A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Portugal, Acção Directa #4 - p8 - A Fechar

Date Wed, 06 Mar 2013 10:38:01 +0200


Comuna Kronstadt ---- Uma casa okupada nos anos 70 em Lisboa ---- Hoje, em que tanto se fala em casas ocupados e espaços autogestionados, vale a pena recordar aquela que foi a primeira casa ocupada por anarquistas em Lisboa após o 25 de Abril de 1974 e a que foi dado o nome de “Comuna Kronstadt”, em homenagem aos marinheiros deste porto russo que, depois de se terem levantado contra o Czar, foram também os primeiros a revoltarem-se contra o novo poder autocrático dos bolcheviques. ---- A ocupação deverá ter acontecido nos finais de 1974, início de 1975, e foi levada a cabo por jovens anarquistas portugueses e espanhóis que, na altura, ainda Franco era vivo em Espanha, procuravam em Portugal seja o exílio, seja a participação no processo português que, na altura, se entendia como potencialmente revolucionário.

O palacete situava-se na rua Ribeiro San-
ches, à Lapa, junto à rua das Janelas Verdes
e estava num adiantado estado de degrada-
ção. O rés do chão estava ocupado por um
recolector de papel e de cartão, enquanto
que o segundo andar estava já sem condi-
ções de habitabilidade.

Ao longo dos anos (o palacete esteve ocu-
pado até talvez finais dos anos 70) foram-se
fazendo obras de restauro no 1o andar (casa
de banho, portas, vidros, etc.) e pela
“Comuna Kronstadt” passaram e viveram
algumas dezenas de jovens, a maioria liber-
tários, e ali se realizaram muitas reuniões
anarquistas, foram preparadas manifesta-
ções, etc.

Algumas vezes também a policia fez surti-
das no espaço, apreendendo algum material.
Posteriormente o edifício (hoje, na foto) foi
recuperado e transformou-se numa residên-
cia de luxo.

a.

----------------------------------

Na Associação Cultural “é neste país”

Colectivo Libertário promoveu debate sobre “Troca”

Tal como estava previsto
realizou-se no dia 1 deste
mês a projecção do docu-
mentário “A Troca” sobre a
experiência argentina de um
sistema de trocas que che-
gou a atingir 6 milhões de
pessoas no início dos anos
2.000.

À projecção do filme - uma
iniciativa do Colectivo Li-
bertário de Évora, a que se
juntou a associação cultural
“é neste país”, cedendo as
instalações - seguiu-se um
animado debate.

Apesar do número de pesso-
as presentes não exceder a dezena a conversa
foi interessante, tendo havido intervenções
que detalharam a experiência argentina com
mais pormenor e outras que abordaram a ne-
cessidade de, neste momento de crise econó-
mica e social, se encontrarem fórmulas co-
muns que permitam um funcionamento em
rede da sociedade e em que o sistema de troca
tenha alguma expressão.
Importante foi também o
relato da experiência que
um grupo de moradores
de Évora tem vindo a
fazer nesta matéria. Apro-
veitando o facto de no dia
seguinte (dia 2) se ir reali-
zar um espaço de trocas
numa quinta na zona da
Garraia (onde existe esta
prática já há algum tem-
po, embora restrita a pro-
dutos hortícolas, compo-
tas, etc.), uma das promo-
toras da iniciativa expli-
cou que em cada edição
de trocas aparece mais gente e mais produtos
e que tem sido uma experiência importante,
que é preciso alargar a outro tipo de áreas,
nomeadamente aos serviços.

O filme “A Troca”, com legendas em portu-
guês, pode ser visualizado em:
http://www.youtube.com/watch?
feature=player_embedded&v=3kkXle4pG2Q

-----------------------------------------
“A liberdade não se concede, conquista-se”
Pedro Kropotkin

---------------------------------

I

Surgindo vem ao longe a nova aurora,
Que os povos há-de unir e libertar,
- Desperta, rude escravo, sem demora,
Não leves toda a vida a meditar.

Destrói as cruas leis da sujeição
E quebra as vis algemas patronais!
O mundo vai ter nova rotação,
Os homens hão de ser todos iguais.

Côro

É justo aos parasitas dar batalha,
A terra só pertence a quem trabalha.

II

Labutas atrelado ao cruel jugo,
Em troca da miséria por desdouro,
Enquanto o teu patrão, o teu verdugo,
Aumenta à tua custa o seu tesouro.

É tempo já de erguer bem alto a voz,
Bradar ao causador do teu sofrer:
- A terra foi legada a todos nós;
Trabalha tu também, é teu dever.

Côro

É justo aos parasitas dar batalha,
A terra só pertence a quem trabalha.

III

Terrível convulsão sacode a terra
Sedenta de justiça e Liberdade.
À guerra de opressão sucede a guerra
Que tende a redimir a humanidade.
Saudemos, pois, o facho do porvir,
Das hostes comunais suprema luz.
O lema do futuro é produzir;
Dos lucros só partilha quem produz.

Côro

É justo aos parasitas dar batalha,
A terra só pertence a quem trabalha.

Letra João Black
Música maestro Del-Negro
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center