A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) 1º DE MAIO: um dia de Luta, um dia de origem Anarquista! por Pró-Organização Específica Anarquista (OEA)

Date Fri, 11 May 2018 09:35:13 +0300


Um breve lembrete histórico: ---- Em 1886, num Sábado de 1º de Maio nos Estados Unidos, mais de 340.000 trabalhadores/as iniciaram uma greve geral que simplesmente paralisou cerca de 12.000 fábricas e oficinas em todos os Estados Unidos. Estavam lutando pra conseguir as 8 horas de trabalho, dentre outros direitos. Em 03 de Maio, fora planejada uma reunião nas fábricas McCormick, e ali se deu graves confrontos com a polícia e guardas privados, que protegiam as fábricas e as mercadorias dos "demolidores" que faziam a greve. A polícia usou armas de fogo contra a multidão e causou a morte de quatro trabalhadores. ---- No dia 04 de Maio, toda a cidade de Chicago estava em greve e uma gigantesca manifestação foi convocada para a Haymarket Square à noite. A manifestação, que era pacifica, pairava um clima de tensão e perigo. Ao final da manifestação, a polícia começa a agredir alguns trabalhadores, é quando uma bomba estoura no local onde estavam os policiais, que revidaram atirando. O resultado é uma dezena de feridos, alguns civis e policiais mortos, mais de cem manifestantes presos e muita repressão. Tudo isto desencadeia na imprensa burguesa uma histeria pedindo a prisão e condenação dos trabalhadores, o que leva o governo a aplicar a tal "Lei Marcial".

Para acalmar os ânimos da imprensa e satisfazer a sede por sangue da burguesia, a polícia realizou um verdadeiro "espetáculo" midiático: acusou de conspiração e prendeu oito anarquistas, dos quais apenas dois estavam presentes no momento da explosão. Mas do que importa a inocência dos pobres e miseráveis? Iniciou-se em 21 de Junho de 1886 um julgamento que terminou em 20 de Agosto com a sentença de morte dos acusados. Foram condenados: Oscar Neebe, Michael Schwab, Samuel Fielden, Louis Lingg, August Spies, George Engel, Adolf Fischer e Albert Parsons, todos Anarquistas. Um enorme movimento internacional de protesto se levanta contra a injusta prisão e condenação destes trabalhadores.

Com isto, as sentenças de morte de Michael Schwab, Oscar Neebe e Samuel Fielden são comutadas para prisão perpétua (sendo perdoada anos depois em 1893). De forma triste, Louis Lingg comete suicídio na prisão. August Spies, George Engel, Adolf Fischer e Albert Parsons, eles foram enforcados em 11 de Novembro de 1887, apesar da comoção e mobilização internacional. Em 1889, em memória destes eventos, proclamou-se dedicar o 1º de Maio como um dia Luta pelo mundo inteiro. No Amazonas, o antigo jornal "Lucta Social" de 1914, feito por anarquistas amazonenses e imigrantes, já noticiava as manifestações de 1º de Maio na cidade de Manaus, uma data sempre marcada por luta e bravura, jus a memória e sangue daqueles que ficaram conhecidos como os "Mártires de Chicago".

Desde então, estados, governos e regimes de toda ordem, vem tentando dissolver o 1º de Maio ao mero espetáculo, transformando-o numa mera data de festa/lazer, esvaziando seu caráter combativo contra o estado e o capitalismo. No melhor dos casos, o noticiam como um dia atípico de "indignação". Por outro lado, as tribunas (políticas e eleitoreiras) cúmplices de toda a dominação, também fazem sua parte, lançando slogans encantatórios e longas procissões, para nos palcos dos carros de som as burocracias sindicais brilharem. Nossa luta está para além da defesa de candidatos e governos que visam não à libertação da classe oprimida e dominada, mas tão somente, projetos de poder e interesses que são distantes dos nossos.

A violência do neoliberalismo é cada vez mais opressiva e no momento político que estamos, tem se intensificado todo tipo de agressão dos de cima, as elites econômicas e empresariais, judiciária e militar contra a nossa gente: é corte e retirada dos direitos sociais, destruição direta dos serviços públicos (principalmente os serviços mais essenciais para a população, agravados com a PEC 55), repressão e assassinato de lutadores e lutadoras sociais (alarmante em nossa região norte), carestia e aumento no custo de vida, militarização das cidades, do campo, da floresta e da vida. Aliás, está em curso a escalada de um Estado-policial (e para-policial) cada vez mais feroz, que a médio e longo prazo, visa estancar o menor traço de revolta popular que possa ocorrer, para garantir que os ricaços mantenham intactos seus lucros e os governos de plantão apliquem tranquilamente a agenda neoliberal contra nós.

Sofremos com as reformas da Terceirização, Trabalhista e Previdenciária (que está sendo articulada nos bastidores e logo após o teatro das urnas, voltará a estar na ordem do dia na agenda dos golpistas de plantão), estas últimas, nos tomam tudo àquilo que conquistamos com Luta na histórica Greve Geral de 1917: terceirização, precarização e piora nas condições de trabalho que leva ao aumento nos acidentes de trabalho, arrocho salarial, desvalorização e congelamento, aumento brutal nas horas de trabalho, calote nas férias e benefícios não pagos.

Temos dito e reforçado que a maneira mais coerente de enfrentar estes ataques, passa pelo empoderamento do povo e o fortalecimento da luta direta nas ruas, pois não há salvadores além de nós mesmos, senão o próprio povo, que cria e recria constantemente suas formas de se organizar e lutar. Fortalecer nossas ferramentas e espaços de luta, fortalecer nossos laços e romper com a fragmentação e isolamento do qual estamos mergulhados, fortalecer o envolvimento de diversos setores da população, das comunidades, das diversas categorias de trabalhadores, mirando sempre a luta popular mais ampla possível, unindo todos os oprimidos contra a precarização da vida.

O 1º de Maio, para nós, anarquistas e lutadores/as do povo, é ocasião saudar e defender nossa memória histórica, nossas lutas, tradições e experiências de classe. É a ocasião e levar ao mais alto, a bandeira do Socialismo Libertário, com o negro do Luto e o vermelho da Luta. E é só com Luta que poderemos garantir que nossos direitos sejam mantidos e nossas necessidades e exigências atendidas.

POR UM 1º DE MAIO CLASSISTA!

1º DE MAIO É LUTA! VIVA OS MÁRTIRES DE CHICAGO!

SOMENTE COM LUTA E UNIDADE ENTRE NÓS É QUE VENCEREMOS O GOLPISMO E O NEOLIBERALISMO!

https://anarquismoam.wordpress.com/2018/04/30/1o-de-maio-um-dia-de-luta-um-dia-de-origem-anarquista/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center