A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) RESISTÊNCIA POPULAR ESTUDANTIL - GOIÂNIA/GO - BRASIL

Date Wed, 22 Jun 2005 23:29:25 +0200 (CEST)


ASSEMBLÉIA DOS ESTUDANTES INDEPENDENTES PARALELA AO CONUNE
Nós da Resistência Popular Frente estudantil de Goiânia, convidamos a
todos os estudantes secundaristas e universitários sem vinculação
partidária, que estão interessados em um movimento estudantil autônomo,
combativo, apartidário e classista, para que se juntem a nós nas plenárias
que estamos organizando paralelamente ao CONUNE. Visto que, a UNE não nos
representa e que a anos está aparelhada por interesses partidários e
eleitoreiros, e acabou por se desviar totalmente do caminho das lutas
sociais e estudantis.

LOCAL: DCE-UFG ? Próximo a Pça. Universitária (onde estará acontecendo o
CONUNE)

-------------------------------------------------------

Resistência Popular Estudantil - Goiânia
Carta de princípios


A Resistência Popular é uma organização que aglutina militantes sociais,
estudantes, trabalhadores/as e desempregados/as que estejam
insatisfeitos/as com a realidade capitalista em que vivemos e com as
alternativas reformistas, eleitoreiras e autoritárias dos partidos
políticos, para nos unirmos e formamos uma corrente de militantes que
pretenda o fortalecimento combativo, horizontal e autônomo nos movimentos
sociais.

Sabemos o quanto os partidos políticos estão inseridos no Movimento
Estudantil, onde manipulam e manobram visando a cooptação para suas
propagandas políticas e interesses eleitoreiros. Assim, vemos a União
Nacional do Estudantes ? UNE, que longe de defender os interesses
estudantis, desrespeita as nossas reivindicações, como passe livre em
transportes públicos, assistência estudantil, melhores condições do ensino
publico, questionamento das grades curriculares, discussões sobre
metodologias de ensino, PROUNI, reforma universitária, Universidade
Popular, etc. Mas através de nossa experiência e dialogo com estudantes se
percebe a luta contra esse aparelhamento, de forma a demonstrar que
movimento estudantil é parte ativa da sociedade e da política.

Dessa forma entendemos que o movimento estudantil deva ser um movimento de
atuação horizontal (não hierárquica) e de participação dos/as próprios/as
estudantes, com igualdade e liberdade, tendo espaço para a defesa de seus
interesses, impossibilitando que alguns poucos decidam pro todos/as e
pelos seus interesses pessoais ou de uma pequena coletividade (partido
político). Isto significa que o Movimento estudantil deva ser
reestruturado no sentido de criar espaços de efetiva participação
estudantil. Defendemos um movimento estudantil combativo, horizontal e
autônomo, visando transformar os fatos, a realidade e, não apenas
reforma-los ou massacra-los, como temos visto. É através da luta popular,
da organização, da horizontalidade, da união em prol de uma sociedade
igualitária e livre, autônoma e combativa que devemos buscar os nossos
interesses e não os dos empresários e políticos. Para tanto se faz
necessário discorrermos sobre os princípios da Resistência Popular.

Princípios

Acreditamos que o movimento estudantil deve se constituir com
independência do estado e suas instituições e dos partidos políticos.
Estes não podem continuar submetendo as decisões dos movimentos sociais
aos seus próprios interesses.Repudiamos assim que as entidades dos
movimentos sociais estejam sendo usadas como trampolim político, ou, para
se impor os interesses políticos e eleitoreiros sobre os interesses dos
verdadeiros interessados na luta. A Resistência Popular deve combater o
atrelamento dos movimentos sociais por parte dos burocratas e lutar por
construir movimentos sociais autônomos, em que o próprio povo seja o
protagonista de sua própria luta.

Horizontalidade Convivemos hoje também com a centralização dos movimentos
sociais. Divididos em dirigentes e dirigidos, os movimentos convivem com a
existência de uma minoria que detém todo o poder de mando, enquanto a
maioria se encontra fora das instancias deliberativas.Esta divisão
hierárquica contribui fundamentalmente para o atrelamento do movimento
social pelos oportunistas profissionais e impossibilita a gestão do povo
sobre as suas próprias lutas. Queremos estimular a horizontalidade do
movimento estudantil, com todos/as decidindo juntos e participando
coletivamente de toda ação. Assim, queremos estimular a participação
direta dos estudantes, em toda ação e decisão na luta que vivenciam
cotidianamente.

Combatividade, Ação direta, luta popular Acreditamos que somente a luta
popular nos permite criar a liberdade, romper a opressão e desenvolver e
aprofundar uma consciência popular de transformação. Mas, a luta popular é
a luta que se dá pela ação direta, isto é, pela ação que tem o povo como
protagonista, sem depender de intermediários que dizem por ele, o que só
diz respeito a ele mesmo. É a manifestação de rua, a ocupação de terra e
de prédios oficiais, a construção de piquetes e barricadas, em uma frase,
a manifestação que é decidida pelo povo e realizada pelo próprio povo.
Lutamos, assim, por movimentos combativos, pois achamos que somente
através da luta diária é que poderemos criar um poder popular capaz de
enfrentar e vencer as classes dominantes e exploradoras.

Eleições não mudam a nossa situação Depois de 20 anos de ?democracia?,
podemos ver que toda a classe de políticos está comprometida com a
sustentação do sistema capitalista. Ministros, deputados, vereadores vivem
da política e se enriquecem com ela, devendo garantir a existência de toda
a máquina burocrática do Estado para manter seus privilégios. Não
acreditamos que a via eleitoral possa resolver o problema do povo. Mesmo
quando os eleitos são homens que surgiram dos meios populares, acabam por
se corromperem com a ascensão social, ou terem que se alinhar à estrutura
do Estado e portanto a uma política de opressão. Achamos que a realidade
muda é com a organização cotidiana do povo nos bairros e favelas, nas
escolas e universidades, nos locais de trabalho. Não devemos esperar que
os engravatados, presos em seus escritórios, façam por nós o que somente
nós mesmos podemos fazer.

CONTATO: rpestudantil@riseup.net


_______________________________________________
A-infos-pt mailing list
A-infos-pt@ainfos.ca
http://ainfos.ca/cgi-bin/mailman/listinfo/a-infos-pt


A-Infos Information Center