A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

(pt) France, Alternative Libertaire AL trato, Limpar Macron ? E depois ? (en, fr, it) [traduccion automatica]

Date Mon, 28 May 2018 10:53:42 +0300


" Euro Exit ", " VI ª República ", " renda universal " ... muitos chocalhos mais ou menos turbulento. Enquanto não questionarmos radicalmente a propriedade capitalista dos meios de produção e troca, não avançaremos nem um pouco. Uma boa solução ? Socialização, autogestão. ---- Obviamente, se uma onda de revolta social fizesse o governo vacilar e expulsasse Macron do Elysee, poderíamos apenas aplaudir, pois isso seria um sinal do poder do movimento social. ---- Mas, na verdade, entre nós, não nos importamos com " limpar Macron ". ---- Macron não é nada. " Júpiter " é apenas um mito. Sua política não é nova ou perturbadora . É apenas parte da trajetória de seus antecessores, Hollande, Sarkozy, Chirac ou Mitterrand. ---- Porque a política do Estado, em uma estrutura capitalista, é sempre a política do capitalismo. Substituir o ultra-liberal Macron por um político keynesiano ou soberano não é a questão.

A pergunta que ninguém se atreve a perguntar
A questão central e fundamental é a da propriedade capitalista dos meios de produção e troca. A questão central e fundamental é: quem é o dono ? Então, quem decide o nosso futuro ? Quem molda a economia e a sociedade para o lucro ?

Enquanto não questionarmos radicalmente a propriedade capitalista dos meios de produção e troca, não avançaremos nem um pouco.

Download do PDF para baixar
Cada político tem sua solução turnkey para a chamada mudança de vida: aqui ele vai estar fora do euro ou o fechamento das fronteiras, há uma Constituinte sorteado, o VI ª República, a renda universal, nacionalização bancos e muitos outros chocalhos mais ou menos barulhentos.

Cada vez, vamos nos perguntar: este político questiona a propriedade capitalista ? Quer que a economia seja socializada ou permaneça sob o controle de uma minoria privilegiada ? Ou ele mantém um silêncio constrangido sobre isso ?

Alternativa libertária deixa claro: não haverá solução para a desintegração social e desastre ecológico sem a expropriação dos proprietários, a socialização da economia, a sua auto-gestão pelo primeiro e primeiro em causa, a sua implementação. serviço da população.

Somente socializando os negócios e a economia em geral poderemos realocar a indústria, produzir o que é socialmente útil e ambientalmente sustentável. Apenas confiando a gestão de produção no primeiro e os mais preocupados que podemos transformar o trabalho, alienar, questionar a separação entre trabalho manual e intelectual, reduzir drasticamente o tempo de trabalho.

BD-tract: clique para ampliar
Pela autonomia do movimento social
Essa autogestão socialista está no coração do projeto comunista libertário que nós carregamos.

As classes populares podem se tornar atrizes e tomadores de decisão novamente. Há uma necessidade urgente de fortalecer os movimentos sociais, as greves, o sindicalismo, as associações de luta ... Hoje, os movimentos sociais estão buscando uma nova respiração. Eles vão encontrá-lo se souberem se reinventar. Pois a luta de classes nunca pára.

Mas, para reconstruir os movimentos sociais, também não se deve reproduzir os erros do passado e não colocar esperanças vãs numa alternância política à frente do Estado. Em 1981, como em 1997, isso sempre resultou em um enfraquecimento do movimento social e na traição das promessas eleitorais ...

A autonomia do movimento social é a condição de sua capacidade política. Esta é a condição para o amanhã representar uma força real, sem a qual não haverá alternativa ao capitalismo.

http://www.alternativelibertaire.org/?Degager-Macron-Et-apres
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt