A - I n f o s

uma agência de notícias multilínguas de, por e para anarquistas **
Notícias em todos os idiomas
Últimas 30 mensagens (Portal) Mensagens das últimas duas semanas Nossos arquivos de mensagens antigas

As últimas cem mensagens, por idiomas em
Castellano_ Català_ Chinês_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Grego_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

Primeiras Linhas Das Dez últimas Mensagens
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe


Primeiras linhas de todas as mensagens das últimas 24 horas
Indices das primeiras linhas de todas as mensagens dos últimos 30 dias | de 2002 | de 2003
| de 2004 | de 2005 | de 2006 | de 2007 | de 2008 | de 2009

(pt) 29M: A la huelga , compañero! Um relato da Greve Geral em Barcelona

Date Fri, 13 Apr 2012 13:49:59 +0200


Iniciamos a publicação de uma série de relatos internacionais em que a
Biblioteca Terra Livre esteve presente ou que algum de seus membros vivenciou.
O primeiro é um relato de Rodrigo Rosa sobre os acontecimentos em Barcelona
durante a Greve Geral ocorrida dia 29 de março (29M) na Espanha.

29M: A LA HUELGA, COMPAÑERO!
Um relato da Greve Geral em Barcelona

Logo que cheguei em Barcelona fiquei sabendo que ia rolar uma greve geral na Espanha
dia 29 de março. Seria a 8ª greve geral depois do fim da ditadura. No começo a
conversa estava um pouco tímida e só alguns sindicatos e movimentos autônomos
haviam-na convocado. Mas ao longo do tempo os dois maiores sindicatos (Comisiones
Obreras - CCOO e UGT) se viram obrigados a convocar a greve por uma série de
motivos. No final houve uma grande mobilização por parte de muitos movimentos e
setores da esquerda espanhola, desde os mais moderados até os mais combativos.

O motivo principal foi a "Reforma Laboral" que o governo implementou. Trata-se de
uma reforma trabalhista que corta muitos direitos dos trabalhadores, piora a
situação dos empregados, legaliza a tal flexibilização (que na verdade é a
desregularização da legislação trabalhista), torna os temporários e precários a
forma principal de relação de trabalho. Ela também facilita a dispensa imotivada ou
mesmo por motivo de doença. Há um rol enorme de detalhes sobre a reforma que são de
complexa compreensão. O governo argumenta que assim geraria mais emprego e seria um
movimento importante para que o país saia da "crise". Será mesmo?

A REFORMA LABORAL

Diante de tanta celeuma sobre o assunto tentei me inteirar do que estava se passando
e fui numa palestra realizada por um advogado trabalhista organizada pela Assemblea
de Barri Poble Sec, o bairro em que estou morando. Trata-se de um movimento de
assembleias ligado ao 15M. O palestrante explicou muito bem (se eu entendi tudo,
pois falou em catalão) como a reforma afeta todos trabalhadores e como é uma grande
falácia o argumento em relação à geração de emprego. Vou tentar resumir um pouco os
principais pontos da reforma (amparado pela palestra e alguns materiais produzidos
pela CGT - Confederación General del Trabajo - e pela CNT - Confederación Nacional
de Trabajo - ambos sindicatos de tradição anarquista):

- Há mudanças no contrato de pessoas "em formação" e para "aprendizes", pois antes o
limite era de 25 anos, passando agora para 30, e permitindo que a mesma pessoa seja
contratada diversas vezes nessa modalidade (que já é uma forma de precarização do
trabalho), aumentando sua duração para 3 anos.

- Cria-se o contrato para "empreendedores" dando incentivos para os empresários que
contratem nessa modalidade. Muita gente já trabalha aqui como "autônomo", ou seja,
que abriram sua própria empresa para "prestar serviço" e para os patrões não pagarem
os direitos de um trabalhador contratado. Porém, a reforma estabelece um "período
probatório" de um ano para estes "empreendedores" que podem "não ter seu contrato
renovado" sem nenhuma indenização por parte do empresariado.

- Facilita a mobilidade geográfica e funcional do trabalhador ao desejo do patrão
estabelecendo um sistema de "grupos profissionais" (e não mais de "categorias
profissionais"), que é mais amplo e permite que o trabalhador seja manejado de posto
ou local de trabalho sem intervenção do sindicato ou do governo.

- A reforma facilita a dispensa imotivada, ou seja, reduz o valor da indenização e o
prazo de pagamento que os empresários devem ao trabalhador em caso de demissão sem
justa causa. Hoje o trabalhador receberia 45 dias por ano de trabalho com limite de
42 mensalidades. Após as mudanças propostas passará a receber 33 dias por ano de
trabalho e um limite de 24 mensalidades. Essa mudança será aplicada não só aos novos
contratos mas a todos contratos independente do tempo de serviço do trabalhador.

- Facilita a demissão por absenteísmo, mesmo que por faltas justificadas (doenças,
acidentes de trabalho, participação em greves).

- Há uma redução de 60% nos custos da "demissão objetiva" ou demissão coletiva,
incluindo aí do setor público, e inclui-se junto às causas técnicas, organizativas e
de produção um motivo econômico que prevê nessa cláusula demissões legais se a
empresa apresentar redução de lucros ou vendas durante três trimestres consecutivos.

- Redução da "licença lactante" que antes era para homens e mulheres, agora sendo
somente para um dos progenitores.

- No âmbito coletivo a reforma elimina a força da negociação coletiva por parte dos
sindicatos, de duas maneiras: uma delas ao dar ao empresariado a decisão total sobre
as condições salariais e condições de trabalho (jornada, turnos, compensações,
mobilidade, etc); a outra através da eliminação da ultra-atividade dos Contratos ou
Acordos Coletivos de Trabalho, fixando um prazo máximo de 24 meses, ou seja, se não
houver um novo acordo o anterior deixa de ser vigente e o empresário decidirá as
novas formas de contratação, salário, etc. Passa-se também, assim, a uma primazia da
negociação individual e por empresa, ao invés da negociação setorial, regional ou
nacional pelos sindicatos, em relação aos salários, produtividade, horas extras,
horários, etc. Também permite não aplicar os acordos se há uma redução de lucros ou
vendas por 2 trimestres consecutivos. Assim os empresários passam por cima dos
Contratos Coletivos, eliminando o sindicato como instituição de defesa dos direitos
e interesses dos trabalhadores.

- Se os trabalhadores e empresários não chegarem ao um acordo em cada empresa,
passa-se, após um tempo, a uma arbitragem obrigatória do governo.

Na palestra o advogado fez um comentário que me chamou a atenção. Disse que agora na
Espanha os trabalhadores e sindicatos estão buscando formas (legais) de barrar essa
reforma e que acham difícil utilizar o argumento dessa ser uma medida
inconstitucional. Ele opina que pode acontecer o que nunca achou que fosse possível:
apelar para as convenções da OIT como forma de tentar pressionar o governo e
demostrar que a reforma vai no caminho contrário das orientações dos órgãos
internacionais (que diga-se de passagem, são tripartites, incluem governos,
trabalhadores e empresários!) quanto aos direitos de organização sindical e dos
trabalhadores. Ele falou com tanto espanto dessa possibilidade, pois por aqui, em
geral, as convenções da OIT são consideradas normas que estabelecem o mínimo do
mínimo de direitos e que é até ridículo num país europeu ter que se apegar a essas
orientações para garantir direitos trabalhistas e de organização sindical. Bem, na
hora pensei em como no Brasil nós, trabalhadores e sindicatos, lutamos bravamente
para conseguir que o governo assine tal ou qual convenção da OIT e nos garanta um
mínimo de direitos... De fato, há muitas diferenças (extremas) entre os direitos
sociais e trabalhistas daqui e do Brasil. Com esses recortes propostos pelo governo
espanhol há uma ameaça de perda de direitos que nós, terceiro-mundistas e
ex-colônias do sul, nunca sequer sonhamos em conquistar ou ainda estamos longe de
alcançar.

Um detalhe curioso. Quando soube que essa reforma é fruto de um Decreto Real-Lei,
expedido pelo Rei em pessoa e que está acima de qualquer contestação judicial ou
parlamentar caiu minha ficha: a Espanha é uma monarquia! Aí que me dei conta que vim
morar numa país que tem um Rei!?!? Isso é algo realmente bizarro. Inclusive o tema
da monarquia aqui é delicado, pois há críticas de que a transição pós-franquista foi
para manter os mesmos grupos no poder e o tal "Rei" teve papel central nesse
processo. Inclusive, soube que uma banda punk foi condenada à multa ou prisão por
escrever uma letra denunciando e atacando o Rei.

Concluindo essa seção informativa: essa reforma na verdade não vai ajudar em nada a
Espanha a sair da crise. Mais uma vez o Estado e o empresariado estão de fato
fazendo com que o povo pague pela crise que eles mesmos geraram! E dessa vez o
ataque ao povo é grave e requer uma resposta tão poderosa quanto a violência com que
os poderosos atacam o povo com essas medidas cruéis políticas e econômicas.

RUMO À GREVE GERAL

Depois dessa breve explicação sobre a reforma pode-se entender melhor o que levou
também os sindicatos "pelegos" majoritários (CCOO e UGT) a aderirem à greve.
Finalmente, sacaram que a reforma mexe também nas relações sindicais e torna mais
complicada a mobilização e luta. Isso ameaça diretamente os trabalhadores, mas afeta
também a estrutura sindical e as burocracias sindicais partidárias (PSOE) que neles
estão incrustadas. Mas a vida aqui segue bem à margem das cúpulas dirigentes do país
e nesse contexto vários grupos e sindicatos anarquistas, independentes e autônomos
se mobilizaram para a greve. Havia muitos cartazes pelas ruas (muitos foram
arrancados no dia seguinte), tanto da CNT e CGT (anarco-sindicalistas), como de
sindicatos minoritários que são mais abertos e assembleários. Havia chamados de
grupos políticos que não conheço (imagino que são marxistas de uma corrente bizarra,
mas muito minoritários) e da galera geração "indignados" que se reúne em Assembleas
distribuídas pela cidade (inclusive estou participando aqui no meu bairro, Poble
Sec). Há também um grupo chamado "Coordenació Laboral i Suport Mutu", ligado
diretamente aos 15M.

Uns dias antes do 29M houve uma sessão do cineclube da Assemblea aqui no bairro com
filmes franceses sobre greve nos anos 1950 e 1960. Depois rolou um debate com um
sindicalista de Comisiones de Base e um cara que está trabalhando na organização da
"Huelga del 99%", um movimento mundial, uma "greve mundial" que está sendo convocada
para o dia 15 de maio. O debate foi meio bizarro, pois girou em torno da ideia de
que a greve geral é só de trabalhadores e que o capitalismo mudou, surgiu o sistema
financeiro, a pulverização dos trabalhadores, enfim, a "perda da cetralidade do
trabalho". E o pessoal (tinha muitos jovens 15M e uns poucos velhos sindicalistas
ex-CCOO, CGT ou de Base) ficava rodando e rodando para tentar propor algo "além da
greve geral"... Aí o cara da greve dos 99% propôs: fazer como os piqueteiros da
Argentina ou caminhoneiros da Itália. Ele acha que é necessário criar outras formas
para "parar o capitalismo", parar os fluxos de capital, etc, etc. Concretamente
falou de bloqueios dos transportes e grandes shoppings, boicote e não consumo,
bloqueios por internet e ocupações de prédios e espaços públicos..... Oras bolas,
para mim a greve geral é isso tudo, pô! Só pensava na greve de 1917 em São Paulo e
como houve a união entre a luta no trabalho e a luta social dos inquilinos e
moradores de cortiços. Houve corte de transportes, ocupações, saques, boicotes, etc
etc etc. Uma greve geral deve ter um caráter de transformação social radical, ou
como diriam os antigos anarquistas, a greve geral deve levar à revolução social.

É claro que entendo que as pessoas se sintam distantes dos sindicatos que estão
partidarizados (PSOE que já foi governo e é um partido "socialista" forte aqui) e
burocratizados, se dedicando às negociações e reformas pontuais, fazendo o bom e
velho papel de amaciar a sela para os ricos montarem em cima do burro (ou melhor, do
povo trabalhador). Mas daí achar que tem que inventar tudo novo quando na verdade
existem experiências históricas que podem ajudar (anarco-sindicalismo, sindicalismo
revolucionário e até os recentes movimentos anti-capitalistas e 15M).

No final foi informado sobre um piquete unitário ao meio dia de 29 de março e que
depois cada grupo político faria suas manifestações e passeatas em separado. Já na
véspera da greve, à noite, rolou um "panelaço" da Assemblea aqui no bairro para
convocar o pessoal para a greve.... Fechamos a avenida principal e demos uma boa
volta pela região, antecipando um clima de que ia ser um grande movimento no dia
seguinte...

MILHARES DE PESSOAS EM AÇÃO DIRETA NAS RUAS

No caminho de casa até o piquete passei pelos bairros de Poble Sec, Sant Antoni e
Raval e o cenário era de expectativa e tensão para uns e de normalidade para outros.
Os comércios estavam 25% fechados (uma minoria anunciava que fechava por aderir à
greve); 25% funcionava com as portas abertas pela metade e tive a impressão de que
metade abriu normalmente. É claro que essas regiões são basicamente habitadas por
imigrantes chineses, turcos, paquistaneses, peruanos, dominicanos, etc. A
mobilização é difícil pois muitos têm seu pequeno comércio ou seu trabalho precário,
totalmente desprotegidos em relação aos direitos trabalhistas. Muitos estão em
condições ilegais. Outros vivem melhor aqui do que viviam em seus países.... É uma
questão (política, social, econômica e cultural) muito complexa. Para se ter ideia,
a maioria dos materiais de convocatória era escrita em catalão, uma parte em
castelhano. Só vi um cartaz que convocava a greve em uns 10 diferentes idiomas...
Esse é uma tema que merece ser explorado se os movimentos pretendem crescer por
aqui.

Por fim cheguei à Praça Catalunha um pouco antes do meio dia e já me deparei com uma
marcha anarquista e de militantes da CNT nas Ramblas, calçadão só para turistas em
Barcelona. Me juntei a eles e ao passar pelas ruas, dando volta na Praça Catalunha
muitos comércios fecharam (ou foram "fechados"). O caso de uma grande
galeria/shopping, que tinha loja da FNAC e outras boutiques, foi alvo de uma ação
direta que resultou no fim do expediente para os trabalhadores de lá. Ao mesmo tempo
convergiam várias passeatas anarquistas (CGT, CNT, Assembleas, Coletivos, Ocupas,
etc) para a praça. Nesse momento começou um piquete em frente ao grande (mas bota
grande nisso) magazine El Corte Inglés (seria um tipo de Extra ou Casas Bahia no
Brasil), um gigantesco centro de compras que tem de tudo que o consumidor ávido
deseja. Na porta da loja estavam plantados dois furgões da polícia e uns meganhas
armados para "garantir o direito de ir e vir, de consumo e de trabalho" no Corte
Inglés. Aí se podia notar como o policial é mesmo o cão de guarda do capitalista,
desde sempre e até hoje. Houve uma certa tensão, tentativas de atacar a loja mas não
rolou. Por fim decidiu-se ficar na porta xingando a polícia e aplaudindo e
humilhando os idiotas consumidores que saiam da loja protegidos pelas armas. Isso
durou até sei lá que horas, pois de tarde ainda estavam lá de plantão na porta.

A marcha seguiu pelo Passeio de Gracia em direção ao ponto onde haveria uma nova
concentração. Caminhamos ao som da canção A la Huelga
(http://www.youtube.com/watch?v=4qwf11IZRv4) num clima divertido e tranquilo. Essa
sim é uma rua fina e chique, cheia de bancos e grandes lojas da moda européia, como
se fosse um mix de avenida Paulista e Oscar Freire em São Paulo. Nesse momento as
ruas já estavam tomadas por milhares de pessoas que carregavam bandeiras e bradavam
gritos de ordem contra a reforma laboral, contra o capitalismo e pela "vaga
general". Notava-se que havia grandes grupos como os anarco-sindicalistas da CGT e
CNT com bandeiras e caminhonete de som, mas também pequenos grupos de afinidade e
estudantis, bem como diferentes Assembleas de vários bairros.

Como os libertários não acreditam nas propostas de reforma ou de negociação das leis
trabalhistas, o objetivo unânime era, acredito eu, barrar o Decreto-Real e
demonstrar para o governo, para o capital e para a sociedade que não há solução
negociada para a crise e que a saída é acabar com o capitalismo e lutar pela
auto-organização e a auto-gestão. Pela ação direta é que os trabalhadores e a
população em geral pode mudar alguma coisa. Não pelas negociações pontuais. E unindo
várias estratégias e táticas de luta e manifestação os anarquistas fizeram a maior
passeata de orientação libertária que eu já vi. Os grupos anti-capitalistas (aqui
chamados pela direita e pela imprensa burguesa de "anti-sistema") tiveram forte
atuação decorando a cidade com vitrines rompidas e paredes carregadas de belas
frases de incentivo à luta e de denúncia contra as empresas e o capitalismo.

Houve um ataque à Bolsa de Barcelona que teve seus vidros destroçados e uma fogueira
queimando em sua porta. Nesse momento surgiram dezenas de vans da polícia ("Mossos
de Esquadra", como se fosse a Tropa de Choque no Brasil) de onde saiam centenas de
"robocops" armados com escopetas de balas de borracha poderosíssimas (aqui trata-se
de uma bola de chumbo revestida de borracha quase do tamanho de uma bola de tênis)
para dispersar a multidão. Mas a massa seguiu caminhando até o cruzamento com uma
outra grande avenida.

Quando havia milhares de pessoas nas ruas, já nos Jardins de Gracia, ponto de
concentração da marcha, a polícia apareceu novamente com mais furgões e mais
meganhas atacando as pessoas - homens, mulheres, crianças, velhos - com cassetetes e
bala de borracha. Instaurou-se o pânico e uma correria generalizada. As pessoas
correram para as ruas transversais e assim deu-se início aos "conflitos" nas ruas de
Barcelona. Algumas ruas foram bloqueadas com barricadas feitas de pedras, sacos de
lixo, grades de construções, barras de metal e bloqueios de trânsitos e alguns
containers de lixo foram queimados. A cidade cheirava a fumaça e havia bombeiros,
ambulâncias e policiais por todos os lados.

Fui atrás dos sinais de fumaça para ver o que acontecia e me dei conta de que havia
muitos focos de fogo pelas ruas. Enquanto isso a polícia desfilava pelas ruas em
alta velocidade com seus veículos, com as sirenes ligadas e de tempos em tempos
parava num local e avançava sobre as pessoas numa nítida ação para aterrorizar os
grevistas e manifestantes. Numa dessas investidas decidi fingir que era um cidadão
comum, um transeunte desavisado, e não corri, segui caminhando. Fechei os olhos, por
via das dúvidas. O macaco passou do meu lado, atacou um estudante à minha frente e
um repórter atrás de mim que teve um osso da perna, provavelmente, quebrado. Nos
juntamos e carregamos o repórter para longe dos conflitos.

De repente, do meio dos manifestantes saíram uns 4 ou 5 caras vestidos à paisana e
arrastavam um moleque pelo chão tentando levá-lo para o camburão. As pessoas em
volta perceberam e foram para cima dos policiais infiltrados. A solidariedade e a
força dos grevistas conseguiu libertar o rapaz. A massa furiosa com tamanha covardia
passou a perseguir os infiltrados que quase foram apanhados e por pouco não viraram
picadinho de coxinha nas mãos da população revoltada. Isso me assustou muito. Pude
ver de perto como o Estado age de maneira terrorista e covarde para prender jovens
que estão demonstrando sua revolta com a situação em que vivemos, numa manifestação
legal e de direito como é qualquer greve. O pior é que os "secretas" se vestiam como
manifestantes... É preciso estar atento sempre. Veja aqui o exato momento em que são
descobertos e fogem: http://www.youtube.com/watch?v=V7w9nSQBJ6Y&feature=related

Como eu estava sozinho na manifestação, não estava em contato direto com nenhum
grupo de afinidade nem tinha nenhuma "base" para recorrer resolvi me afastar e me
preservar, pois se fosse preso, além de ser imigrante, talvez tivesse maiores
dificuldades em obter apoio e atenção de advogados.

A repressão seguiu a tarde toda, com policiais caçando as pessoas nas ruas e detendo
sem justificativa ou algum motivo. No final, conseguiram dispersar a marcha massiva
autônoma e libertária. Mas ainda não havia acabado. Tinha um outro ato convocado
para as seis da tarde na mesma praça Catalunha.

QUEIME, BARCELONA, QUEIME!

Voltei para Poble Sec e lá me juntei à marcha convocada pela Assemblea que saiu em
direção ao novo piquete. Nessa passeata havia muitas famílias, pais e mães com suas
crianças, num movimento alegre e bem humorado, com gritos de protesto e um clima
mais ameno, de confraternização e felicidade por estar tomando as ruas numa grande
greve geral que havia já surpreendido pela enorme adesão desde as primeiras horas da
manhã.

Chegando ao ponto central da cidade novamente muitas outras marchas se juntavam. A
cada esquina mais gente se juntava e tomava as ruas de Barcelona, fluindo um
formigueiro de gente para o mesmo local e com o mesmo objetivo: parar a reforma
laboral. Era tanta gente, mas tanta gente, que o grupo em que eu estava não
conseguiu avençar muito além dos primeiros metros de asfalto da praça. O pessoal de
Poble Sec fez um castelo humano em plena avenida. Havia muitos grupos e intervenções
diferentes, teatrais, musicais, panfletárias, divertidas. Havia milhares de pessoas.
Nunca havia visto tanta gente nas ruas numa manifestação política.

Eu estava justo entre os 15M de Poble Sec e a caminhonete da CGT/CNT onde rolava
muitas músicas anarquistas e gritos de protesto. Não era possível ver direito a
dimensão da manifestação pois havia gente em todas ruas transversais e não era
possível se movimentar muito. Sei que de repente começam barulhos vindos do outro
lado da praça, próximo ao Corte Inglés e novamente o céu se enche de fumaça. Algo
estava acontecendo, mas eu não tinha como ver nem saber. Nesse momento uma parte dos
grevistas se retirou e marchou em direção à outra praça próxima. Em seguida apareceu
a polícia e estabeleceu-se novamente um conflito nas ruas. Porém, mesmo com a
iminência de violência policial, muitos tiros e fogo logo alguns metros à frente as
pessoas não se abalavam. Continuavam em piquete na praça. Imagino que um grupo devia
estar à frente resistindo (não sei como) à repressão e impedindo o avanço da
polícia. Isso durou cerca de uma hora, quando, depois de um longo tempo, os "mossos
da esquadra" conseguem avançar um pouco e as pessoas começam a dispersar-se pelas
ruas e praças ao redor. O conflito se agravava e a ação dos grevistas se resumia a
resistir às investidas policiais brutais com pedras, paus e barricadas de lixeiras
em chamas. A certa altura uma loja da rede multinacional Starbucks é atacada e acaba
totalmente queimada, bem como alguns bancos e lojas de grandes marcas. Os
"robocops" seguiam atirando contra a multidão com balas de borracha (muitas vezes à
queima-roupa) e avançando lentamente desobstruindo as ruas. Até que num certo
momento os furgões avançaram e encurralaram centenas de pessoas numa rua, desferindo
tiros e golpes indistintamente, gerando pânico e feridas em muitos grevistas e
famílias que se solidarizavam com a causa dos trabalhadores.

Nesse momento percebi que a situação estava ficando grave e eu não estava preparado
para resistir aos golpes ou às bombas de gás lacrimogênio. Vi que a polícia estava
tornando-se cada vez mais violenta e atacava e prendia pessoas indistintamente.
Voltei para casa, mas não sem antes passar por dezenas de pontos de incêndio pelos
bairros e muita gente ainda na rua. As dez da noite tentei obter notícias e
sintonizei a Agência 29, uma iniciativa de várias rádios livres autogeridas de
realizar a cobertura ao vivo da jornada de greve. Assim me inteirei das dezenas de
prisões ao longo do dia e de que a manifestação seguiu madrugada adentro.

No dia seguinte passei pelas mesmas ruas e parte das pixações estavam sendo apagadas
e vitrines já estavam sendo consertadas. À tarde já não se notava que ali havia
ocorrido cenas dramáticas há apenas algumas horas. Os turistas e consumidores
habitués de Barcelona caminhavam tranquilamente em busca de seu conforto psicológico
e material nas ascéticas lojas da moda... E assim, aparentemente, aconteceu o triste
retorno à normalidade.

A GREVE EM NÚMEROS

Os números da jornada de "vaga general" na Catalunha foram:

* 82% dos assalariados aderiram, cerca de 1,88 milhões de pessoas, segundo os
sindicatos majoritários.
* 95% de adesão na indústria; 70% nos serviços públicos; e serviços mínimos nos
setores essenciais.
* Nos transportes: o porto esteve totalmente fechado; 129 vôos foram cancelado; 70%
dos taxistas aderiram; e 95% dos transportes urbanos (trem, metrô e ônibus).
* Houve adesão de 70% entre os trabalhadores em meios de comunicação (rádio, TV e
jornal).
* 100 piquetes e mais 2.400 comitês de greve.
* Em relação às manifestações os números estimados foram: 12.000 pessoas (há quem
diga 20.000) na passeata libertária e autônoma as 16:30h; 20.000 pessoas nas praça
Catalunha as 18h e cerca de 800.000 - segundo os sindicatos - na manifestação no
Passeio de Gracia (a polícia contabilizou 80.000).
* Mais de 200 containers de lixo queimados.
* 79 pessoas detidas.
* 30 atendimentos hospitalares.
* 7 feridos graves: braço quebrado, costelas quebradas, perfuração de pulmão e
lesões oculares graves (com risco de perda de visão) causados por balas de borracha
à queima-roupa.
* 4 jovens permanecem em "prisão preventiva" sob acusação de "bloquear o trânsito",
promover "desordem pública", "destruição do patrimônio", "pixações" e, por mais
bizarro que pareça, "pertencer a uma organização terrorista" (!!!????).

A REAÇÃO ESTATAL, CAPITALISTA E MIDIÁTICA ou TERRORISMO DE ESTADO

Existem dois pontos de vista divergentes em relação à avaliação do 29M na Espanha:
um por parte do povo, dos sindicatos e organizações autônomas, ou seja, na ótica de
seus protagonistas; e outro por parte dos reacionários (sim, aqui há muitos deles,
partidos de direita, católicos fervorosos, viúvas de Franco, etc).

A imprensa de direita, em especial La Vanguardia, estampava imagens dos incêndios de
latões de lixo e pedia punição aos "terroristas". Os meios de comunicação faziam eco
à versão de que havia grupos "violentos" nas manifestações que causaram terror na
população e destruíram a propriedade. Pediam mudanças na legislação penal e penas
mais duras para esse tipo de "vandalismo urbano" e "práticas de guerrilha urbana".
Porém já existem penas suficientemente duras para punir "distúrbios", "depredação" e
"vandalismo" urbano que já é aplicada, por exemplo, contra torcidas de futebol. E se
tratou, quando muito, disso e não de "atos terroristas".

As autoridades catalãs (prefeitura, governo e secretária de segurança) também deram
declarações no sentido de "punir esses terroristas" e a juíza responsável pelo caso
resolveu, após tomar as declarações e libertar grande parte dos grevistas, manter 4
sob "prisão preventiva" como medida cautelar para evitar conflitos durante o
encontro do Banco Central Europeu que ocorrerá em Barcelona no início de maio. Uma
decisão ilegal e sem base jurídica plausível. Mas o curioso é que nem os próprios
movimentos sociais daqui sabiam do encontro do BCE. E não sabiam que eles mesmos
estariam organizando alguma ação nessa data.... Seria cômica se não fosse trágica a
atuação da imprensa e governo nesse tema.

O resultado é que seguem presos os 4 jovens e as mobilizações para a sua libertação.
Seguem as denúncias de abusos policiais e da criminalização do movimento grevista.
Já ocorreram algumas manifestações nesse sentido nos últimos dias. Uma delas acabou
com a prisão de uma pessoa em cadeira de rodas (!) que participava da solidariedade.
Começou também a ofensiva governamental e da direita para implantar uma lei
anti-terrorista na Espanha, como já existe no Reino Unido e na França, que na
verdade serve para oprimir e criminalizar ainda mais os pobres, imigrantes e
movimentos sociais organizados.

Agora, uma dúvida que me deixa inquieto: desde quando queimar containers de lixo é
um ato terrorista?!?! Realmente é uma enorme ameaça à liberdade, à democracia e ao
sistema capitalista botar fogo em meia dúzia de latões cheios de lixo?!?! É até
ridículo o argumento da direita de que esses "distúrbios violentos" (que se resumem
a ataques à propriedade de grandes bancos e empresas - que ainda lucram com isso,
pois tudo é pago pelo seguro) são atos de "guerrilha urbana". Qualquer pessoa mais
sensata compreende a estratégia simbólica e espetacular desses atos e que esses
"grupos anti-sistema" não causam "terror" na população, pois têm seus alvos muito
claros. Não atacam pessoas, nem colocam em risco a integridade física ou a vida de
ninguém. Por mais idiota que seja esse raciocínio os poderosos utilizam-no para
recrudescer ainda mais as leis e oprimir ainda mais o povo espanhol que já sofre as
consequências da tal "crise" econômica em seu dia a dia.

Os verdadeiros ataques terroristas foram os da polícia (esses sim causam pânico e
terror nas pessoas, tanto manifestantes como transeuntes), com sua brutal violência
desproporcional, armada, visando ferir as pessoas. Há 20 anos que a polícia
espanhola não usava gás lacrimogênio para dispersar um protesto! Apesar da regra
existente de somente atirar balas de borracha para o chão (que ricocheteia em
direção às pessoas) e a uma distância mínima de 50 metros, os "mossos" atiravam em
linha reta, na altura do corpo e do rosto dos grevistas (por isso ferimentos graves
nos olhos e costelas) à curtas distâncias, numa verdadeiro ato ilegal. Veja bem de
perto a prova disso aqui:
http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=Wg7ogCvgW6A

Além disso há o terror que causam ao infiltrar na manifestação agentes provocadores
(que podem ter produzido parte dos distúrbios e depredações) e agentes à paisana, ou
melhor, vestidos de "violentos anti-sistema", que covardemente detêm pessoas em meio
ao piquete ou passeata, como mostra o seguinte vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=Nsfnp9Cybbo

Esses sim são verdadeiros atos terroristas, de um brutal terrorismo de Estado.

AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DAS LUTAS

Apesar das campanhas de desmobilização e propaganda direitista dos poderosos a
população espanhola, como sempre os "de baixo", mostraram sua força e desafiaram as
leis e o conformismo ditados pelos governos europeus e mercados internacionais. A
jornada de greve foi uma indiscutível vitória tanto pela sua massiva adesão -
impactando fortemente a economia e levando multidões às ruas - quanto pela ampla
frente de movimentos e organizações que dela participaram, criando expectativas
positivas para mobilizações futuras. O povo espanhol deu uma resposta forte à
reforma laboral proposta ao governo e, ao mesmo tempo, demonstrou seu
descontentamento com o aparente consenso neoliberal e capitalista que tenta a todo
custo diminuir os direitos sociais e arrochar a economia, fazendo com que os mais
pobres paguem pelas inconsequências e avidez pelo lucro dos ricos. Essa resposta
vinda das ruas, multitudinária, é resultado de uma revolta represada há anos, uma
indignação quanto às enormes medidas anti-sociais tomadas pelo governo nos últimos
tempos, um grito contra os resgates financeiros milionários de bancos falidos com
dinheiro público, uma ofensiva contra a criminalização dos movimentos sociais e uma
voz desesperada diante do empobrecimento, desemprego e desalojos de muitas famílias.

Mas o grande ganho político desse 29M foi, sem dúvida, os novos protagonistas
sociais em cena e as novas formas de auto-organização dos movimentos sociais. Aos
piquetes - não mais somente sindicais, mas muito mais sociais - convergiram diversos
grupos, desde os órgãos oficiais do sindicalismo espanhol até os movimentos
profundamente anticapitalistas e anarquistas. Sindicatos alternativos e de base;
anarco-sindicalistas; grupos de afinidade libertários; movimentos estudantis
autônomos; assembléias de bairro; "indignats" ligados ao recente movimento 15M...
Todos convergiram para construir essa grande mobilização unitária - porém, cada um
preservando sua autonomia de objetivos, estratégias e táticas.

É claro que há reflexões de devem ser feitas e debates acerca dos tais "atos
violentos" durante os piquetes. Tais ações não estavam combinadas entre os grupos
envolvidos e podem ser entendidas por um lado como uma ação simbólica e midiática,
mas também como uma reação à opressão cotidiana que a população vem sofrendo e uma
resposta à repressão policial à greve geral. A eficácia desses atos deve ser
colocada em discussão, ainda mais frente às recentes mobilizações de ocupação de
praças e ação direta não-violenta dos grupos ligados ao 15M que obteve enorme adesão
da população e sucesso em suas ações, sem utilizar de "violência" (entre aspas
mesmo, pois queimar lixeiras ou atacar bancos não pode ser considerado violência em
seu sentido mais profundo). A violenta desocupação dos acampados da praça Catalunha
há alguns meses causou espanto na população e uma reação ainda mais forte contra a
polícia e o governo. O sentido de radicalidade de uma manifestação ou movimento
muitas vezes não é contabilizada pelo número de fogueiras ou vitrines quebradas, mas
sim com a ampliação das mobilizações, maior adesão de pessoas e a prática cotidiana
de princípios anarquistas como a autogestão, a organização horizontal e
antipartidária, o apoio mútuo e o federalismo no cotidiano de mais gente, nos
bairros, associações, grupos, ateneus, bibliotecas, escolas, locais de trabalho,
etc. Sabemos que a transformação radical da sociedade não se faz da noite para o
dia, muito menos que ela será uma transição pacífica (disso os catalães sabem muito
bem, pelo menos os que se lembram da Revolução Espanhola ou sabem o que se passou
aqui em 1936). Mas também sabemos que a revolução social não surge sem um poderoso
movimento de propaganda e prática social de anos, de convergência de muitos
movimentos (sindicatos, grupos políticos, movimentos sociais, bibliotecas,
associações de bairro, etc).

Preparemos agora a a continuidade das lutas e das mobilizações. Preparemos a Greve
dos 99% - http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=yn4vwR6J -
convocada para o dia 15 de maio e que pretende ser um movimento mundial. Quem sabe
em breve poderemos dar um passo além da Greve Geral. Caminhando em direção ao
urgente e necessário ato que mudará a atual situação do mundo!

Março de 2012

http://bibliotecaterralivre.noblogs.org/internacionais/29m-a-la-huelga-companero/

***

GRUPOS DE ESTUDOS
Acompanhe a agenda de encontros e as leituras
http://bibliotecaterralivre.noblogs.org/grupos-de-estudos/

CINECLUBE TERRA LIVRE
Não perca a Mostra "Anarquistas" agora no CCS/SP.
http://bibliotecaterralivre.noblogs.org/cineclube/

LIVROS
Já leu os textos sobre educação de Reclus e Kropotkin? Quer saber mais sobre
a agitada vida de um geógrafo anarquista? Veja os dois livros lançados pela
Biblioteca Terra Livre.
http://bibliotecaterralivre.noblogs.org/editora/

HISTÓRIA
Não conhece a Biblioteca Terra Livre? Veja nossa história e projetos. Depois
apoie a continuidade desse espaço de preservação da memória anarquista,
auto-formação e militância libertária.
http://bibliotecaterralivre.noblogs.org/about/

CONTATOS
Caixa Postal 195
São Paulo - SP - Brasil
01031-970
bibliotecaterralivre[a]gmail.com

***

GRUPOS DE ESTUDO

09/04 - Anarquismo e Geografia
10/04 - Movimento Operário Autônomo
17/04 - Anarquismo e Educação

PRÓXIMAS ATIVIDADES

14/04 - 1º Círculo de Ideias e Afinidades Anarquistas
CES - Centro dos Estudantes de Santos - 16h
Participação dos grupos: Ativismo ABC (Sto. André), Autônomos & Autônomas
(SP), Biblioteca Terra Livre (SP), CCS/SP e Núcleo de Estudos Libertários
Carlo Aldegheri (Guarujá)

29/04 - CINECLUBE TERRA LIVRE
A Última Estação (Tolstoi) - 18h - CCS/SP
CARTAZ:
http://i1113.photobucket.com/albums/k519/bibliotecaterralivre/Tolstoi.jpg

08 a 12/08 - Rencontre Internationale de l'Anarchisme - St-Imier 2012
http://www.anarchisme2012.ch/index.php?lang=pt
CARTAZ:
http://www.anarchisme2012.ch/images/stories/Affiche_Rencontre_Inter._St._Imier_v.3.jpg

--
Biblioteca Terra Livre
http://bibliotecaterralivre.noblogs.org
bibliotecaterralivre@gmail.com

Endereço postal/Postal address:
Caixa Postal 195
São Paulo - SP - Brasil
01031-970

[Remetente: <bibliotecaterralivre@gmail.com>]

_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt