A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) France, Alternative Libertaire AL #280 - Escolhas energéticas: poder para as pessoas! (en, fr, pt) [traduccion automatica]

Date Sun, 25 Feb 2018 08:36:59 +0200


Na maioria das vezes, um problema ambiental também é um problema social. Podemos ir mais longe: discutir energia é fazer a questão dos modos de organização política que queremos defender. ---- Sem muita surpresa, o ministro da Ecologia, Nicolas Hulot, estrela liberal da ecologia em papelão (reciclado, certamente), anunciado em novembro de 2017, quer adiar por uma década a queda abaixo de 50% da participação energia nuclear no mix energético francês. Esta decisão é política, mas não só porque é prerrogativa da classe dominante, ou porque as questões ambientais dizem respeito a todos. Também equivale a decidir a própria forma de poder que será exercida durante esses dez anos de adiamento - e muito além. ---- Escolhas de energia e formas de poder ---- Ao discutir opções de energia, muitas vezes é em termos de ecologia que se argumenta a favor ou contra uma determinada forma de produção ou uma determinada tecnologia, do ponto de vista do dano causado ao meio ambiente e suas conseqüências sociais. Mas pode-se envolver a reflexão em outra direção e medir as opções de energia com o critério da forma política que pressupõem, em paralelo com o aspecto estritamente ecológico da discussão [1]. Seguindo este caminho, o ambientalista Denis Hayes previsto na década de 1970 [2]que " A proliferação de usinas de energia nuclear só pode liderar a sociedade para o autoritarismo. De fato, a energia nuclear não pode ser segura como a principal fonte de energia exceto sob o jugo de um estado totalitário ". No mesmo ano, o alemão Robert Jungk tentou pensar sob o nome de " estado nuclear " [3].

A manutenção de 58 reatores que operam na França exige um certo número de condições sociais. Dada a dificuldade e o perigo da mineração de urânio, a formação de uma elite tecnocrática no topo de uma burocracia inabalável parece necessária para concentrar o conhecimento, o meio material e a inércia impessoal exigida por tal exploração. Além disso, esta forma política é necessária a longo prazo: o desmantelamento de uma usina pode levar até 30 anos, e os primeiros cinco anos são críticos: é aqui que o material radioativo mais perigoso é removido. Nós não saímos da energia nuclear sem arriscar uma catástrofe, por isso arriscamos não poder nos livrar da forma de poder que a acompanha imediatamente. Mas a tecnocracia indestrutível é apenas um aspecto do caso. Pense nos riscos de sabotagem de usinas de energia nuclear. Ou todo o plutônio, resíduos reutilizáveis das usinas de energia, que é reprocessado na fábrica de La Hague e é enviado em todo o país em vagões selados: basta desviar um pouco para entrar na fabricação uma bomba incrivelmente perigosa. A proteção das estações de energia elétrica, trens de materiais radioativos, aterros devem ser absolutamente infalíveis, ou milhões de vidas serão ameaçadas, o que apenas um controle militar totalmente centralizado parece ser capaz de implementar. É fácil imaginar que, se o plutônio fosse roubado, por qualquer motivo,

Ampliar o compromisso da França com a energia nuclear em dez anos é, de certo modo, instalar por mais dez anos um poder tecnocrático e militar ultra-centralizado. Por muito mais de dez anos, de fato, se acrescentarmos o fato de que a produção nuclear é feita a longo prazo - sem que a questão do desperdício seja totalmente resolvida - e que esse estado deve ser estável por definição.

Energia solar, mais naturalmente descentralizada
A questão política também surge para outras fontes de energia. Independentemente de seu desastroso registro ambiental, o petróleo, o petróleo e outros combustíveis fósseis podem ser utilizados massivamente pelos predadores multinacionais do capitalismo que conhecemos ? Pode ser menos fácil de responder do que a energia nuclear, mas extrair, processar e transportar grandes volumes de combustíveis fósseis exigirá uma certa concentração de recursos materiais e uma hierarquia bastante vertical.

Por outro lado, podemos pensar em formas de produção de energia que seriam fortemente compatíveis com formas políticas emancipadoras?? O mesmo Denis Hayes defendeu vigorosamente a energia solar, mais naturalmente descentralizada, tecnicamente e politicamente, já que - quanto à energia eólica ou a energia hidráulica, podemos adicionar - é bem possível construir uma multidão de painéis e turbinas de vários tamanhos, e gerenciá-los localmente. Por um lado, tal rede seria muito menos propensos a uma falha global catastrófica e, portanto, não exigiria a segurança de um gerenciamento centralizado e, em segundo lugar, não exigiria uma grande concentração de recursos técnicos e conhecimento. Mais locais, acessíveis, compreensíveis e controláveis, independentemente de suas virtudes estritamente ecológicas, essas energias acomodariam formas políticas mais democráticas.

Quando os comunistas estatistas hoje promovem a energia nuclear, isso equivale a enviar o declínio do estado de volta a um futuro distante. Por outro lado, também é ingênuo ignorar que, no momento do desmantelamento de centrais elétricas, a energia nuclear terá formas de centralização. De forma mais positiva, impor a energia solar, a energia eólica ou a hidrelétrica, quando possível, também é uma forma âncora de produção de energia que, no futuro, será mais facilmente reapropriada. A energia é uma questão de poder.

Marco (AL92)

[1] O conteúdo deste artigo é amplamente inspirado pelo ganhador de Langdon, The Whale e o Reactor: In Search of Limits in the High-Tech Times, Paris, Descartes & Cie ., 2002, e Murray Bookchin, para um Ecologia social e radical, Neuvy-en-Champagne, The Underground Traveler, 2014.

[2] Denis Hayes, Rays of Hope: a transição para um mundo pós-petróleo, Nova York, WW Norton, 1977.

[3] Robert Jungk, Der Atom-Staat: Vom Fortschritt in die Unmenschlichkeit, Munique, Kindler, 1977.

http://www.alternativelibertaire.org/?Choix-energetiques-Power-to-the-people
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center