A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #302 - cultura, Isabelle Attard: "Eu ainda acredito na força do coletivo" (en, fr, it)[traduccion automatica]

Date Sun, 8 Mar 2020 08:32:51 +0200


Ler como me tornei anarquista nos fez querer estender as reflexões que Isabelle Attard oferece por meio de uma entrevista. É uma oportunidade para pedirmos que ele esclareça seu ponto de vista sobre várias questões e vincule-o a uma notícia rica em termos de mobilizações e lutas emancipatórias. ---- Libertaire alternativo : Em Como me tornei anarquista, você explica as razões pelas quais se tornou anarquista. Há uma que você evoca muito rapidamente, a questão do colapso de nossa civilização industrial. Você pode esclarecer que, diante dessa perspectiva, as opções políticas são muito díspares ? ---- Isabelle Attard: De fato, percebo que posso não ter sido suficientemente precisa porque este livro teve como tema principal a anarquia e não entrou em colapso. E, no entanto, estou convencido de que já estamos em um colapso ecológico, social e democrático. Esta observação, muitos de nós fazem. As respostas diferem, no entanto, de uma "corrente" para outra. Entre aqueles que surgiram nos últimos anos, há alguma comida e bebida, de colapsologistas a sobreviventes a seitas apocalípticas. E não estou falando de transhumanistas ou daqueles que acham que já é melhor colonizar Marte.

Acho bastante lógico querer criar uma infinidade de lugares autônomos em comida e energia nesse contexto. Mas se também não houver um questionamento político do capitalismo, extrativismo e relações de dominação, um colapso não mudará o problema. Podemos até dizer que isso beneficiará ainda mais os ricos em comparação aos pobres.

Além disso, como Jeremias Cravatte em seu estudo sobre o colapso [1], eu penso: "Os exemplos, prospectivo, expectativas e - acima de tudo - Respostas trilhas usadas pelos collapsos histórias são de fantasia ambiente urbano relacionado das classes médias brancas do hemisfério norte" .

Leia também a crônica do livro Como me tornei anarquista
O que mais me preocupa é essa música irritante de pseudo filósofos ou cientistas que nos dizem que o problema vem do próprio humano. Segundo eles, seríamos incapazes de entender a urgência em que nos encontramos. Para eles, portanto, resta a solução de estabelecer poder coercitivo ou mesmo uma ditadura verde.

Por outro lado, encontramos a versão mais "democrática" do Green New Deal, que é uma versão ecológica da citação do autor do Cheetah : "se queremos que tudo continue como está, é necessário que tudo muda" . De fato, essa batalha que começa entre as multinacionais repintadas em apostas verdes em energias renováveis e aquelas ainda viciadas em combustíveis fósseis, não nos preocupa. É a tomada do poder de um novo mundo sobre o antigo, sempre de uma perspectiva capitalista.

Se devemos tomar nota da situação ecológica, devemos fazê-lo de maneira política e sem esperar para ver. Parece-me que é isso que Murray Bookchin oferece através da ecologia social.

Muitos movimentos sociais e ambientais se definem como cidadãos. Eles criticam cada vez mais a ação prejudicial dos estados (liberalização, desregulamentação) ou a falta de ação (laissez-faire) que ocorre da mesma maneira, especialmente em questões climáticas. No entanto, eles situam sua ação dentro da estrutura de um sistema que sempre assimilam a uma democracia e que seria uma questão de economizar, apesar de tudo. Você mesmo defendeu essa estratégia de ação. O que levou você a questioná-lo e optar por terminar ?

Isabelle Attard: A resposta está um pouco na pergunta. Como você diz muito bem, esses movimentos que qualificamos como "cidadãos", nos quais encontramos, no entanto, alguns "profissionais " Da política, permaneça em uma demanda por ação do estado, ou melhor, devo dizer do governo. Se o desafio é louvável, ainda assim é ineficaz, porque esse governo, como os anteriores e certamente o próximo, não se importa com os pedidos dos cidadãos, mesmo que sejam legítimos. Mas não posso culpá-los, acreditei tempo suficiente para que fosse possível mudar as coisas por dentro. No entanto, agora devemos observar que isso não funciona. Sempre que uma inovação foi proposta, o governo foi rápido em desviá-la ou desfazê-la. É um círculo sem fim ! É preciso dizer que sempre esteve em nossa cabeça que "ademocracia Trabalhou dessa maneira, e somente dessa maneira.

Como explico em meu livro, os fundamentos de nossa "democracia" foram lançados em 7 de setembro de 1789 pelo padre Sieyès, então deputado do Terceiro Estado: "Os cidadãos que se chamam representantes renunciam e devem renunciar a fazê-lo - até a lei; eles não têm nenhuma vontade particular de impor. Se eles ditassem vontades, a França não seria mais esse estado representativo; seria um estado democrático. O povo, repito, em um país que não é uma democracia (e a França não pode ser), não pode falar, só pode agir através de seus representantes. "

Ainda vivemos com esse princípio básico, vivi diariamente durante meu mandato. Por um lado, funcionários eleitos que consideram que não são responsáveis e, por outro, eleitores que esperam uma cura milagrosa ou a ação de um salvador supremo. É por esse motivo que considero que não é mais possível, hoje, defender esse tipo de estratégia que nos envia diretamente à parede.

O movimento dos coletes amarelos ajudou a trazer a questão da transformação social de volta ao centro do debate político. Parte desse movimento está muito focada no referendo da iniciativa de cidadania (RIC), apresentado como uma alavanca para a democracia direta e uma revolução cidadã. O que você acha ?

Isabelle Attard: Ainda estamos no mesmo problema. O referendo pode ser uma iniciativa cidadã ou popular, a decisão final será sempre do governo. E aqueles que promovem a RIC sabem disso muito bem. Que melhor ilustração do que a do referendo de 2005 (nota do editor: sobre a constituição européia) que viu o "não" vencer por uma maioria bastante grande (54,68%). No entanto, em 2008, Sarkozy passou seu equivalente pelos canais parlamentares. O mesmo vale para a Holanda. Na Irlanda, era menos autoritário, mas não menos sutil. Um segundo referendo está sendo organizado para corrigir o resultado do primeiro.

Em resumo, o que quer que você faça, sempre estará errado porque não tem poder. Também tivemos provas disso muito recentemente, com a Convenção do Clima para os Cidadãos, durante a qual descobrimos que o governo manteve a mão durante todo o processo e que obviamente não levará a nada concreto. Em conclusão, pode-se dizer que não faz sentido negociar com o governo.

Se as greves de dezembro e janeiro colocaram em segundo plano a questão das eleições municipais, vimos nos últimos meses várias correntes falarem sobre municipalismo, às vezes evocando a contribuição do eco-anarquista americano Murray Bookchin, do qual você fala seu livro Como você se posiciona em relação a essa pergunta ?

Isabelle Attard: Quanto ao colapso, estou bastante desconfortável com a recuperação que é feita. Descobri as teses de Murray Bookchin em 2016 e posso dizer que foi um tapa ! Eu me perguntava como não tinha sido possível ouvir sobre isso antes, especialmente em um ambiente, ecologia política, na qual eu sempre estava imerso. Quando Floréal Romero pediu que eu e meu companheiro revisássemos seu livro "Agindo aqui e agora - pensando na ecologia social de Murray Bookchin" , imediatamente aceitamos ... com ligeira pressão mesmo assim ... o especialista é ele.

Com essa releitura, tudo parecia ainda mais claro para nós. Não se trata mais de jogar um jogo em que sempre seremos perdedores, já que as regras já foram escritas por aqueles que detêm o poder e que não têm outra ambição além de permanecer lá. Trata-se de criar um desvio ou derivação do sistema. Já não consiste em querer alterá-lo por dentro, mas em deixar um novo eclodir. Na botânica, falaríamos de ramificação. Mas o que nos é proposto com essas listas "municipais" é bem diferente. Primeiro, abandonamos rapidamente a ideia de adicionar a palavra "libertário " ", Incluindo no Commercy. A abordagem é diferente da teorizada por Murray Bookchin e é muito mais parecida com a de Ada Colau e Barcelona en Comù. Ou seja, um município que é semelhante à democracia participativa, baseado no conceito de "Cidade Inteligente" ( Cidade Inteligente ), dando lugar de destaque à tecnologia. Não é à toa que a "French Tech" se estabeleceu em Barcelona (mais de 200 empresas) que vê na capital catalã um laboratório para suas startups. Francamente, essa não é minha concepção das coisas ... especialmente se nos colocarmos nesse contexto de colapso ecológico ao qual me referi antes.

Há um artigo muito bom de Elias Boisjean, publicado na revista Ballast em dezembro passado [2]. E gosto muito da conclusão que ele dá: "integrar um conselho municipal, mesmo dirigindo uma cidade, não ajuda se não fizer parte de uma transformação global sem" comprometer-se com essa ordem social ". Assim, desde o final do reinado capitalista até o lucro de uma "sociedade comunista libertária"."

A crise organizacional (organizações políticas, sindicatos, associações com uma vocação de massa) é real, no entanto, alguns ainda desempenham um papel essencial nos movimentos de massa (cf. papel de sindicatos combativos nas greves atuais). Traz alguns daqueles que querem se comprometer a escolher as formas de organização consideradas mais flexíveis (grupos de afinidade, assembléias, coletivos, redes). Estes últimos têm o vento em suas velas, mesmo que às vezes possam reproduzir as deficiências das organizações tradicionais. Como evoluiu seu relacionamento com o coletivo ?

Isabelle Attard: Eu quase quero responder que isso não mudou muito. De fato, como disse após minhas experiências infelizes nos partidos políticos, não terei mais um partido ... e acho que nunca mais posso dizer. Essas organizações não têm outro objetivo senão levar um homem ou uma mulher (geralmente um homem) ao topo do poder, a fim de desenvolver o programa MEDEF ou os lobbies industriais. Tudo o resto é apenas incidental para eles. Por outro lado, ainda acredito na força do coletivo, mais do que nunca em outros lugares.

Você fala sobre sindicatos combativos e eu próprio tenho um profundo respeito pelo trabalho de alguns deles. Sud-Solidaires ou a CNT sempre souberam manter a consistência em suas batalhas. Com relação às outras organizações sindicais, faço uma clara diferença entre aqueles que os dirigem e aqueles que estão no campo. Como podemos ver hoje, geralmente são os membros do sindicato que estão no campo que determinam o ritmo dos órgãos de administração, e isso é bom ! Desde 5 de dezembro, meu companheiro e eu apoiamos os grevistas o máximo possível, participando das manifestações ou contribuindo com os fundos da greve. Eu apoio a greve 100%.

Meu modelo permanecendo L'Ane 01 de Gébé, só posso ligar para parar tudo para refletir, dar esse passo de lado para ver as coisas de maneira diferente. Por outro lado, pergunto-me muitas questões sobre a eficácia das manifestações, sejam elas de sábado ou de semana. Desde novembro de 2018, todos os sábados e não vejo o governo vacilar. Talvez nos primeiros dias porque ele não entendeu o que estava acontecendo com o movimento Coletes Amarelos. Mas desde então, ele apenas fortaleceu sua autoridade, dando quase carta branca à polícia. Nunca criticarei a estratégia do confronto direto, porque compreendo perfeitamente essa raiva que só cresceu há anos, mas ainda me pergunto sobre sua eficácia.

Prefiro dedicar-me à realização de assembléias locais, sem objetivo eleitoral, e, acima de tudo, a dar ímpeto a um movimento popular de educação política que foi duramente atingido por várias décadas. Não esqueço que a Revolução Social Espanhola começou quase 70 anos depois que Mikhaïl Bakounine confiou a Giuseppe Fanelli a missão de ir à Espanha para formar os primeiros grupos da Internacional. Apesar da urgência em que nos encontramos, seja ecológico, democrático ou social, leva tempo para re-mobilizar, re-politizar e apoiar todos no caminho da emancipação.

Desde o lançamento do seu livro, você participou de várias reuniões públicas destinadas a apresentá-lo. Como é recebido e o que essas reuniões com o público trazem para você ?

Isabelle Attard: É muito bem recebida. Já estamos na terceira reimpressão. Eu também sou a primeira surpresa desde que me disseram que o título do livro era talvez um pouco frontal demais. Mas eu não queria procrastinar com isso. Se não tenho nada contra a palavra "libertário", quero devolver todas as suas cartas de nobreza à de "anarquia". E todos devemos muito ao documentário "Nem deus nem mestre: uma história da anarquia", de Tancrède Ramonet, que foi capaz de superar as idéias preconcebidas que alguns historiadores queriam colocar nas costas dos anarquistas. Como Howard Zinn disse: " Embora coelhos não terá historiadores, a história vai ser contada pelos caçadores" .

Gosto muito das discussões com os leitores no final das várias reuniões. Muitos me explicam que eles tiveram a mesma jornada nas partes, as mesmas perguntas, as mesmas emoções diante do documentário de Tancrède e ficaram aliviados por poder finalmente nomear o que sentiam desde sempre.

Seu trabalho é um clamor que visa ecoar todas as revoltas em ação contra as várias opressões e todas as conquistas que contribuem para a emancipação dos oprimidos. Como você planeja estender sua ação ?

Isabelle Attard: Muito modestamente. Ao contrário do que algumas pessoas podem ter dito sobre minha conta no início (e mesmo agora para algumas ... muitas vezes homens), eu não me tornei um anarquista por oportunismo. Deve-se dizer que, se a reação das pessoas é bastante positiva (e isso é bom !), Foi um "obstáculo" encontrar trabalho. Felizmente, tive a oportunidade de conhecer pessoas muito abertas e solidárias na associação para a qual trabalho hoje. Tornei-me novamente diretor de museu, mas de um pequeno museu rural na Bretanha, com um funcionamento horizontal.

O lançamento do livro não foi um problema para eles e posso continuar minha ação política sem ter que me esconder. É bastante agradável e relaxante. Com meu companheiro, decidimos nos instalar permanentemente em Kreiz Breizh (Centro Bretagne) para criar um local de boas-vindas e recursos ... necessariamente anarquistas. Além disso, ficamos muito emocionados com o apoio que os bretões trouxeram a Vincenzo Vecchi... A Bretanha é uma terra de acolhimento, refúgio e resistência e pretendemos continuar essa tradição.

No nosso nível, como disse anteriormente, continuaremos a fazer educação política popular (eu diria mesmo que para mim isso seja quase um pleonasmo). Nós dois estamos pensando em escrever um segundo livro. Ainda não há nada estabelecido. Como eu concluí em meu livro, eu acho que temos que inventar o anarquismo do XXI th século, inspirando-se o que já foi feito pelos nossos antecessores. Eu realmente sonho que encontramos o espírito de Saint-Imier [3]e que o transcendemos.

Entrevista realizada em 30 de janeiro de 2020 por Laurent Esquerre

[1] https://www.barricade.be/sites/default/files/publications/pdf/2019_etude_l-effondrement-parlons-en_1.pdf.

[2] https://www.revue-ballast.fr/le-moment-communaliste/

[3] O congresso de Saint-Imier foi realizado em 15 e 16 de setembro de 1872, alguns dias após a exclusão de Michel Bakounine e James Guillaume da Associação Internacional dos Trabalhadores por apoiadores de Marx. Este congresso resultou na criação da internacional anti-autoritária.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Isabelle-Attard-je-crois-toujours-en-la-force-du-collectif
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt