A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) France, Alternative Libertaire AL #258 (Feb) - biodiversidade, A humanidade enfrenta a sexta extinção (en, it, fr) [traduccion automatica]

Date Wed, 30 Mar 2016 15:51:59 +0300


Desde o seu surgimento, em 1988, o termo "biodiversidade" tornou-se uma fonte de confusão e de amálgama porque, em uma aparente evidência, a biodiversidade é, na verdade, um conceito complexo. No entanto, ela expressa uma realidade do mundo vivo prejudicada, especialmente desde que a expansão do modo de produção capitalista. ---- Em sentido amplo, a biodiversidade é a variedade ea variabilidade de organismos vivos. Ele é definido no artigo 2 da Convenção sobre a Diversidade Biológica[1] como "a variabilidade entre os organismos vivos de todas as origens, incluindo, inter alia, terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que fazem parte; compreende a diversidade dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas ". A biodiversidade é, por conseguinte, não se limitando à soma de dinheiro, mas representa todas as interacções entre as coisas vivas e com o seu ambiente físico e químico. "Em seu sentido mais amplo, a palavra é quase sinônimo de vida na Terra. "[2]

A humanidade depende

A dependência das sociedades humanas com a biodiversidade demonstra que o bem-estar humano é inseparável da saúde dos ecossistemas. De acordo com a Fundação de Pesquisa sobre Biodiversidade[3], a biodiversidade se refere tanto ao seu valor intrínseco, relacionado com a importância da própria biodiversidade, mas também o valor do património relacionado com interesse cultura, identidade e história, que é da biodiversidade e, finalmente, ao seu valor utilitário, relacionadas com os recursos previstos para as sociedades humanas.

Mas é esta última visão que permanece dominante. Não apenas comida, combustível, materiais ou medicamentos, mas também a regulação do clima, a manutenção de grandes ciclos biogeoquímicos (água, carbono...), polinização, ou a relação da humanidade com a natureza.

Renda-se à ONU em 2005, a avaliação do Millennium Ecosystem é um relatório para avaliar a extensão e as consequências das mudanças que ocorrem nos ecossistemas. Sua principal conclusão é que a humanidade mudou os ecossistemas mais rápida durante os últimos cinquenta anos desde o início de sua história: a destruição e contaminação dos habitats naturais , a exploração excessiva dos recursos naturais, introdução de espécies de um ambiente para o e outros aquecimento global levam à perda irreversível da biodiversidade.

A " sexta extinção " está em execução: o ritmo de extinção de espécies devido à atividade humana continua a acelerar. Seus rivais impacto que de cinco crises biológicas maciças que pontuaram a história da vida de 500 milhões de anos - o último, há 65 milhões de anos, que precipitaram a queda dos dinossauros.

No topo da Cúpula da Terra, Rio de Janeiro, em 1992, a adopção da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD) obriga os países signatários a proteger e restaurar a diversidade da vida. A cada ano, os países signatários estão organizando uma Conferência das Partes (COP) para fazer avançar a implementação da Convenção. Desde 2012, a Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas (IPBES), segundo o modelo do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), foi lançado.

As políticas implementadas com base em: conservação que visa manter o estado de um ambiente natural através da criação de áreas protegidas; protecção que procura impor limites razoáveis sobre a exploração dos recursos naturais; a restauração dos ecossistemas ; Finalmente, as medidas compensatórias destinadas a contrabalançar os efeitos negativos das atividades humanas, restaurando outros ecossistemas - como aeroporto de Notre-Dame-des-Landes.

Avaliação dos Ecossistemas do Milênio - citou - conclui que é possível enfrentar o desafio de reverter a degradação dos processos dos ecossistemas, mas exige mudanças profundas e práticas políticas que estão longe de ser em curso[4].

Mas como a crise do clima , se a consciência dos danos para a biodiversidade está a progredir e se as soluções primers tomar forma, o desastre continua seu passeio selvagem.

Encerrando a sexta grande extinção!

Os dois obstáculos fundamentais para a implementação de qualquer solução, são, por um lado, na expansão mortal do modo de produção capitalista e da ideologia utilitarista da natureza consideradas como um único pool de recursos.

Claro que não é denegrir a luta contra aqueles que estão lutando para o desenvolvimento de áreas protegidas, a restauração de ecossistemas. Mas é certo que as medidas preconizadas pela Organização das Nações Unidas, mesmo se implementadas pelos Estados, não será suficiente. E dentro do sistema capitalista, sempre que um conflito entre a biodiversidade combate multinacional , o poder leva-se a causa do "crescimento"...

A destruição da biodiversidade continuará assim como o poder da classe capitalista. A solução requer três revoluções incompatível com a manutenção do modo de produção capitalista: uma revolução no comércio, terminando a globalização, uma revolução nos padrões de consumo e uma revolução nos métodos de produção[5].

Mas não será suficiente para reverter esse poder. A transformação da relação humana com o mundo dos vivos é necessário. Na postura explorador da natureza, devemos voltar ao nosso lugar um simples link no mundo vivo, respeitoso de outras formas de vida e desenvolvimento de toda a cooperação necessária para atingir um novo equilíbrio não apenas garantir a nossa futuro, mas o futuro do mundo vivo como um todo.

Jacques Dubart (AL Nantes)

[1] Aprovada na parte superior da Cúpula da Terra, Rio de Janeiro, em 1992.

[2] "Biodiversidade, que abrange essa palavra? "Em CNRS

[3] A Fundação de Pesquisa sobre Biodiversidade (FRB) foi criado em 2008 por iniciativa dos Departamentos franceses.

[4] Ecosystem Assessment Millennium[arquivo], o PNUMA de 2005.

[5] " Enfrentar o desafio ecológico, três revoluções são necessários " na www.alternativelibertaire.org

http://www.alternativelibertaire.org/?L-humanite-face-a-la-sixieme
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://lists.ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center