A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Periódico "CNT" 381: entrevista com Richard Cleminso n , autor de Anarquismo e Homossexualidade e Anarquismo e Sexualidade

Date Thu, 15 Sep 2011 10:40:57 +0200


[A seguir entrevista com Richard Cleminson, autor de Anarquismo e Homossexualidade e
Anarquismo e Sexualidade (Espanha, 1900-1930), entre outros livros. Ele é professor
da Universidade de Leeds (Inglaterra) e também vice-diretor do Centro
Interdisciplinar de Estudos de Gênero. Estudioso das relações, históricas e atuais,
entre anarquismo e sexualidade.]
Pedro Guirao > Para começar, algo que pode surpreender alguns. Você é o vice-diretor
do Centro Interdisciplinar de Estudos de Gênero da Universidade de Leeds. Há quem
diga: Estas posições não são normalmente reservadas para as mulheres? Você tem sido
criticado por ocupar uma suposta parcela simbólica de poder que seria correspondido
a uma mulher?

Richard Cleminson < Não, nem uma coisa nem outra. Os colegas do Centro apóiam
pesquisadores sobre questões de gênero e sexualidade de todos os tipos e por uma
grande variedade de pessoas. O Centro tem pesquisadores que se definem como
mulheres, outros como homens e outros/as ainda como transgêneros. Justamente os
objetivos do Centro incluem a investigação em como as divisões entre gêneros, sexos
e sexualidades são formados e qual seu impacto sobre a vida contemporânea e entre as
pessoas no passado. Mas creio que há certos aspectos de nossas vidas que, por
experiência própria, alguns podem comentar com mais precisão. Seria mais difícil,
por exemplo, para uma mulher que tem sido heterossexual a sua vida inteira opinar
sobre a vida lesbiana ou sobre a discriminação contra lésbicas. No entanto, nem o
Centro deseja classificar as pessoas ou calar suas opiniões sobre um tema ou outro.
Pelo contrário, o papel do Centro é abrir um espaço onde estas explorações
acadêmicas e pessoais possam ter lugar com o mínimo de restrições para um bom
funcionamento intelectual e de respeito.

Pedro > Existe alguma afinidade entre anarquismo e a homossexualidade? Ou, dito de
outra maneira, carrega consigo, a ideologia anarquista, certas práticas sexuais que,
de outra forma, não poderiam surgir em outras organizações sindicais e/ou políticas?

Richard < Não creio que haja necessariamente nenhuma afinidade entre os dois. Penso
o seguinte: há algo no anarquismo que facilita uma experiência melhor de acordo com
os desejos sexuais das pessoas, sejam quais forem. Por outro lado, creio que as
demandas por liberdade sexual devem ser levadas a sério pelas organizações
sindicais. Historicamente, até certo ponto, este tem sido o caso; é necessário
aprofundar esta parceria no presente.

Pedro > Em seu livro Anarquismo e Sexualidade (Espanha, 1900-1939), nos fala das
contradições que alguns médicos anarquistas viam entre o amor livre e as práticas
homossexuais, levando a tolerar o que chamavam de homossexualidade congênita, mas
não a experimental, ou seja, não aquela que busca provar novas sensações. Esta
última acreditava ser uma prática perversa. O que explica tais afirmações? Existem
contradições entre a teoria do amor livre e sua prática?

Richard < Creio que esse tipo de declarações se devia ao anarquismo ter uma forte
noção do que era ?natural? na sexualidade e nas relações humanas em geral. Tendo
substituído a igreja e a religião como mediadores nesse processo, muitos anarquistas
se apoiaram em certo entendimento da natureza como iluminadora do caminho a seguir
na sexualidade. Não vendo a própria homossexualidade na natureza, por exemplo, entre
os animais, consideraram que a única expressão correta da sexualidade era a
heterossexual. Quanto ao amor livre, não acho que há uma contradição, mas sim uma
limitação não justificada em termos da sua maneira de conduzir.

Pedro > Em um de seus escritos, Federica Montseny mostrava seu desagrado em relação
àquelas mulheres que pretendiam separar-se do movimento anarquista, criando um grupo
específico centrado em questões de gênero. Para ela, a revolução devia libertar
conjuntamente ao ser humano. Você já utilizou este mesmo argumento para atacar a
homossexualidade dentro do anarquismo?

Richard < Em vez da rejeição da homossexualidade no passado (as coisas, graças a um
grande esforço de pessoas de todos os tipos, mudaram), veio das atitudes que sugeri
acima. Outra questão é em que medida as organizações específicas - de mulheres, de
gays - podem ser uma tática por usar. Do meu ponto de vista, se algumas pessoas
sentem a necessidade de fazê-lo, pois bem, mas acho que deve manter laços estreitos
com outros ramos do movimento.

Pedro > Você usou em vários escritos a expressão Techno-sexual landscapes (Cenários
Tecno-sexuais). Poderia explicar brevemente em que consiste? Como usá-la ao abordar
a questão da homossexualidade?

Richard < Nesse livro de mesmo nome, procuramos ilustrar como a sexualidade pode
estar relacionada com o mundo material, focando, por exemplo, nos moinhos de vento
como sítios de troca de idéias, técnicas, discussões e, por que não, relações. Outro
cenário que investigamos foram as estações e os trens. Não devemos nos estender
muito sobre os vínculos entre amor e os trens no filme Brief Encounter (Encontro
Breve), por exemplo. Mas é menos sabido que certos vagões de trem ou estações de
metrô eram sido usados, principalmente, por homens que procuram outros homens. Na
Espanha, é claro, sob o franquismo, um dos cenários onde ocorriam estes contatos,
bem como em igrejas, era nos banheiros públicos da Praça de Catalunya, em Barcelona.
O que nos interessava, portanto, eram as relações entre sexualidade, movimento,
cultura material e história.

Pedro > Por último, em sua opinião, a que desafios enfrenta o anarquismo espanhol do
século XXI?

Richard < Além dos desafios óbvios, como a atual ofensiva dos empregadores e dos
Estados contra as condições de vida dos trabalhadores, seria, na minha opinião,
construir um anarquismo mais global e mais dinâmico, sem esquecer da luta da vida
cotidiana. O anarquismo necessita se tornar mais relevante no cotidiano das pessoas,
nos bairros, entre os imigrantes, entre os trabalhadores. Para isso, tem que começar
a usar outra linguagem acessível para as pessoas e mostrar-se mais flexível em suas
maneiras de ser e agir.

Fonte: Periódico "CNT" 381 - agosto-setembro 2011 - www.cnt.es/periodico

agência de notícias anarquistas-ana
_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center