A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Nota da FAG sobre a luta dos secundaristas independentes no RS e o conflito sindical pela ocupação do CAFF:

Date Fri, 17 Jun 2016 18:42:51 +0300


Entre a mão pesada da repressão e o “afago” traidor das burocracias. ---- Segue em curso a guerra de nervos deflagrada pelo governo Sartori contra a greve no magistério estadual e a ocupação das escolas por parte dos estudantes secundaristas. Após a ocupação da Assembléia Legislativa por parte da burocracia estudantil na quinta feira passada, quinta-feira, 14/06/2016, que revelava seu verdadeiro intuito: roubar a cena do movimento que resiste nas bases, a saber, em cada escola ocupada e, com isso, projetar suas organizações políticas (UJS/PCdoB, JUNTOS/PSOL, Pátria Livre, A Marighela/ALE), esta última que tem se sentido no direito de se portar como milícia deste campo, agredindo fisicamente, secundaristas mulheres em atos, coisa que repudiamos profundamente. Estes são os oportunistas que já preparam ostensivamente a campanha para as eleições municipais.

O acordo espúrio, rebaixado e vazio assinado por essas organizações com o auxílio de seus parlamentares oportunistas, previa a retirada da educação do projeto de lei que visa à entrega dos serviços públicos nas mãos de OSs e a liberação de 40 milhões para a educação. Fazendo um imenso alarde carnavalesco, estas organizações comemoraram tal feito como se fosse a grande vitória dos últimos tempos. Esqueceram, por sua vez, de consultar as bases, talvez porque jurassem que tinham o cabresto da rebeldia que tomou conta de diversos estudantes de norte a sul do país (trairagens do tipo estão rolando solta em todos os estados) ou, talvez porque acreditaram estar lidando com uma base estúpida, mal informada, sem discernimento crítico e sem desejo de protagonismo. Viram-se no direito de falar e deliberar por um movimento que não é e nunca foi controlado por eles, pelo contrário, um movimento que se mostrou refratário a seus métodos burocráticos que não possuem nada no horizonte além da busca por uma cadeira nos poderes legislativo e executivo.

Uma das principais características das burocracias sempre foi carnavalizar as derrotas, transformando-as em vitórias a partir de recursos retóricos e carismáticos que jogam na despolitização das lutas e no deslumbramento pelas reuniões de gabinetes, uma ânsia descontrolada em solucionar os conflitos em mesas de negociação, regadas a cafezinhos servidos pelos inimigos e não nas bases. O gato vendido por lebre na ocasião foi à retirada da educação. “Esqueceram-se” os nobres representantes estudantis que no caso ao assinar esse tipo de acordo estão legitimando a entrega às OSs de outros serviços fundamentais, como é o caso da saúde. Já no que diz respeito aos recursos, aproveitam-se da desinformação generalizada e no impacto torturante que os números são capazes de causar. Os R$40 milhões em questão, já haviam sido liberados, mas estavam bloqueados pelo governo, além do mais R$40 milhões para todo o RS acaba representando uma esmola menor que R$20 mil para cada escola, que sofrem com falta de estrutura diversas: desde falta de Xerox e internet, até encanamento, muros caindo, goteiras e infiltrações... Por fim, nenhuma palavra sobre o famigerado projeto de lei Escola Sem Partido, cujo paladino e maior agitador ideológico, o playboy deputado da extrema-direita gaúcha Marcel Van Hatem contratou no final da última semana uma empresa de telemarketing para contatar pais e mães dos estudantes dizendo que as aulas voltariam ao normal no início da semana. O objeto era claro, causar um conflito entre estudantes e pais contra e a favor das ocupações, fato que ocorreu na manhã de quarta-feira na escola Paula Soares, por exemplo.
O corporativismo despolitizante guiou do início ao fim a ação destas agrupações. Incapacitados de ter um projeto de fortalecer organizações de base viram na ocasião uma grande oportunidade de fortalecer e legitimar suas respectivas “super-estruturas”, máquinas de fazer carteirinhas e eleger vereadores. Sequer as organizações oportunistas deste espectro que tanto se vangloriam de se localizarem a esquerda destas outras agrupações, foram capazes de sinalizar no famigerado acordo de terça-feira como um avanço tático. Era preciso um grande carnaval, para que ficassem em evidência e assim suas respectivas organizações e candidaturas, objetivo do qual toda análise crítica que aposte em uma luta de longo prazo, de fortalecimento da organização dos próprios estudantes em cada escola e bairro é vista com desdém.

Organizados no Comitê de Escolas Independentes (CEI), organização de base formada no calor das ocupações e que vem aglutinando diversos estudantes que fazem linha de frente contra a burocracia e o aparelhamento em seus locais de estudo, vários estudantes tomaram a iniciativa de ocupar o prédio da Secretaria da Fazenda na manhã de quarta-feira, exigindo a total retirada do projeto de lei das OSs e a liberação de mais recursos à educação. Respaldado no acordo assinado no dia anterior o governo viu-se com a faca e queijo na mão para fazer o que até então se constrangia: reprimir violentamente os estudantes. As cenas de selvageria por parte da Brigada Militar e o BOE nunca serão esquecidas por essa geração que faz suas primeiras experiências de luta e passam pelo batismo de fogo. Estudante por estudante foi retirado as cacetadas e jatos de spray de pimenta nos rostos. Do lado de fora quem tentava se aproximar para exprimir solidariedade também era atingido por spray de pimenta.

Ainda ao lado de fora da SEFAZ fez-se sentir a importante medida de solidariedade dos municipários de POA que iniciaram sua greve na terça-feira que se concentraram em frente ao prédio em apoio aos estudantes, recebendo a descarga dos jatos de pimenta da Brigada. O seguiu depois da retirada violenta dos estudantes do prédio da Sefaz foi, tortura, abuso sexual, pressão psicológica e muita criminalização. Os menores, todos levados ao Deca (delegacia da criança e do adolescente) onde foram intimidados pelos policiais, mais uma vez, com apoio do Conselho Tutelar que fez chantagem nos pais e mães que vinham buscar seus filhos e filhas, dizendo para estes que era melhor “não deixar mais os jovens irem para as ocupações”. Aos jovens maiores de idade a questão foi mais absurda ainda, estes foram levados e fichados na delegacia de polícia pelos crimes de corrupção de menores, formação criminosa, esbulho possessório, entre outras coisas, num total de seis acusações, todas elas absurdas. Precedente gravíssimo de criminalização aos lutadores do RS. Estamos atentas/os a isso, este grupo que foi incriminado pelo Estado/Justiça opressores estão em liberdade provisória, toda a solidariedade é necessária e uma campanha contra esta ação é urgente.

Enquanto todo esse cenário se desenrolava, o prédio do CAFF seguia ocupado desde segunda-feira por parte dos professores em greve. Na terça-feira o governo começou a mobilizar a Brigada Militar para impedir a entrada de pessoas no prédio e com isso tentar isolar a mobilização, ainda assim várias pessoas conseguiram furar o bloqueio. O conflito do CAFF parece ter surpreendido todos, grevistas, ocupantes e a própria direção do sindicato, o que era para ser uma ação simbólica de desfecho de uma greve bem enfraquecida, se tornou uma ocupação de cindo dias. Mesmo com este enfraquecimento da categoria do CPERGS, por descrédito no sindicato, houve uma demonstração de força importante por parte dos ocupantes do CAFF. Neste conflito sindical que teve como desfecho sua saída hoje e que conseguiu garantir apenas uma nova audiência ainda em aberto, deixa como lição o fato de que o trabalho sindical para fortalecer a categoria, deve se dar no empoderando seus núcleos em uma perspectiva de base, de descentralização da direção burocrata, na orientação por zonais, onde possa atuar em conjunto com a comunidade, etc.

Existe hoje no RS um campo aberto para lutar pela educação, de baixo pra cima, articulando os professores de luta e os estudantes combativos, esta tarefa esta colocada para todos aquelas e aqueles que pensam para além de seus umbigos e que acreditam no protagonismo de base destas categorias, sem a ânsia de ser os “representantes” destas vozes, ao contrário, queremos que estes setores possam dizer, por si mesmo, como avançar e resistir na defesa da Educação pública e de qualidade.

RODEAR DE SOLIDARIEDADE XS QUE LUTAM!

PROTESTO NÃO É CRIME!

NÃO SE AJUSTA QUEM PELEIA!

Em cada escola Luta e Rebeldia!
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://lists.ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center