A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005 | of 2006

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) A PLEBE 44 (E a mulher , como fica? ? 08 de Março ? DIA DE LUTA DA MU LHER TRABALHADORA)

Date Tue, 7 Mar 2006 17:31:43 +0100 (CET)


A PLEBE nº 44 / Março de 2006 (A.C.A.T.)
Órgão de Divulgação do SINDIVÁRIOS-FOSP/COB-ACAT/AIT
(Fundada em 1915) Sem Partido Nem Patrão!
@ Ligada à Associação Internacional dos Trabalhadores
(A.I.T.)
Caixa Postal 1933 / CEP- 01009-972 / São Paulo-SP /
E-mail: fospcobait@yahoo.co.uk

E a mulher, como fica? ? 08 de Março ?
DIA DE LUTA DA MULHER TRABALHADORA

Dentro de nossa sociedade machista e preconceituosa,
a mulher muitas vezes é o alvo. Levado como natural
por muitas pessoas, atitudes de discriminação são
presenciadas sem nenhum questionamento.

Temos na nossa formação uma educação com uma visão
patriarcal, estruturada como homem sendo superior.
Sendo assim, é ao homem que se reservam mais direitos,
menos restrições, mais liberdade, sem ser este ?visto
com maus olhos?.

Para o homem, destina-se o poder, a ?chefia da família?,
os estudos para se tornar doutor, bens como carro, casa
e etc. E para a mulher... a casa pra cuidar, o filho pra
criar, a cozinha, a roupa, e por fim, o marido pra bajular.

Muitos afirmam que a mulher já conquistou seu lugar, como
no mercado de trabalho, mas segundo dados do IBGE de 2003,
mesmo mulheres tendo um grau de escolaridade maior, um
homem com até 3 anos de estudo recebia, em média, um salário
de R$350,60 contra R$211 pagos às mulheres. Entre 8 e 10
anos de estudo, homens R$631,70, mulheres R$350,60. Na
faixa acima de 11 anos, as mulheres recebiam 58,6% do
rendimento dos homens. Já os cargos de chefia das empresas
brasileiras são ocupados por mulheres em apenas 14% dos
casos, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de
Análises Sociais e Econômicas (Ibase), também em 2003.

As diferenças estabelecidas são presenciadas diariamente e
incorporadas ao cotidiano, por exemplo, quando se fala de
postura: aquela em que tens de ser forte é atitude ?de macho?,
enquanto que nos momentos de fraqueza estás sendo ?mulherzinha?.
Pessoas podem ser firmes ou fracas em dados momentos,
independente do sexo.

A mulher ideal é tida como a prestativa, submissa e
comportada. São vítimas de violência física e psicológica,
ameaçadas pelo medo.

É comum casos de mulheres que apanham e são abusadas
sexualmente. Os dados não ainda não são muitos, pois a
maioria tem medo de denunciar, mas dos casos registrados,
7 em cada 10 são cometidos dentro da própria casa e 9
são cometidos por conhecidos. E apenas há pouco tempo temos
a Delegacia da Mulher, onde trabalham apenas mulheres, pois
antes, ao denunciarem seus agressores em delegacias comuns
os próprios policiais as humilhavam, chamando-as de vagabundas
e dizendo que elas pediam pra apanhar.

São ainda pintadas como objeto, em músicas, programas na TV,
propagandas, revistas... como um bem de consumo desprovido de
inteligência e sentimentos, criando ainda um padrão físico
para os ?machos?.

A luta é a favor da liberdade da mulher e quebra de crenças
passadas para nós desde a infância.

Pela autonomia e reconhecimento da mulher!

A luta não é pela competição e disputa, é pela igualdade.
É contra a relação de opressão exercida através da força,
relação assimilada pela maioria que não questiona. É a luta
pelo equilíbrio, pois somos todos complementares, e não concorrentes.


(Núcleo Leste 3)

I Jornada Feminista do ABC
(Apoio SINDIVÁRIOS-FOSP/COB-ACAT/AIT)
De 8 a 26 de Março
na Casa da Lagartixa Preta "Malageña Salerosa"
Rua Alcides de Queirós, 161 - Bairro Casa Branca Santo André
(a 10 min. da estação, próximo a rua Arthur de Queirós)

Esse evento é organizado pelas meninas-mulheres do Ativismo ABC.
Um coletivo anticapitalista, apartidário, antiautoritário,
internacionalista, onde não existe mandantes nem mandados.

A idéia das Jornadas veio com a necessidade de se trazer um
pouco das discussões relacionadas à mulher, tais como feminismo,
aborto, violência, etc, para o ABC. Todos e todas estão
convidados(as) a participarem!!!!

11/03 ?Feminismo e Mulheres na História?
13:30 Filme: ?Libertárias?
16:00 Debate-boca com Margareth Rago (Historiadora)
Exposição de Zines Feministas (o dia todo)

(AtivismoABC)

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

?Mulheres Fortes e Unidas
Plantando a Semente da Insubmissão?

NA CASA AMARELA em Santo Amaro
(Praça Floriano Peixoto, 130 ? Santo Amaro ? ao lado do Largo
Treze de Maio e do Terminal Santo Amaro)

Iniciativa; Grito de revolta das Mulheres Libertárias (GRML)

Apoio: Movimento Anarco-Punk (MAP) e Coletivo Educar Para a Paz
- Seção Sto. Amaro do SINDIVÁRIOS-FOSP/COB/AIT.

11/03 ? SÁBADO ? A PARTIR DAS 12:00 HS até as 18:00 hs
Exposição de murais e fotos, exibição de vídeos
Teatro: "A História do 08 de Março"
Palestra: ?A saúde da mulher? - GRML
Palestra: " Redução de Danos" - Centro de Convivência é De Lei
Distribuição de materiais e zines
à GIG de protesto a partir das 16 hs com as Bandas:
* PÃO E CIRCO
* RESISTÊNCIA
* THE PENDENTS

- Pelo fim da Violência contra a Mulher!!!"

(Grito de Revolta das Mulheres Libertárias ? GRML)
- Caixa Postal 3297 / CEP- 01060-970 / São Paulo-SP


_______________________________________________
A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt


A-Infos Information Center