A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) "Luta Social" N.13: Primeiro Fórum Ibérico de sindicalismo alternativo Guarda (Portugal) 4 e 5 de Março 2006 [it]

Date Wed, 29 Mar 2006 21:28:06 +0200 (CEST)


Boletim Nº13 do COLECTIVO ANTI-AUTORITÁRIO DE LUTA DE CLASSES
«LUTA SOCIAL»

Por Davide Rossi
Responsável das relações internacionais de UNICOBAS Itália

O colectivo português da FESAL ? E cresce nas lutas pela escola e pela
universidade

A Guarda é a cidade mais alta de Portugal, a mil metros de altitude, por
vezes coberta de neve e percorrida por ventos fortes, que percorrem a
Serra da Estrela, da qual nasce o rio Mondego que depois atravessa
Coimbra. Ao Norte, o Douro impetuoso alcança a cidade de Porto, ao Sul o
Tejo corre até à torre de Belém de Lisboa.
A Guarda, com suas casas de antigas pedras, terra de camponeses que
tentaram domar as encostas ásperas e rudes, transformando em pão a
montanha que guarda os vales.
Esta é a quarta etapa desta minha viagem a Portugal e de visita às
realidades da FESAL ? E.
Viagem iniciada em Lisboa, recebido pelo amigo Manuel Baptista que está
coordenando, com determinação e coragem, sob a bandeira da borboleta
vermelha da FESAL ? E, a construção do primeiro sindicato de base
português desde o final da ditadura, abatida a 25 de Abril de 74 com a
revolução dos cravos e ao som de "Grândola Vila Morena!".

Manuel Baptista tem conduzido com sucesso no decorrer de Fevereiro a
batalha contra o fecho da Escola Secundária D.João de Castro, no decurso
do qual se têm mobilizado pais de alunos, trabalhadores docentes e
não-docentes e estudantes, unidos para defender o direito à educação posto
em causa pelo governo que pretende fusionar e extinguir escolas,
depauperando o território e vendendo as infra- estruturas para possíveis
reconversões turísticas.

Em Coimbra, lê-se nos muros, "ganhará a contestação", a defesa do direito
ao estudo, ao acesso universitário que tem vindo a ser defendido com
determinação nas faculdades, onde está presente e parte activa nas lutas o
Sindicato Estudantil Libertário, que inclui vários companheiros da
FESAL-E. A cidade, sede da única universidade existente em Portugal de
1309 até 1911, até que a 1ª República fundou universidades em Lisboa e
Évora, está colorida de murais e de grafiti. Só os edifícios histórics em
parte transformados em museu, em parte sede da faculdade de Direito, não
possuem esses apelos à luta. É monumento magnífico a Biblioteca
setecentista, mandada construir por D. João V, com volumes em todas as
línguas, e com manuscritos do grande Camões, não só das densas páginas
épicas dos Lusíadas , mas também dos fascinantes e menos lidos poemas
líricos.

No Porto, atravessando pontes espectaculares que unem as colinas de um
lado e de outro do Douro, sob chuva oceânica, miudinha e persistente,
encontramos Maria e Luisa, precárias mas não resignadas à lógica terrível
da insegurança social, mas decididas a contribuir ao desenvolvimento da
FESAL.

Na Guarda, percorrendo a Serra, reunimo-nos ao grupo coordenado por
Goulart Medeiros. Foi aqui que no teatro "Aquilo", juntamente com muitos
trabalhadores e trabalhadoras da CGT espanhola se desenrola no Sábado à
tarde o primeiro Fórum Ibérico do Sindicalismo de Base. Uma sensação bela,
a do encontro entre delegações de sindicalistas alternativos, que nos faz
recuar até 1923, evocando a memória histórica do encontro realizado sob o
impulso do lusitano Quintal em Évora, o qual iria deitar as bases para o
nascimento da Federação Anarquista Ibérica.

Na sala do teatro, com bandeiras vermelhas e negras, vários bancos,
cadeiras e poltronas são colocados em círculos para o trabalho dos grupos
ou para a sessão plenária, tal como para a conversa informal e amistosa.
Muitos estudantes portugueses e espanhóis, de várias universidades, alguns
tendo estado presentes na Noruega no Segundo Fórum Europeu da Educação, e
que se reencontram de um lado a outro da Europa, com o entusiasmo pela
batalha cívica, pela escola, a cultura, a liberdade.

Os três grupos de trabalho debruçaram-se sobre ?escola e pedagogia
alternativa?, "ambiente", "globalização", tendo cabido a Unicobas a
tarefa de coordenar o 3º grupo. Um debate rico, intenso, vasto, profícuo e
atento. A maioria dos companheiros da CGT presentes, entre os quais a
responsável pelo secretariado da mulher.

Na síntese trazida ao plenário recolhemos os seguintes pontos de
convergência:
1. a batalha pelos direitos na Europa é a primeira e mais forte forma de
solidariedade com o Sul, qualquer direito perdido na Europa, é perdido
para toda a Humanidade.
2. a importância das palavras, é melhor ?património público? que
?serviço?, pois serviço é uma expressão apropriada pelo globalismo no
Acordo Geral sobre Comércio dos Serviços (AGCS - GATS), as expressões
contribuem à formação do pensamento, daí que se lhe deva dar grande
atenção.
3. a auto-organização dos trabalhadores a todos os níveis e em todos os
lugares, como forma de tutela e de defesa, mas também de construção e de
resposta à agressão neoliberal.
4. multiplicar os momentos de reflexão para adquirir consciência de que
por um lado o desequilíbrio planetário não pode ser aceite e tem de ser
combatido deve-se realizar acções concretas para o reduzir, por outro
lado, é de promover também, no ocidente, modos de vida alternativos, para
não nos deixarmos condicionar pelo consumismo.
5. agir por uma autêntica recuperação do respeito e da solidariedade,
através de uma reflexão que se distingue claramente das actividades
caritativas, pois vocacionada para a promoção da liberdade, solidariedade,
democracia, conceitos que seria necessário compreender no seu significado
próprio.Os outros grupos de trabalho não expuseram a sua síntese, sob
forma de pontos.

O debate sobre pedagogia realçou a grande dificuldade e as resistências,
sobretudo em Portugal, em promover uma pedagogia participada. O grupo
sobre ambiente sublinhou a importância das temáticas ecológicas e da
defesa dos ecossistemas enquanto parte da batalha sindical.

No final, foi aprovado um documento, pelo plenário, respeitante à escola,
para chamar a FESAL ? E europeia a agir na segunda metade de Maio com
acções de sensibilização a favor a Escola pública.

Na noite especial que se seguiu, um concerto fechou com sucesso o
encontro, que merece ser repetido.

www.fesal.it Colectivo Português: fesal-portugal@hotmail.com

_______________________________________________
A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt


A-Infos Information Center