A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Anarkio.net: Similaridades escravistas do trabalho (en)

Date Tue, 09 Apr 2013 14:40:04 +0300


Muitxs submetidxs ao sistema atual, nem percebem ou pouco se dão conta o quanto do modelo escravo se mantém. ---- A sociedade atual construiu mascaras e subterfúgios que mantém essa condição imersa nas relações de trabalho. O que mais aponta para a escravidão reinante é não possibilidade das pessoas terem controle da riqueza. Através de uma convenção, de um contrato, x trabalhadorx (empregado no jargão jurídico) abdica (sabendo ou não) do que produzirá, das riquezas que colaborará para fazer, em troca de uma fração ínfima dessa riqueza, denominada salário. Quando isso ocorre, cada umx que produz deixa de receber integralmente parte direta da riqueza que produziu, muito similar a submissão do escravo, que deveria trabalhar ou morrer.

Poderão nos perguntar: mas as pessoas não são livres para optar no que vai trabalhar no regime atual? Isso é um discurso, como gostam de falar cinicamente para nós, utópico. As pessoas seriam livres se tivessem condições iguais de tratamento, educação, criação, saúde, habitação, ou seja, se tivessem suas necessidades básicas atendidas de forma igual, quando isso não ocorre, não há igualdade de oportunidades, porque não houve igualdade de preparo para essas oportunidades. Essa sociedade, não é minha, porque não posso optar e quando manifesto minha opção de não querê-la sou julgado como “antipatriota”, “terrorista”, “rebelde”, “subversivo” e outros adjetivos desqualificadores, que demonstram bem a face repressora desse modelo. O caso é que se o regime fosse realmente democrático, nos daria espaço para não só fazer uma suposta oposição, mas como apresentar, fazer e viver um modelo diferente do proposto, mas não é aceitável. Somos obrigadxs a votar, a trabalhar, a servir num exército, a seguir as regras que não fizemos e que se as quebramos, somos punidxs. Tudo isso é a face da escravidão atual.
E há casos em que isso se acentua muito, quando os empregadores que não possuem limites para ganância e cobiça, transformam e condicionam seus semelhantes ao modelo escravo direto.
Nesse século XXI, como temos alertado com frequência, o avanço de modelos mais exploradores e opressores, inspirados no inicio da revolução industrial, continua. Um dos maiores regimes escravagistas do momento tem ditado a regra de trabalho ao mundo: a China, dita comunista, mas que sabemos ser um capitalismo estatal, tem controlado e educado sua mão de obra para serem produtivxs e muito baratxs. A população chinesa foi alvo de uma enorme repressão sanguinária por décadas, massacrando toda aspiração de liberdade e rompimento com o modelo ditatorial imposto pelo partido único. O resultado é uma força de trabalho domada pela violência psíquica aplicada metodicamente por seus dirigentes, com uma produção sem prescindentes na humanidade, de tal forma que está orientando as relações de trabalho no mundo: ou se flexibiliza as forças de produção, submetendo todxs trabalhadorxs a essa lógica opressora e altamente exploradora (como se não soubéssemos disso a séculos!), ou xs trabalhadorxs serão descartadxs como vemos ocorrer em todo mundo.
O que se faz numa situação dessas? No Brasil, como em qualquer parte do mundo, é passada a hora do rompimento com os modelos reformistas de administração do trabalho: sindicatos e legislação, que são camisas de força dxs trabalhadorxs. Isso unido à uma união direta dxs trablhadorxs, sem intermediárixs e nem sindicalistas profissionais. Dessa força é que consegue parar a escravidão atual, repor as necessidades dxs trabalhadorxs, reduzir e parar a exploração de suas riquezas e repor os danos feitos a nossa gente por séculos.
Poderão não querer aceitar isso e continuar em um mundo de fantasia, mas veja que esse mundo esta sendo feito e refeito através da repressão diário, pelas violações psíquicas constantes de propagandas ilusionistas e por fim com a inundação feita pela China de seus valores de exploração e opressão avançados, do qual o empresariado mundial está todo radiante, pois seus custos se reduzirão sobre a mão de obra escrava tornada mundial.
Se a escravidão ainda é algo atual, não menos atual é a luta e resistência de todxs xs oprimidxs a essa barbarização. Una-se, esse é o pesadelo dx opressorx e exploradorx!
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center