A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

(pt) levante cnt ait: Semana internacional de combate aos salários não pagos (12 a 18 de outubro) por smithwiston (ca, en, it) [traduccion automatica]

Date Sun, 4 Oct 2020 10:18:38 +0300


Em dezembro de 2019, a International Workers Association (AIT) em seu Congresso em Melbourne, Austrália, decidiu promover uma Semana Internacional contra Salários Não Pagos. Suas seções concordaram em realizar atividades durante a terceira semana de outubro para chamar a atenção para o fenômeno generalizado de salários não pagos e as ferramentas que temos para combatê-lo. E é que se os trabalhadores vão trabalhar, é para ser pago, não para enriquecer voluntariamente os empregadores. Infelizmente, vivemos em uma sociedade em que temos que trabalhar para ganhar um salário para sobreviver. Precisamos de dinheiro para alimentação, moradia, educação, saúde, etc. Muitas vezes, os salários que ganhamos são insuficientes para atender às nossas necessidades essenciais. Portanto,

Durante esta semana internacional, queremos lembrar que os trabalhadores têm nossas próprias armas para nos defender contra os empregadores. É muito comum as pessoas confiarem apenas nos tribunais para resolver disputas trabalhistas. As leis variam de país para país e, embora seja importante conhecê-las, não podemos confiar nelas. Freqüentemente, eles não são suficientes para nos proteger. Imagine que você trabalha sem contrato, como você mostra que trabalhou para alguém e essa pessoa tem que te pagar? E se você não tem contrato e é demitido, como você exige indenização e seguro-desemprego se a lei reconhece esse direito? E quando eles o forçam a trabalhar horas extras e não pagam, Isso não está funcionando de graça? E se o seu contrato disser que você trabalha como operário, mas na verdade você é um operador de máquinas experiente e com altas qualificações, está sendo pago o que o acordo coletivo exige, se houver? E se você é uma mulher que ganha menos do que um homem que faz o mesmo trabalho, isso não é um não pagamento parcial do salário? E se você está terminando seus estudos universitários e está trabalhando como estagiário por um salário muito baixo porque em tese você está aprendendo, mas na realidade você faz o mesmo trabalho que qualquer outro colega com mais experiência, eles não te enganam? E se você ficar doente e não tiver direito ao auxílio-doença, É sua culpa? Você não precisa do dinheiro E se você é demitido todo ano em junho e contratado novamente em setembro, quem lhe paga pelas férias? E se você só encontra empregos temporários por semana a cada 2 meses, seus filhos não comem todos os dias? E é que a lei não é feita para nos proteger, mas para facilitar as coisas para os empresários. Eles são os verdadeiros promotores das leis, não os deputados dos parlamentos. É por isso que não lutamos pelo que é legal, mas pelos nossos interesses. E fazemos isso confrontando diretamente aqueles que nos atacam e nos tratam como pessoas sem direitos. Porque mesmo que a lei às vezes nos dê razão, na maioria das vezes não exigimos que nossos direitos sejam respeitados, porque nos sentimos sós e temos medo de perder tudo. Nos sentimos sozinhos porque os Estados, Com a ajuda de sindicatos controlados por partidos políticos, eles conseguiram impedir que os trabalhadores dependessem da auto-organização e da solidariedade para se defender. Os empregadores preferem que as disputas trabalhistas sejam resolvidas negociando com os representantes profissionais dos trabalhadores, porque sabem que os representantes podem ser comprados, mas é impossível comprar de um grupo de trabalhadores que decide em suas próprias reuniões como lutar contra o patrão. Se quisermos defender nossos interesses, devemos socializar a luta para que toda a comunidade saiba dos problemas que sofremos e, assim, possamos desenvolver um sentimento de solidariedade ao percebermos que nossos problemas são os mesmos que nossos vizinhos.

Não podemos contar com o diálogo com os empregadores para nos defender. Pois bem, não podemos esquecer que o empresário só se preocupa com dinheiro e a forma de combatê-lo é fazendo com que perca lucro. E como fazemos um empresário perder dinheiro? Parando de trabalhar para ele, parando de comprar o que vende e destruindo fisicamente a infraestrutura que lhes permite produzir e vender. Em outras palavras: greve, boicote e sabotagem. Estas são nossas armas. Mas não se engane, não estamos lutando pelo "salário justo", porque o sistema salarial é baseado na exploração e na obtenção de lucro. Os empregadores contratam você porque precisam de você para ganhar dinheiro e sempre pagarão uma pequena parte de todo o dinheiro que seu trabalho os fez ganhar. A luta diária contra os salários não pagos é uma resposta direta a um problema imediato. Embora a consideremos uma luta defensiva, ao mesmo tempo faz parte da nossa luta de longo prazo por uma mudança profunda na sociedade para evitar que uns vivam do trabalho dos outros. E chamamos essa mudança radical na sociedade de revolução social. O mundo em que vivemos é repleto de sofrimentos causados pelas desigualdades sociais, econômicas, raciais e de gênero. A economia capitalista está causando uma crise climática que está destruindo o planeta. Essa é a realidade para bilhões. No entanto, o problema não é um punhado de indivíduos gananciosos ou maus. Por um lado, o problema é uma economia baseada no lucro e não nas necessidades das comunidades: o capitalismo. Por outro lado, o problema são as hierarquias de todos os níveis da vida social que nos dividem artificialmente e são uma fonte de desigualdade e opressão. E não devemos esquecer que o Estado sempre foi um aliado fiel do capitalismo e nunca será um instrumento de justiça social, mesmo que alguns socialistas acreditem que o Estado nos trará igualdade e liberdade.

Se queremos um mundo diferente, temos que construir uma nova sociedade e uma nova economia focada nas necessidades das pessoas e não nas necessidades do capital. E para viver uma vida feliz e digna e desenvolver nossas capacidades, não precisamos do capitalismo ou do Estado. É assim que vemos. Se você vê da mesma forma, entre em contato com o grupo AIT mais próximo. Vamos construir algo juntos. A luta contra os salários não pagos é apenas uma das tantas em que participamos e vencemos graças à ação direta, à solidariedade e ao apoio mútuo.

O Secretariado Internacional.

https://levantecntait.wordpress.com/2020/10/01/semana-internacional-de-lucha-contra-el-impago-de-salarios-12-18-octubre/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt