A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe

Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017

Contribuir para a-infos

A VISÃO de A-INFOS

SUBSCREVA!
Notícias em português

OU


Descubra as Opções OPTIONS
um serviço de notícias multilingue de, para e sobre anarquistas **

Propusemo-nos
ser os escribas do povo.
Do outro lado da história
a história começou.
E terá novos autores....
Esperneia!
Também nós esperneamos


Descubra as Opções disponíveis.
Há diversas listas por idiomas, listas de diferentes projetos e várias formas de entrega.
Dê uma olhada a Mailman a central automática de e-mail de A-Infos...

Na luta por uma sociedade livre, distribuímos notícias e artigos em várias linguas, cobrindo uma vasta área temática.
Que vai desde as lutas laborais, ambientais e anti-imperialistas até ao combate ao racismo, sexismo e homofobia. .

lots of work to do

A-INFOS-ORG

As listas de A-Infos são autogeridas democraticamente por um coletivo organizado internacionalmente. Saiba como participar. Incentivamos especialmente as mulheres, pessoas de lingua não-inglesa e aqueles que vivem fora da Europa e da América do Norte. Veja a lista das nossas atuais diretrizes.

A VISÃO de A-INFOS

O projecto A-Infos é coordenado por um colectivo internacional de activistas revolucionários, anti-autoritários, anti-capitalistas, envolvidos na luta de classes, que entendem como uma luta social total.

São pessoas que se consideram a si próprias anarquistas revolucionários, anarco-comunistas, comunistas libertários e outros que defendem opiniões semelhantes embora usem outros nomes.

A-Infos está organizado por pessoas que assumem o anarquismo como teoria social; que uma revolução é necessária para obtermos uma nova ordem social, sem classes, a qual só poderá ser levada a cabo pela grande maioria dos trabalhadores.

O tipo específico de anarquismo ao qual nos referimos e que promovemos é o anarquismo dos companheiros de Haymarket e dos que foram perseguidos por Carlos Marx durante a Primeira Internacional por criticarem o seu autoritarismo e elitismo, o seu desprezo vanguardista pelas massas assalariadas.

NÃO apoiamos o tipo de anarquismo proposto por alguns pseudo-modernistas e pseudo-"revolucionários" que consideram ser a actividade simbólica substituto das lutas das gentes, do povo; nem o anarquismo de "humanistas" que dão igual ou maior importância a outras tarefas que não à da abolição do sistema capitalista.

O trabalho de A-Infos não está baseado no egoísmo e no egocentrismo, no individualismo, primitivismo, no "capitalismo livre sem estado" ou num estado sem capitalismo livre -- os quais são contra a ordem capitalista vigente mas não oferecem uma nova ordem social de liberdade, de igualdade e de solidariedade.

Não basta que os indivíduos e grupos usem a etiqueta anarquista para que seus textos sejam distribuídos por A-Infos.

Na luta pela sociedade livre, nós distribuímos notícias e artigos em várias línguas, cubrindo um largo espectro de áreas de luta. Isto inclui frentes de trabalho e focos de luta como a batalha contra o racismo, o sexismo e a homofobia.

A-Infos também distribui notícias sobre indígenas anti-colonialistas em luta contra os colonizadores, contra a ocupação e marginalização, assim como também de anti-nacionalistas e de anti-regionalistas separatistas, pois os trabalhadores não têm país, o mundo é um só e NÃO têm exércitos.

A-Infos é uma agência noticiosa especializada, ao serviço do movimento revolucionário de activistas anti-capitalistas envolvidos nos diversos tipos de lutas sociais contra as classes capitalistas e este sistema social.

A-Infos não é um serviço "liberal", aberto, que distribui qualquer coisa que nos seja simpática -- A-Infos não é Indymedia. È o primeiro utensílio de distribuição livre para informar ácerca de colectivos anarquistas (e de outros anti-autoritários revolucionários) que participam na luta.

Os apoiantes e trabalhadores de A-Infos NÃO pensam que são os únicos que decidem quem, no campo do anarquismo social, é um anarquista "real" ou não é. Porém, como os recursos são limitados, temos o direito e a obrigação de escolher (autonomamente) o que distribuímos, o que achamos melhor de entre as várias contribuições e contribuídores.

A liberdade de associação do Colectivo A-Infos está baseada no reconhecimento de que ela não significa nada sem a liberdade de não se associarem, se os trabalhadores e colaboradores assim o entenderem.

A-Infos tem um papel a desempenhar no movimento anarquista mundial. Informação é fortalecimento. A-Infos contribuí para criar um entendimento no movimento internacional. A-Infos é uma extensão das poucas ferramentas organizadoras internacionais do movimento de modo e com a finalidade de lhe ser útil e não um serviço noticioso gratuito para todos.

A-Infos não se limita a ser uma ferramenta interna do movimento. Tal como o FAQ anarquista, também o apresenta ao público em geral e a uma nova geração, tratando de instruí-los sobre os aspectos internacionais do movimento.

A-Infos é uma agência de notícias anarquista autónoma e não é caixa de ressonância de determinado movimento social. Mesmo quando autoproclamados anarquistas (e mesmo que o sejam realmente) estão envolvidos, não existe garantia de que A-Infos distribuirá as suas contribuições. Mesmo que simpatizemos com os movimentos, isso não garante que os artigos sejam colocados.

A-Infos distribui as notícias e as análises que os trabalhadores querem partilhar com a comunidade mundial de activistas anti-autoritários -- principalmente notícias enviadas por colectivos anti-autoritários e relatos àcerca da acção directa na luta social quer por acivistas, quer por outras pessoas que lutam nas suas vidas diárias.

Quem não esteja satisfeito com o serviço que fornecemos, use os serviços de outros ou construa os seus meios próprios.

A-Infos é um instrumento de organização e de informação do movimento -- não é apenas "notícias por, para e ácerca de anarquistas".

Search ainfos with Google.com

we


Últimos títulos:

(pt) France, Alternative Libertaire AL - política, Denunciar os executores não é um crime (en, it, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Sun Jul 23 10:14:28 GMT 2017

Tad e Tro são dois estudantes armênios perseguidos pela justiça francesa por " violência voluntária com premeditação ou emboscada ." Um para jogar suco de romã sobre o Embaixador da Turquia em França em Março de 2015, outro para filmar a cena. Sua ação espetacular foi a denunciar a negação do Estado turco sobre o genocídio armênio e as violações maciças dos direitos humanos por parte de Ancara. Eles precisam do nosso apoio. ---- 102 anos atrás, a Turquia era culpado do genocídio dos armênios. Estes crimes são, até à data, permaneceu impune. Hoje, dois ativistas franceses Armenian justiça exigente, são perseguidos pela justiça francesa. ---- O que eles fizeram para merecer isto ? ---- As acusações contra eles são, por exemplo, lançaram água colorida em vermelho no embaixador turco em março de 2015, para um outro, tendo transmitido a cena em redes sociais . Depois de quarenta e oito ...


(pt) Coletivo Anarquista Luta de Classe - 81 anos da Revolução espanhola: Sabias palavras do companheiro Durruti.
a-infos-pt@ainfos.ca
Sun Jul 23 04:50:40 GMT 2017

"..Nós sempre vivemos na miséria, e nos acomodaremos a ela por algum tempo, mas não esqueça que os trabalhadores são os únicos produtores de riqueza. Somos nós, os operários, que fazemos marchar as máquinas nas indústrias, nós que extraímos o carvão e os minerais das minas, nós que construímos as cidades. Porque não iríamos reconstruir, e ainda em melhores condições, aquilo que foi destruído? A ruína não nos dá medo. Sabemos que não vamos herdar nada mais que ruínas. Porque a burguesia tratará de arruinar o mundo na última fase da sua história. Porém, nós não tememos as ruínas, porque levamos um mundo novo em nossos corações. Esse mundo está crescendo nesse momento" ---- "O que une momentos históricos da resistência humana com o desejo de construir um novo mundo, dos primeiros guerreiros da liberdade na história à Comuna de Paris e ao levante dos Zapatistas às ...


(pt) federacao anarquista gaucha FAG - 2ª edição do Grupo de Estudos Anarquistas Espertirina Martins
a-infos-pt@ainfos.ca
Sun Jul 23 04:50:28 GMT 2017

Nós da FAG em Santa Maria com muita modéstia convidamos toda militância libertária de nossa cidade para a segunda edição do Grupo de Estudos Anarquistas Espertirina Martins. ---- Nós da FAG em Santa Maria com muita modéstia convidamos toda militância libertária de nossa cidade para a segunda edição do Grupo de Estudos Anarquistas Espertirina Martins. ---- Na primeira edição realizada no segundo semestre de 2016 ao longo de 6 encontros abordamos através de textos conhecidos do campo libertário a temática da Organização Politica Anarquista. Que resultou bastante proveitosa e nos colocou o desafio de seguir estudando coletivamente para cada vez mais termos ampliada nossa capacidade teórica na análise do que se vive e para melhor escolhermos o caminho de uma prática política que produza avanços rumo a uma sociedade socialista e libertária. ...


(pt) [Espanha] Atos em comemoração ao 19 de julho em Barcelona By A.N.A. (en)
a-infos-pt@ainfos.ca
Sun Jul 23 04:50:17 GMT 2017

No dia 19 de julho de 1936 aconteceu algo importantíssimo na cidade de Barcelona. O povo, previamente organizado e preparado, enfrentou as tropas franquistas e praticamente sem ajuda e sem armamento adequado conseguiu derrotá-las, originando uma das revoluções de maior impacto na história do movimento obreiro. A cidade de Barcelona passou para as mãos dos trabalhadores. Coletivizaram-se fábricas e oficinas. Indústrias inteiras passaram a ser geridas através de assembleias de trabalhadores. Criaram-se milícias de obreiros que foram combater as tropas franquistas em muitos lugares do Estado, libertando cidades inteiras e convertendo-as em coletividades agrárias. Em alguns lugares foi completamente abolido o governo, o dinheiro e a propriedade privada, declarando-se o comunismo libertário. E tudo começou nos nossos próprios bairros. ...


(pt) [Curdistão] Revolução de Rojava - Agora Demhat também se converteu em uma luz de vela By A.N.A. (ca, de, en, fr, it)
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Jul 22 04:55:55 GMT 2017

Na Revolução de Rojava, que se ilumina no caminho dos mártires, também Demhat[Robert Grodt]se converteu em uma luz de vela... Seus bonitos olhos e rosto sempre brilhavam, refletindo o amor humano que acumulava em seu coração. ---- A Revolução de Rojava, que se ilumina com a luz dos caminhos de seus mártires, está guardando em seus braços a luz do mártir Demhat. ---- Britânicos, americanos, estônicos, gregos, italianos, suíços... Todos se converteram em flores que nunca murcharão em meio ao lago de sangue derramado em Rojava. Cada um dos lutadores internacionalistas com quem falei disse: "Vim aqui pelo bem, pela humanidade, é minha tarefa contribuir com a revolução e apoiar o povo curdo". ---- Ontem, enquanto passava pela linha de frente, conheci Roza, uma boa amiga do mártir Demhat. Ela me perguntou: "Você está me escondendo alguma coisa. Quer me dizer algo?". Mas ...


(pt) CALC - CAB, PUBLICAÇÕES: A GREVE GERAL CONTRA AS REFORMAS PASSA POR ROMPER COM A BUROCRACIA E O REBOQUISMO DAS CENTRAIS.
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Jul 21 06:16:42 GMT 2017

Na última semana, o Congresso aprovou a Reforma Trabalhista e o povo sofreu mais um duro ataque aos seus direitos, conquistados através de muita luta e organização popular. O conflito está anunciado e os donos do poder querem que suas agendas e as do FMI avancem a qualquer custo. Contribuindo para desviar os focos de golpes como a aprovação da MP da Grilagem e dos ataques aos direitos trabalhistas, outro fato toma a cena quando Sergio Moro anuncia a condenação de Lula, em primeira instância, a 9 anos e meio de prisão. E, mesmo diante de recuos sociais cada vez maiores, em uma conjuntura tão grave, as centrais sindicais imediatamente convocaram atos em apoio a Lula, preocupando-se unicamente com as agendas eleitorais e abandonando - fator já demonstrado na última paralisação do dia 30 de junho - as pautas contra as reformas e a Greve Geral. ...


(pt) federacao anarquista gaucha FAG: Viva o centenário da épica Greve Geral de 1917!
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Jul 20 05:58:40 GMT 2017

Há 100 anos, em todo o Brasil, a nascente classe operária promoveria uma de suas maiores experiências históricas de luta e resistência com a greve geral que agitou e parou completamente diversas cidades em todo país, em especial aquelas com presença importante da indústria. A greve geral de 1917 foi a expressão de uma longa e persistente jornada que levaram inúmeros trabalhadores para organizar a nascente classe operária brasileira ainda no decorrer de meados do século XIX. ---- Enfrentando diversas perseguições, prisões e demissões, os trabalhadores foram construindo uma forte organização, a Confederação Operária Brasileira e suas respectivas Federações Operárias estaduais. Essa organização foi responsável por promover inúmeras greves e atos de sabotagem contra as patronais herdeiras do escravismo, que edificavam sua riqueza no sangue e suor de jornadas ...


(pt) [Canadá] Kingston, Ontário: Marcha Contra o Dia do Canadá By A.N.A. (en)
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Jul 19 05:23:55 GMT 2017

Nos últimos anos, anarquistas, povos indígenas e ativistas anti-coloniais em Kingston tem se colocado contra o particularmente forte espírito nacionalista canadense que existe aqui, largamente promovido pela cidade e entusiastas da herança local. Muito desta resposta se focou na celebração de John A. MacDonald, ultra-racista canadense, primeiro Primeiro-Ministro colonizador. O Dia do Canadá também viu um pouco de atividade anti-Canadá nos anos recentes - dois anos atrás, um banner foi esticado sobre a parada, e no último ano um pequeno grupo de pessoas queimou uma bandeira canadense enquanto a parada passava. ---- Este ano, com patriotas celebrando o "150 aniversário" do Canadá e muito trabalho de base em anos de atividades anti-Canadá, alguns de nós decidiram tentar fazer uma marcha de rua sobre a marcha principal para encontrar e confrontar a Red and White ...


(pt) ucl-saguenay: Nossos dois tostões sobre anti-fascismo por Collectif Emma Goldman (en, it, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Jul 19 05:23:28 GMT 2017

"Anti-fascismo triunfará se continuar a pendurar na esteira da democracia burguesa. Desafiamos fórmulas "Anti". Eles ainda são insuficientes, porque puramente negativa. Podemos derrotar um oponente, em princípio, um outro princípio, um princípio superior (Guérin, Daniel. 1945)." ---- Em um relatório escrito à organização de Londres Chatham House, Mathew Goodwin identifica seis possíveis formas de reagir aos partidos e grupos de direita populistas ou fascista: excluir neutralizar sua mensagem, adotar alguma medida a sua retórica e suas políticas, confrontar princípios, vire mais para as pessoas de base e fazer trabalho de proximidade, e incentivar o diálogo entre os vários grupos em um nível intercultural (1). ---- O papel dos meios de comunicação ---- Os jornalistas estão sempre à procura de algo fora do comum. O surgimento de grupos como o pacote, os soldados de ...


(pt) A grande greve de 1917: Levante anarquista By A.N.A.
a-infos-pt@ainfos.ca
Tue Jul 18 07:09:55 GMT 2017

Há 100 anos, imigrantes encabeçavam um dos maiores levantes de trabalhadores da história do país ---- Por Márcio Sampaio de Castro ---- Na virada do século 20, o Brasil havia se tornado o novo lar de cerca de 1 milhão de italianos. Fugindo de uma severa crise econômica no país natal, a grande maioria chegava para tentar a sorte nas fazendas do interior paulista ou nas fábricas de São Paulo. Alguns, entretanto, atravessavam o oceano Atlântico com uma outra missão: difundir o anarquismo. Enquanto seus conterrâneos sonhavam em enriquecer, os imigrantes anarquistas queriam mesmo era derrubar o capitalismo. Como sabemos hoje, eles não conseguiram. Mas deixaram aos trabalhadores brasileiros uma lição importantíssima: sem organização e luta, ninguém conquista seus direitos.
...



@

Last updated: Sun Jul 23 12:14:31 2017