A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) colectivo libertario evora: GUIA DE 10 PONTOS PARA A RESISTÊNCIA PÓS BREXIT À VITÓRIA DA DIREITA RACISTA NO REFERENDO PARA A SAÍDA DA UNIÃO EUROPEIA

Date Tue, 28 Jun 2016 12:02:55 +0300


1.O voto no Brexit (Saída) para o Reino Unido deixar a União Europeia demonstra que, mesmo quando é fraca, a democracia parlamentar é incompatível com a crescente desigualdade neoliberal. No Reino Unido, como em outros locais, uma pequena minoria da população tem ficado, nas últimas décadas, com uma parte cada vez maior da riqueza total. Sobretudo, devido à austeridade, quase todos têm visto o seu quinhão da riqueza que produzem a diminuir drasticamente. ---- 2. A campanha pelo Remain (Manutenção) foi liderada pela classe política do establishment neoliberal e apoiada por corporações neoliberais tais como a Ryanair. Mas, porque a raiva contra a crescente desigualdade foi desviada com sucesso, transformando em bodes expiatórios pessoas já marginalizadas, em particular os migrantes, a campanha para a saída foi igualmente liderada por fanáticos elitistas ricos cuja variante do neoliberalismo olha mais para as ex-colónias e para os EUA, do que para a Europa.

3. Os mercados estão agora a punir o eleitorado com a fuga de capitais. Mas a natureza colonialista e racista da campanha pela saída significa que em vez do capitalismo ser responsabilizado voltarão a ser os migrantes os bodes expiatórios. O impacto da permanente desigualdade – sobre os trabalhadores brancos – será atribuído ao facto dos ataques a migrantes não serem tão cruéis e implacáveis como «era necessário».

4. A alternativa pela qual devemos lutar não é fazer mais um referendo, mas a abolição de uma ordem mundial construída sobre a desigualdade e a ditadura do mercado.

5. No futuro imediato, a defesa dos migrantes, incluindo aqueles que ainda estão para chegar, é fundamental para nos opormos à viragem à direita pós-Brexit.

6. Se a esquerda oscilar na direcção de uma simples atitude economicista pós-Brexit então a natureza colonialista e racista desta votação será solidificada. Devemos discutir sobre os motivos que levam a uma cada vez mais dificil solidariedade de classe a nível mundial e não sobre o caminho traiçoeiro dos interesses estritos dos trabalhadores brancos que só pode servir o nacionalismo reaccionário inglês, baseado no racismo e no colonialismo.

7. As repercussões do voto na saída não se limitarão apenas às fronteiras do Reino Unido, mas será um impulso enorme para os movimentos colonialistas e racistas em toda a UE. Os líderes desses movimentos, como Marine Le Pen, já se regozijaram com o voto pela saída.

8. É vital compreender que esta situação não pode ser combatida com chavões liberais, porque é uma consequência da crescente desigualdade criada pelo liberalismo económico. A médio prazo, teremos que escolher ou uma transformação para uma democracia directa radical que crie igualdade económica ou um regresso às políticas autoritárias de controlo, necessárias para impor profundas divisões na riqueza.

9. As coisas parecem sombrias, mas elas já eram sombrias quando sabíamos que tínhamos que enfrentar as alterações climáticas ou a automatização sob o capitalismo. A ascensão do racismo de extrema-direita e colonialista não é um fenómeno natural, mas uma consequência de um sistema em que a crise é um produto fundamental do seu próprio funcionamento.

10. É preciso retirar o mundo da supremacia da elite branca patriarcal e capitalista que domina o planeta e que dominou ambos os lados do referendo da UE. A transformação de que precisamos, se não quisermos enfrentar uma escalada da pobreza, guerra e destruição climáticas, é uma transformação total que elimine o estado e o capitalismo para criar o comunismo libertário.

Workers Solidarity Movement (Irlanda)

https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2016/06/24/guia-de-10-pontos-para-a-resistencia-pos-brexit-a-vitoria-da-direita-racista-no-referendo-para-a-saida-da-uniao-europeia/
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://lists.ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center