A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017

(pt) [Espanha] A Catalunha depois da tempestade (ca, en) By A.N.A.

Date Tue, 12 Dec 2017 09:52:49 +0200


Tudo o que é construído desde baixo é bom... a não ser que se levante sobre alguns pedestais preparados desde cima... ---- Quando a campanha eleitoral está prestes a começar e, mais uma vez, contemplamos o espetáculo insuportável da competição entre os partidos para colher o número máximo de votos, pode ser um bom momento para fazer um balanço do intenso período de confronto entre o Governo e o Estado Espanhol, por um lado, e o candidato a ser um Estado Catalão, por outro. Um confronto em que setores revolucionários, bem como bastantes anarquistas e anarcossindicalistas se envolveram por considerar que era necessário tomar partido, que era necessário estar lá onde as pessoas estavam, e que era necessário escolher por lutar. ---- Hoje, a questão não consiste mais em saber se fazia sentido colaborar, desde posições libertárias, com um projeto cujo objetivo final era a criação de um Estado, ou se fosse coerente entrar na contenda liderada pelo nacionalismo catalão. Agora, se trata mais sobre saber se a parte do movimento anarquista que se envolveu naquela batalha vai valorizar os prós e os contras de sua jornada, ou, pelo contrário, vai elaborar uma história que permita justificar sua participação na contenda, buscando a confirmação de que, finalmente, fez o mais apropriado em uma situação certamente complexa.

A verdade é que os principais argumentos desta história já estão emergindo e apontam para uma mitificação de certos eventos, aumentando-os ao mais alto grau. Se fosse uma simples disparidade na apreciação subjetiva desses eventos, a questão não seria preocupante, sua relevância reside no fato de que, quando nos enganamos a nós mesmos sobre o caminho que viajamos, geramos uma série de pontos cegos que nublam nossa percepção de como, e por onde, continuar avançando.

Esse relato reflete o fato de que o desafio catalão apresentou certas facetas capazes de motivar a participação de pessoas insatisfeitas com o status quo existente. Com efeito, o conflito desencadeado na Catalunha mobilizou aqueles que desejavam avançar para uma sociedade mais justa e mais livre, com conhecimentos de democracia participativa, acompanhada de algumas pinceladas anticapitalistas, e se opuseram, para mencionar apenas alguns problemas:

- ao regime de 78, os pactos vergonhosos da transição, a monarquia, a monopolização bipartidária do poder político e a sacralização da Constituição.

- ao governo de direita e autoritário de um Partido Popular corrupto e se esforçando para reduzir os direitos e liberdades sociais.

- a repressão policial e a violência de suas intervenções.

- os obstáculos contra a livre autodeterminação dos povos.

Aqueles que estiveram envolvidos na luta têm razão em apontar a pluralidade dos aspectos que justificaram sua participação, no entanto, eles se enganariam se não reconhecessem, ao mesmo tempo, que as rédeas da batalha contra o Estado Espanhol estavam totalmentenas mãos do Governo e de seus associados nacionalistas (ANC e Omnium Cultural), com o único objetivo de forçar a negociação de uma nova distribuição de Poder e de obter, em longo prazo, o reconhecimento do Estado Catalão.

Eles também se autoenganariam se não percebessem que o caráter político, e não só social e transversal do conflito catalão respondeu, em boa medida, à necessidade absolutamente imperiosa de que os arquitetos e líderes do ataque contra o Estado Espanhol de construir a única arma capaz de dar-lhes alguma capacidade de resistência contra seu poderoso adversário, a saber: a magnitude do apoio popular na rua, onde era vital reunir tantos setores quanto possível e, portanto, muitas sensibilidades diferentes.

O relato justificativo que está aparecendo depende fortemente da mitificação das jornadas do dia 1º e 3 de outubro, e passa pela sobrevaloração da capacidade de auto-organização popular que se manifestou em torno da defesa das urnas.

Não há dúvida de que o 1º de outubro foi um sucesso considerável, não só por causa do enorme fluxo de eleitores, em uma quantidade impossível de verificar, mas porque eles zombaram de todos os obstáculos levantados pelo Governo. No entanto, nos enganamos quando negligenciamos que, se tantas pessoas foram às urnas foi também porque as autoridades políticas mais altas do país o pediam, desde o Governo Catalão, até a prefeita de Barcelona, passando por mais de 80% dos prefeitos da Catalunha.

É totalmente verdade que as proibições do Governo Espanhol foram desobedecidas, mas não deve ser ignorado que os slogans de outro Governo e de muitas posições institucionais foram obedecidos.

A mitificação do 1º de outubro também se baseia em ampliar a capacidade de auto-organização das pessoas em defesa das urnas, esquecendo que, paralelamente aos sinais louváveis de auto-organização, o território catalão também foi contado com a intervenção disciplinada de milhares de militantes dos Partidos e Organizações comprometidas com a independência (do ERC ao CUP, e do ANC ao Omnium Cultural). Colocar acento sobre os exemplos inquestionáveis de auto-organização não deve obscurecer completamente a verticalidade de uma organização que fez com que pessoas treinadas durante anos seguissem escrupulosamente e disciplinadamente as instruções dos órgãos dirigentes das organizações de independência nas manifestações de 11 de setembro.

Nós já sabemos, mesmo que apenas de nossa própria experiência, que a desobediência diante da autoridade, o confronto com a polícia e a luta coletiva contra a repressão, ofereçam sensações intensas e indeléveis que tecem forte solidariedade e vínculos afetivos entre estranhos que se fundem de repente em um "nós" carregado com significado político e energia combativa. Isso é parte do legado mais precioso das lutas, e justifica amplamente que as valorizemos com entusiasmo, no entanto, não deve servir de desculpa para enganar a nós mesmos. Embora tenha sido um fracasso ressonante para o Estado Espanhol, o 1º de outubro não marca um antes e depois, e não encontra as condições de passar à história como um dos atos mais emblemáticos de resistência popular espontânea, e nos autoenganamos se assim acreditamos.

O 3 de outubro também foi um dia memorável onde o país ficou paralisado e repleto de centenas de milhares de manifestantes. No entanto, se não queremos enganar a nós mesmos e mitificar esse evento, devemos admitir que a greve geral, por muito que os sindicatos alternativos a promoveram de forma eficaz e entusiasta, nunca teriam alcançado tal sucesso se não fosse a "Mesa pela democracia" (composta pelos sindicatos majoritários, pelos empregadores e pelas grandes organizações de independência) que convocou o que chamou de "greve do país" e porque o Governo apoiou a paralisação do país ao fechar suas dependências e garantir que não aplicaria a retenção de salário para os grevistas.

A constante e multitudinária capacidade de mobilização demonstrada por amplos setores da população catalã nos meses de setembro e outubro trouxe a tese de que o governo temia perder o controle da situação. É verdade que o medo desempenhou um papel importante no desempenho errático do Governo durante esses meses, mas não foi o medo de um eventual transbordamento promovido pelos setores mais radicais das mobilizações que explica as múltiplas renúncias das autoridades catalãs, mas a progressiva tomada consciência de que eles não conseguiriam finalmente vencer seu adversário e que ele tinha recursos suficientes para penalizá-los severamente.

Um terceiro elemento que alguns setores libertários, alguns deles envolvidos nos Comitês de Defesa da República, estão a mitificar tem a ver com a perspectiva de construir uma República desde baixo.

Talvez porque vivi durante décadas em uma República (a francesa), talvez porque meus pais nunca lutaram por uma República, mas para construir o comunismo libertário, e ter que enfrentar as instituições republicanas, não vejo a necessidade de estar sob o guarda-chuva republicano o esforço para construir uma sociedade que tende a lutar para que a dominação, a opressão e a exploração desapareçam.

Não consigo entender por que devemos ir aos esquemas convencionais, que só parecem distinguir entre a Monarquia, por um lado, e a República, por outro. Vale a pena repetir que a luta contra a Monarquia não tem que envolver a luta pela República e que não devemos nos referir à nossa luta na forma jurídico-política da sociedade que queremos construir, mas no modelo social que defendemos (anticapitalista e beligerante contra qualquer forma de dominação). O objetivo não deve ser expresso em termos de "construir uma república de baixo", mas em termos de "construir uma sociedade radicalmente livre e autônoma".

Por esse motivo, penso que é interessante retornar à expressão usada por Santiago López Petit em um texto recente: (elcritic.cat/blogs/sentitcritic/2017/11/27/catalunya-com-a-laboratori-politic/) quando diz: "Desde uma lógica de Estado (e um desejo de Estado) a sociedade nunca pode ser mudada", mas insistindo, por minha parte, que a sociedade não mudará desde qualquer "desejo da República".

Claro, depois da tempestade que abalou a Catalunha nos últimos meses, não devemos deixar que a calma lhe acontecesse. É necessário trabalhar para que as energias acumuladas não sejam desperdiçadas, de modo que as cumplicidades estabelecidas não se percam, e para que as ilusões compartilhadas não evaporem. É uma questão de não começar do zero novamente, mas de usar o feito para continuar em outro "fazer" que evite a diáspora militante. A recuperação da força não é uma tarefa fácil, mas, para conseguir isso, é essencial reconsiderar os erros cometidos e, acima de tudo, não se enganar ao ampliar os momentos mais espetaculares das lutas e superestimar alguns dos seus aspectos mais positivos.

Claro, seja anarquista ou não, cada pessoa é livre para introduzir um papel em uma urna, se assim o desejar, mas a última coisa que nos faltaria neste momento seria que os anarquistas se envolvessem, mesmo que indiretamente na atual contenda eleitoral catalã pensando que este é o caminho para manter viva a esperança de uma mudança revolucionária ou, mais prosaicamente, considerando que este é o caminho para o fim do regime de 78. López Petit se lamenta em seu texto, citado acima, que em vez de concordar em participar de uma eleição imposta, os partidos políticos não optaram por "sabotá-las por meio de uma abstenção maciça e organizada". Essa é, em minha opinião, a opção que os setores libertários deveriam adotar e colocar em prática no dia 21 de dezembro.

Tomás Ibáñez

Barcelona, sexta-feira, 1º de dezembro de 2017

Tradução > Liberto
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt