A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe

Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009

Contribuir para a-infos

A VISÃO de A-INFOS

SUBSCREVA!
Notícias em português

OU


Descubra as Opções OPTIONS
um serviço de notícias multilingue de, para e sobre anarquistas **

Propusemo-nos
ser os escribas do povo.
Do outro lado da história
a história começou.
E terá novos autores....
Esperneia!
Também nós esperneamos


Descubra as Opções disponíveis.
Há diversas listas por idiomas, listas de diferentes projetos e várias formas de entrega.
Dê uma olhada a Mailman a central automática de e-mail de A-Infos...

Na luta por uma sociedade livre, distribuímos notícias e artigos em várias linguas, cobrindo uma vasta área temática.
Que vai desde as lutas laborais, ambientais e anti-imperialistas até ao combate ao racismo, sexismo e homofobia. .

lots of work to do

A-INFOS-ORG

As listas de A-Infos são autogeridas democraticamente por um coletivo organizado internacionalmente. Saiba como participar. Incentivamos especialmente as mulheres, pessoas de lingua não-inglesa e aqueles que vivem fora da Europa e da América do Norte. Veja a lista das nossas atuais diretrizes.

A VISÃO de A-INFOS

O projecto A-Infos é coordenado por um colectivo internacional de activistas revolucionários, anti-autoritários, anti-capitalistas, envolvidos na luta de classes, que entendem como uma luta social total.

São pessoas que se consideram a si próprias anarquistas revolucionários, anarco-comunistas, comunistas libertários e outros que defendem opiniões semelhantes embora usem outros nomes.

A-Infos está organizado por pessoas que assumem o anarquismo como teoria social; que uma revolução é necessária para obtermos uma nova ordem social, sem classes, a qual só poderá ser levada a cabo pela grande maioria dos trabalhadores.

O tipo específico de anarquismo ao qual nos referimos e que promovemos é o anarquismo dos companheiros de Haymarket e dos que foram perseguidos por Carlos Marx durante a Primeira Internacional por criticarem o seu autoritarismo e elitismo, o seu desprezo vanguardista pelas massas assalariadas.

NÃO apoiamos o tipo de anarquismo proposto por alguns pseudo-modernistas e pseudo-"revolucionários" que consideram ser a actividade simbólica substituto das lutas das gentes, do povo; nem o anarquismo de "humanistas" que dão igual ou maior importância a outras tarefas que não à da abolição do sistema capitalista.

O trabalho de A-Infos não está baseado no egoísmo e no egocentrismo, no individualismo, primitivismo, no "capitalismo livre sem estado" ou num estado sem capitalismo livre -- os quais são contra a ordem capitalista vigente mas não oferecem uma nova ordem social de liberdade, de igualdade e de solidariedade.

Não basta que os indivíduos e grupos usem a etiqueta anarquista para que seus textos sejam distribuídos por A-Infos.

Na luta pela sociedade livre, nós distribuímos notícias e artigos em várias línguas, cubrindo um largo espectro de áreas de luta. Isto inclui frentes de trabalho e focos de luta como a batalha contra o racismo, o sexismo e a homofobia.

A-Infos também distribui notícias sobre indígenas anti-colonialistas em luta contra os colonizadores, contra a ocupação e marginalização, assim como também de anti-nacionalistas e de anti-regionalistas separatistas, pois os trabalhadores não têm país, o mundo é um só e NÃO têm exércitos.

A-Infos é uma agência noticiosa especializada, ao serviço do movimento revolucionário de activistas anti-capitalistas envolvidos nos diversos tipos de lutas sociais contra as classes capitalistas e este sistema social.

A-Infos não é um serviço "liberal", aberto, que distribui qualquer coisa que nos seja simpática -- A-Infos não é Indymedia. È o primeiro utensílio de distribuição livre para informar ácerca de colectivos anarquistas (e de outros anti-autoritários revolucionários) que participam na luta.

Os apoiantes e trabalhadores de A-Infos NÃO pensam que são os únicos que decidem quem, no campo do anarquismo social, é um anarquista "real" ou não é. Porém, como os recursos são limitados, temos o direito e a obrigação de escolher (autonomamente) o que distribuímos, o que achamos melhor de entre as várias contribuições e contribuídores.

A liberdade de associação do Colectivo A-Infos está baseada no reconhecimento de que ela não significa nada sem a liberdade de não se associarem, se os trabalhadores e colaboradores assim o entenderem.

A-Infos tem um papel a desempenhar no movimento anarquista mundial. Informação é fortalecimento. A-Infos contribuí para criar um entendimento no movimento internacional. A-Infos é uma extensão das poucas ferramentas organizadoras internacionais do movimento de modo e com a finalidade de lhe ser útil e não um serviço noticioso gratuito para todos.

A-Infos não se limita a ser uma ferramenta interna do movimento. Tal como o FAQ anarquista, também o apresenta ao público em geral e a uma nova geração, tratando de instruí-los sobre os aspectos internacionais do movimento.

A-Infos é uma agência de notícias anarquista autónoma e não é caixa de ressonância de determinado movimento social. Mesmo quando autoproclamados anarquistas (e mesmo que o sejam realmente) estão envolvidos, não existe garantia de que A-Infos distribuirá as suas contribuições. Mesmo que simpatizemos com os movimentos, isso não garante que os artigos sejam colocados.

A-Infos distribui as notícias e as análises que os trabalhadores querem partilhar com a comunidade mundial de activistas anti-autoritários -- principalmente notícias enviadas por colectivos anti-autoritários e relatos àcerca da acção directa na luta social quer por acivistas, quer por outras pessoas que lutam nas suas vidas diárias.

Quem não esteja satisfeito com o serviço que fornecemos, use os serviços de outros ou construa os seus meios próprios.

A-Infos é um instrumento de organização e de informação do movimento -- não é apenas "notícias por, para e ácerca de anarquistas".

Search ainfos with Google.com

we


Últimos títulos:

(pt) France, Coordenação de Grupos Anarquistas - Communiqué de solidarité CGA avec le processus révolutionnaire au Rojava (en, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 12:02:15 GMT 2014

Depuis plus de deux ans, le Rojava (Kurdistan syrien), est engagé dans un processus révolutionnaire spécifique. Resté longtemps à l'écart de celui proposé en Syrie car considéré comme trop marqué par l'idéologie panarabe et nationaliste, puis confronté à une contre-révolution interne fasciste et religieux takfiri, le Rojava développe ses propres institutions sociales, chasse les troupes du régime de Bachar, et affronte les forces politico-religieuses ou nationalistes arabes qui tentent de liquider cette dynamique autonomiste. ---- Fascistes de l'EI, bas les pattes du Rojava ! Solidarité avec le processus révolutionnaire kurde! ---- Depuis plus de deux ans, le Rojava (Kurdistan syrien), est engagé dans un processus révolutionnaire spécifique. Resté longtemps à l'écart de celui proposé en Syrie car considéré comme trop marqué par l'idéologie panarabe ...


(pt) France, Organisation Communiste Libertarie (OCL) - Courant Alternatif #243 - Líbia, uma empresa à beira da quebra (en, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 11:12:36 GMT 2014

Como entender o que está acontecendo na Líbia? A multiplicidade de interesses e influências internas e externas cria confusão que coloca o país a ferro e fogo. O fim da ditadura ofereceu a oportunidade de construir uma sociedade livre e igualitária. A revolta da população em fevereiro de 2011 teria sido uma situação revolucionária que está se transformou em ameaça de volta de uma ditadura militar ou islâmico. ---- A situação política na Líbia é kafkiano. O menor revolta popular na história-10 dias, para o dia, 27 de fevereiro de 2011-du17 veio o Conselho Nacional de Auto-proclamado Transição. Ele será apoiado pelas forças da coligação ocidental liderada pela França. De 17 de Março, o Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu sobre a criação de uma zona de exclusão no céu da Líbia (resolução 1973). Além disso, autoriza "todas as medidas necessárias", que ...


(pt) Coletivo Anarquista Bandeira Negra CABN - [Joinville] Campanha Protesto Não é Crime! 20/10/2014 (en)
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 11:11:56 GMT 2014

O Brasil e os movimentos sociais do País foram marcados pelas jornadas de junho de 2013. As reduções das tarifas do transporte coletivo em diversos municípios e os avanços no debate sobre mobilidade urbana foram notáveis e reconhecidos mundialmente. No entanto, também como resultado das mobilizações, muitos militantes dos movimentos sociais brasileiros estão pagando um preço alto por não desistirem de lutar por um mundo melhor. Prisões políticas e processos sem sentido se tornaram comuns. E não apenas no eixo Rio-São Paulo. Em Joinville, somente do ano passado para cá, cinco militantes respondem a 21 processos judiciais. ---- Por aqui, a onda de criminalização recente começou em 14 de agosto do ano passado. Na data, movimentos sociais como a Frente de Luta pelo Transporte e o MPL (Movimento Passe Livre) protestaram numa reunião do Conselho da Cidade, na Sociedade ...


(pt) France, Alternative Libertaire AL - Internacional, "Barcelona, Varsóvia, Stalingrado, Kobanê" (en, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 11:10:41 GMT 2014

Ensaio fotográfico por Cuervo (AL 95) manifestação de apoio da esquerda curda 18 de outubro de 2014, em Paris, eo texto das organizações libertárias fala. ---- Cerca de 3.000 pessoas marcharam da Bastilha à Nação em 18 de outubro, em apoio à cidade de Kobanê, que sempre resiste jihadistas. ---- Além das organizações do movimento PKK curdo Esquerda e PYD, a presença francesa era muito mais consistente do que nas semanas anteriores: Frente de Esquerda, NPA, mas também um forte procissão libertário com AL, FA, CGA e OCL CNT-SO. ---- No final do evento, Place de la Nation, um camarada foi lido para a multidão. Já manifestou também o PCF, MSF, os Verdes, o NPA, um representante do Conselho da Europa e um companheiro de organização cabila.
...



(pt) Coletivo Quebrando Muros - A Fagulha Ano 4 #8 - EBSERH -- SAÚDE NÃO É MERCADORIA!
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 11:09:51 GMT 2014

O dia 28 de agosto de 2014 marcou a história da Universidade ---- Federal do Paraná com sangue, truculência policial e golpe da classe dominante. Neste dia aconteceu uma reunião do COUN (Conselho Universitário), na Reitoria da UFPR, cuja pauta principal era a privatização ou não do Hospital de Clínicas de Curitiba - a partir da EBSERH. Foi um dos dias mais violentos da história da Universidade Federal do Paraná: estavam presentes estudantes, servidores-técnicos, conselheiros e um enorme contingente da Policia Militar e Federal fortemente armado com intuito de garantir a entrada de todos conselheiros no prédio da reitoria e assim a aprovar a "venda" do maior hospital público do Paraná para os convênios privados. ---- A EBSERH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) é um projeto de privatização do Hospital das Clínicas. Ela cria uma empresa estatal de direito ...


(pt) Collectif Alternative Libertaire Bruxelles - "Dando a volta às idéias e práticas anarquistas visibilidade" (en, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 11:09:24 GMT 2014

Fundada em Bruxelas março 2013 Coletivo Libertário Alternativa Bruxelas é uma das mais recentes organizações revolucionárias na Bélgica. Organização Comunista Libertária, seus membros estão presentes ainda nas lutas sociais por vários anos. Para o blog LA Bruxelas entrevistamos um dos ativistas na base da criação do coletivo. Para nós, é até o lançamento de uma tal organização, marcando os momentos da história de projetos coletivos e futuros. ---- Por que lançar um libertário Alternativa coletiva? ---- Primeiro, deixe-me dizer que esta é uma experiência coletiva, uma reunião entre ativistas e libertários anarco-sindicalistas. Lutamos com onde estamos, como sindicalistas, trabalhadores, artistas, estudantes, mulheres, desempregados, artistas, inseguro, etc tanto contra o capitalismo, a exploração ea destruição de conquistas sociais, bem como sindicalistas ...


(pt) Nota de repúdio à difamação política by Coordenação Anarquista Brasileira (en)
a-infos-pt@ainfos.ca
Sat Oct 25 10:28:26 GMT 2014

A Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) vem a público emitir uma nota de repúdio às difamações que vem sofrendo durante este período eleitoral por parte de determinados setores e, recentemente, de um coletivo de mídia alternativa. Estes vêm insinuando de maneira covarde ou afirmando categoricamente que membros da nossa corrente (especifista) vêm apoiando o voto crítico no governo Dilma, com o claro intuito de atacar nossa Coordenação. ---- A posição da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), que reúne 9 organizações anarquistas dessa corrente, espalhadas em diversas regiões do país, sempre foi clara nesse sentido: “Ou se vota nos de cima. Ou se luta com os de baixo”, ou seja, a defesa do voto nulo e a abstenção eleitoral. Além da análise conjuntural realizada, em que avaliávamos as especificidades das duas propostas de gerência do capitalismo brasileiro, ...


(pt) Coletivo Anarquista Bandeira Negra - [Joinville] Debate "Criminalização dos movimentos sociais" - com Eloísa Samy
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Oct 24 06:43:10 GMT 2014

Na terça (21), Eloisa Samy, advogada que foi presa e pediu asilo político ao Uruguai em julho, falará sobre a experiência traumática e o cenário de criminalização no Rio de Janeiro. A ativista foi acusada de formação de quadrilha, detida na véspera da final da Copa do Mundo, e solta após a assinatura de um habeas corpus pelo juiz Siro Darlan. O mesmo recurso libertou na época mais 22 pessoas detidas arbitrariamente. ---- Também participam do debate a Cynthia Pinto da Luz, assessora jurídica do CDH e presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem de Advogados do Brasil) em Joinville, e militantes do Movimento Passe Livre de Joinville e do Coletivo Pinte e Lute. ---- O debate acontece na terça-feira (21), às 19h15 no IELUSC, que fica na Rua Princesa Izabel 438, Centro. Confira o evento no facebook. ...


(pt) Coletivo Quebrando Muros - A Fagulha Ano 4 #8 - Não há Socialismo sem Feminismo -- Por um feminismo classista e libertário!
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Oct 24 06:41:49 GMT 2014

À medida que mais e mais mulheres adquiriram prestígio, fama ou dinheiro a partir de textos feministas ou de ganhos com o movimento feminista por igualdade no mercado de trabalho, o oportunismo individual prejudicou os apelos à luta coletiva. ---- -bell hooks ---- Dentro da esquerda e dos movimentos de luta pela libertação da classe trabalhadora, existem diversas polêmicas sobre o movimento feminista e a organização de mulheres* dentro dos grupos para tratar das questões de gênero. A luta de libertação das mulheres tem sido tratada, historicamente, como um objetivo secundário dentro dos movimentos sociais, por ser uma questão que não parece claramente ligada ao sistema de exploração capitalista e a luta de classes. O feminismo não é visto, até hoje, como importante ou fundamental para a luta anticapitalista. ...


(pt) France, Alternative Libertaire AL - Sindicalismo, Ensino Superior: Um para trás ou de branco? (en, fr) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Oct 24 06:41:18 GMT 2014

Quando você quiser ganhar uma luta, você tem que decidir romper com o "apolítico", que normalmente é marinado em conformidade mais morna. Este é o desafio atual na mobilização de Ensino Superior e Investigação contra a reestruturação, a insegurança e sofrimento no trabalho. ---- Em junho, o Comitê Nacional de CNRS [1] apelou denunciando as escolhas políticas do governo e propor um orçamento alternativo. O Inter apoiou a iniciativa, mas lutou até o momento para construir uma mobilização real. Uma janela aberta neste verão com o pulso das Ciências coletivos diante. ---- Primeiro comitê Montpellier chamado para a organização de mercados convergentes em Paris em 17 de Outubro, cerca de três slogans: ---- a criação de postos estatutários; ---- financiamento recorrente (ou seja, que não depende de apresentação de propostas) laboratórios e FACS; ---- doutorado em ...


@

Last updated: Sat Oct 25 14:02:17 2014