A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�_ The.Supplement

The First Few Lines of The Last 10 posts in:
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Trk�
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006 | of 2007

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) [Brasil] Rusga Libertária. Em defesa da autonomia dos movimentos sociai s!

Date Wed, 23 May 2007 19:46:13 +0200 (CEST)


(Comunicado da organização Rusga Libertária aos
movimentos sociais)
Passamos hoje um momento de crise dentro dos
movimentos sociais onde se discute o governismo de
várias entidades e a cooptação destas pelos projetos
lulistas. Busca-se alternativas para uma nova
organização dos trabalhadores que não seja refém de
práticas governistas e partidárias . Essa questão
acaba passando dentro do CLTP (talvez um dos
movimentos sociais mais fortes em Cuiabá nos últimos
dois anos). O acúmulo de discussão realizados na
formação do CLTP e no seu desenvolvimento tem como
princípios o apartidarismo, embora seja aberta para
filiados a partidos; é combativo, tendo como prática
política a manifestação em vias e prédios públicos e a
promoção do trabalho de base; é coordenada através da
horizontalidade ; e que os frutos de sua luta (isso,
lógico, inclui o seu mecanismo de comunicação: o
e-mail) não são para ser utilizados com o intuito de
favorecer um determinado partido.

A unidade na ação e o respeito as variadas concepções
políticas dentro do movimento sempre foram debatidos e
construidos acordos para poder agrupar pessoas que
reivindicassem melhorias no transporte público através
do protagonismo popular evitando a utilização do
comitê para práticas partidárias buscando aglutinar a
população para a luta sincera e necessária frente aos
magnatas dos transporte.

Ameaças e ataques a essa unidade e a esses acordos o
CLTP vem sofrendo desde o iníco seja por ações da
prefeitura seja por parlamentares ou militantes de
partidos políticos que buscavam vincular a luta a suas
agremiações. No entanto a discussão se agravou quando
o e-mail do grupo começou intensamente a ser utilizado
para propaganda petista e cutista ação feita por um
militante do próprio comitê, Gibran Lachowisk (PT)
fazendo avaliações pessoais como sendo do CLTP:
"Urgente: Água e Transporte" afirmava categoricamente
que: " Popularidade do prefeito de Cuiabá, Wilson
Santos, cai demais.(...) os "culpados" são o CLTP,. o
Fórum de Luta Contra a Privatização da Sanecap, o
mandato do PT na Câmara de Vereadores de Cuiabá ,
parte dos movimentos estudantil, sindical, comunitário
e religioso." Essa avaliação nunca foi feita pelo CLTP
então, não expressa a opinião coletiva e nunca deveria
ser enviada pelo o Email do grupo . De forma
oportunista ele utilizou do CLTP para dar início a
campanha 2008 para câmara de vereadores e prefeitura.
Esse tipo de atitude não passou de um certeiro golpe
contra a unidade do mesmo, uma vez que é construído
por militantes de variadas concepções políticas e
feriu deliberações de encontros realizados com todo o
conjunto da militância do movimento.

Esse tipo de problema não é nada recente. Desde a sua
fundação, o CLTP vem sofrendo com tentativas de golpe
visando o seu aparelhamento. Dentre os episódios mais
marcantes, podemos destacar a convocação de uma frente
única, protagonizada majoritariamente pela Juventude
Revolução ( Juventude da Corrente Trabalho /PT). Essa
tal frente única (formada semanas antes das eleições,
no ano passado), aglutinaria movimentos e entidades
partidárias como a UJS( juventude do PCdo B) e a UNE,
entidades governistas, partidarizadas e que atualmente
se encontram totalmente fora do âmbito das lutas
legitimamente populares. É importante lembrar que as
dificuldades do CLTP à época não implicavam
necessariamente a falta de uma suposta frente única.
Tal frente única fora realizada em torno da palavra
unidade, que como sempre é distorcida pelos
oportunistas de plantão nos movimentos sociais. Em
nenhum momento negamos o apelo a unidade no CLTP, no
entanto sempre chamamos a atenção para como isto
deveria ser feito. Avaliamos extremamente crítico se
realizar uma pretensa unidade em torno de uma simples
bandeira, a unidade deve ser realizada em torno não só
de bandeiras, mas sim de princípios e de uma base
programática claramente definida e em se tratando de
movimentos sociais deve ocorrer na união das entidades
que atuam nesse campo e não com partidos políticos
eleitoreiros interessados em usar os movimentos para
alavancar suas candidaturas. A unidade deve ser feita
com um único fim: avançar na combatividade do
movimento aglutinando forças para isso. No caso dessa
chamada frente única ocorreu o contrario levando ao
afastamento de grande parcela de sua base, que não
enxerga com bons olhos sua participação em um
movimento que tem como objetivo a promoção de futuros
parlamentares.

A partidarização e o aparelhamento de movimentos
sociais constituem, talvez, os seus principais
problemas e são empecilhos para avançar enquanto
entidades de luta. Os militantes, no caso, não seguem
a linha política proveniente das bases que compõem o
movimento e, sim, das lideranças de partidos. Isso
provoca a evasão dos trabalhadores que deviam compor o
movimento sendo substituídos pelos burocratas e
carreiristas(militantes profissionais). A situação se
agrava mais quando temos um caso em que o partido o
qual aparelha um movimento é o mesmo que esta no
poder. Ocorre, então, o governismo. O movimento fica
atrelado ao governo, controlado pela linha política
advinda de cima pra baixo, e não da base. Exemplo
contemporâneo e escrachado disso são as relações
CUT/UNE com Lula causando um forte imobilismo nas
lutas populares.

Levando em consideração esses fatores, considerando
que o governismo, o aparelhismo, a cooptação e o
centralismo são nocivos para um movimento e anulam
perspectivas de construção de lutas, entendemos à
atitude do militante Gibran, como desleal,
desrespeitando o CLTP e a todos como militantes. Esses
que assim agem são os sectários que querem transformar
um movimento amplo em uma luta restrita e parlamentar,
esses que ameaçam a unidade, pois rompem acordos
coletivos em nome de seu objetivo maior, a chegada do
seu partido ao poder estatal. A esses diremos que
estamos na luta por um transporte público, de
qualidade social e gratuito aonde quer que esteja
nossa atuação.


Rusga Libertária - Cuiabá - MT; Construindo o Fórum do
Anarquismo Organizado - FAO Brasil
rusgalibertariafao@gmail.com

Email:: rusgalibertariafao@gmail.com



_______________________________________________
A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center