A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) [Espanha] Inauguração do monumento em memória dos companheiros e companheiras assassinados pelo fascismo

Date Tue, 14 Jun 2011 10:40:37 +0200



O Monolito da Memória
Após um ano de celebrações, em 18 de Junho, culminam-se os eventos do
centenário da fundação da Confederação Nacional do Trabalho (CNT), com a
colocação de um monólito em memória às centenas de milhares de membros do
movimento libertário que deram suas vidas pela liberdade e revolução
social, e que caíram sob as balas genocidas do latrofascio franquista. E
não se pode colocar no lugar mais representativo do que na Fossar de la
Pedrera do Cemitério de Montjuïc, onde milhares de pessoas sofreram o
holocausto do franquismo.

Era necessário que um monumento recordasse as vítimas libertárias. Porque
elas perderam duas vezes a guerra civil. Perderam-na no campo de batalha.
E perderam no campo da história, condenadas a quarenta anos de repressão
em todos os sentidos, e a quase tantos outros de ostracismo, que não deixa
de ser uma outra maneira de matar. Porque apesar de no pelotão de
fuzilamento as vítimas do franquismo serem todas iguais, para alguns
interesses políticos, o melhor é distinguir as vítimas, recuperar algumas
e esquecer outras, distorcer a história e, assim, enterrar com eles a
memória.

Desde que o 1º de abril de 1939 foi decretado, a partir de Burgos, o fim
oficial da Guerra Civil Espanhola, e as tropas rebeldes de Franco pisaram
pela primeira vez com suas botas assassinas em Madri, para os libertários,
havia apenas um caminho de duplo sentido: lutar contra o fascismo em vigor
e nunca esquecer o passado e os militantes que deram suas vidas pela
liberdade e um mundo melhor e mais justo. Seus esforços a muitos lhes
custaram a vida.

Depois de uma "transição" que não foi senão a continuidade do regime de
Franco, onde até mesmo as organizações que sofreram repressão franquista
não hesitaram em voltar a enterrar seus militantes por algumas vantagens
insignificantes, o movimento libertário entendeu que tinha que continuar
com o caminho que lhe legaram seus predecessores. Não dobrar-se para o
sistema e lutar pelo que consideramos justo.

Agora que certos pactos da transição expiraram, abrindo as covas de
vergonha que demonstra a criminalidade genocida do franquismo e o silêncio
cúmplice de alguns que são chamados democratas, temos de continuar no
esforço de recuperar a memória libertária.

O ato de 18 de junho em Barcelona - ​​na inauguração deste
monólito elaborado por Juan Jose Novella, onde os galhos de um cipreste
são de aço fazem crescer e estender a idéia - servirá não apenas como o
ponto culminante dos atos do centenário da CNT. É continuar a recuperação
da nossa memória e história; é uma homenagem a todos aqueles que perderam
sua vida pela liberdade. E uma homenagem a todos aqueles que ainda vivem,
que sobreviveram ao holocausto espanhol de Franco, e com suas lições e
experiências nos deixam com a melhor medicina: a história como o primeiro
pilar de luta para a sociedade que virá.

O monumento

Nas imagens do monumento se vislumbram as palavras: aos homens e mulheres
da CNT... Juanjo Novella, escultor Basco com uma sensibilidade especial
para as questões da memória, criou uma escultura forte, preparada para
resistir aos elementos e ao tempo e, ainda assim, complexa e delicada, que
aponta para cima, para os ideais do melhor que tivemos e perdemos na
organização: todos os lutadores e lutadoras pela liberdade e pela
revolução social, mortos por assim serem. A memória requerida por parte
dos que compartilhamos e queremos continuar o caminho.

A escultura é um cipreste truncado que simboliza um desejo de marcação e
dignificação aos mortos enterrados anonimamente. Desta maneira
estabelecemos um marco onde o cipreste seccionado, com todo seu
simbolismo, é o principal protagonista. Uma marca no pequeno espaço aberto
limitado por ciprestes que define uma pequena praça, na Fosera. Esta
escultura é inspirada nas colunas que saúdam o acesso pedestre à área e
nos cipreste, colunas vegetais.

A verticalidade da escultura, assim como sua presença, refere-se às
colunas e ciprestes do ambiente.

A escultura se integra sem impacto negativo sobre o enclave. A presença da
peça é adequada ao lugar, com uma ocupação ajustada e sem estridências
expressivas.

Há um grau de transparência que vai enfatizar o interesse ao cerceamento e
experiência de uma visão além. Isso também permite uma presença mínima na
praça, permitindo perceber o mesmo sem oclusão. A instalação permite
manter a rotina e o tráfego.

As dimensões são de escala humana, em conseqüência a referência da
escultura não será sobrecarregada por sua monumentalidade, mas para o
alcance humano.

Tem buscado austeridade e simplicidade nas formas, correspondendo ao
espírito pretendido e expressado pela CNT.

Juanjo Novella, escultor

Mais infos:

? http://memorialcnt.wordpress.com/

agência de notícias anarquistas-ana

_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center