A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe

Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

Contribuir para a-infos

A VISÃO de A-INFOS

SUBSCREVA!
Notícias em português

OU


Descubra as Opções OPTIONS
um serviço de notícias multilingue de, para e sobre anarquistas **

Propusemo-nos
ser os escribas do povo.
Do outro lado da história
a história começou.
E terá novos autores....
Esperneia!
Também nós esperneamos


Descubra as Opções disponíveis.
Há diversas listas por idiomas, listas de diferentes projetos e várias formas de entrega.
Dê uma olhada a Mailman a central automática de e-mail de A-Infos...

Na luta por uma sociedade livre, distribuímos notícias e artigos em várias linguas, cobrindo uma vasta área temática.
Que vai desde as lutas laborais, ambientais e anti-imperialistas até ao combate ao racismo, sexismo e homofobia. .

lots of work to do

A-INFOS-ORG

As listas de A-Infos são autogeridas democraticamente por um coletivo organizado internacionalmente. Saiba como participar. Incentivamos especialmente as mulheres, pessoas de lingua não-inglesa e aqueles que vivem fora da Europa e da América do Norte. Veja a lista das nossas atuais diretrizes.

A VISÃO de A-INFOS

O projecto A-Infos é coordenado por um colectivo internacional de activistas revolucionários, anti-autoritários, anti-capitalistas, envolvidos na luta de classes, que entendem como uma luta social total.

São pessoas que se consideram a si próprias anarquistas revolucionários, anarco-comunistas, comunistas libertários e outros que defendem opiniões semelhantes embora usem outros nomes.

A-Infos está organizado por pessoas que assumem o anarquismo como teoria social; que uma revolução é necessária para obtermos uma nova ordem social, sem classes, a qual só poderá ser levada a cabo pela grande maioria dos trabalhadores.

O tipo específico de anarquismo ao qual nos referimos e que promovemos é o anarquismo dos companheiros de Haymarket e dos que foram perseguidos por Carlos Marx durante a Primeira Internacional por criticarem o seu autoritarismo e elitismo, o seu desprezo vanguardista pelas massas assalariadas.

NÃO apoiamos o tipo de anarquismo proposto por alguns pseudo-modernistas e pseudo-"revolucionários" que consideram ser a actividade simbólica substituto das lutas das gentes, do povo; nem o anarquismo de "humanistas" que dão igual ou maior importância a outras tarefas que não à da abolição do sistema capitalista.

O trabalho de A-Infos não está baseado no egoísmo e no egocentrismo, no individualismo, primitivismo, no "capitalismo livre sem estado" ou num estado sem capitalismo livre -- os quais são contra a ordem capitalista vigente mas não oferecem uma nova ordem social de liberdade, de igualdade e de solidariedade.

Não basta que os indivíduos e grupos usem a etiqueta anarquista para que seus textos sejam distribuídos por A-Infos.

Na luta pela sociedade livre, nós distribuímos notícias e artigos em várias línguas, cubrindo um largo espectro de áreas de luta. Isto inclui frentes de trabalho e focos de luta como a batalha contra o racismo, o sexismo e a homofobia.

A-Infos também distribui notícias sobre indígenas anti-colonialistas em luta contra os colonizadores, contra a ocupação e marginalização, assim como também de anti-nacionalistas e de anti-regionalistas separatistas, pois os trabalhadores não têm país, o mundo é um só e NÃO têm exércitos.

A-Infos é uma agência noticiosa especializada, ao serviço do movimento revolucionário de activistas anti-capitalistas envolvidos nos diversos tipos de lutas sociais contra as classes capitalistas e este sistema social.

A-Infos não é um serviço "liberal", aberto, que distribui qualquer coisa que nos seja simpática -- A-Infos não é Indymedia. È o primeiro utensílio de distribuição livre para informar ácerca de colectivos anarquistas (e de outros anti-autoritários revolucionários) que participam na luta.

Os apoiantes e trabalhadores de A-Infos NÃO pensam que são os únicos que decidem quem, no campo do anarquismo social, é um anarquista "real" ou não é. Porém, como os recursos são limitados, temos o direito e a obrigação de escolher (autonomamente) o que distribuímos, o que achamos melhor de entre as várias contribuições e contribuídores.

A liberdade de associação do Colectivo A-Infos está baseada no reconhecimento de que ela não significa nada sem a liberdade de não se associarem, se os trabalhadores e colaboradores assim o entenderem.

A-Infos tem um papel a desempenhar no movimento anarquista mundial. Informação é fortalecimento. A-Infos contribuí para criar um entendimento no movimento internacional. A-Infos é uma extensão das poucas ferramentas organizadoras internacionais do movimento de modo e com a finalidade de lhe ser útil e não um serviço noticioso gratuito para todos.

A-Infos não se limita a ser uma ferramenta interna do movimento. Tal como o FAQ anarquista, também o apresenta ao público em geral e a uma nova geração, tratando de instruí-los sobre os aspectos internacionais do movimento.

A-Infos é uma agência de notícias anarquista autónoma e não é caixa de ressonância de determinado movimento social. Mesmo quando autoproclamados anarquistas (e mesmo que o sejam realmente) estão envolvidos, não existe garantia de que A-Infos distribuirá as suas contribuições. Mesmo que simpatizemos com os movimentos, isso não garante que os artigos sejam colocados.

A-Infos distribui as notícias e as análises que os trabalhadores querem partilhar com a comunidade mundial de activistas anti-autoritários -- principalmente notícias enviadas por colectivos anti-autoritários e relatos àcerca da acção directa na luta social quer por acivistas, quer por outras pessoas que lutam nas suas vidas diárias.

Quem não esteja satisfeito com o serviço que fornecemos, use os serviços de outros ou construa os seus meios próprios.

A-Infos é um instrumento de organização e de informação do movimento -- não é apenas "notícias por, para e ácerca de anarquistas".

Search ainfos with Google.com

we


Últimos títulos:

(pt) Canada, Collectif Emma Goldman - [Turquia] Duas fábricas queimadas em apoio ao povo do Curdistão (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Jan 24 07:06:22 GMT 2020

As unidades de vingança Sehit Sorxwin Roboskî e Sehit Soro Amed atacaram e destruíram por fogo duas fábricas que forneciam ao exército turco roupas e equipamentos para veículos militares. A ação, realizada em 11 de janeiro, ocorreu na zona industrial PIK Dökümcüler, localizada no distrito de Basaksehir, em Istambul. 8 microônibus da empresa e vários veículos do exército turco também foram queimados. ---- Em seu comunicado, os dois grupos disseram que suas ações visavam essas fábricas, uma vez que fornecem equipamentos ao exército de ocupação turco em sua guerra contra o povo do Curdistão. Todas as fábricas que produzem e / ou fornecem recursos econômicos para os militares turcos serão alvo de futuros ataques. Essas ações fazem parte da luta contra o ocupante turco que oprime o povo curdo. Lembre-se de que, em 5 de janeiro, o grupo hehit Sorxwin Roboskî destruiu um armazém no distrito de Güngören e realizou uma ação de sabotagem cinco dias depois em uma fábrica em Basaksehir.

...



(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #301 - digital, Libertários da liberdade: a UCL apreende problemas digitais (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Jan 24 07:06:06 GMT 2020

Durante sua coordenação federal em outubro de 2019, a União Comunista Libertária votou um texto afirmando claramente seu compromisso com o software livre e as liberdades dos usuários da Internet. Pouco retorno sobre um destaque. ---- No congresso fundador da União Comunista Libertária (junho de 2019), ativando a fusão do Libertaire Alternativo e a Coordenação de grupos anarquistas, não foram discutidas questões relacionadas às liberdades digitais ; o programa já está bastante ocupado e tivemos que fazer escolhas. Mas para os bibliotecários das duas ex-organizações, era essencial propor rapidamente uma grade de leitura sobre essas questões. ---- Uma votação histórica para os bibliotecários da UCL ---- Sábado 19 e domingo 20 de outubro de 2019, primeira coordenação federal da UCL. O grupo de trabalho de UCL Librism apresentou dois textos. O primeiro texto visa transformar o grupo de trabalho (GT) em um comitê de intervenção (CI). Embora um GT não tenha peso concreto na tomada de decisões da organização e apenas sugira linhas de pensamento, um IC desenvolve e transmite a voz da organização sobre o tema específico a ele e participa ativamente do secretariado federal. O segundo texto retoma os dois textos libristos votados pelo ex-AL, apresenta uma síntese e, acima de tudo, propõe novas resoluções, a fim de ir além sem perder tempo. ...


(pt) Canada, ucl-saguenay, Collectif Emma Goldman - Índia: Partidos políticos, sindicatos e suas alianças na construção de freios e contrapesos (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Jan 24 07:05:47 GMT 2020

Em Bhopal, Índia, em 8 de janeiro. ---- Durante as manifestações em massa da greve geral na Índia, em 8 de janeiro, nossos camaradas da organização anarco-sindicalista Muktivadi Ekta Morcha ( Frente Libertária de Solidariedade ), da cidade de Bhopal, participaram dos eventos enquanto traziam um ponto de vista. crítica do movimento popular. Eles disseram: " greves gerais como estas[na Índia]são, em grande parte, frentes eleitorais políticas em detrimento das reais demandas dos trabalhadores. A maioria, se não todos, os sindicatos afiliados aos partidos de "esquerda" tratavam seus trabalhadores como crianças nesses protestos, controlando-os mais severamente do que no local de trabalho. Existem menos sindicatos independentes autoritários, mas quase nenhuma organização de trabalhadores verdadeiramente democrática ". No texto abaixo, um ativista sindical da Índia analisa os limites e enganos desse modelo de ação política sindical, em que os sindicatos procuram se aliar aos partidos políticos em busca de feedback. Uma vez no poder, esses "partidos operários" entregam suas jaquetas e são os líderes desses sindicatos que se aproveitam de novas condições. Para o autor, o poder estatal aparece, em última análise, como uma armadilha para o movimento dos trabalhadores e uma alternativa baseada no desenvolvimento pela base de contra-poderes deve ser construída. ...


(pt) Chile, "Eu assumo esse confinamento como prisão política" de um colega prisioneiro anarquista da revolta (en, ca, it) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Fri Jan 24 07:05:31 GMT 2020

Ao analisar qualquer extremidade da prisão, é preciso primeiro estabelecer, ou melhor, tornar visível sua história e seu propósito. Nós somos os que estão no lixão desta sociedade, outro instrumento de opressão através da lei para perpetuar o privilégio da sociedade de classes, feita pelo poder em sua imagem e semelhança, a bengala seria como todas as coisas ruins no sistema rígido entre paredes de cimento. ---- A própria existência da cana é política, equipamento que faz com que o maquinário da morte do Estado seja dirigido, controle social, intimidação, isolamento, contra quem quer que seja, é necessariamente exaltar os valores triunfantes da burguesia, competição, submissão, exploração, assédio individualismo burguês, violência; Tudo isso reflete sua pior face neste lugar.

Aqui os filhos da violência, da pobreza e da ignorância são criados, uma escola de medo que mantém os lucrativos negócios penitenciários, sendo um produto da dominação nunca terá um fim de reforma, que proclama com a voz de um prisioneiro doente de raiva . Nada de bom pode ser ...



(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #301 - Justiça: Assis tribunais sem júri popular (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Jan 23 05:40:19 GMT 2020

Atualmente, sete departamentos estão experimentando a abolição de júris sorteados em julgamentos criminais. Esse legado de 1793 foi, no entanto, um dos únicos elementos da justiça popular no sistema francês. ---- Em 5 de setembro de 2019, uma nova máquina judicial começou silenciosamente: o "Tribunal Penal", um novo tipo de tribunal destinado a julgar determinados crimes, sem júri popular. ---- Uma instituição revolucionária ---- No final do Antigo Regime, a justiça criminal era considerada pelos intelectuais do Iluminismo como uma das ferramentas a serviço do absolutismo. Em 1792, uma lei estabeleceu tribunais de justiça criminal, nos quais, em princípio, um júri. Mas não apenas ninguém: os cidadãos devem ser eleitores no segundo grau. Um jurado é um homem de vinte e cinco anos (então trinta anos), capaz de pagar um imposto substancial. Cerca de 10 a 20 % dos homens são capazes de pagar esse imposto. Os revolucionários de 1793 mudarão o jogo removendo a condição de renda, mas fortalecendo o controle político: é necessário aderir aos ideais revolucionários. O estabelecimento dos regimes que se seguirão ao episódio democrático de 1793 restabelecerá a condição de renda: Diretório, Império, Restauração e assim por diante.
...



(pt) cgt catalunya: Juntos, vamos para a ofensiva (en, ca, it) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Jan 23 05:39:24 GMT 2020

Durante anos, as trabalhadoras ganham menos a cada dia , com contratos mais curtos e mais inseguros que pioram nossa vida. Muitos de nós acham cada vez mais difícil chegar ao final do mês devido ao aumento de alimentos, moradia, transporte, taxas universitárias, conta de luz, água, etc. O capitalismo está se tornando mais agressivo a cada dia: a riqueza é acumulada por poucos, enquanto a maioria nos condena à precariedade. ---- Além disso, vivemos sob um estado que está se tornando mais autoritário - lei da mordaça, reformas trabalhistas, lei dos estrangeiros, 135, 155, repressão aos movimentos políticos ... - que esmaga multas e condenações por aqueles que levantam a questão. veja em face da injustiça.
Por tudo isso, é muito importante que articulemos uma resposta defensiva a essas agressões em nossos locais de trabalho, pois é aqui que sofremos diretamente com a exploração. Porque sabemos que a luta pela democracia não pode ser parada à porta dos locais de trabalho, colocamos na mesa a necessidade de o sindicalismo combativo se unir , para ser uma ferramenta útil na defesa dos trabalhadores.
...



(pt) France, Union Communiste Libertaire - Comunicado de imprensa da UCL: Tenha cuidado, em 19 de janeiro, reatores de zumbis varrem Paris (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Thu Jan 23 05:39:02 GMT 2020

Outra manifestação dos reacionários para legitimar seu ódio por aqueles que não correspondem ao seu padrão estreito. A UCL apóia iniciativas contra esse encontro e apela à vigilância de todos. ---- Domingo, 19 de janeiro, o infame " Manif pour tous " reitera seu apelo a manifestar-se contra o suposto desaparecimento dos marcos familiares. Mesmo que as fileiras desse grupo de reacionários diversos e variados tenham diminuído bastante ano após ano, ainda podemos esperar uma grande multidão. ---- Atraindo toda a esfera da extrema direita para defender seus ideais familiares rançosos, pode-se temer a inevitável procissão de ataques de ódio de todos os tipos, sejam eles orais ou físicos. O dia de domingo deve, portanto, ser colocado sob o signo de vigilância para todos, e mais particularmente para aqueles que ousam mostrar publicamente suas diferenças, em um espaço público ainda amplamente permeado pela homofobia, como evidenciado pelos ataques. pessoas LGBTI comuns apenas culpadas de quererem existir. Vigilância, mas também resistência, porque existem vários pedidos de contra-manifestações. A UCL une forças e apela à participação nas iniciativas que são organizadas para cobrir as vozes dos reacionários.
...



(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #301 - Françafrique: O naufrágio da Operação Barkhane (en, fr, it)[traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Jan 22 07:31:48 GMT 2020

"Morto pela França ?A luta anti-jihadista no Sahel também é uma oportunidade para Paris apoiar Estados vacilantes que são subservientes à França e garantir a extração de urânio no Níger. ---- Treze soldados franceses foram mortos no acidente de seus helicópteros durante uma missão em 25 de novembro no Mali. Essas mortes foram amplamente comentadas pela mídia e pela classe política. Macron prestou-lhes homenagem nacional em 30 de novembro ; no Senado, Gérard Larcher elogiou sua " coragem " e sua " abnegação "; na Assembléia Nacional, Richard Ferrand estimou que eles " sacrificaram suas vidas pela nossa pátria " [1]. Por fim, François Bayrou, em homenagem pública a Pau, descascou os nomes das 13 vítimas. " Death for France " cantava as personalidades presentes, depois de cada uma.
Esses 13 homens estão realmente mortos para a França ? Podemos falar de sacrifício pela pátria ? O acidente ocorreu no contexto da Operação Barkhane, a maior operação externa ("opex") do exército francês, implantada no Sahel desde 2014. Esta operação para combater o jihadismo na zona leste, na melhor das hipóteses ineficiente, na pior das hipóteses contraproducente. As tropas francesas não conseguiram impedir que os jihadistas fechassem milhares de escolas abandonadas por todos no Mali e Burkina Faso [2]. ...



(pt) cgt catalunya: Juntos, vamos para a ofensiva (en, ca, it) [traduccion automatica]
a-infos-pt@ainfos.ca
Wed Jan 22 07:31:32 GMT 2020

Durante anos, as trabalhadoras ganham menos a cada dia , com contratos mais curtos e mais inseguros que pioram nossa vida. Muitos de nós acham cada vez mais difícil chegar ao final do mês devido ao aumento de alimentos, moradia, transporte, taxas universitárias, conta de luz, água etc. O capitalismo está se tornando mais agressivo a cada dia: a riqueza é acumulada por poucos, enquanto a maioria nos condena à precariedade. ---- Além disso, vivemos sob um estado que está se tornando mais autoritário - lei da mordaça, reformas trabalhistas, lei dos estrangeiros, 135, 155, repressão aos movimentos políticos ... - que esmaga multas e condenações por aqueles que levantam a questão. veja em face da injustiça. ---- Por tudo isso, é muito importante que articulemos uma resposta defensiva a essas agressões em nossos locais de trabalho, pois é aqui que sofremos diretamente com a exploração. Porque sabemos que a luta pela democracia não pode ser parada à porta dos locais de trabalho, trazemos à mesa a necessidade de o sindicalismo combativo se unir , para ser uma ferramenta útil na defesa dos trabalhadores.
...



(pt) anarkismo.net: Thomas Friedman e a desinformação da "burrice" by BrunoL (en)
a-infos-pt@ainfos.ca
Tue Jan 21 08:08:17 GMT 2020

Diariamente somos surpreendidos pelo exagero na prepotência e na capacidade de desinformar, fazer circular ideias equivocadas, enfim, "mentir com algum estilo". ---- No dia 03 de janeiro de 2020 ainda antes da resposta iraniana ao ato terrorista autorizado pelo presidente do Império Donald Trump, o célebre articulista e ex-editor do New York Times, Thomas Friedman, produziu um artigo de opinião que correu o mundo ocidentalizado. O título em inglês é "Trump kills Iran's most overrated warrior". E a linha de apoio afirma. "Soleimani pushed his country to build na empire, but drove it into the ground instead". (neste link: https://www.nytimes.com/2020/01/03/opinion/iran-general-soleimani.html) ---- 16 de janeiro de 2020, Bruno Lima Rocha (Bruno Baaklini na ascendência árabe-libanesa)
Diariamente somos surpreendidos pelo exagero na prepotência e na capacidade de desinformar, fazer circular ideias equivocadas, enfim, "mentir com algum estilo". A estas técnicas de manipulação de audiências massivas - embora circular e muitas vezes temporária - o Império e seus aliados vêm denominando de "disputa narrativa ou disputa pelo controle da narrativa". Como em todas as guerras, a primeira vítima é a ...



@

Last updated: Fri Jan 24 08:06:23 2020