A - I n f o s

a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **
News in all languages
Last 30 posts (Homepage) Last two weeks' posts Our archives of old posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Catalan_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Francais_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkurkish_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_
First few lines of all posts of last 24 hours

Links to indexes of first few lines of all posts of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019

Syndication Of A-Infos - including RDF - How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups

(pt) Federação Anarquista de Santiago: EM 5 DE SETEMBRO: CONTRA A PRECARIZAÇÃO DE NOSSAS VIDAS E O DESASTRE DA SOLIDARIEDADE, ORGANIZAÇÃO E LUTA DOS TERRITÓRIOS! (en, ca, it) [traduccion automatica]

Date Mon, 9 Sep 2019 08:42:35 +0300


Vivemos um momento crítico para a vida dos ecossistemas, onde a precariedade da vida se intensifica, e se expressa com o ataque que a capital-patriarcado e sua estratégia colonial se acentuam diante da crise ecológica, humanitária e migratória, disputas geopolíticas como a guerra comercial e os novos processos do neocolonialismo, que ao mesmo tempo permitem o surgimento de setores conservadores e fascistas. ---- Na região chilena, o sistema de dominação gerenciado pelo bloco dominante intensificou e aprofundou sua política neoliberal. Esses dois anos de governo de Piñera desmantelaram os poucos e nenhum direito social que a classe dominada possuía e, por sua vez, intensificaram sua repressão contra os setores em luta:
1.- No mundo do trabalho assalariado, foram fortalecidos os instrumentos de flexibilidade trabalhista, expressando o seguinte: o Estatuto do Trabalho Juvenil e a Iniciativa Jurídica, que procurou aumentar a precariedade do trabalho sob o falso discurso de reduzir horas de trabalho. exploração, cancelando a possibilidade de negociação coletiva com o empregador e flexibilizando as condições de trabalho.

2.- A Reforma Tributária garante a salvaguarda das taxas de lucro para empresários locais e transnacionais, em um contexto de crise e desaceleração econômica, prejudicando consideravelmente a classe dominada.

3.- No mundo da população, a Lei de Integração Social consolida o monopólio do acesso à terra no mundo imobiliário, erradicando as comunidades produtivas e de manejo da cidade e seus territórios, impossibilitando a realização de projetos autogerenciados e Participativo

4.- Extrativismo e comercialização de terra e água, hoje nossos territórios têm uma grave situação ecológica, com uma crise hídrica cada vez mais complexa, ampliando as áreas de sacrifício e a alteração de ecossistemas, como ocorreu com a contaminação da água potável em Osorno, onde a mercantilização das fontes de água é visível através das empresas de saúde; a situação de Puchuncaví-Quintero que não foi resolvida; a morte da vida rural, flora e fauna em áreas devastadas pela seca, e as falsas saídas impostas pelo bloco dominante através da COP 25, e tratados econômicos como o TPP-11 e APEC, que eles vêm reforçar a pilhagem de corpos e territórios.

5.- Atualmente, estamos testemunhando um ressurgimento do aparato repressivo e a criminalização do protesto social. A lei da sala de aula segura, a Agenda do Terrorismo Curto, a Lei dos Migrantes, são sinais claros de que o aparato estatal atualiza e aprofunda sua ferramenta de controle e disciplina. Atingir fortemente a classe oprimida: vendedores ambulantes, horticultores, migrantes, comunidades mapuche em resistência e estudantes secundários. Além do exposto, o assassinato de combatentes sociais como: Macarena Valdés, Camilo Catrillanca, Alejandro Castro e os feminicídios cada vez mais frequentes em espaços públicos, homo-lesbo-transfobia e racismo, mostra o estado de exceção permanente Nós habitamos

Reconhecendo o exposto, alguns optaram pela luta institucional como uma saída para nossos problemas, no entanto, essa rota apenas demonstrou sua capacidade zero de parar o posto avançado neoliberal, que antecede nossos corpos-territórios da classe dominada, razão pela qual o fracasso A rota eleitoral, institucional e parlamentar é a constatação clara e inequívoca de que a exploração e o domínio só param com os combates nas ruas e a construção de comunidades organizadas. Hoje, quem se aproveita dessa instância de protesto popular para levantar ilusões eleitorais apenas desmobiliza e mantém intacta a dominação e suas expressões.

Apelamos, em 5 de setembro, aos setores em luta para levantar este dia de protesto em todos os territórios, organizando nossa raiva e multiplicando as formas de resistência, a fim de defender nossas vidas e comunidades.

Em cada território para elevar a luta e a unidade das ruas!

Contra a precarização da vida!

Top aqueles e aqueles que lutam!!

FEDERAÇÃO ANARQUISTA DE SANTIAGO

https://www.facebook.com/Federaci%C3%B3n-Anarquista-Santiago-143813436259330
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center