A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) [Irlanda] Rossport: a luta da comunidade contra os interesses das petroleiras

Date Thu, 30 Nov 2006 21:01:15 +0100 (CET)


Há mais de um ano, militantes da WSM (Movimento de Solidariedade dos
Trabalhadores) e do movimento libertário, se envolveram profundamente na
luta de uma pequena comunidade rural na Irlanda, contra a construção de
uma refinaria de hidrocarbonetos pelo consórcio da Shell, Marathon e
Statoil, que é apoiado a rajadas pelo Estado irlandês.

A origem desta luta é o campo de gás de Corrib, no litoral do município de
Maio, ao oeste da Irlanda. O gás foi descoberto e pertence a Enterprise
Oil, do consórcio já mencionado. O governo ofereceu as empresas
prospectoras direitos de negócios exclusivos na exploração do campo de
gás. Mas isso não é tudo, além do mais, eles poderão deduzir seus custos
do pagamento de impostos, com isso quem financiará todo este processo na
realidade serão os irlandeses com seus impostos, que, em troca, não
receberão nada, nem sequer uma redução no preço do gás.

Para processar o petróleo, o consórcio recebeu uma permissão para
construir um oleoduto desde o campo de gás até um local chamado
Bellanaboy, sem o consentimento da comunidade local, que, razoavelmente,
estão preocupados com as conseqüências de viver ao lado de uma refinaria,
com os riscos que traria a sua saúde e segurança. O conteúdo transportado
neste oleoduto não seria processado e se encontraria sob forte pressão.
Mais ainda, para chegar na refinaria, atravessaria as terras da população
local, que temem que qualquer estrago no oleoduto poderia destruir seus
lares, com conseqüências fatais. Este não é um fato improvável, já que o
oleoduto cruza terrenos úmidos e instáveis, numa área com tendência à
enxurradas.

O mesmo terminal, com certeza, causará estrago em longo prazo, não só aos
vizinhos, mas a toda a região. O processamento dos hidrocarbonetos, por
definição, é extremamente prejudicial para o ecossistema, algumas
estimativas sugerem que haverá emissões no ar de ao menos 30 milhões de
pés cúbicos. O terminal se encontra só a dois quilômetros das fontes de
água da região, e estas emissões se espalham com o vento. Além do mais, há
que considerar as águas contaminadas que serão jogadas diariamente na baía
de Broadhaven, fonte de vida para os pescadores e lugar de reprodução da
vida silvestre. A drenagem para as água contaminadas não foi construída
para suportar chuvas intensas, pese que nesta parte da Irlanda chove quase
sempre.

Isto significa que o prumo, níquel, magnésio, fósforo, cromo, arsênico,
mercúrio, assim como o radônio (um gás radioativo) acabariam nas fontes de
água da área circundante.

Apesar das repetidas intenções da comunidade local para prevenir isto
através do sistema legal, eles foram ignorados por um governo e um sistema
judicial que age como mercenários da Enterprise Oil. No ano passado a
Shell demandava aos fazendeiros locais que esses não podiam, legalmente,
evitar o ingresso as suas terras para a construção do oleoduto que
afetarão a eles e às suas famílias. Quando estes fazendeiros se recusaram
a agüentar esta situação, então eles foram encarcerados. Este ato
despertou a indignação pública e, finalmente, depois de 92 dias em prisão,
estes homens foram libertados, poucos dias antes de um protesto nacional.

Por mais de um ano foi mantido um piquete no lugar da refinaria para
postergar sua construção. Em outubro deste ano, Enterprise Oil realizou um
esforço organizado para dissolver a campanha local mediante o uso da
força. Centenas de policiais foram levados a esta parte remota da Irlanda
para prevenir à comunidade local para o bloqueio dos caminhões e
trabalhadores em trânsito ao lugar.

Esta operação, até agora, não parece bem sucedida já que, apesar de
dissolverem o piquete, eles não quebraram o espírito de resistência.
Aliás, a solidariedade mostrada por todo o povo da Irlanda, assim como o
êxito do uso da ação direta em relação às medidas legais, endureceu a
licença nesta campanha. Tomará vários anos de construção antes que a
refinaria entre em operação, e ainda quando estará completa, o complexo
terá que ser garantido eventualmente contra uma comunidade adversa.
Colocado neste contexto, a tarefa da Enterprise Oil e o Estado são
extremamente difíceis, e há esperanças para a vitória.

A WSM esteve ativa na comunidade e na campanha nacional desde o seu
início. Para nós, sua base está na ação direta; uma comunidade que luta
pelo controle de seu ambiente e das decisões que os afeta. Como
anarquistas, acreditamos que a única maneira de que a classe trabalhadora
desenvolva a compreensão do capitalismo e o potencial de derrotá-lo, é por
meio da luta. Por isso, sempre apoiamos e estimulamos à luta, e a vitória
de Rossport será a vitória de todo o povo.

Ronan McHugh

Extraído do nº1 de "Liberación", boletim em castelhano da WSM

"Liberación" no formato PDF:
http://www.struggle.ws/pdfs/liberacion/liberacion1.pdf

Reportagens em inglês, áudios, fotos e vídeos dessa campanha podem ser
conferidos aqui: http://www.wsm.ie/story/1289



agência de notícias anarquistas-ana

_______________________________________________
A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt
http://ainfos.ca/pt


A-Infos Information Center