A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe

Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

Contribuir para a-infos

A VISÃO de A-INFOS

SUBSCREVA!
Notícias em português

OU


Descubra as Opções OPTIONS
um serviço de notícias multilingue de, para e sobre anarquistas **

Propusemo-nos
ser os escribas do povo.
Do outro lado da história
a história começou.
E terá novos autores....
Esperneia!
Também nós esperneamos


Descubra as Opções disponíveis.
Há diversas listas por idiomas, listas de diferentes projetos e várias formas de entrega.
Dê uma olhada a Mailman a central automática de e-mail de A-Infos...

Na luta por uma sociedade livre, distribuímos notícias e artigos em várias linguas, cobrindo uma vasta área temática.
Que vai desde as lutas laborais, ambientais e anti-imperialistas até ao combate ao racismo, sexismo e homofobia. .

lots of work to do

A-INFOS-ORG

As listas de A-Infos são autogeridas democraticamente por um coletivo organizado internacionalmente. Saiba como participar. Incentivamos especialmente as mulheres, pessoas de lingua não-inglesa e aqueles que vivem fora da Europa e da América do Norte. Veja a lista das nossas atuais diretrizes.

A VISÃO de A-INFOS

O projecto A-Infos é coordenado por um colectivo internacional de activistas revolucionários, anti-autoritários, anti-capitalistas, envolvidos na luta de classes, que entendem como uma luta social total.

São pessoas que se consideram a si próprias anarquistas revolucionários, anarco-comunistas, comunistas libertários e outros que defendem opiniões semelhantes embora usem outros nomes.

A-Infos está organizado por pessoas que assumem o anarquismo como teoria social; que uma revolução é necessária para obtermos uma nova ordem social, sem classes, a qual só poderá ser levada a cabo pela grande maioria dos trabalhadores.

O tipo específico de anarquismo ao qual nos referimos e que promovemos é o anarquismo dos companheiros de Haymarket e dos que foram perseguidos por Carlos Marx durante a Primeira Internacional por criticarem o seu autoritarismo e elitismo, o seu desprezo vanguardista pelas massas assalariadas.

NÃO apoiamos o tipo de anarquismo proposto por alguns pseudo-modernistas e pseudo-"revolucionários" que consideram ser a actividade simbólica substituto das lutas das gentes, do povo; nem o anarquismo de "humanistas" que dão igual ou maior importância a outras tarefas que não à da abolição do sistema capitalista.

O trabalho de A-Infos não está baseado no egoísmo e no egocentrismo, no individualismo, primitivismo, no "capitalismo livre sem estado" ou num estado sem capitalismo livre -- os quais são contra a ordem capitalista vigente mas não oferecem uma nova ordem social de liberdade, de igualdade e de solidariedade.

Não basta que os indivíduos e grupos usem a etiqueta anarquista para que seus textos sejam distribuídos por A-Infos.

Na luta pela sociedade livre, nós distribuímos notícias e artigos em várias línguas, cubrindo um largo espectro de áreas de luta. Isto inclui frentes de trabalho e focos de luta como a batalha contra o racismo, o sexismo e a homofobia.

A-Infos também distribui notícias sobre indígenas anti-colonialistas em luta contra os colonizadores, contra a ocupação e marginalização, assim como também de anti-nacionalistas e de anti-regionalistas separatistas, pois os trabalhadores não têm país, o mundo é um só e NÃO têm exércitos.

A-Infos é uma agência noticiosa especializada, ao serviço do movimento revolucionário de activistas anti-capitalistas envolvidos nos diversos tipos de lutas sociais contra as classes capitalistas e este sistema social.

A-Infos não é um serviço "liberal", aberto, que distribui qualquer coisa que nos seja simpática -- A-Infos não é Indymedia. È o primeiro utensílio de distribuição livre para informar ácerca de colectivos anarquistas (e de outros anti-autoritários revolucionários) que participam na luta.

Os apoiantes e trabalhadores de A-Infos NÃO pensam que são os únicos que decidem quem, no campo do anarquismo social, é um anarquista "real" ou não é. Porém, como os recursos são limitados, temos o direito e a obrigação de escolher (autonomamente) o que distribuímos, o que achamos melhor de entre as várias contribuições e contribuídores.

A liberdade de associação do Colectivo A-Infos está baseada no reconhecimento de que ela não significa nada sem a liberdade de não se associarem, se os trabalhadores e colaboradores assim o entenderem.

A-Infos tem um papel a desempenhar no movimento anarquista mundial. Informação é fortalecimento. A-Infos contribuí para criar um entendimento no movimento internacional. A-Infos é uma extensão das poucas ferramentas organizadoras internacionais do movimento de modo e com a finalidade de lhe ser útil e não um serviço noticioso gratuito para todos.

A-Infos não se limita a ser uma ferramenta interna do movimento. Tal como o FAQ anarquista, também o apresenta ao público em geral e a uma nova geração, tratando de instruí-los sobre os aspectos internacionais do movimento.

A-Infos é uma agência de notícias anarquista autónoma e não é caixa de ressonância de determinado movimento social. Mesmo quando autoproclamados anarquistas (e mesmo que o sejam realmente) estão envolvidos, não existe garantia de que A-Infos distribuirá as suas contribuições. Mesmo que simpatizemos com os movimentos, isso não garante que os artigos sejam colocados.

A-Infos distribui as notícias e as análises que os trabalhadores querem partilhar com a comunidade mundial de activistas anti-autoritários -- principalmente notícias enviadas por colectivos anti-autoritários e relatos àcerca da acção directa na luta social quer por acivistas, quer por outras pessoas que lutam nas suas vidas diárias.

Quem não esteja satisfeito com o serviço que fornecemos, use os serviços de outros ou construa os seus meios próprios.

A-Infos é um instrumento de organização e de informação do movimento -- não é apenas "notícias por, para e ácerca de anarquistas".

Search ainfos with Google.com

we


Últimos títulos:

(pt) Carta de Reapresentação do Núcleo da RECC de São Paulo
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Aug 07 06:11:56 GMT 2020

Depois de 2 anos da carta de apresentação do Comitê de Propaganda da RECC-FOB de São Paulo, trazemos um novo documento, atualizado em relação à situação atual de nossa militância e do novo contexto local, nacional e mundial, para introduzir e oficializar a criação do nosso núcleo de luta estudantil. ---- São Paulo é uma das cidades mais importantes do mundo. Um centro econômico e financeiro, uma metrópole em constante movimento e que atrai todo tipo de turista, imigrante e curiosos em geral. É a maior cidade das américas e do hemisfério sul e a 4ª mais populosa do mundo, sendo uma das mais diversificadas etnicamente. Uma região que se destaca no país, é a cidade brasileira mais influente no mundo no que se refere a economia, política e cultura.

Por conta disso, o que acontece em São Paulo percorre o país e o mundo, principalmente movimentações sociais, revoltas e manifestações. O levante de junho de 2013 foi um exemplo importante da grandiosidade e da influência que os movimentos sociais e políticos da cidade de São ...



(pt) Luta fob-SP | Fundação da RECC - São Paulo: avante juventude combativa
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Aug 07 06:11:45 GMT 2020

AVANTE A JUVENTUDE COMBATIVA! LUTE COM A REDE ESTUDANTIL CLASSISTA E COMBATIVA EM SÃO PAULO! ---- Nesse dia 2 de agosto, criamos o núcleo da Rede Estudantil Classista e Combativa (RECC) de São Paulo, filiada à Federação das Organizações Sindicalistas Revolucionárias do Brasil - FOB. ---- Já há muito tempo nossa cidade é um bastião de lutas estudantis combativas. Secundaristas, universitários de instituições públicas e privadas, estudantes de cursinhos, sempre ao lado de professores e funcionários da educação, colocaram muitas vezes a cidade em movimento e enfrentaram o governo, os empresários e a polícia. ---- Mas falta uma organização que cumpra o dever de reagrupar os estudantes combativos e revolucionários, dando-lhes a possibilidade de fazer a luta crescer e nossa ideia se propagar.

A Rede Estudantil Classista e Combativa nasce para ser uma frente estudantil, popular e militante com este objetivo. A partir dos princípios do Sindicalismo Revolucionário, lutamos combativamente pelas nossas demandas imediatas, para impedir a privatização, a militarização e o fim ...



(pt) cab anarquista: [Podcast] CAB - Desafios diante da pandemia no Sul do Brasil,
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Aug 07 06:11:33 GMT 2020

Está no ar! Podcast da Coordenação Anarquista Brasileira com participação das organizações da região sul do país: Coletivo Anarquista Luta de Classes (CALC - PR), Coletivo Anarquista Bandeira Negra (CABN - SC) e Federação Anarquista Gaúcha (FAG - RS). Nessa edição, as organizações abordam a atual conjuntura em seus estados e os efeitos da crise gerada pelo Coronavirus, assim como contam um pouco sobre as iniciativas que vêm sendo construídas desde os seus respectivos locais de inserção.
Para acessar o podcast, clique aqui ou na imagem abaixo.
http://cabanarquista.org/2020/08/02/podcast-cab-desafios-diante-da-pandemia-no-sul-do-brasil/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
...



(pt) anarkismo.net: Onde está a esquerda árabe-brasileira? Iniciando o debate. by BrunoL
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Aug 06 06:13:01 GMT 2020

Esse artigo inicia uma série trazendo um dilema e uma convocatória. Na verdade, um apelo. Mas antes de ousar chamar ao dever brimos e brimas, é necessário um debate, larga reflexão eu diria. A pergunt ---- "Porque temos uma gigantesca colônia árabe-brasileira, incluindo o conjunto de árabes descendentes e não se organiza uma fração desta base social como apoiadora incondicional da libertação da Palestina?" ---- Bruno Beaklini (Bruno Lima Rocha Beaklini) e Rafael Costa (ilustrador, não é descendente, apoia a Causa Palestina) ---- Esse artigo inicia uma série trazendo um dilema e uma convocatória. Na verdade, um apelo. Mas antes de ousar chamar ao dever brimos e brimas, é necessário um debate, larga reflexão eu diria. A pergunta me atormenta há décadas e realmente é complexa. Eis a questão: ---- "Porque temos uma gigantesca colônia árabe-brasileira, incluindo o conjunto de árabes descendentes e não se organiza uma fração desta base social como apoiadora incondicional da libertação da Palestina?"
Quem somos e como chegamos
...



(pt) [Espanha] "Construir uma organização baseada na democracia direta é o grande desafio" By A.N.A.
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Aug 06 06:12:57 GMT 2020

Entrevista | Ana Monjo Omedes | Escritora e editora do Icaria | Do jornal CNT N° 423 ---- Ela é doutora em História Contemporânea pela Universidade de Barcelona, Autora de Militantes, Democracia e participação da CNT nos anos trinta, trabalho que foi traduzido para o espanhol pela companheira Sonia Turón / Publicado pela editora sem fins lucrativos 17delicias.org ---- No prólogo do livro você dedica "À militância, trabalhadoras e trabalhadores, que me ajudaram a entender este difícil e ao mesmo tempo excitante período do nosso passado". Um número infinito de entrevistas com nossos camaradas mais antigos, quase todos desaparecidos hoje. Como foi esse trabalho de campo e o que ele significou para seu estudo?
Gostei da boa recepção que recebi dos militantes, da confiança que depositaram em mim, explicando suas experiências pessoais. E, ao mesmo tempo, fiquei surpresa com a inteligência e a posição crítica diante de suas experiências, o que denota uma atitude reflexiva que não desiste diante da derrota ou do fracasso da organização, mas que tira consequências e esperanças de alcançar uma transformação revolucionária no presente e no futuro. ...



(pt) cab anarquista: 156 anos do nascimento de Fábio Luz -- militantes, Rio de Janeiro (ca, en, it)
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Aug 06 06:12:33 GMT 2020

Há 156 anos, em 31 de julho de 1864, nascia em Valença, Bahia, Fábio Lopes dos Santos Luz ou simplesmente Fábio Luz. Ele foi médico, jornalista, escritor e professor e faleceu a 9 de maio de 1938 no Rio de Janeiro, sendo um dos mais destacados militantes na história do movimento anarquista na cidade. ---- Filho de um funcionário público e de uma professora, já na juventude indignou-se ao ver o pai registrar a venda de escravos e com a violência de policiais negros contra outros negros escravos. Tornou-se, então, abolicionista e, logo em seguida, republicano, pois acreditava que a república levaria a uma situação de justiça social. Durante seu curso de medicina, descobriu, em uma livraria de Salvador, o livro Palavras de um Revoltado de Kropotkin, o que o levou ao anarquismo. No entanto, Fábio Luz só viria a descobrir a existência do anarquismo organizado no Rio de Janeiro no início do século XX.

Sua mudança para a então ainda capital do Império ocorreu em 1888, logo após sua formatura em medicina, quando defendeu a tese Hipnotismo e ...



(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #307 - Antipatriarcado, Sexualidade: Violência além do consentimento (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Aug 05 06:04:23 GMT 2020

É possível que o caso Polanski tenha sido a canção de cisne de um velho machismo esclerótico e pedófilo. Mas estudos revelam um aumento preocupante em outras formas de violência. ---- Em 28 de fevereiro, o pedófilo Polanski recebeu o césar de melhor diretor. No entanto, feministas haviam denunciado sua nomeação. Essa atribuição foi feita "apesar da controvérsia", como escreveu um diário. Tristeza e raiva entre as mulheres, desespero por ver que todas as denúncias são inúteis, que os bastardos são recompensados e as vítimas desprezadas. As mulheres deixaram a sala, Adèle Haenel, gritando "vergonha !" No final de 2019, ela denunciou o assédio sexual e o toque cometido pelo diretor Christophe Ruggia quando tinha entre 12 e 15 anos.

Este prêmio tem todo o desprezo por todas as mulheres que denunciaram a violência sexual no mundo do cinema, nomeando suas agressoras. A Academia César enviou uma mensagem absolutamente inequívoca de desprezo. Muitas pessoas na indústria cinematográfica expressaram seu apoio a ...



(pt) Cartaz a 3 anos da queda em combate de Santiago Maldonado By A.N.A. on 29 de
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Aug 05 06:02:57 GMT 2020

A três anos do assassinato de Santiago Maldonado pelo Estado argentino após se solidarizar com uma recuperação territorial Mapuche, nós que ainda caminhamos pela mapu (terra) te recordamos. Com fogo nas mãos e a raiva como alvo, seguiremos lutando pela libertação da terra sem se importar com as fronteiras. Queimando e sabotando sua indústria extrativista, suas enormes máquinas e seus fiéis capangas. ---- Por todos que não estão que caíram ao calor de uma barricada defendendo a terra em toda Abua Yala, por Claudia Lopez assassinada pelos policiais em uma barricada em 98, por Matias Catrileo mapuche assassinado pelos policiais após a recuperação de um fundo em 2008, por Salvador "Chavita" Olmos García jovem anarcopunk de Oaxaca assassinado pela polícia em 2016 nas revoltas ocorridas esse ano nesse território, por Macarena Valdes assassinada de forma a parecer suicídio após lutar contra uma hidrelétrica em seu território em 2016 e por todos que resistem e combatem este sistema extrativista que destrói a terra ao longo de todo o mundo. Santiago tua memória segue viva em nós e não há melhor homenagem que seguir lutando.
...



(pt) [Indonésia] Atualização sobre prisioneiros anti-autoritários envolvidos em vandalismo (Tangerang e Bekasi) By A.N.A.
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Aug 05 06:02:51 GMT 2020

Sábado, 25 de julho de 2020; relatório elaborado pela Federação Anti-Autoritária (FedAO). ---- Três detentos anti-autoritários de Tangerang e Bekasi estão atualmente sob julgamento. Eles foram presos em 9 de abril de 2020 por espalharem grafites que diziam "sudah krisis, saatnya membakar" (já existe uma crise, é hora de tocar fogo) e "melawan atau mati konyol" (lutar ou perecer). Eles foram acusados de violar a Lei da República da Indonésia, nº 01, 1946, artigo 14 e / ou artigo 15, e contra o artigo 160 do Código Penal. Em termos leigos, eles são acusados pelo crime de "provocação" para os quais a condenação pode ser de até 10 anos de prisão. ---- No início de sua prisão e detenção, em abril passado, os detentos anti-autoritários sofreram violência e isolamento nas mãos da polícia. Eles foram colocados em isolamento por cerca de um mês no qual a polícia os impediu de se reunir com suas famílias e assistência jurídica. Com o apoio de seus fortes familiares e amigos, os detentos anti-autoritários conseguiram garantir a assistência de advogados públicos da Assistência Jurídica de Jacarta (Lembaga Bantuan Hukum - LBH). No entanto, apesar dessa assistência, a polícia ainda tentou forçar os detentos e suas famílias a mudar sua representação legal do LBH para advogados nomeados pelo departamento de polícia. ...


(pt) Terra e Liberdade! -- A Insurreição dos Povos frente ao Colonialismo e aos Impérios -- Resoluções do VII Congresso da União Popular Anarquista III. (3/3)
a-infos-pt@ainfos.ca
Tue Aug 04 06:20:49 GMT 2020

3.3 A ofensiva genocida, ultraliberal e clerical do governo Bolsonaro ---- Apesar de ser vendido como "outsider" e "antissistema", as bases de sustentação do governo Bolsonaro/Mourão estão totalmente estabelecidas entre os setores da "velha política", quer dizer, os poderosos e exploradores de sempre. A agenda conservadora imposta por esse bloco ultraliberal, teológico e militarista em nome do máximo lucro da burguesia significará o aumento da repressão e o genocídio do nosso povo, a superexploração e a precarização das condições de trabalho e a expropriação dos trabalhadores e povos do campo. ---- O terrorismo de Estado que impõe o genocídio e o controle no campo e na cidade, tende a assumir as feições de uma guerra colonial aberta (contrainsurgência). As forças de repressão devem agir sob as orientações de uma guerra de extermínio contra o povo negro, favelado, camponeses, povos indígenas, quilombolas e comunidade tradicionais.

Na mesma direção, as milicias vem aumentando seu poder de influência sobre os territórios das periferias e avança a institucionalização dos ...



@

Last updated: Fri Aug 07 08:11:57 2020