A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Anarkio.net: 1º Maio 2013 - Redução da jornada de trabalho para 30 horas

Date Sat, 20 Apr 2013 20:14:50 +0300


Se aproxima mais uma importante data para a luta dxs trabalhadorxs: o Primeiro de Maio. Não que tenhamos fixação por datas, pois as lutas são diárias e assim que as condições favorecerem, devem ser feitas independente das datas. O que o 1º de Maio significa para nós é que temos uma luta por nossa emancipação e que embora passados 127 anos, continuamos oprimdxs e exploradxs, sob condições tão ruins como as que levaram aquelxs trabalhadorxs às ruas, mesmo sabendo que era proibido, que a sindicalização livre era crime e que havia uma aparato de repressão pronto para atacar as manifestações, bater em seus participantes (e havia velhxs e crianças naquele meio!), prender aquelxs com um potencial de ameaça ao sistema.

As condições estão similares agora: embora o sindicalismo seja aceito, ele é ferreamente controlado através de uma jurisprudência que atende acima de tudo, os interesses do capital (dxs empresárixs e dos patrões, juridicamente chamadxs de “empregadorxs”) e esse possui entrada livre nos ministérios, impondo sua agenda de roubo, exploração e opressão axs trabalhadorxs, juridicamente chamadxs de “empregadxs”; as diretorias sindicais são arbitrárias e atendem à interesses próprios, muitas vezes estranhos axs trabalhadorxs; ampliação das cargas de trabalho através de hora extras e banco de horas, muitas vezes de forma arbitrária; achatamento salarial e nivelamento sempre por baixo dos diversos ramos de trabalho; a “fragmentação desses ramos de trabalho em “categorias” e “sub-categorias empregatícias”, a famosa flexibilização do trabalho que amplia o isolamento entre xs trabalhadorxs e dificulta cada vez mais a união dos ramos de trabalho; regras e métodos estatísticos que mascaram, mentem e iludem a sociedade, principalmente nossa gente sobre os índices de emprego, inflação, produção e distribuição de riquezas que induzem nossa gente a táticas erradas e paliativas de luta e por ai vai.
Opondo a isso temos vários temas de luta que defendemos e procuramos sempre apresentar como pauta em todas as ocasiões. Esse texto é sobre as 30 horas para todos os ramos de trabalho (não aceitamos o modelo fascista de categorização/fragmentação dxs trabalhadorxs imposto na marra pelxs poderosxs à nossa gente).
O entendimento dessa proposta é que é possível reduzir os lucros do capital e ampliar mais postos de trabalho, absorvendo mais mão-de-obra nos ramos de produção e sem redução salarial. Esse forma de ver é a dx trabalhadorx unidx e que sabe que a produção de riquezas é sua obra direta e indiretamente e busca sempre reduzir a exploração e opressão patronal/empresarial. O movimento internacional do capital tem, no século XXI, avançado intensamente sobre xs trabalhadorxs de forma pressiona-lxs ao contrário, que cada vez mais trabalhem por mais tempo cobrindo possíveis contratações. Boa parte dessa patronal/empresariado joga a culpa disso nas famosas “cargas tributárias” que é a parcela do Estado recebe para manter seu jogo sujo de controle de nossa gente através de repressão e assistencialismo. Mas a culpa é de outra esfera: do lucro e da ganância em sempre obter mais lucros e supera-los a cada ciclo do sistema, e quem deve arcar com o ônus disso? É nossa gente, nossa classe ferrada.
Entendemos isso e propomos algo que provoque mudanças, mas não é para ficar só nisso, é avançar até retomar aquilo que produzimos a gerações: todas riquezas deverão ser redistribuídas, as empresas/industrias/campos devolvidas aos verdadeirxs produtorxs: nossa gente, que através da descentralização e administração direta autônoma, organizadxs através de prática libertárias (anarquistas) e orientadxs pela anarcossindicalismo, pelos ramos de produção e distribuição, manterão a produção e distribuição, necessárias a uma nova sociedade igualitária e livre.
Nosso compromisso é até a emancipação de todxs xs oprimdxs e exploradxs, construamos isso já, agora!
Anarcosindicalize-se, outra forma de fazer a luta sindical, sem diretorias, sem partidos, sem patrões!!!!
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center