre a necessidade de "infiltrar-se" nas polícias ... têm uma leitura pobre da realidade, para dizer o ao menos.
Confundir as forças policiais (e / ou militares) uruguaias com os exércitos formados por camponeses na Rússia na Primeira Guerra Mundial ou fingir que a polícia daqui pode participar de algum evento revolucionário é digno de miopia política ou engano e autoengano que não pode-se engolir. Primeiro, porque estamos falando de situações distantes no tempo e que nada têm a ver com a nossa realidade; e segundo, porque a polícia uruguaia nunca deu sinais de tentar participar de ações de caráter popular. Pelo contrário, são a força que está ao lado dos patrões quando ocorre um despejo ou tentativa de despejo de um local de trabalho ocupado, aqueles que reprimiram várias mobilizações, detiveram arbitrariamente pessoas na rua, etc.
A função da Polícia como instituição é a repressão. Eles são o braço repressivo e armado do Estado. Sua função é reprimir e proteger a propriedade privada, base fundamental do sistema capitalista. Os policiais devem cumprir ambas as funções. Portanto, vale a pena perguntar: o que eles estão fazendo no PIT CNT?
É a mesma instituição policial à qual pertencia o torturador Castiglioni, idolatrada pelos policiais e da qual foi colocada uma placa em sua homenagem e posteriormente retirada na Diretoria de Inteligência. Aliás, digamos que os funcionários da inteligência ("strips") continuem infiltrados em todas as mobilizações do campo popular. A sua participação é para recolher informações para a posterior repressão e instauração de processos judiciais, não participam em sinal de "apoio" a essas lutas.
É a mesma instituição que assassinou o operário da construção civil Guillermo Machado em tempos de reides pós-ditadura, primeiro governo de Sanguinetti e Morroni e Facal no Filtro. É a mesma instituição que assassinou Líber Arce, Heber Nieto e todos os estudantes mártires ...
Sua participação foi fundamental quando as Forças Armadas assumiram o "controle institucional do país" no final de 1971, fazendo parte das "Forças Conjuntas" . A tortura era praticada nas suas instalações, sendo a Inteligência um local de passagem de centenas de militantes pelo aguilhão, pelo tacho e pelos golpes.
Essa instituição também fez parte da Ditadura, nesse período deu continuidade às ações delineadas acima. Vários policiais fizeram parte das "forças-tarefa" que operavam aqui e na Argentina, sequestrando e torturando colegas, desaparecendo e assassinando, sequestrando crianças e bebês ... Uma instituição infame.
É uma instituição chave no Estado, especialmente no Estado burguês, isto é, como braço armado da classe burguesa. É claro que a burguesia não vai sujar as mãos, pois esse é aquele infame aparato cheio de gente que semeou o ódio aos de baixo e o amor à autoridade. Ainda hoje, grande parte dos feminicídios ocorre nas mãos daqueles que compõem esse aparato repressivo.
Um passado glorioso do movimento sindical
O movimento sindical uruguaio se construiu em meio a inúmeras e poderosas lutas, greves, ações diretas, sempre duramente reprimidas pela Polícia. Centenas de desaparecidos e desaparecidos e milhares de presos que habitaram os presídios da ditadura que pertencem ou pertenceram ao movimento sindical uruguaio. Achamos difícil acreditar que aquelas gerações de militantes tão duros e combativos como León Duarte, Gerardo Gatti e também outros de outras lojas, se estivessem aqui, concordassem em "sindicalizar" a Polícia. Por algo em sua época que não foi considerado, nem mesmo os reformistas mais teimosos ousaram levantá-lo, talvez até pensar nisso.
E é fácil e simples: a Polícia só pode produzir "gente" da laia do Oeste (o delegado de Montevidéu no início do século XX), Campos Hermida e outras séries de assassinos infames; Organizações populares verdadeiramente de classe produzem outro tipo de ser humano: lutador, combativo, solidário e de olho em um novo mundo.
Por isso, é necessário fortalecer as organizações sindicais e as tendências e agrupamentos de classe dentro delas, a fim de fortalecer as posições de luta e dignidade no movimento sindical. É possível avançar lutando, unindo-se a outros trabalhadores e outros trabalhadores, estando bem claro quem é o inimigo de classe e as instituições que utiliza para perpetuar seus privilégios.
Os anarquistas da FAU estão nessa perspectiva, apoiando nossos ombros nas lutas e na construção de um movimento sindical classista e combativo. Somente com uma política de classe os sindicatos se fortalecerão e poderão frear o avanço repressivo e dos patrões.
Se essa linha de trabalho for aprofundada, consolidando agrupamentos de classe em cada sindicato com uma orientação clara de trabalho, há possibilidades de fortalecer a luta e replicar o esforço de todos os colegas.
Esta perspectiva não é nova, é a de Gatti e León Duarte, a de Washington Pérez e Trías, a de Blas Facal e Wellington Galarza, a de Juana Rouco Buela e Virginia Bolten, e a de todos os filhos e filhas da cidade que construíram nosso movimento sindical, de classe, combate, solidariedade e com uma perspectiva socialista e libertária. Devemos continuar nesse caminho.
NO SINE DAS PESSOAS NÃO HÁ REPRESSORES!
ACIMA AQUELES E AQUELES QUE LUTAM!

FEDERAÇÃO ANARQUISTA URUGUAI

http://federacionanarquistauruguaya.uy/carta-opinion-fau-marzo-2021
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center