A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Uma semana de revolta contra a injustiça social [comunicado de Alternative Libertaire]

Date Sun, 13 Nov 2005 12:41:12 +0100 (CET)


Uma semana de revolta contra a injustiça social
Alternative Libertaire
international@alternativelibertaire.org
Tradução para o português.
Em uma semana, o motim iniciado em Clichy-sous-Bois pela morte de Ziad e
Banou tem se propagado por todos os subúrbios parisienses, o resultado
inevitável dos últimos cinco anos de Sarko-Show (referência ao ministro do
interior Nicolas Sarkosky), 8 anos de reforçamento da segurança e mais de
30 anos de degradação social.

Ziad e Banou morreram fulminantemente pela descarga de um transformador da
EDF e tem um terceiro, menor de idade, em estado grave. Pensavam em
escapar da polícia. Saber-se-á se foi efetivamente ou se os policiais são
culpados de não dar assistência a pessoas em perigo? Quais as
circunstancias das mortes desses dois jovens, isto foi a faísca. A raiva
dos subúrbios está saturada de rancor contra um estado que, faz anos, só
aparece em forma de brutalidade policial, julgamentos e sempre com
prisões.

Nos bairros populares, o habitante vive com medo, por si e por seus
filhos, pelos controles de identidade humilhantes, pelas prisões
arbitrárias, impunidade com a violência policial, acusações falsas feitas
por policiais que perseguem pessoas dos subúrbios. Notícias recentes
provam que não existe respeito pelos principais direitos por parte da
polícia.

E o que dizer da provocação do ministro do interior, mas sobre tudo a
arrogância de uma política que considera a periferia com um território de
ocupação, conseqüência de uma prática colonial e militar de defesa da
ordem pública?

Agora bem, voltando à violência ? que responde a violência ilegítima do
estado ? se expressa com mais força de volta e paradoxalmente contra eles,
desde os bairros-guetos, em resposta a violência estatal e patronal. A
lógica desta rebelião espontânea se manifesta na destruição de veículos,
ônibus, escolas que não ensinam nada para a maioria da população, pois não
podem ser compreendidas.

Neste momento, é necessário recordar a resposta do Estado diante do
problema juvenil e de suas famílias com métodos seletivos, ou as denuncias
contra a policia que nunca obtiveram resultados, (recordamos a marcha da
associação ?Bouge qui Buoge? em Dammarie-le-Lys*), ou aquela marcha em
solidariedade com os árabes na década de 80, que cria uma crise ao Governo
Socialista da época e gera a recuperação do SOS Racismo.

Na revolta contra a injustiça, o sentimento de solidariedade popular é o
elemento de reflexão da maioria dos jovens, estes são valores de nossa
defesa. Compreendemos bem o estado de necessidade e a motivação da ação
direta que anima nestes momentos a nossos bairros populares. Esta semana
demonstrou o desespero da parte mais marginalizada de uma geração privada
de perspectivas.

Junto com a estratégia de tensão do Governo e a atual repressão aos
movimentos sociais (no transporte, hospitais, movimento estudantil e a
oposição ao OGM) o qual se manifesta a tensa inseguridade social.

Nós não reclamamos um retorno à política de ?a polícia na comunidade? ou a
construção de ginásios onde os jovens se acabam em silêncio. Se Crê
seriamente resolver assim a tensão social causada pela violência política
e social dos poderosos?

Igualmente não pedimos a demissão do ministro do interior, como quer uma
parte da esquerda. Esta é uma questão secundária, miseravelmente política,
escandalosa se se recorda que a centro-esquerda instituiu de igual forma a
política de seguridade e hoje segue sem desviar o modelo liberal de
seguridade dominante.

Sem redistribuição do trabalho e da riqueza, e se a regressão social, o
racismo e a exclusão social continuam estas explosões de raiva estão
destinadas a se reproduzir.

Nem a prevenção, nem a religião, nem a repressão podem parar isso. Só a
justiça e a igualdade econômica e social constituem uma resposta.


Secretariado Federal De Alternative Libertaire,
05 de Novembro de 2005.


Traduzido para o português por m.? Coletivo Pró Organização Anarquista em
Goiás. proorganarquista_go@riseup.net


by Alternative libertaire - AL
international@alternativelibertaire.org address: Alternative libertaire BP
295 75921 Paris Cedex 19 phone: 08-70-23-19-36

http://www.alternativelibertaire.org


_______________________________________________
A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt


A-Infos Information Center