A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

(pt) FAI, tierra y libertad #361 - [Itália] Entre limites, responsabilidade, delegação e participação (ca, it) By A.N.A.

Date Sun, 14 Oct 2018 07:58:17 +0300


Numa perspectiva libertária, a mudança social e a mudança individual devem ser acompanhadas sistematicamente. E a questão da delegação está no centro. Para viver um futuro possível hoje. ---- O anarquista Gustav Landauer escreveu: "O Estado não é algo que pode ser destruído com uma revolução; é uma condição, uma relação entre seres humanos, um modo de se comportar. Pode ser destruído contraindo outras relações, comportando-se de maneira diferente". ---- Esse alerta, que não exclui em absoluto a necessidade de uma revolta social radical, está diretamente relacionado a uma série de responsabilidades. Especialmente não fugir do dever, se nós realmente queremos mudar profundamente o que existe, assumir em nossas relações cotidianas uma posição diferente e mais coerente, para realizar os princípios e sonhos que cultivamos. Muitas revoluções na história tentaram fundar um novo mundo e depois se materializaram em sistemas opressivos tão malignos quanto aqueles que se propuseram a substituir.

Parece inquestionável para mim que, com uma perspectiva libertária, a mudança social e a mudança individual devem caminhar juntas sistematicamente. Portanto, o aviso de Landauer nos obriga a pensar de uma maneira diferente de estar com os outros, um processo mais complexo e dinâmico de mudança, para projetar um mundo diferente, vivendo aqui e agora, sem esperar virtudes catárticas que caracterizem a revolução como um acontecimento. Como Alexander Herzen afirmou: "Um fim infinitamente remoto não é de fato um fim, é um engano".

A responsabilidade é, sem dúvida, uma palavra-chave se essas premissas forem aceitas. Ser responsáveis, significa assumir todos os conteúdos que a palavra oferece, significa recuperar os diferentes significados que envolve responsabilidade: respondeo (empenho e promessa, garantia), rem-ponderare (capacidade de avaliar, ponderar), responsare (resistir, contrastar) recipere (responsabilidade sem culpa, gestão de risco social, atenção à vítima a quem está protegida). Todos esses significados levam, como pode ser visto, à intersubjetividade e reciprocidade. A ética da responsabilidade vai além do mero respeito (deixar ser o outro), é responder de (que tem um valor ativo). Em uma perspectiva libertária é uma transferência contínua, uma busca sem saldo final entre ética baseada na convicção (respeito pelos princípios) e a ética da responsabilidade (atentos às consequências).

Mas delegar é (às vezes) inevitável

Agir de forma responsável significa, portanto, como repetia Paul Goodman, "traçar o limite" não cruzar os níveis inaceitáveis de compromisso (saber dizer não, não concordo, desobedeço), mas também reconhecer um limite objetivo, insuperável aqui e agora (o que não significa para sempre); significa praticamente não se reconhecer naquele que assume o limite de maneira tradicionalista, mas também naqueles que o negam em nome da permissividade. Ambas as perspectivas colocam o limite no mesmo saco; eles não distinguem. No entanto, estes são dois tipos de limites qualitativamente muito diferentes: um que podemos definir como agressivo, o outro como defensivo. Os limites agressivos fixamos para os outros (com a desculpa ou motivação para protegê-los), são impostos e não pode ser justificada sob o pretexto de autodefesa, tem a ver com as relações de domínio e não o direito (justiça). Os limites defensivos são escolhidos, e os colocamos para nos defender, para nos proteger da usurpação de qualquer um (legítima defesa); eles não contradizem a igualdade de direitos. De fato, a proteção não deve levar a uma restrição de direitos, mas deve sugerir e propor meios complementares de prevenção. Responsabilidade, limite, palavras e conceitos importantes para quem quer mudar a si e ao mundo.

A principal e mais praticada fuga de responsabilidade vem do exercício sistemático da delegação. Delegar a própria responsabilidade significa acima de tudo confiar aos outros o direito que lhes cabe de decidir, isto é, abdicar de sua própria autonomia. Através de uma delegação sistemática, a sociedade acaba privando os indivíduos que a compõem de sua própria liberdade e acima de tudo de sua própria autonomia. A delegação é prejudicial e alienante porque sistematiza um processo de privação, abdicação, renúncia, fuga de responsabilidade. Ela é nutrida não apenas por mecanismos evidentes de dominação e poder (poder de fazer), mas também por costumes e hábitos que se tornam parte integrante da própria personalidade. A delegação nega o poder positivo e inalienável (poder de fazer) acima de tudo em uma dimensão e perspectiva libertárias.

A delegação é (algumas vezes) inevitável mesmo do ponto de vista libertário, mas essa função deve ser extinta com o fim do mandato específico em torno do qual foi pensado e realizado de tempos em tempos. Acima de tudo, deve ser completado sem ser capaz de gerar qualquer privilégio de posição e estar imediatamente dentro do horizonte exclusivo do mandato. Muitas vezes, em nossa sociedade, tanto a responsabilidade quanto o conceito de limite ou de delegação são instrumentalizados para fins de consolidação de domínio. Devemos, pelo contrário, nos reapropriar do significado mais autêntico e profundo desses conceitos, que nenhuma sociedade, especialmente se for de natureza libertária, pode ignorar.

Sim, como Aristóteles dizia...

Ser responsável, marcar os limites, delegar, não são conceitos antitéticos em uma visão anarquista; o são em uma perspectiva e em uma prática autoritária. Os três elementos que constituem uma posição libertária não podem ser separados, não devem ser separados, mas mantidos em um relacionamento próximo. O mesmo e importante trabalho de esclarecimento é feito em torno do conceito de participação. Nunca, como agora, somos frequentemente solicitados a participar de qualquer ângulo e aspecto da vida social.

Mas, o que isso significa? Em que devemos participar? Como e de que maneira? O que você entende, ou melhor, entende, por participação? Nós realmente sabemos o que este verbo significa? Participar dessas opções que a sociedade nos pede, na verdade, pode significar interpretar parte de um roteiro escrito e dirigido por outros, avaliando e aceitando um dado definido como fato e justificado como inevitável e não modificável. A participação hoje é, acima de tudo, um mecanismo cujo objetivo é trazer o maior número possível de pessoas para o seu terreno em benefício de uma empresa ou uma decisão tomada previamente. Mas se isso é verdade (obviamente não faltam exemplos), não se trata de renunciar a esse conceito, mas de reavaliá-lo em um sentido mais autêntico e original.

Denunciar uma forma ilusória de participação significa, coerentemente, esclarecer a natureza mais autêntica e positiva em uma perspectiva libertária. Se, como disse Aristóteles (e não só ele), que somos (também) animais políticos (habitantes da polis) e porque nos realizamos como humanos quanto nós discutimos com os outros sobre as condições de nossa vida juntos. Esta prática de divisão social não pode ser esgotada em um aspecto (por exemplo, o voto), mas deve ser uma realidade contínua e sistemática, sistematicamente praticada e praticável, de modo que se torne um hábito (ethos). Participar significa tomar parte, mas também contribuir e beneficiar. Tomar parte se difere de formar parte: a primeira é uma forma de participar que se escolhe e se limita ao objeto escolhido, o segundo é o resultado de opções e condições em que se chega mesmo a prescindir da própria vontade (por exemplo, fazer parte de uma família).

Participar também significa contribuir, um conceito não contido no precedente: eu posso participar de uma conferência sem participar ativamente (contribuindo). Esse aspecto demonstra uma dinâmica interativa, que permite ao colaborador integrar-se ativa e continuamente a uma história comum. Beneficiar significa ser capaz de usar e controlar bens comuns, ser parte ativa não apenas da criação, mas também do uso de recursos que foram criados juntos. Como pode ser visto, existem múltiplos significados atribuídos ao termo participar que em uma perspectiva libertária vão juntos e relacionados estreita e indissoluvelmente com outros conceitos expostos mais acima.

A postura anarquista em uma sociedade não-anarquista não pode, na minha opinião, prescindir de questionar-se sobre certas questões, e especialmente não pode evitar experimentar várias formas de relacionamento aqui e agora.

Essas práticas são as únicas possibilidades que temos de prefigurar um mundo diferente a partir de cada um de nós em relação com os outros.

Francesco Codello

Fonte: https://www.nodo50.org/tierraylibertad/361articulo2.html

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2017/05/17/italia-modena-apresentacao-do-livro-a-condicao-humana-no-pensamento-libertario/

agência de notícias anarquistas-ana
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt