A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

(pt) anarquismo amazonas: Professor@s do Amazonas em Luta, governo em crise: todo apoio à greve d@s professor@s! Lutar até a vitória! Pró-Organização Específica Anarquista (OEA)

Date Wed, 28 Mar 2018 08:18:28 +0300


A educação no Amazonas está vivendo um momento histórico, com os/as professores/as, pedagogos/as, administrativos, merendeiros/as e demais trabalhadores/as da educação, construindo uma gigantesca Greve Geral marcada para o dia 22 de Março - em meio a protestos, manifestações, fechamento de ruas e avenidas, tanto na Capital quanto nos 61 municípios do interior. ---- Na verdade, esta luta não vem de hoje. Vem há pelo menos 4 anos atrás, quando os professores, após um relativo período de refluxo em suas lutas e mobilizações, buscaram se reorganizar e agitar as bases de sua categoria. Relembramos as jornadas de Fevereiro e Março de 2014 com o protesto de mais de 3 mil professores em frente à Arena da Amazônia, seguido de Maio na praça Heliodoro Balbi, entre outros grandes protestos. É à força dos/das professores/as na luta por direitos e desafiando os governos inimigos da educação, ano após ano. Aqui, ressaltamos a importância das jornadas de 2013 e 2014, que reacenderam (independente das narrativas ideológicas), as lutas de rua e manifestações populares, em grande medida, adormecida há anos.

"O governo Amazonino está em crise" - mas governos são crises permanentes...

Também não é de hoje que os governos que se revezam no poder local, na esfera estadual em específico, passam por uma profunda crise, descrédito e instabilidade. Para "os de cima", é cada vez mais difícil manter toda a farsa frente à decomposição do velho Estado, repleto de escândalos de corrupção, roubos, esquemas e que sempre estará a serviço do grande capital e das velhas oligarquias. Não começou com o velho oligarca Amazonino Mendes (PDT) e não terminará com o próximo gerente de crise eleito nestas eleições de 2018.

É preciso dizer que no Amazonas, reina há mais de 30 anos, uma mesma facção política, que envolve famílias, organizações criminosas e grupos empresariais poderosíssimos - todos profundamente articulados e unidos na pilhagem dos recursos públicos, no uso do Estado para seus projetos privados e enriquecimento sem limites. São donos de boa parte das terras do estado, além de proprietários de grupos e consórcios empresariais/financeiros (construtoras, empreiteiras, concessionárias de automóveis, corretoras de seguros, lojas de departamentos, rede de supermercados, faculdades privadas, fábricas, emissoras de radio, televisão, imprensa). Essas famílias ganham ou decidem quem vai ganhar cargos na maquina estatal bem antes da horrível "festa da democracia" dos 4 em 4 anos.

Esta crise permanente (na verdade, crise somente para nós pobres e trabalhadores/as, pois os ricos estão muito bem, obrigado!), atinge diretamente os serviços públicos: sucateamento, precarização e cortes na saúde, educação, transporte, assistência/proteção social, previdência, direitos trabalhistas e sociais, rebaixando e empobrecendo a reprodução social de nossas vidas.

Como era de se esperar, o mandato tampão de Amazonino Mendes (eleito após uma bela cartada na rearticulação de poder local), que sucedeu seu apadrinhado e também membro de seu grupo político, José Melo (PROS), vem agonizando, figurando como um grande fiasco. Trabalhadores/as da educação, saúde, cultura, até mesmo policiais militares (da qual não sinalizamos nenhum apoio), cansados/as das mazelas e do profundo estado de precarização de seu trabalho, direitos e consequentemente, de vida, protagonizam uma onda crescente de lutas e mobilizações - soma-se a isso, as categorias já em greve como os ecetistas, e as que estão se articulando, como a dos rodoviários.

Luta pela Educação pública e Greve de professores/as:

Pelo menos desde Fevereiro, os/as professores da rede pública de ensino, vem buscando diálogos com o governo, com protestos tanto na sede da Secretária (Seduc) quanto na Sede de Governo. Na ocasião, foram apresentadas às pautas, e num primeiro momento, ignoradas pelo governo. Ainda em Fevereiro, os/as professores/as iniciaram suas primeiras mobilizações e assembleias de base, tanto na Capital, quanto no interior, com atos públicos, passeatas, e nesse processo, o governo escancara seus podres: contrapartidas esdrúxulas daquelas exigidas pelos movimentos, além de escândalos, como a CPI dos desvios de verbas do FUNDEB (na mira, estão o ex-governador e atual senador Omar Aziz (pertencente ao grupo político de Amazonino) e o empresário Ronaldo Tiradentes (dono de empresas de marketing e da emissora "Rádio Tiradentes"), o corte arbitrário do Plano de Saúde dos professores, exonerações de professoras com auxilio-maternidade e licença-médica.

Parecendo não ser o bastante, e num tom de deboche com os/as professores/as, o governo inimigo da educação, além de ignorar completamente as reivindicações da categoria, concede ao mesmo tempo, promoção para mais de 3.293 policiais da PM-AM, o pagamento de mais de 2,7 mil em "auxílio-farda" (valor superior a qualquer beneficio recebido por um professor da rede pública), aumento de 100% no valor do auxílio-alimentação e auxílio-moradia, o que revela, como já dissemos em outros momentos, o caráter fascista e policialesco da candidatura Amazonino. Os professores mostram sua força no histórico 13 de Março, com a paralisação das escolas da Capital e outros 13 municípios do interior: protestos nas quatro zonas da cidade, escolas fechadas, trancamento de avenidas. No dia seguinte, um dos movimentos de luta dos professores, deflagra greve geral na Praça Heliodoro Balbi, num ato que reuniu mais de 5 mil professores no centro. Como parte das atividades de greve, a segunda-feira amanheceu com mais 117 escolas da capital e outras 30 do interior 100% paralisadas, nos três turnos de aula. Na próxima Quinta (22), um grande ato está marcado na Sede do Governo, onde praticamente a totalidade da categoria estará mobilizada.

A luta dos/das trabalhadores/as na Saúde pública:

Nas últimas semanas, também temos visto importantes mobilizações dos trabalhadores da Saúde em Manaus, tanto em frente à SUSAM (Secretaria de Estado e Saúde), quanto no interior do Estado (Parintins, Urucará, Fonte Boa, Humaitá). Este é outro setor extremamente precarizado pelos governos, onde além das péssimas estruturas hospitalares, os trabalhadores não recebem reposição salarial, nem auxilio-alimentação pelo menos desde 2015. Além disso, reivindicam o cumprimento da Lei do PCCR (Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração - uma conquista dos servidores públicos, no que diz respeito à valorização profissional e remuneração), a reativação da "mesa de negociação" (uma ferramenta de negociação direta entre governo e os trabalhadores) que fora desativada pelo ex-governador cassado José Melo (PROS). Temos de lembrar, que o ex-governador, preso na operação "Maus Caminhos", deixara um rombo de 1,2 bilhão na saúde pública, além de 575 milhões em dívidas. À tona se revela um esquema gigantesco de uma organização criminosa que operava no desvio dos recursos públicos do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas, que envolvia grandes empresários, donos de terceirizadas, o bandido José Melo (além de sua esposa e irmão), secretários de saúde, de Estado e da Fazenda, coronéis da polícia, apresentadores de TV - tudo isto com o silêncio e conivência do TCE, do MPE e das bancadas de deputados estaduais.

A maioria dos hospitais no Amazonas, estão profundamente sucateados, sem equipamentos, sem estrutura suficiente para receber o número de atendimentos contínuos, um corpo de funcionários mal remunerados: um serviço essencialmente público gerido por empresas terceirizadas que por sua vez empregam mão de obra ultraprecarizada. No interior, a coisa é inacreditável: o Castanho não recebe verbas regulares para reforma há 5 anos, em Silves, a diretoria diz que terá de PARAR os atendimentos! Tudo isto só pode refletir numa crise estrutural da Saúde no Estado. E esta é a prática com qual opera o grupo político que há mais de 30 anos parasita o povo amazonense.

A greve do magistério estadual tem de virar uma luta popular generalizada e que envolva outros/as trabalhadores/as na luta por direitos:

O governo Amazonino Mendes, vem vendendo na imprensa, o discurso de "crise financeira", de que faltam verbas nos cofres públicos do estado. Argumento este, que além de falso e mentiroso, mostra ser apenas mais uma tática no modo de governar: selecionar os problemas sociais fazendo escolhas que punem a população com pobreza, repressão, retirada de direitos, destruição dos serviços e bens públicos, privatizações e mantendo intacto o lucro dos grupos econômicos, dos esquemas de corrupção, enfim, dos de cima - eternos parasitas do poder público. A polícia e o sistema penal, também fazem sua parte, buscando vigiar e eliminar a menor possibilidade de revolta, ou ações mais incisivas, como tática de reivindicação.

A greve da rede pública estadual de educação, declarada pelos movimentos de luta dos professores, vai passar por um processo de provações, por um "teste de fogo" até os fins de Março, imposta tanto pelo governo, quanto pelas burocracias sindicais que ocupam o principal sindicato da categoria - o SINTEAM. Independente dos movimentos de luta dos professores envolvidos no processo, mas principalmente as bases, terão de ter paciência e firmeza, tendo em mente que irão enfrentar um processo longo de resistência, para não ceder à guerra de nervos do governo, suas chantagens, da imprensa local que tentará deslegitimar o processo conforme a luta prossiga, pelas traições, negociações à portas fechadas e viradas de mesa dos burocratas e dirigentes sindicais.

A greve dos professores/as, não é uma simples reivindicação pelo reajuste de salário - é uma greve pela dignidade dos/das trabalhadores/as, por uma melhor educação pública para os filhos do povo. É uma luta que bate de frente com o poder mafioso que controla o Estado desde a ditadura militar e redemocratização, e se buscar envolver os estudantes, as famílias, as comunidades e outras categorias de trabalhadores, pode, sem dúvidas, ampliar o êxito em seu desfecho. Talvez, podemos estar vendo com a greve dos professores da SEDUC, um ponto de partida, para uma luta popular por mais educação e por melhores serviços públicos para a população, com forte protagonismo dos trabalhadores, nos bairros, nos locais de trabalho e estudo, unindo todos os oprimidos na luta contra a precarização da vida. Um exemplo disto é o ato unificado dos trabalhadores e servidores públicos da educação, saúde e cultura chamado para este mês.

Frente a este ciclo de lutas que se desenvolve no Amazonas (e aqui nos referimos especificamente da luta dos/das professores/as), o governo do Estado vem tentando deslegitimar o movimento pela via judicial, afirmando na velha imprensa local não reconhecer os movimentos de luta do professores, ou, que as paralisações e greve são totalmente ilegais. Nos espaços de trabalho, outra forma de intimidação (bastante conhecida dos professores e dos que se atrevem a lutar) são o assédio moral e ameaças por parte dos gestores e diretores, com vistas a tentar dividir e desmobilizar os trabalhadores em luta. Temos acompanhado de perto todas as mobilizações na cidade, e podemos constatar que os movimentos estão ganhando cada vez mais força, estão com muito gás para seguir se ampliando. Como já dissemos, a luta deve alcançar e envolver outros setores da população, comunidades, outras categorias de trabalhadores, potencializando nesta conjuntura, uma luta popular bem mais ampla, em defesa tanto da educação pública, quanto por melhorias na saúde, transporte, seguridade social.

Canalizar a luta popular por baixo, por fora das negociatas e dos esquemas tradicionais, eleitorais e burocráticos que infelizmente, ainda seduz boa parte da esquerda. Buscar novas táticas de luta, com ação-direta, com inteligência coletiva e sagacidade - próprias do movimento social em luta, convergindo com a ampla indignação da categoria, escolhendo os melhores meios para o combate contra o inimigo, sempre mirando no seu ponto fraco que é a luta nas ruas!

Seguiremos somando e nos colocando junto aos/as trabalhadores/as em luta!!

SÓ A LUTA MUDA A VIDA!!

TODO APOIO À LUTA DOS/DAS PROFESSORES/AS!

RUMO À GREVE GERAL ATÉ A VITÓRIA!

EDUCAÇÃO SÓ MUDA COM LUTA E ORGANIZAÇÃO!

Organização Específica Anarquista (Amazonas)
https://anarquismoam.wordpress.com/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt