A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

(pt) O anarcossindicalismo segue vivinho, e lutando! por ligarj - por Antonio Pérez Collado

Date Thu, 3 May 2018 07:35:05 +0300


As recentes mobilizações sociais deixaram as elites políticas e sindicais da esquerda clássica fora de jogo e tão tocados que dificilmente poderiam continuar a ostentar a exclusividade como porta-vozes da classe trabalhadora que os meios de comunicação, tão pouco evoluídos como estas burocracias de partidos e sindicatos socialdemocratas, se obstinam em atribuir-lhes, mesmo quando ditos quadros clássicos profissionais não são os organizadores nem os protagonistas das novas e imaginativas lutas. Se existem atualmente algumas entidades com menos credibilidade e indiferença social que os partidos políticos, não há dúvida de que os sindicatos poderiam encabeçar as pesquisas sobre essas fobias e aversões das pessoas. ---- Se existem atualmente algumas entidades com menos credibilidade e indiferença social que os partidos políticos, não há dúvida de que os sindicatos poderiam encabeçar as pesquisas sobre essas fobias e aversões das pessoas. Certamente, grandes partidos e sindicatos fizeram muito para construir a atual perda de prestígio e perder apoio popular cada vez mais.

"A corrupção, as falsas promessas, os convênios para favorecer o capital, a ossificação das suas estruturas, etc. motivam que a classe trabalhadora, que antes considerou os partidos de esquerda e sindicatos como algo próprio e útil para defender seus direitos, foge como a peste de qualquer compromisso militante com o que poderiam ser as organizações naturais de pessoas exploradas e excluídas da partilha da riqueza que criam com o seu trabalho."

Infelizmente, o afastamento do antigo proletariado de tão inúteis companheiros de viagem para uma nova sociedade, mais justa e solidária, não promoveu a criação de novas formas de organização, mais combativas, horizontais e dinâmicas; nem há um crescimento espetacular de outras organizações que já mantiveram seus princípios e seus compromissos de luta. Pelo contrário, embora nunca se deva generalizar, é nestes setores sociais pobres e espoliados onde os partidos conservadores e as ideias mais reacionárias encontram aceitação e até mesmo entusiasmo. Se há um século era impensável que um trabalhador não estivesse imbuído de um compromisso de classe e disposto a juntar-se à luta de seus companheiros, nestes tempos de pensamento fraco e consumismo desenfreado, muitas vezes nos deparamos com trabalhadores - em muitos casos absolutamente precários e explorados muito além do legalmente - defendendo a empresa e criticando aqueles envolvidos nas poucas greves que são feitas; especialmente se houver piquetes que os impedem de exercer o seu teórico direito ao trabalho ou lhes forçam a se atrasar para seus trabalhos de lixo.

E se a greve não gozar de uma boa imprensa (vale a expressão), o que dizer dos sindicatos, que não gostam nem dos trabalhadores nem dos empregadores. Bem, estes últimos os veem como necessários, desde que se limitem a serem moderados e entender as necessidades da empresa. Os trabalhadores mais velhos mantêm as mensalidades do sindicato mais por rotina (se ligaram a certas siglas como se ligam a um time de futebol) ou se eles podem economizar a pensão e os mais jovens se veem obrigados a se organizar porque pelo sindicato de cada empresa é possível estender o contrato. Esta situação preocupa (ou deveria preocupar) as burocracias sindicais, pois quando desaparecidas do cenário laboral das gerações que viveram as greves prolongadas e as convenções rígidas das últimas três décadas do século passado, as pessoas que assumem a situação não têm experiência de lutas ou qualquer formação ideológica... exceto que para repetir o que os comentaristas de TV dizem que pode ser chamado de ideologia. Apesar de tudo, e apesar desses fatores negativos, o anarcossindicalismo é a única fórmula sindical que mantém a dignidade e até mesmo aumenta ligeiramente sua presença nas ruas, nas empresas e nos conflitos sociais.

É claro que estamos falando de nosso país, porque no resto da Europa os sindicatos sociais-democratas e cristãos não caíram tão baixo e ainda defendem alguns direitos e o anarcossindicalismo, por enquanto, só tem uma presença simbólica. Claramente muito diferentes condições são dadas para os países industrializados europeus, em particular o caso espanhol: o sindicalismo reinante nas últimas décadas perdeu suas referências e até mesmo a sua ética e o anarcossindicalismo, sem ter o peso que tinha na primeira metade do século XX a CNT, é agora uma alternativa possível e viável que muitos trabalhadores se agarram, fugindo escaldados do sindicalismo majoritário, promovido pelo Estado, as patronais e seus meios de comunicação. Neste momento para o anarcossindicalismo está passando um dos últimos trens disponíveis, então seria uma pena se ele fosse perdido como tantos outros anteriores.

As circunstâncias descritas acima permitem alguma esperança razoável para o sindicalismo libertário. Mas por muito propício que pareça ser o cenário atual, se os sindicatos herdeiros da CNT histórica não souberem como gerir esse valioso legado e adaptar seus meios e táticas às novas realidades e a algumas formas de participação e atuação que, no fundo serão semelhantes, mas não são as de 1910 ou 1931, uma oportunidade de ouro terá sido desperdiçada para fornecer às classes populares do século 21 uma ferramenta própria, modernizada e eficaz para a transformação global da sociedade.

"No caso concreto da CGT essa adaptação aos tempos e às necessidades do terceiro milênio passarão por abrir as estruturas (que já foram modificadas consideravelmente desde a cisão ocorrida no V Congresso) para novas maneiras de vinculação ao mundo do trabalho (temporário, teletrabalho, falsos autônomos, ETT, subcontratação, trabalho a tempo parcial, etc.) e para promover a autonomia e a capacidade das assembleias de cada indústria ou setor produtivo, reservando ao sindicato o papel de conselheiro e motor de luta".

A central sindical que aspira a ganhar o respeito e a confiança das pessoas deve ter alguns métodos e alguns alvos absolutamente opostos as grandes burocracias das quais as poucas pessoas conscientes e combativas que ainda perdura no movimento (leve movimento, que se diga) sindical.

Esta mudança de forma e pano de fundo no protesto social europeu foi plenamente demonstrada (embora tenha sido incubada desde Maio de 68 e as mobilizações contra a globalização capitalista) com nossos 15M. Desde aquela explosão de assembleias e autogestão, nada foi como antes; nem partidos nem os sindicatos clássicos foram capazes de encaixar as críticas... e foi assim que as coisas transpareceram.

Desde então, as experiências de democracia direta e fuga do rebanho indefeso não cessaram; marés, plataformas, assembleias. Os coletivos trabalhistas mais explorados e os bairros mais pobres e esquecidos conseguiram se organizar e enfrentar os exploradores e instituições de todos os tipos. Demonstraram aos partidos e sindicatos o que nos tinha entediados com suas chamadas para a ordem e moderação, que se luta se pode ganhar, e mesmo que nos derrotem na maioria das vezes, vale a pena tentar.

A greve feminista do 8M e os protestos maciços contra cortes de aposentadorias são dois exemplos claros e próximos do que dizemos. Em ambos os casos, as chamadas não saíram da UGT e da CC.OO[sindicatos majoritários], embora não tenham sido privados de tentar capitalizá-las em proveito próprio, uma vez que eles viram que não podiam evitá-las com suas ações e mobilizações paralelas e apenas simbólicas - e também ante tais mobilizações o anarcossindicalismo (CGT e CNT) soube cumprir a sua responsabilidade social; convocou, participou e deixou seu papel de liderança para os grupos organizadores.

E é como se costuma dizer na casa "somos mais que um sindicato". Somos porque não nos limitamos à estrutura da fábrica nem nos contentamos com apenas melhorias econômicas: queremos um mundo mais justo e acreditamos que é possível. Essa é a vigência e a utopia do anarcossindicalismo de 2018 e dos tempos vindouros.

Fonte: https://www.elsaltodiario.com/alkimia/el-anarcosindicalismo-sigue-vivito-y-peleando

Tradução > Liberto

https://ligarj.wordpress.com/2018/04/26/o-anarcossindicalismo-segue-vivinho-e-lutando/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt