A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2015 | of 2016

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) [Venezuela] Anarquistas contra o Arco Mineiro do Orinoco By A.N.A.,

Date Sat, 13 Aug 2016 12:05:32 +0300


Na sexta-feira 22 de julho, em Caracas, um grupo de ativistas com interesses em comum, manifestaram seu descontentamento em uma das principais avenidas da cidade. A atividade autoconvocada, foi realizada em concordância com o Dia Internacional Contra a Mega Mineração e a Sexta Jornada Internacional de Resistência. ---- O Arco Mineiro do Orinoco, foi criado por Hugo Chávez em seu projeto governamental chamado “Plan de la Patria 2013-2019” (Obj. 3.4.1.8) e executado por Nicolás Maduro, onde se entregam concessões a 150 empresas nacionais e transnacionais para o extrativismo de minerais de manejo industrial, como ouro, coltan, ferro, cobre, diamante, bauxita, entre outros. Esta zona abarca 12, 2% do território. Tal decreto implica em grande desmatamento da zona descrita, na contaminação e gasto indiscriminado das principais fontes hidrográficas e na possível morte da fauna selvagem, impulsando o maior ecocídio da América Latina.

O Motor Mineiro na Venezuela, não apenas compreende o Arco Mineiro, senão que também se expande até a Serra de Perijá com o objetivo de extrair o carvão dessas terras. Também o decreto viola os Direitos Humanos das comunidades originárias devido a que não existiu uma consulta previa real e também aprofunda a militarização da zona, o que poderia provocar um genocídio indígena.

Coletivos e individualidades de diversas inclinações políticas denunciaram este decreto como inconstitucional e, portanto, recorreram a uma demanda de nulidade junto ao Tribunal Supremo de Justiça. Este recurso de nulidade foi entregue em outra ocasião afora do TSJ em 31 de maio, onde explicava o incongruente que era este decreto com as leis de proteções ambientais e dos povos originários sendo admitido pela Assembleia Nacional em 21 de junho.

A manifestação de sexta-feira foi realizada em frente do Ministério da Economia, responsável pela gestão das operações financeiras do Estado e um dos principais ministérios em estimular o Motor Mineiro na Venezuela, assim como a entidade que tem o controle das concessões e responsável pela dívida externa.

Como libertárixs rechaçamos estas políticas econômicas do Estado baseadas no engano da população em oferecer uma reforma extrativista com suposta finalidade de terminar com a crise que este pedaço de terra vive. O Governo Bolivariano divulga o Arco Mineiro do Orinoco como uma “garantia de futuro” à economia nacional. É realmente uma garantia de futuro hipotecar a terra a empresas transnacionais cujos ingressos não superam nem superarão a produç ão venezuelana? Se fala de “Soberania Nacional” quando comunidades indígenas são massacradas para levar a cabo estas contaminantes operações? O grande impacto socioambiental é realmente catastrófico, muito mais quando vemos os rios e bacias que se verão afetados, assim como grande parte do território não poderá contar com o líquido vital devido a seu uso irracional e corre-se o risco de se contrair enfermidades advindas do mesmo líquido. A que futuro se refere Nicolás Maduro, Nelson Merentes, e Eulogio Del Pinto quando nos falam do Arco Mineiro?

Sabemos que o governo chavomadurista está chegando a seu fim, e por ele, muitxs dxs funcionárixs públicos, políticos e militares aproveitarão ao máximo suas oportunidades de sacar dinheiro de toda esta conjuntura. Estão atolados até o pescoço de dívidas e o que buscam é tentar sair dela com este projeto. Por isso, usam campanhas de embrutecimento e distração como foi o racionamento elétrico, culpando ao fenômeno natural El Niño da situação crítica da Central Hidroelétrica Simon Bolívar, sem mencionar que também é afetado o p roduto da mineração ilegal que se desenvolve nesta zona. Praticamente, a água que estão “economizando” seria para desenvolver o extrativismo no Arco Mineiro do Orinoco.

Outro ponto pelo qual buscam levar a cabo este plano, é para “lutar contra a mineração ilegal” do qual os organismos do Estado são cúmplices e até promotores. Querem legalizar a mineração a céu aberto e a grande escala para satisfazer seus interesses pessoais e econômicos, onde as mesmas violações aos direitos humanos e ambientais que se veem nas minas ilegais estarão presentes, mas desta vez, constituídas em um papel em mãos das empresas e do governo nacional.

A ação necessária nesse momento é a contrainformação nas ruas e comunidades do que inviabilizem os meios de comunicação massivos, de fazer-se frente a este vil engano e que todxs se deem conta de esta hipocrisia “ecosocialista”. Como anarquistas, enfatizamos a importância de nossa autonomia e posição contestadora contra toda forma de governo imposta assim como aos partidismos aspirantes a chegar ao poder.

O convite é para todas as pessoas que leem este artigo ou qualquer outro relacionado à nossa luta pela vida a dizer-lhe: “Não ao ouro, não ao carvão, sim a água e à liberdade dos povos indígenas”. A organizar-nos e a juntar-nos para a difusão desse tema tão importante e necessário neste momento.

FORÇA E LUTA LIBERTÁRIA. NÃO AO ARCO MINEIRO DO ORINOCO.

Fonte: http://acracia.contrapoder.org.ve/2016/08/anarquistas-contra-el-arco-minero-del.html

Tradução > KaliMar
----------------------------------------------------
Red pontos Anarquista-associativa
declaração básica de princípios da Rede Anarquista


1.-negação e confronto com o governo venezuelano e sua grande Pólo Patriótico, bem como o partido de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD), por meio da construção e consolidação de uma alternativa social, libertário que não busca, por qualquer meio , alcance e monopolizar o poder.

2. A afirmação da autonomia dos movimentos sociais como um mecanismo para neutralizar os efeitos do estado e do mercado

Rejeição 3- do processo eleitoral e subvenções estatais e privadas para alcançar nossas metas

4-Defense autodeterminação das comunidades organizadas através da auto-gestão, anti-poder, cooperativas, igualdade de gênero, auto-defesa, ação direta, ecologia radical e respeito por toda a vida.

O uso de 5-constante de brincadeiras, apoio mútuo, ação direta, pesquisa, auto-educação e afinidade para divulgar as nossas ideias.

http://acracia.contrapoder.org.ve/2016/08/anarquistas-contra-el-arco-minero-del.html
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://lists.ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt
A-Infos Information Center