A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016 | of 2017 | of 2018 | of 2019

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Comentários desde a Catalunha - agência de notícias anarquistas A.N.A. (en)

Date Thu, 24 Oct 2019 09:22:25 +0300


O que aconteceu nos últimos cinco dias em Barcelona, Girona, Lleida e Tarragona mostra que algo semelhante a Hong Kong está acontecendo aqui: um protesto que começa com objetivos nacionalistas e democráticos também leva a uma revolta contra a repressão e injustiça. ---- O que acontece aqui não tem o caráter proletário de classe que as lutas no Chile ou no Equador têm, mas nem tudo é canalizado pelo reformismo, pelo movimento que busca um governo catalão autônomo. ---- A irrupção de uma geração muito jovem, cheia de amor e raiva, transformou os movimentos de independência cidadãs em chamas contra o poder. Se alguém se aproxima das noites de fogo, imediatamente observa que existem milhares e milhares por trás de cada barricada, que existem pessoas muito jovens (15, 17, 19, 21 anos) e que, em muitos casos, são imprudentes demais, de pé um diante do outro frente aos tiros de balas de borracha. Além disso, eles falam espanhol ou catalão, indistintamente, e que a fraternidade da rua os faz ter uma atitude aberta a todos os tipos de slogans e canções. As proclamações de independência são misturadas com as que condenam o ataque da Turquia, o "governe quem governe, seremos ingovernáveis" ou "quem semeia a miséria, colhe raiva".

Embora, para dizer a verdade, quando a noite cai, há poucas músicas, o que há é uma intensa sensação de estar fazendo história e que isso dura muito tempo.

Aqueles que impulsionam e protagonizam os distúrbios são uma pequena minoria dos milhares de pessoas que estão atrás, mas os sustentam, vestem e imitam simbolicamente, cobrindo o rosto mesmo que estejam a quatro quarteirões dos confrontos, sentados em uma calçada.

Do que aconteceu há dois anos, se pode escutar a entrevista de rádio da época, e na sequencia então são apenas notas urgentes do que aconteceu entre 14 e 19 de outubro e, sobretudo, na cidade de Barcelona.

Invasão do aeroporto

A primeira resposta ante a sentença da frente independentista (que se encaixa em quase todas as organizações dessa corrente) foi tratar de bloquear o aeroporto. Essa ação foi coordenada por uma nova plataforma chamada Tsunami Democratic (Tsunami Democrático) e caracterizada pela inovação tecnológica. Através de um aplicativo em que alguém pode sair do celular (através de uma senha anterior dada por alguém de confiança), você se torna um ativista no qual você é informado das necessidades do movimento, especialmente aqueles que estão a um quilômetro de seu entorno: "falta gente em tal local, estão acatando em outro". Até os coordenadores da questão, descobrindo que existem centenas de pessoas em um só lugar, podem improvisar uma ação ali perto e surpreender as forças repressivas.

Nesse dia, vias e estradas foram bloqueadas no caminho para o aeroporto, cancelando mais de vinte voos. As milhares de pessoas que colocaram seus corpos naquela ação daquele dia, quase inteiramente, tinham um sentimento catalão ou anti-espanhol. É necessário saber que muitos afirmam ter se tornado independentistas depois das agressões vistas ou recebidas em 1º de outubro de 2017.

Quando o Tsunami Democratic concluiu sua ação bem-sucedida, pediu (via aplicativo) que abandonassem o aeroporto. No entanto, muitas pessoas que haviam acabado de chegar (muitas delas andando quatro, cinco, seis ou mais quilômetros) decidiram ficar. Havia também muitos independentistas radicais, por chamá-los de alguma forma. Independentistas convencidos que, unicamente, os métodos pacíficos eram extremamente limitados e que a esperada censura do governo espanhol pelos governos mais poderosos do mundo pode nunca ocorrer. "Vocês fizeram do seu jeito e não funcionou, agora vamos fazer isso do nosso". Resistiram no aeroporto e foram baleados com balas de borracha dura. São os mesmos independentistas que desejariam que, após o êxito do referendo em 1º de outubro, o governo catalão proclamasse a independência, se entrincheirasse no Parlamento e que, em uma espécie de Maidan (Ucrânia), o cercasse e o defendesse.

As noites de fogo

Depois do aeroporto, a raiva contra a brutalidade usada naquela noite pela polícia, corpos policiais catalães e espanhóis (jovens espancados, vitimados pelos gases, com perda de olhos ou dentes) se espalhou. Também pelas recentes detenções de militantes dos Comitês de Defesa da República (CDRS), acusados de terrorismo.

Quando foram realizadas manifestações (especialmente pelo mesmo CDRS) nas tardes de 15, 16 e 17 de outubro, membros do movimento de independência (pacífico e radical) e muitas outras pessoas indignadas compareceram. Chegada a noite, aqueles que estão impulsionando os distúrbios são independentistas radicais e muitos jovens cansados da sociedade capitalista. Há também aqueles que há anos enfrentam o sistema capitalista em Barcelona, "os antissistemas usuais", nas palavras do Conseller (ministro do Interior da Catalunha). Aqueles que, apesar de sua longa experiência em resistência a despejos e ataques a delegacias e bancos, ficam surpresos com a determinação desses novos companheiros de barricada. Eles ficam surpresos que quase o único objetivo de seus vizinhos encapuzados seja a polícia e o levantamento e queima de lixeiras para fechar a rua. Olham incrédulos paras as vitrines intactas das imobiliárias.

A polícia catalã também se surpreende com as novas maneiras de agir: "É como se não tivessem medo de nós, atacam nossas vans e tentam despejá-las, conseguindo isso duas vezes".

Marcha pela dignidade, greve e noite de raiva

Em 18 de outubro, em outra das ações convocadas pelo Tsunami Democratic, dezenas de milhares de pessoas chegaram a Barcelona de vilas e cidades, mais ou menos distantes. Na Catalunha, uma greve geral e manifestações foram convocadas. Em Barcelona, mais de meio milhão de pessoas foram às ruas. Depois de desconvocadas as manifestações, o CDR convocou um acampamento prolongado na Gran Vía, que desconvocaram ao ver que mais de dez mil pessoas permaneciam atrás das barricadas em chamas, em frente aos cordões da polícia. Essa desconvocatória no último minuto indica o grau de autonomia daqueles que protagonizam os distúrbios. Ontem, especialmente, contundentes, principalmente por causa do número de encapuzados correndo daqui para lá. A polícia e os políticos dizem que nunca viram nada assim. A queima e destruição de lojas, durante a greve geral de março de 2012, foi declarada o dia mais violento desde a Guerra Civil, mas quase todo mundo ressalta que a noite passada foi mais contundente.

Nas quatro principais cidades catalãs, e nas últimas quatro noites, havia mais de cem agentes feridos, oitocentos contêineres de lixo queimado, duzentos veículos policiais com sérios danos. Foi especialmente surpreendente o uso de contêineres (cabines de construção) para bloquear a rua e material de construção para quebrar a calçada em pedaços e fazer projéteis. Também o uso de pirotecnia, pregos cruzados para perfurar rodas, bolas de aço atiradas com estilingue e os tradicionais, mas muito poucos vistos por esses lados, coquetéis molotov.

A repressão também foi brutal novamente, com perda de testículos, audição ou visão devido aos impactos de balas de borracha, encurralamentos e espancamentos indiscriminados. Sessenta detidos e mais de trinta hospitalizados. Incontáveis feridos e vítimas de gás lacrimogêneo ou gás de pimenta.

Poucas horas antes do início de uma nova manifestação, convocada pela independência radical, a fronteira de Jonquera ainda está bloqueada por manifestantes e medidas governamentais, como a suspensão da partida de futebol Barcelona-Madrid, acontecem para tentar reinar a paz dos cemitérios.

"Nenhum estado nos libertará"

Embora essa frase estivesse presente em uma das faixas das manifestações de ontem, muitos mais celebrariam um estado catalão ou aqueles que, em vez de iniciar um processo revolucionário internacional, se envolveriam em uma guerra inter-burguesa. No entanto, não são poucos os que se lembram de que, quando a maioria dos atuais políticos presos ou exilados estavam no Parlamento, durante o movimento do 15M de 2011, se tratou de bloquear a entrada, impedindo-os de votar nos orçamentos da miséria. Quando aos gritos de que "ninguém nos representa" e "que se vão todos", se resistiu aos ataques de seus policiais. Havia detidos e os mesmos políticos disseram que todo o peso da lei (espanhola, mas não importa) tinha que recair sobre os violentos que haviam fechado seu caminho, e também se posicionando contra uma possível petição de perdão. Além disso, há certeza de que, se esses mesmos presos políticos enfrentarem algum dia o governo de um estado catalão independente, garantirão de incluir artigos de segurança nacional e repressiva contra qualquer tentativa de revolução social.

De qualquer forma, de Hong Kong a Barcelona, de Paris a Santiago e Quito, parece que a burguesia mundial ainda tem muitas noites insones por este aquecimento cada vez mais global.

Barcelona, 19 de outubro de 2019

Fonte: https://redlatinasinfronteras.wordpress.com/2019/10/19/comentarios-desde-cataluna/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center