A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Greek_ 中文 Chinese_ Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007 | of 2008 | of 2009 | of 2010 | of 2011

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Experiência autogestionária numa cidade da Romênia

Date Sun, 4 Dec 2011 10:35:04 +0100


[Eles não são anarquistas, mas os habitantes da cidade de Limba, na Romênia, não
esperam mais nada do governo. Colocaram as mãos sobre sua localidade e se ocupam
dela, juntos.]
Em 2007, na cidade de Limba, na Romênia, o campanário da igreja, de 70 anos, estava
a ponto de ruir. Os cidadãos fizeram uma lista do material necessário: madeiras,
chapas, pregos. Eles igualmente organizaram uma coleta para pagar os artesãos
contratados. E depois lhes ajudaram a preparar suas refeições. Depois disso, os
cidadãos se deram conta de que precisavam de um caminho mais curto até as terras
cultiváveis. O caminho acabava de frente a uma ravina sem ponte, o que os obrigava a
fazer uma volta de três quilômetros para chegar aos campos de cultivo. As pessoas se
reuniram num domingo. Eles já tinham recuperado o material do antigo CAP
(Cooperativa Agrícola de Produção, unidade de produção paysanne da época comunista).
E em um dia construíram a ponte. Em 2011, os residentes se mobilizaram para ajudar
uma mulher da vila que estava entre a vida e a morte. Ela tinha problemas cardíacos,
e sem dinheiro para pagar a operação necessária para sua sobrevivência. Ao apelo, de
pronto, os cidadãos se reuniram para levantar 2500 euros em uma semana. Em abril, a
doente finalmente foi operada e, hoje, está bem. Neste mesmo ano, as pessoas se
sensibilizaram e enviaram 11 crianças de famílias pobres para uma colônia de férias
por uma semana.

Estes são alguns exemplos da maneira como essa pequena comunidade da Transilvânia
(centro da Romênia) está resolvendo seus problemas. Esta é a história de Limba. Uma
localidade de 157 famílias, situadas há alguns quilômetros da cidade de Alba Lulia,
onde o trabalho em comum de seus habitantes é sua riqueza. Os residentes criaram uma
associação a qual o nome se inspira no nome dos nascidos do vilarejo, "Limbenii".
Eles estabeleceram, de partida, alguns princípios: uma reunião geral, os projetos
para o ano seguinte, a eleição de um presidente da associação e de uma equipe de
quatro conselheiros. Uma das regras fundamentais estipula que ninguém deve fazer
política. Ainda, os administradores devem morar na cidade. A equipe de Dorin Bucur,
o presidente atual, fixaram a si como objetivos para 2011 a realização do trabalho
em grupo da manutenção do sistema de esgoto, limpeza do cemitério e a construção de
uma rodoviária.

Da mesma forma os cidadãos definirão um projeto de desenvolvimento para sua região.
Uma prioridade já que a grande maioria dos habitantes da cidade ainda é jovem. Os
salários das empresas estabelecidas na cidade mais próxima, Alba Lulia, são mais
altos que os dos trabalhadores de Limba. Um documento intitulado La Vision do
desenvolvimento da cidade de Limba prevê que a cidade vai apoiar-se no turismo para
construir o futuro. Nesta cidade tradicional, cada terreno tem duas casas. De frente
para a rua, a "casa de frente", para os convidar. Dando para o jardim, "a casa de
trás", mais simples e mais discreta, onde ficam os residentes. "A casa da frente"
poderá adquirir o estatuto de pensão, uma solução que está sendo estudada nesse
momento.

Um último detalhe: se você procura uma taberna na cidade de Limba, saiba que não
encontrará. Elas não existem simplesmente "porque não precisamos". Os habitantes
preferem encontrar uns aos outros de acordo com as ocasiões ou simplesmente para
dizer bom dia. E todo mundo se encontra para as grandes festas anuais: o ano novo,
páscoa, dia das mães. Ou o "crianças da vila", uma das festas mais importantes de
Limba, que celebrou sua 43º edição em 3 e 4 de setembro de 2011. Nessas ocasiões,
cada um sabe que comida levar e em que quantidade. Idem para a bebida, e para
remunerar os músicos, todo mundo se responsabiliza.

Fonte: Le Jura Libertaire
Tradução > Tio TAZ


_________________________________________
A - I n f o s Uma Agencia De Noticias
De, Por e Para Anarquistas
Send news reports to A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
Subscribe/Unsubscribe http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
Archive http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center