A - I n f o s

Une agence d'actualités par pour et au sujet des anars ** .
Informations dans toutes les langues
Les 30 derniers messages (accueil) Messages des deux dernières semaines Nos archives des anciens messages

Les 100 derniers messages selon la langue
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ _The.Supplement

Premières lignes des dix derniers messages
Greek_ Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
Premières lignes des dix derniers messages
Premières lignes des messages des dernières 24 heures

Premières lignes des messages des dernière last 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017

(fr) France, Alternative Libertaire AL Novembre - Violência contra as mulheres: denuncie, alto e claro, o tempo todo (en, it, pt)

Date Tue, 14 Nov 2017 10:54:01 +0200


25 de novembro, dia internacional contra a violência contra as mulheres. Como escrever um artigo que diria algo diferente dos anos anteriores ? Além do triste fato de que os homens persistem em maltratar mulheres ou reivindicar meios de prevenção ? Além da necessidade de derrotar a dominação masculina, o patriarcado ? ---- As redes sociais e a imprensa rujem, pois este artigo está escrito sobre o " escândalo " de denunciar os assaltos por um produtor de filmes dos EUA. Todos sabiam disso, todos estavam em silêncio. Homens cúmplices ou não preocupados, vítimas presas entre injunções contraditórias. ---- Mídia e Justiça Adicionar abuso ao abuso ---- Para falar e não acreditar, ter que comprovar sua palavra, ouvir os fatos minimizados ; para não falar e se sentir cúmplice nos próximos ataques, não dizer nada e sentir vergonha no lugar do agressor, não dizer nada e ser criticado por esse silêncio.

Para denunciar ou silenciar, as mulheres vítimas de violência sempre estão erradas. A mídia é cúmplice, The Inrockuptibles acaba de pagar uma cobertura para a glória das emoções de Cantat que massacraram Marie Trintignant com os punhos. A TV de lixo maltrata um autor que atesta, ou banaliza o ataque sexual quando um agressor levanta uma saia. A justiça esmaga as mulheres vítimas. A relação sexual com uma criança de 11 anos não foi reconhecida como estupro na medida em que a menina não protestou ; um pai que estuprou sua filha de 9 a 15 anos foi sentenciado a 18 meses suspensos ... A armadilha é total.

Pare de falar, denuncie porcos

Mas em cada denúncia, outras mulheres falam. Não para os jornalistas, não para a polícia e a justiça de que não têm nada para esperar a maior parte do tempo. Eles falam para associações que estão sobrecarregadas com chamadas, falam em redes sociais inventando palavras-chave que os unem como #balanconporpor ou #moiaussi. E tudo, famoso ou anônimo, tem uma história de gestos agressivos, palavras humilhantes, estupros. Essa pode ser a solução: o fim do silêncio que protege os agressores, a denúncia pública. Primeiro, poucas mulheres se atreverão, mas vemos que é contagiosa. Denunciar ao dar um nome expõe a acusação, mas se várias mulheres denunciam o mesmo porco (desculpa pelos animais já vítimas da criação industrial) ...

Os poderes não estão no campo feminino, vamos forjar outras ferramentas. Vamos usar vergonha, publicidade ruim, medo do escândalo, denunciar e tirar os agressores das suas costas, seus empregos.

Claro, para algumas mulheres, em algumas circunstâncias, falar é muita dor ou dificuldade. O direito de falar não deve ser absoluto.

Christine (AL Orne-Sarthe)

http://www.alternativelibertaire.org/?Violences-faites-aux-femmes-Denoncer-haut-et-fort-tout-le-temps
_________________________________________________
A - I n f o s
informations par, pour, et au sujet des anarchistes
Send news reports to A-infos-fr mailing list
A-infos-fr@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-fr
Archive: http://ainfos.ca/fr