A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

(pt) [Grécia] Experiências de tortura e prisão vividas por anarquistas no Irã - Parte I By A.N.A.

Date Mon, 22 Oct 2018 07:53:58 +0300


Durante horas, eles empurraram minha cabeça contra uma mesa de ferro. Naquele quarto, havia um barril de água pendurado no teto. Do barril pingavam pequenas gotas de água na mesa de ferro. Eu tinha que ficar em silêncio e escutar as gotas de água pingando, em agonia. ---- Naquela época, eu era um jovem de dezesseis anos com visões anarquistas e crenças ateístas. Eu fui torturado por causa da minha visão ateísta e do meu posicionamento antigoverno enquanto era um aluno da Shahid Chamran School, em Zarghan, no Irã. ---- O nome da pessoa que me torturou era Seyed Jaáfari; ou pelo menos era assim que o chamavam. ---- Durante o interrogatório, na maior parte do tempo, havia uma garrafa de vidro vazia em cima da mesa. Eu não tinha outra escolha a não ser aceitar tudo que me diziam, até mesmo coisas que eu nunca tinha feito. Eles me disseram que, se eu não aceitasse tudo que diziam, iriam me estuprar com aquela garrafa vazia.

Nós lutávamos por liberdade, por igualdade, e fomos torturados, estivemos sob ameaça. Aos meus dezesseis anos, eu era um preso político anarquista no Irã.

Havia muitas pessoas lá, e muitas delas eram garotas. Os oficiais da Guarda Revolucionária as estupravam todos os dias. Quando eu estava no centro de detenção, meu quarto era perto da câmara de tortura. Eu podia escutar as vozes e gemidos; minha moral estava totalmente destruída, por várias vezes eu quis cometer suicídio. Mas eu pensava que tinha que sobreviver para poder dizer o que acontecera ali. Eu tinha que sobreviver por vingança.

Agora estou na Grécia, mas eu não vou esquecer, nem perdoar.

Abtin Parsa

06 de outubro de 2018

Fonte: http://asranarshism.com/1397/07/15/anarchist-146/

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/07/31/grecia-terrorismo-de-estado-tortura-nas-ruas-secundarias-de-atenas/

Tradução > breu

agência de notícias anarquistas-ana
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt