A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) [Grécia] Exercícios militares de repressão de revolt as , no âmbito da OTAN e do exército europeu

Date Wed, 23 Feb 2011 05:29:24 +0100



Novos casos de denúncias de soldados gregos puseram em evidência a decisão
do governo grego, a OTAN e a UE de avançarem para a integração e
participação das forças militares da Grécia em operações contra o ?inimigo
interno? e em especial na repressão de manifestações e em insurreições,
consideradas por todos os estados como as modernas ?ameaças
desproporcionadas?.

De acordo com as queixas dos soldados de vários batalhões da 71ª Brigada
Aerotransportada "Pontos", com sede em Nea Santa Kilkis, norte da Grécia,
entre quinta-feira, 3 e 4 de fevereiro, foram realizados no norte da
Grécia na cidade de Koromilá exercícios militares de repressão de
manifestações sob a supervisão dos chefes civis e militares das Forças
Armadas.

As revelações da Rede Livre de Soldados de Espartaco sobre a formação da
71ª Brigada Aerotransportada, em táticas e métodos de repressão de
manifestações, descontrolaram o comandante do Batalhão 596 de Argirúpolis.
Insultando, ameaçando e aterrorizando os soldados, afirmou: ?Somos uma
força dirigida pela OTAN. Estamos a ser treinados para reprimir
manifestações na Grécia, mas também noutros países. Amanhã podem nos
enviar para o Egito para reprimir a revolta. Esse é o nosso papel?.

A seguir a carta aberta dos soldados da 71ª Brigada Aerotransportada:

Carta aberta de soldados da 71ª Brigada Aerotransportada

Repudiamos qualquer participação em operações de repressão de
manifestações. Basta de mentiras dos oficiais do Estado Maior e do
Ministério da Defesa. A formação dos soldados da Brigada Aerotransportada
71 em Kilkis progride. Ser ?boina vermelha? (como se tivéssemos sonhado
com ela alguma vez) requer sacrifícios, correr e suar. Como se revelou,
neste tipo de formação temos que desempenhar o papel de manifestantes num
simulacro de repressão de uma manifestação. Por isso pediram-nos para não
fazer a barba.

A publicidade sobre este assunto e as reclamações provocaram as primeiras
reações. No quartel, na inspeção da manhã, o capitão informou os soldados
da existência da denúncia, passando ao ataque e acusando os autores de
falta de rigor e de divulgarem mentiras. Falou de covardia, exortando os
soldados a expressarem-se imediatamente, na reunião dessa manhã. Em poucos
segundos mostrou a sua verdadeira face, empregando ameaças de
encarceramento e de tribunais militares.

A nossa opinião é semelhante à do resto da população: é uma covardia
esconder-se atrás dos galões e da hierarquia, separando a vida no quartel
da do resto da sociedade, proibindo até a publicação das "arbitrariedades"
que as sentenças judiciais permitiram a todos os uniformizados. Trata-se
de resistência, de um direito e de uma obrigação nossa para com o povo
grego, far-lhes conhecimento da conversão do exército numa guarda civil.

Em seguida, disse-nos que estava apoiado e que não tinha medo de nada.
Quanto mais ênfase punha no caso mais se notava que estava numa posição
difícil.

Como balanço, uma única carta foi suficiente para lhes causar um problema
e pôr em causa a nossa participação nesta fantochada, a qual, entre outras
coisas, é um insulto à nossa dignidade. Se quisermos protestar, sabemos
onde, quando e por que fazê-lo. E isto nunca será um ensaio para um novo e
sofisticado tipo de repressão. Em breve enfrentaremos o governo do PASOK -
o tal que desmantela e privatizar a Saúde e a Educação, que suspende os
direitos laborais e a segurança social, que nos deixa sem trabalho

Mas o melhor ainda estava para vir com o discurso do comandante. Segundo
ele, a Grécia pertence à UE, o exército grego faz parte do Exército
Europeu e a partir da primavera é obrigado a ter dois esquadrões da
repressão de manifestações! Esses esquadrões não se destinam a ser
utilizados na Grécia, mas para "missões cujo propósito sejam processo de
paz", onde muitas vezes há a necessidade de intervir entre duas "facções
em conflito?, como por exemplo, no Kosovo. Trata-se da revelação completa
de todo o projeto! Onde estão, pois as imprecisões e mentiras de que nos
acusam?

São os oficiais e o comandante da 71ª Brigada Aerotransportada,o
Estado-Maior Geral e o Ministro da Defesa Nacional, que enganam o nosso
povo ao utilizarem mentiras propagandísticas.

- Que facções em guerra separam agora a OTAN, no Afeganistão?

- Desde quando a intervenção da OTAN no Kosovo, onde sérvios e albaneses
lhes são hostis, é uma "missão de paz"?

- A OTAN e o Exército Europeu não defendem os interesses dos armadores na
Somália?

Rejeitamos o termo "missão de paz", já que nos pomos do lado de nosso
povo, que rejeitou os "bombardeamentos humanitários" da OTAN contra o povo
iugoslavo, cujo objetivo era o desmembramento do país e a imposição da
soberania da OTAN, os Estados Unidos e a UE.

Direta ou indiretamente a OTAN e a União Européia provocam guerras e
conflitos entre civis, formando uma série de novos países com novas
correlações políticas, sociais e econômicas, a serviço de interesses
específicos. Os governos dos países da UE, a administração Bush e a OTAN,
armaram, instruíram e incitaram o chamado Exército de "libertação" do
Kosovo (UCK), os mesmo a que hoje acusam de contrabando de armas, de
drogas, de mulheres e de crimes contra a humanidade.

A OTAN e o Exército Europeu são forças de ocupação, sob o título de
"missão de paz" garantem é a estabilidade das novas correlações e dos
novos interesses.

Acabemos já com estas histórias.

No Kosovo, Afeganistão, Somália e noutros países, a Grécia não exporta
paz, é somente ocupação. É o destino destas missões, descaradamente
classistas, que exigem uma nova forma, mais policial.

Com o Tratado de Lisboa, a OTAN foi nomeada a garantia da Nova Ordem
Mundial, mantendo o direito de interferir nos assuntos internos dos países
para reprimir as revoltas sociais causadas pela crise financeira. Porque o
seu inimigo não é só o que os militares enfrentam ou os "terroristas", mas
qualquer força social que ameaça o status existente.

Contra os manifestantes é necessário mais do que metralhadoras e banhos de
sangue, que podem provocar a opinião pública. No início fazem falta
produtos químicos, balas de borracha e cassetetes em número maior ao que a
polícia normalmente utiliza. Se a intensidade das explosões sociais o
justificar virão os tanques.

As novas doutrinas militares da OTAN e do exército europeu são o que nos
preocupa. Para elas o Inimigo, em última instância é o que põe em perigo o
sistema. Uma parte dos funcionários do governo e o próprio primeiro
ministro elevaram a ?ameaça nacional?, una série de questões como os
imigrantes, as greves indeterminadas e as manifestações massivas.

Por que é que deveríamos estar seguros de que os treinos para a repressão
das manifestações no âmbito da OTAN e do exército europeu servirão apenas
para a Brigada dos Bálcãs no estrangeiro? (Não que isso nos vá
tranqüilizar).

Não deveríamos aprender com a experiência mundial, onde as tropas
imperialistas treinadas dos EUA, Espanha, França, Grã-Bretanha, Itália,
retornando aos seus países, têm assumido o papel de repressão contra o
inimigo interno e de consolidação do ambiente de segurança do regime da
autoridade burguesa.

É claro que o poder se está a preparar ao introduzir o Exército, ainda que
indiretamente e num ambiente intimidatório, na "operação" repressão. Já o
provaram na Grécia, em dezembro de 2008, tal como na grande greve geral de
5 de maio de 2010.

Examinando, no entanto, os exemplos mais recentes de países africanos, é
óbvio que, se o povo quiser, nem o exército os poderá controlar.

Rede de Soldados Livres Spartacos

Mais infos:

? http://diktiospartakos.blogspot.com

Veja os exercícios no seguinte vídeo:

? http://www.youtube.com/watch?v=SlF-URQfuoA&feature=player_embedded

Tradução > Liberdade à Solta

agência de notícias anarquistas-ana


_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center