A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017

(pt) [Chile] Relato do 1º de Maio em Santiago By A.N.A. ,,,

Date Sat, 8 Jul 2017 10:01:26 +0300


Com aqueles que não participaram do chamado oficial da CUT e que, por outro lado, sentem o compromisso de classe e a necessidade de se manifestar nosso desacordo com a institucionalidade, nos reunimos na segunda-feira do 1º de Maio na esquina da Alameda com a Av. Brasil por volta das 10 da manhã. Enquanto os companheiros e companheiras se reuniam no dito lugar, diversas agrupações participantes difundiam suas manifestações através de faixas e folhetos autogeridos, que passando de mão em mão transmitem ideias libertárias que nos motivam a seguir lutando e que, nessa data particular, destacam a comemoração dos trabalhadores anarquistas mortos em maio de 1886 em Chicago, em razão de uma manifestação na qual reivindicavam a jornada de 8 horas de trabalho, ocasião em que foram submetidos a um julgamento ilegítimo que culminou com a condenação a morte de cinco deles, na chamada tragédia de Haymarket.

Uma vez reunidas todas as agrupações participantes, começamos a marcha vociferando consignas antiestatistas antipatriarcais e anarcossindicalistas, rodeados de participantes e simpatizantes das luta classicista, que de maneira independente se integraram a esta manifestação popular que circulou pela principal artéria da cidade em direção a Estação Central.

Durante o percurso, ficou manifesto que nem todos os participantes concordam com os princípios que nos mobilizam, dado que uns participantes foram acusados de machistas e se armou uma pequena confusão e discussão, que nos deixou claro que o dispositivo heterosexista ainda permeia até mesmo algumas agrupações que se autodefinem como libertárias e revolucionárias.

Não havendo ainda de terminar o percurso, a força policial se fez presente de forma violenta e arbitrária como é de costume, rodeando aos participantes com seus carros com gases tóxicos, disparando contra jovens, meninos e meninas, mães e todos os que participavam pacificamente de um ato legítimo, tendo que fugir para protegerem-se. Dessa maneira a polícia alcança seu objetivo repressivo, dissipando a força da marcha, como na metáfora de uma velha prática política de dividir para enfraquecer, mecanismo este utilizado d esde tempos remotos para atenuar o poder de uma organização popular. Ao mesmo tempo os meios de comunicação "informam" sobre os distúrbios ocorridos e sobre a "violência" dos manifestantes. Outra vez, o poderoso tem em suas mãos a verdade oficial, o discurso bem-pensante e normalizador que apazígua o terror dos espectadores que desde suas casas franzem a sobrancelha ante a violência dos "ressentidos" que destroem o patrimônio nacional.

Finalmente, a marcha durou muito pouco, restando um sentimento de insatisfação, em razão do pouco tempo de sua duração e, principalmente, porque a luta segue sendo desigual. O aparato técnico e repressivo da força policial é de longe superior a dos manifestantes, existindo momentos em que parece um jogo de crianças, com algumas pedradas e pichações diante das armas desenhadas para reprimir utilizadas pelos uniformizados. Um percurso pequeno, por um setor popular, muito distante dos bairros elegantes, onde o impacto da manifesta&cced il;ão talvez tivesse obtido algo além de uma inesquecível algazarra no marco de uma forma de participação cidadã hegemonizada pelo discurso institucional.

Continua, pois, a luta autônoma para gerar união, apoio mútuo, autogestão com intenção de melhorar as condições de trabalho e a vida em geral das classes trabalhadoras e de todos.as que sentem a opressão do poder heteropatriarcal sobre seus ombros.

Por fim, e uma vez finalizada a marcha, convidamos a todos os companheiros e companheiras a participar de uma tarde de cultura, conversação e encontro na Casa do Comunismo Libertário, onde se desenvolveram uma série de atividades como conversas, se ofertou um almoço comunitário e finalmente apresentou-se a obra "Os Grilhões", que narra a história de um grupo de trabalhadores anarquistas subjugados pela lei em inícios do século XX.

Sindicato de Ofícios Vários Santiago

Tradução > Liberto
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt