A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

(pt) France, Alternative Libertaire AL #286 - Livro: Tudo a ganhar, questões feministas, questões sindicais (en, fr, it)[traduccion automatica]

Date Mon, 8 Oct 2018 08:17:46 +0300


Foi na primavera de 2017 que as edições de Syllepse publicaram All to gain , um livro-relato por ocasião dos vinte anos de mulheres Intersindicales. ---- As mulheres Intersindicales, são os dias que reúnem a cada ano entre 300 e 400 pessoas, sindicalistas da CGT, FSU e Solidaires, ou do mundo associativo ou universitário em torno de questões relacionadas aos direitos das mulheres. Dias ambos ancorados nas lutas cotidianas, que permitem trocar sobre as práticas do feminismo no quadro sindical, e também parênteses convidando a dar um passo atrás e tempo para reflexão. É esse duplo objetivo que o livro também cumpre. ---- Composta por sessenta e seis contribuições, nas quais encontramos alguns nomes bem conhecidos, como Annick Coupé, Josette Trat, Daniele Kergoat, Elsa Dorlin, etc., eles estão espalhados em campos que parecem muito diferentes, indo do trabalho ao sindicalismo. das mulheres à violência com base no género, às questões das mulheres e às grandes questões feministas do nosso tempo.

Esta diversidade de temas, no centro da qual é o trabalho, ilustra o objetivo destes sindicalistas feministas: para começar a partir das dominações patriarcais sofridas pelas mulheres em seu local de trabalho, para mostrar que essa dominação, eles sofrem em toda a sua vida, na esfera que se gostaria de " privado " para escondê-lo, como na esfera " pública " , onde eles não são muito mais seguros. No trabalho, em casa, na rua, no sindicato: são as mesmas mulheres que evoluem nesses diferentes espaços e que possuem um modo específico de realizá-las.

Deixe o local de trabalho, porque é aí que nos encontramos mulheres, criamos profissional, amigável, união, política. À medida que os interesses de classe são revelados nas lutas cotidianas, as experiências e interesses comuns das mulheres também são revelados. Portanto, é compreensível que as comissões de mulheres dos sindicatos de luta e das associações feministas tenham permanentemente ligações para criar, para renovar.

Uma obrigação para qualquer biblioteca de wrestling
Há, portanto, uma questão a ser abordada com as mulheres sindicais. Há também um desafio para incentivá-los a lutar no trabalho. Porque a luta dá confiança, autoconfiança, confiança no coletivo. Costuma-se dizer que após as duras greves em empresas altamente feminizadas, muitas mulheres pedem o divórcio ...

O livro também dá lugar de destaque ao internacionalismo. Nawla Darwiche e Wassila Ayachi, camaradas do Egito e da Tunísia, discutem o papel das mulheres na Primavera Árabe, enquanto os temas da globalização e migração são amplamente discutidos.

E é obviamente a parte que analisa a relação entre mulheres e sindicalismo que particularmente nos desafia. Se, é claro, os grandes nomes do sindicalismo que foram retidos são nomes masculinos, não é só porque suas esposas cuidavam da casa enquanto administravam os Subsídios Trabalhistas. É também porque a história do movimento trabalhista não é uma exceção à história em geral: as mulheres, sua existência e suas ações são sistematicamente apagadas por várias razões. As cinco contribuições desta parte são, portanto, indispensáveis para reparar essa injustiça que nos impede de compreender toda uma parte do movimento feminista.

Tudo a ganhar é essencial, para uma biblioteca feminista, é claro, mas também para qualquer biblioteca de luta. Seu formato de artigos curtos o torna acessível, e seu amplo campo de interesse lhe dá um interesse por cada um.

Adèle (AL Montreuil)

http://www.alternativelibertaire.org/?Livre-Toutes-a-y-gagner-enjeux-feministes-enjeux-syndicaux
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt