A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Revista anarquista Aurora Obreira #26 - Nem direita, nem esquerda, anarquia sempre! (en)

Date Tue, 07 May 2013 14:24:05 +0300


O modelo tradicional político criou duas esferas que se enfrentam continuamente: a direita e a esquerda. Para quem não sabe, essa denominação veio do tempo da Revolução Francesa, quando os mais radicais se sentavam as esquerda nas tribunas, com o tempo isso se tornou uma definição usada em todo o mundo para identificar as polaridades politicas em luta. ---- Mas essa definição é bem superficial e não abrange a proposta anarquista, que ficaria indefinida nesse espectro. ---- Simples de entender porque o anarquismo não tem lado: é contra o modelo politico institucional; contra a luta parlamentar e a estrutura partidária; não é liberal e não tem nada com o capitalismo, além de querer destruí-lo; o mesmo em relação ao marxismo, que nunca será libertário, por mais que alguns desses marxistóides tentem deformar o totalitarismo marxista e seu capitalismo de Estado e partido único como um socialismo “libertarizante”, um “comunismo real”, que sabemos não ser.

A prática anarquista em muitas vezes leva a estar nos
movimentos sociais, oprimidxs e exploradxs, E por essa
participação já tendem a adjetivar como “esquerda”, mas
não. Nos movimentos sociais, a maior preocupação anarquista é
justamente romper com o modelo vanguardista, de
lideranças, centralizadores e verticalizados, muito comum
tanto para direita como para esquerda e se repararmo bem,
vemos que essas definições não mais correspondem as práticas
de ambos os grupos, principalmente porque uma
parcela da esquerda no país está no poder e favorece acima de
tudo, os mesmos clientes que a direita sustenta; há grupos de
empresários que brigam entre si, mas isso já deixou de ser uma
disputa ideológica, e sim uma disputa de influência; nessa
situação dizer esquerda ou direita, é apenas um joguinho de
aparências.

A clareza da proposta anarquista assusta ambos os
lados: abolição da propriedade, abolição dos partidos, abolição
da riqueza, coletivização e administração direta dos meios
de produção, a sociedade se organiza sem Estado e sem
patrões. Tudo isso é uma nova estrutura que supera e destrói o
modelo atual e isso é um perigo que tanto a esquerda como a
direita não querem. O modelo atual para eles é muito
confortável, conseguem trocar as cadeiras e continuar o jogo de
poder, as custas da população, que fica excluída sempre dessa
brincadeira. As eleições são uma enganação para legitimar essa
estrutura excludente.

Os anarquistas denunciam isso e são atacados por ambos os
lados. Isso mostra que como anarquistas, não devemos
procurar de nenhum desses lados ajuda ou apoio. De ambos
os lados, sempre vieram traições que levaram milhões de pessoas
para prisões e mortes. No Brasil, o minusculo partido comunista
para crescer, foi minando o trabalho do sindicalismo livre;
chegaram a estar do lado do governo totalitário de Vargas
para fecharem sindicatos livres e depois reabrirem no controle. O
mesmo governo de Vargas que casou e prendeu também esses
comunistas, vai entender! Na Espanha de 36, ocorreu algo
muito inusitado: os anarquistas eram uma força politica de fato,
com mais de milhão de associadxs nos sindicatos livres,
a ponto de poderem ter influência direta no governo
representativo da Republica Espanhola, mas de forma
coletiva não o fizeram, mantendo uma prática
descentralizada de gestão. Na medida que o governo
republicano não honrava suas palavras perante xs
trabalhdorxs, alguns companheirxs anarquistas foram
delegadxs como Ministrxs na Republica para que o governo
cumprisse suas promessas e que logo saem pela pressão dos
comunistas espanhóis apoiados pela URSS de Stálin, único
fornecedor de armas para a Espanha republicana e por conta
disso impunha suas condições e diminuir a revolução libertária
foi uma delas.

A esquerda e direita para o anarquismo são apenas as faces da
mesma moeda politica institucional e que a troca de poderes entre
essas figurinhas em nada favorecem a emancipação dxs oprimidxsexploradxs.

O modelo atual não nos representa e é necessário romper com
essa lógica através da administração direta feita por nós e para nós,
unidxs sempre!

Nossa lógica é outra, da libertação direta, da emancipação de
todxs sem intermediários ou governos seja de que lado for.
Construamos o anarquismo através de uma prática livre e direta!
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center