A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019 | of 2020

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #305 - Digital, Apps, drones ... o álibi sanitário da vigilância geral (en, fr, it)[traduccion automatica]

Date Tue, 19 May 2020 08:37:45 +0300


Desde o início da contenção, dispositivos e ferramentas digitais marcados como "soluções" para a crise estão surgindo. De drones a aplicativos móveis de "saúde", tudo é bom para testes ... e na esperança de ganhar participação de mercado. Longe de serem ferramentas proporcionais e apenas calibradas para a crise, elas definem uma visão "solucionista" do capitalismo que afirma ser o remédio definitivo para todos os males. ---- Os drones estão fora ! Todas as opções existem: detecção por infravermelho, megafones de bordo que convocam os indivíduos a voltar para casa, comunicação das posições dos indivíduos à polícia, medição de temperatura, etc. Empresas especializadas na fabricação, recondicionamento ou processamento de dados de drones não perderam a oportunidade de fazer a colocação do produto com a polícia e a gendarmaria [1]. Entre a coleta de dados de campo em larga escala e os diques de respeito à lei que saltou em nome da emergência de saúde, cada empresa deseja sua participação no mercado.

Veja o exemplo das operadoras de telefonia. Como sabemos que a capital foi abandonada por 12% de seus habitantes ? Esse número não cai do céu, mas das antenas de retransmissão das operadoras de telefonia: basta contar as conexões nos terminais. Se esses dados certamente são agregados e anonimizados, não temos dúvidas sobre as muito lucrativas quotas de mercado que sua venda representa [2].

Nos últimos dias, em antecipação a um possível descon fi namento condicionado, a idéia que está surgindo na França é lançar um aplicativo, StopCovid, no exemplo do TraceTogether desenvolvido por Cingapura. Uma vez instalado em seu smartphone, o StopCovid relataria sua própria contaminação do Covid-19 às pessoas ao seu redor. O objetivo não garantido de economizar tempo com a disseminação da doença deixa questões em aberto: a instalação do aplicativo será consentida ou obrigatória ? Se o consentimento for solicitado, qual é a garantia de que a pressão social e administrativa não a tornará uma obrigação ? E as pessoas sem smartphones ? [3]

Não há necessidade de listar os perigos dessas ferramentas para gerenciar nossa vida diária. A história mostra que medidas excepcionais se tornam a regra quando a crise termina: lei de inteligência, inclusão de um estado permanente de emergência na lei, registro de DNA etc.

"Não há necessidade de provisão legislativa"
Respostas combativas são escassas. Pior, o presidente dos Repórteres sem Fronteiras, Pierre Haski, chegou ao ponto de declarar no rádio: "Asempresas asiáticas estão se mostrando muito mais reativas que a Europa na adaptação das tecnologias existentes a uma necessidade urgente. Eles também são mais tolerantes com tecnologias invasivas em nossas vidas particulares[...]. Mas em meio a uma pandemia como a Covid-19, quem se recusará a permitir que sejam implantadas se permitirem que o resultado seja acelerado ? Sempre haverá tempo para se preocupar depois de..." [4]O fim justifica os meios ! Adicionado a isso é "pragmatismo "Do Cnil, salvaguarda das liberdades digitais na França que, por meio de sua presidente Marie-Laure Denis, tenta tranquilizar-nos: "Também é necessário[que o monitoramento individualizado]respeite os princípios da proteção de dados: proporcionalidade, período de retenção, natureza provisória, segurança etc. Nesse caso, não há necessidade de disposições legislativas" [5]. Difícil, mesmo com a língua da madeira, esconder que as linhas vermelhas serão cruzadas. Lembre-se de que proporcionalidade é um conceito relativo, deixando o poder de defini-lo como bem entender.

A retórica é bem oleada. Com cada estado de crise envolvendo o espanto do maior número, o pensamento dominante legitima a necessidade de apertar ainda mais o parafuso. Aparentemente, teríamos dificuldade em entender que qualquer reivindicação de preservar nossas liberdades é ingênua, na melhor das hipóteses, na pior das hipóteses, criminosa.

"Dispersar !" Em várias cidades, drones de vigilância apareceram nas ruas vazias ...
Os relatórios são bons, é melhor tomar medidas
Com um rolo compressor tão poderoso por sua penetração na mente, é tentador desistir e concentrar sua energia em outras lutas consideradas mais fáceis em tempos de pandemia, como a solidariedade direta. Mas, ao fazê-lo, não estaríamos precisando ceder precisamente à propaganda dos grandes irmãos, a injunções incessantes pela responsabilidade individual ? E se já somos capazes de expressar tal demissão, como podemos ter certeza de que alguém que esteja pelo menos ciente se recusará a instalar o aplicativo para rastrear a propagação do vírus ? Mas então, como lutar ? Talvez lembrando que, mais uma vez, o essencial está em outro lugar: na responsabilidade coletiva.

O código fonte de qualquer aplicativo de rastreamento deve ser público (software livre), o consentimento deve ser debatido e considerado coletivamente, a fim de melhor ponderar os prós e contras, os dados coletados devem ser colocados fora das mãos do Estado e do setor. privado, seu uso deve ser limitado no tempo e decidido coletivamente.

Para o poder capitalista de nosso tempo, a tecnologia deve ser capaz de fornecer uma "solução" neutra e eficaz para todos os problemas da sociedade. Esse "solucionismo "despolitizante deve ser recusado [6], porque a técnica nunca é neutra. Dedicar um tempo para fazer esses lembretes, discuti-los com nossos entes queridos, sem culpa inquisitiva, nos permitirá frustrar o mecanismo de internalização da servidão voluntária.

Comissão de Librismo da UCL

Validar

[1] "Coronavirus: Two-i disponibiliza sua tecnologia aos atores estatais" , Le Journal des entreprises, 25 de março de 2020.

[2] "AOrange recicla seu serviço de geolocalização para a pandemia" , La Quadrature du Net, 28 de março de 2020.

[3] "A crise da saúde não justifica a imposição de tecnologias de vigilância" , La Quadrature du Net, 8 de abril de 2020.

[4] "Obom uso da tecnologia possibilita a luta contra o coronavírus" , France Inter, 24 de março de 2020.

[5] "Coronavírus:" Os aplicativos de rastreamento de contatos exigem vigilância especial "" , Le Monde, 5 de abril de 2020.

[6] Evgeny Morozov, Para resolver tudo, clique aqui! A aberração do solucionismo tecnológico, edições do FYP, 2020.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Surveillance-generalisee-l-hydre-de-Lerne
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center