A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Portugal, Colectivo Libertario Evora (debate) - Leninismo, Ideologia Fascista (en)

Date Tue, 19 Feb 2013 19:55:28 +0200


Porque o verdadeiro sujeito histórico para os leninistas não é a classe, mas o partido. Esse vanguardismo alucinado é a marca mais antiproletária do leninismo, uma vez que a ideia de partido único messiânico é alheia a Marx; provém da burguesia maçónica e carbonária. Marx chamava partido ao conjunto de forças que lutavam pela auto organização da classe operária, não a uma organização autoritária, iluminada, exclusiva e hierarquizada. ---- “Libertar a Humanidade do jugo benfeitor do Estado! É extraordinário até que ponto os instintos criminosos se aninham no homem. Digo-o claramente: criminosos. A liberdade e o crime vão tão intimamente ligados, se prefere, como o movimento de um avião e a sua velocidade. Se a velocidade do avião é nula, permanece imóvel, e se a liberdade do homem é nula, não comete crimes. Está claro.O único meio de livrar o homem do crime é livrá-lo da liberdade”- Evgeni Zamiatin, “Nós”, 1920.

A existência de seitas imobilistas, mais ou menos virtuais, que se reclamam de Lenin é um assunto hoje mais relacionado com as neuroses que assaltam os indivíduos imersos nas condições modernas do capitalismo do que com a luta de ideias que os rebeldes mantêm contra os ideólogos da classe dominante. O tempo não perdoa e o fracasso final do leninismo ocorrido entre 1976 e 1980 levou os crentes que sobreviveram a uma sobrevivência esquizofrénica. Como já estudou Gabel, o preço a pagar pela sua fé foi uma consciência dividida, uma espécie de dupla personalidade. Por um lado, a realidade desmente o dogma até ao menor detalhe e, por outro, a interpretação militante vai torcê-la, guardá-la e manipulá-la para moldá-la ao dogma e fabricar uma narrativa maniqueísta sem contradições. Como se de uma Biblia se tratasse, nessa narrativa estão todas as respostas. A ficção leninista suprime a angústia que as contradições da prática engendram no crente, o que constitui uma arma poderosa para fugir à realidade. O resultado seria patético para o resto dos seres vivos se os debates abundassem no seio de um proletariado combativo, como o dos anos setenta, mas dado o actual estado da consciência de classe, ou o que é o mesmo, dada a inversão espectacular da realidade, onde “o verdadeiro é só um momento do falso”, a presença de sectários do leninismo nas escassas discussões feitas na base apenas contribui para a confusão reinante.

O papel objectivo das seitas consiste em falsificar a história, ocultar a realidade, desviar a atenção dos verdadeiros problemas, sabotar a reflexão sobre as causas do triunfo do capitalismo, bloquear a formulação de tácticas de luta adequadas, impedir, por fim, o rearmamento teórico dos oprimidos. Os leninistas fossilizados de hoje já não são (porque não podem) a vanguarda da contra revolução de há 30 anos ou de há 60, mas a sua função continua a ser a mesma: trabalhar para os que mandam como agentes provocadores.

(…)

No universo leninista Lenin é a Virgem Maria; a classe operária de que falam é como a cristandade. Um chiita do leninismo, ou seja, um bordiguista, lamentava-se na web: “Se nos tiram a classe operária com o que é que ficamos?” De facto, para os leninistas a classe operária tem uma função ritual, terapêutica se se quiser, psicológica. É um ente ideal, uma abstracção, em nome da qual é preciso tomar o poder. Inventada por Lenin, a partir do modelo russo de 1917, uma classe operária minoritária num país feudal de população eminentemente camponesa acessível a uma direcção exterior composta por intelectuais organizados como partido, não é algo que vejamos todos os dias. Pertence a um passado caduco.

(…)

Como não há história para o leninismo depois da tomada do Palácio de Inverno, a partir da Revolução Russa parece que não existiram nem derrotas nem vitórias significativas, talvez alguns tropeções numa linha evolutiva invariável que conduz a uma classe operária impoluta, esperando os padres da igreja, os seus líderes, membros por direito do “partido”. Porque o verdadeiro sujeito histórico para os leninistas não é a classe, mas o partido. Esse vanguardismo alucinado é a marca mais antiproletária do leninismo, uma vez que a ideia de partido único messiânico é alheia a Marx; provém da burguesia maçónica e carbonária. Marx chamava partido ao conjunto de forças que lutavam pela auto organização da classe operária, não a uma organização autoritária, iluminada, exclusiva e hierarquizada.

É revelador que os leninistas vejam hoje os interesses económicos particulares como interesses de classe, quando já não o são, e que nos anos setenta, quando o eram, os tratavam como assuntos sindicais. A diferença está em que, nessa altura, o proletariado lutava a seu modo, com as suas próprias armas, as assembleias. Isso era o que transformava as reivindicações parciais em exigências de classe. Mas os leninistas desprezam as formas realmente proletárias de organização e de luta: as assembleias, os comités eleitos e revogáveis, o mandato imperativo, a autodefesa, as coordenadoras, os conselhos… E desprezam-nas porque, enquanto formas de poder operário, ignoram os partidos e aniquilam o Estado, incluindo o Estado “proletário”.

Por isso ocultaram, tanto como os meios de comunicação, a existência do Movimento Assembleario durante os anos 70, porque são inimigos de uma classe operária real que não se parece em nada com a sua e odeiam, por razões evidentes, as suas formas organizativas específicas. Ao contrário de Marx, para os leninistas o ser não determina a consciência, pelo que há que inculcá-la mediante o apostolado dos líderes. Os operários não podem alcançar, segundo Lenine, mais do que uma consciência sindicaleira e devem submeter-se ao papel de simples executantes; por tanto, os sindicatos que os enquadram e controlam são a correia de transmissão do partido. Isso não constitui óbice para que os leninistas elogiem as assembleias e os conselhos se isso lhes permitir exercer alguma influência e recrutarem adeptos. Durante os anos 70 chegaram a apoiá-las, mas logo que se sentiram fortes atraiçoaram-nas como, tirando as diferenças, fez Lenin com os Sovietes.

A revista “Living Marxism”, animada por Paul Mattick, lançava a frase de que “a luta contra o fascismo começa pela luta contra o bolchevismo”. Durante a década de cinquenta o capitalismo evoluía para os modelos totalitários do capitalismo de Estado soviético. Hoje, quando a classe burocrática comunista se converteu ao capitalismo e o mundo é arrastado para a dominação fascista através da via tecnológica, a ideologia leninista é residual, poeirenta e museográfica. Não estuda o capitalismo porque este não é o seu inimigo e, por isso, não quer lutar contra ele. Faz simplesmente como o alho, repete-se. A principal actividade das suas seitas consiste em competirem umas com as outras assinalando “um ponto particular que as distinga do movimento da classe” (Marx).

(…)

Na Rússia de 1905 não existia uma burguesia, como futura classe dominante, capaz de se lançar na luta contra o czarismo e a igreja. Esta missão correspondeu aos intelectuais russos, que procuraram apoio para os seus impulsos nacionalistas no marxismo e encontraram os seu melhores aliados no campo operário. O marxismo russo tomou um rumo completamente diferente do marxismo ortodoxo, pois na Rússia o trabalho histórico que fazia falta cumprir era o de uma burguesia demasiado débil: a abolição do absolutismo e a construção de um capitalismo nacional. A teoria de Marx, adoptada por Kautsky e Bernstein, identificava a revolução com o desenvolvimento das forças produtivas e do Estado Democrático correspondente, o que favorecia uma práxis reformista, que embora pudesse funcionar na Alemanha, não podia na Rússia.

Ainda que Lenin aceitasse integralmente o revisionismo socialdemocrata de Marx, sabia que a tarefa dos socialdemocratas bolcheviques de derrubar o czarismo não podia levar-se a cabo sem uma revolução, para a qual se necessitavam melhores forças do que as dos liberais russos. Uma revolução burguesa sem burgueses e, ainda para mais, contra eles. A revolta operária de 1905 deixou o regime absoluto ferido e a revolução de 1917 acabou com ele. Ainda que tenha sido uma revolução operária e camponesa não tinha programa revolucionário nem reivindicações particulares, pelo que os representantes da burguesia ocuparam o seu lugar. A burguesia não soube estar à altura, ao mesmo tempo que o proletariado se instruía politicamente e tomava consciência dos seus objectivos; em pouco tempo a revolução perdia o seu carácter burguês e adoptava um perfil decididamente proletário.

Durante os meses de julho-agosto Lenin ainda defendia um regime burguês com presença operária, mas vendo o avanço dos Sovietes ou conselhos operários mudou de orientação e lançou a palavra de ordem do poder aos sovietes e, incluso, chegou a teorizar sobre a extinção do Estado. Mas a ideia de poder horizontal era estranha a Lenin, que tinha organizado um partido assente no modelo militar burguês, vertical, centralizado, decidindo sempre a partir de cima, com a direcção e a base fortemente separadas.

Se estava a favor dos sovietes era para instrumentalizá-los e tomar o poder. A sua principal função não foi o desenvolvimento dos sovietes, que não tinham lugar no seu sistema; foi a conversão do partido bolchevique num aparelho burocrático estatal, a introdução do autoritarismo burguês no exercício e na representação do poder. Aos sovietes, os protagonistas da revolução de Outubro, em pouco tempos lhes foi retirado o poder por um Estado “proletário” que não souberam destruir.

Os bolcheviques combateram, em nome da “ditadura do proletariado”, o controlo operário e a implantação da revolução nas oficinas e nas fábricas e, em geral, a manifestação soberana da vontade operária nos organismos de democracia directa. Em 1920 tinham acabado com a revolução proletária e os sovietes já não eram mais que organismos castrados, decorativos. Os últimos bastiões da revolução, os marinheiros de Kronstadt e o exército makhnovista foram aniquilados mais tarde.

Lenin, poder, vanguarda e partido

Ao mesmo tempo que destruíam os sovietes, os emissários bolcheviques desembarcavam na Alemanha, onde o conselhismo tinha despertado nas massas operárias e os conselhos estavam a ponto de se converterem em órgãos efectivos de poder proletário, para darem-lhe uma punhalada nas costas à revolução. Por todo o lado desacreditaram os Conselhos Operários e propuseram o regresso aos sindicatos corruptos e ao partido socialdemocrata. A revolução conselhista alemã caiu debaixo do peso da calúnia, da intriga e do isolamento provocado pelos bolcheviques Sobre as suas cinzas pode reconstituir-se, com a bendição de Lenin, a velha socialdemocracia e o Estado alemão do pós-guerra. Lenin não deixou de combater os defensores do sistema de conselhos cobrindo-os de impropérios no folheto preferido de todos os seus seguidores. “O esquerdismo, doença infantil do comunismo”. Aí caiu-lhe a máscara. Sufocando com falsidades os comunistas de esquerda e os Conselhos, Lenin defendia o seu pseudosocialsimo panrusso que, levado à prática por Stalin revelar-se-ia um novo tipo de fascismo. Nem de longe concebia que a libertação ds oprimidos só se poderia efectuar mediante a destruição seja do poder, seja do terror, do medo, das ameaças, dos constrangimentos.

Todo aquele que desejar entronizar a ordem burguesa encontrará as melhores condições de fazê-lo na separação absoluta entre massas e dirigentes, vanguarda e classe, partido e sindicatos. Lenin queria uma revolução burguesa na Rússia e formou um partido perfeitamente adaptado a essa tarefa, mas a revolução russa adquiriu um carácter operário e deu cabo dos seus planos. Lenin teve que vencer com os sovietes para depois vencer contra eles. O comunismo mais a electrificação cederam o passo à NEP e aos planos quinquenais de Stalin, dando lugar a uma nova forma de capitalismo, em que uma nova classe, a burocracia, desempenhava o papel da burguesia. Era o capitalismo de Estado. Na Europa, as massas operárias foram travadas, desanimadas e empurradas para a derrota até desmoralizarem e perderem a confiança em si próprias, caminho este que conduziu à submissão e ao nazismo. Hitler chegou facilmente ao poder porque os dirigentes socialdemocratas e estalinistas tinham corrompido tanto o proletariado alemão que este não teve dúvidas em entregar-se com facilidade. “Fascismo cinzento, fascismo vermelho” foi o título de um memorável folheto em que Otto Rülhe mostrava que o fascismo estalinista de ontem era simplesmente o leninismo de anteontem. Inspirámo-nos nele para o título deste artigo.

(…)

Escrito por Miguel Amorós (historiador e militante anarquista valenciano)

Fonte: http://metiendoruido.com/2013/02/leninismo-ideologia-fascista/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center