A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011 | of 2012 | of 2013 | of 2014

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) COLETIVO ANARQUISTA ADEMIR FERNANDOA - Frente Anarquista de Israel no combate ao Genocídio do Povo Palestino: AATW - Anarchists Against the Wall

Date Sat, 12 Jul 2014 16:26:13 +0300


Anarchists Against the Wall ---- Quem somos: ---- Anarchists Against the Wall, abreviado como AATW ou AAWALLS, em português Anarquistas Contra o Muro, também chamado de "Anarquistas Contra a Cerca" ou "Judeus Contra a Barreira". É uma organização israelense composta por anarquistas e anti-autoritários que se opõem à construção da barreira israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, chamado por seus detratores de Muro da Vergonha e apoia a resistência popular Palestina. O grupo define-se através da resistência, desobediência civil e ação direta. ---- A AAW considera a Segunda Intifada¹ como uma luta pelos direitos humanos, descrevendo a barreira como "uma das maiores ameaças que a população palestina tem experimentado ao longo do último século... que tornar a vida tão ruim para o povo palestino que terão apenas uma opção: sair."

Por que nós resistimos:

É dever dos cidadãos israelenses resistir às políticas e ações imorais realizadas em nosso nome. Acreditamos que é possível fazer mais do que se demonstra dentro de Israel ou participar em ações de ajuda humanitária. Apartheid da ocupação israelense não vai terminar por si só, ele vai acabar quando ele se torna ingovernável e incontrolável. É hora de se opor fisicamente aos tratores, ao exército e a ocupação.


Uma Breve História:

Em abril de 2003, três anos depois da Segunda Intifada, um pequeno grupo de ativistas israelenses em sua maioria anarquistas, já estava fazendo vários trabalhos políticos nos territórios ocupados e resolveram formar a organização Anarquistas Contra o Muro. O grupo foi criado em torno da formação de uma tenda de protestos na aldeia de Mas'ha, onde a parede se aproximava e deixaria 96% das terras da aldeia no lado grilado pelo Estado de Israel.

O acampamento, formado por ativistas palestinos, israelenses e internacionais era composto por duas tendas nas terras da aldeia. A presença constante de palestinos, israelenses e internacionais permaneceu por quatro meses. Durante o qual, o campo tornou-se um centro de disseminação de informação e uma base para a democracia direta na tomada de decisões. Uma série de ações diretas na linha de frente foram planejadas e preparadas no acampamento - como no dia 28 julho de 2003 a ação direta na aldeia de Anin. Nesta ação militantes israelenses, palestinos e ativistas internacionais conseguiram forçar a abertura de um portão no muro, apesar de serem atacados pelo exército (Veja artigo Haaretz).

No final de agosto de 2003, com o muro ao redor Mas'ha quase concluído, o campo mudou-se para o quintal de uma casa em que estava previsto para demolição. Após dois dias de bloqueio das escavadeiras e prisões em massa, o pátio foi demolido e o acampamento terminou, mas o espírito de resistência que simbolizava nunca foi destruído.

Em 2004, a aldeia de Budrus começou suas lutas contra a parede e AATW uniram suas manifestações diárias. Através de sua persistência na mobilização comunitária, luta e resistência popular, a aldeia de Budrus foi capaz de alcançar vitórias significativas.

Sem apelar aos tribunais israelenses, utilizando somente a resistência popular, a aldeia conseguiu retirar o caminho de destruição do muro da vergonha quase completamente fora da sua terra.

O sucesso em Budrus inspirou muitas outras aldeias para construir uma resistência popular, o que talvez seja um sucesso ainda maior. Durante boa parte daquele ano, quase todas as aldeias se levantaram e enfrentaram a muralha fascista e o exército que o defendia. AATW juntou todas as aldeias e os convidou para se unirem a luta.

Mais recentemente as nossas ações foram centradas em torno da aldeia de Bilin, a noroeste de Ramallah, onde a maior parte das terras agrícolas da aldeia está a ser efetivamente confiscada pelo muro e um assentamento em expansão.



Estratégia de Ação:

A mera presença de israelenses em ações civis palestinas oferece algum grau de proteção contra a violência do exército do Estado de Israel.

O código do exército israelense de conduta é significativamente diferente quando os israelenses estão presentes e a violência, embora ainda grave, é significativamente menor. Mesmo que muitos ativistas israelenses sejam feridos nas manifestações, algumas delas gravemente, são os palestinos que pagam o mais alto preço. Até o momento, 18 manifestantes palestinos foram mortos em manifestações contra o muro e milhares foram feridos.

O exército e o Estado de Israel tenta pôr fim à resistência popular palestina usando todas as formas de repressão, e para evitar que os ativistas israelenses de se juntarem a esta luta. Sob a lei da ocupação é possível indiciar pessoas para simplesmente participar de uma manifestação. No decorrer dos últimos anos, os ativistas AATW foram presos centenas de vezes e dezenas de acusações foram apresentadas contra eles.

A repressão legal por parte das autoridades israelenses é apenas mais uma frente para as autoridades israelenses para tentar reprimir a resistência.

A fim de manter os ativistas fora da prisão e continuar a luta, AATW está agora confrontado com montagem despesas legais para sua defesa no tribunal israelense. O custo para a representação legal ultrapassou US $ 60.000 e está em constante crescimento.


Foto: Manifestação em Nabi Salah, pequena vila palestina da fronteira.


¹ A Segunda Intifada ou Intifada Al-Aqsa (em árabe, ??????? ???????? ????) designa o conjunto de eventos que marcou a revolta civil dos palestinos contra a política administrativa e a ocupação Israelense na região da Palestina a partir de setembro de 2000. A Primeira Intifada ocorreu em 1987.

Traduções Livres.

Página Oficial: http://www.awalls.org/

Página Oficial do Facebook: https://www.facebook.com/pages/%D7%90%D7%A0%D7%A8%D7%9B%D7%99%D7%A1%D7%98%D7%99%D7%9D-%D7%A0%D7%92%D7%93-%D7%94%D7%92%D7%93%D7%A8-Anarchists-Against-The-Wall/184879698210917

Página da Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Anarchists_Against_the_Wall
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://lists.ainfos.ca/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center