A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004 | of 2005

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Jornadas Libertarias de Protesto - Porto Alegre 2005 - DECLARAÇÃO

From "Federacao Anarkista do RS" <rsbandeirapreta@yahoo.com.br>
Date Mon, 7 Feb 2005 11:31:19 +0100 (CET)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
http://ainfos.ca/ http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

Declaração final do ato anarkista anti-Fórum:
A MISÉRIA É A FACE DE TODOS OS GOVERNOS
Jornadas Libertárias de Protesto 2005
Porto Alegre, 26 a 31 de janeiro.
Contra todas as Misérias: pelo direito a manutenção da
vida!

FSM: A FRAGMENTAÇÃO DA LUTA CONTRA O CAPITALISMO
"TODA E QUALQUER PRESENÇA DO ESTADO SIGNIFICA
REPRESSÃO"
A criação do Fórum Social Mundial surge com uma
intenção do Sistema Capitalista em capitalizar o
crescimento do protesto social nos anos 99/2000
através das manifestações históricas nas ruas de
Seatlle e Washington.
Desde sua primeira edição, apesar da disposição para
o diálogo do público, ficou nítida a manobra de desvio
da grande massa social para espaços controlados
objetivando esvaziar os protestos de rua que se
espalharam de forma independente pelo mundo inteiro
com a criminalização dos movimentos que fogem ao
padrão de fragmentação social exigidas pelo BIRD e
estabelecidas pelo Estado através das ONGs –
Organizações Não Governamentais e por último das PPP –
Parcerias Público Privadas que passam a ser
responsabilizadas, através da sua capacidade de
mobilização, pelo atendimento da população onde os
pobres se tornam “culpados” por sua situação.
O FSM nesta quinta edição, como nas demais apresentou
em sua carta de “intenções” a oposição à globalização,
ao neoliberalismo e ao imperialismo e a suas formas,
estimulando a “livre” troca de idéias e
principalmente a autogestão. Analisando o evento
constata-se a contradição entre o discurso e a ação,
já que sempre existiu o monopólio de produtos,
fornecedores e da palavra o que acaba por refletir nos
próprios grupos temáticos, tornando-se um evento
fechado, limitado, controlado e por isso não consegue
alcançar a pluralidade dos diversos pensamentos
ideológicos do campo social e muito menos estimular
formas independentes de ação. Serve apenas para
legitimar a repressão do Estado ao movimento social e
não passa de um acontecimento que agrega relações
neoliberais na utilização privada, irregular, do
espaço que é público beneficiando os empresários que
detém o controle da máquina pública.
Portanto paralelamente e contrárias aos eventos da
Globalização Capitalista estimulando manifestações em
todas as partes acontecem as Jornadas Libertarias de
Protesto, que são práticas históricas do Movimento
Libertário que se iniciaram em 1986 na cidade de
Florianópolis. E tem por finalidade potenciar o
pluralismo através da união dos diversos movimentos
dentro da perspectiva da autogestão das lutas,
servindo de espaço a experimentação e a construção da
solidariedade através das denuncias das verdadeiras
intenções das ações capitalistas e objetivam também
articular experiências, idéias e trabalhos contra a
exploração e dominação do Capital e do Estado. Possui
como finalidade a libertação dos trabalhadores através
da construção de uma sociedade igual, justa e
libertaria.
As Jornadas Libertarias de Protesto de 2005 em Porto
Alegre, dentro da sua ação de articulação de denuncias
e ações dentro da estratégia de luta dos Comitês
Libertários Contra a Carestia (alta do custo de vida)
e pelo Voto Nulo organizaram Seis dias de diferentes
ações:
Assembléia Geral de Abertura:
Foi boicotada com o corte de luz no dia 26/01, que se
estendeu até o dia 29/01. A Aprovação dos acordos de
organização, pauta e cronograma da JLP/2005 aconteceu
normalmente à luz de lampião de querosene e culminaram
com um aperitivo vegan cedido pelo Coletivo Vida
Vegan.
Exposições:
a) Denuncias no Jornal Mural A Voz do Trabalhador de
2000 a 2004 pelo Sindicato de Artes e Ofícios Vários
de Porto Alegre – COB/AIT; b) "A Educação contra as
práticas do capitalismo".- Os Sindicatos, a pedagogia
libertaria, as Escolas livres e os 95 anos do
fuzilamento de Francisco Ferrer. pelo Centro Cultural
e Artístico de Porto Alegre c) "Escola Menino de
Brodosqui: Uma experiência de educação libertária com
menores de rua, reprimida pelo Estado na cidade de
Caxias do Sul pelo ex – CEPS de Caxias do Sul; d)
"Video-Denuncia contra exploração animal" onde foram
denunciados os interesses da Industria de Carnes e da
Pecuária na manutenção e condicionamento dos hábitos
alimentares da população e todos os males envolvidos
desde a crueldade na criação e abate de animais até a
indução de hábitos alimentares não saudáveis,
agressores à saúde do trabalhador e prejudiciais ao
meio ambiente pelo Coletivo Anarko-Vegan; e) "Uma
Revolução Negada: O Coletivismo Confederal
Sindicalista Revolucionário na Guerra Civil Espanhola
1936/39" onde foi denunciada a confluência de
interesses entre a Marginalização, imposta pelos
intelectuais da burguesia, a Produção Intelectual dos
Trabalhadores com o autoritarismo e elitismo dos
“partidos de esquerda” com seu desprezo vanguardista
pelas obras das “massas” assalariadas, apresentado
pelo Centro Cultural e Artístico de Porto Alegre;
Grupos de Discussões:
a) "Contra os interesses mesquinhos da economia
global (ALCA,OMC,FMI), e a repressão do Estado para
manter a pobreza, a injustiça, o desemprego e o
genocídio social (Violência, Direitos, Legislação
Trabalhista)"; - a1) “A luta pelas 6 horas diárias de
trabalho, 30 semanais, sem redução salarial: nos 119
anos de lutas operárias pelo controle dos meios e das
regras de produção”; - a2)- O Voto Nulo no protesto
das Urnas (o estelionato eleitoral do governo
Lula/Bush).- pelo Sindicato de Artes e Ofícios Vários
de Porto Alegre - COB/AIT.
Onde foram incluídas as lutas: Contra o Pagamento do
Imposto Sindical (assalto ao bolso do trabalhador para
o sustento do atrelamento sindical); a Reforma
Sindical do governo Lula que objetiva a destruição dos
Direitos do trabalhador; a Privatização da Previdência
Social; o Genocídio Social praticado pela Carnificina
do SUS - Sistema Único da Saúde; o Aumento do Preço
dos Remédios; os Aumentos dos Alimentos e dos Artigos
de Primeira Necessidade; o Aumento dos Alugueis; os
Aumentos dos Impostos (IPTU, IPVA, ICMS) e Taxas
Escolares; o Aumento das Mensalidades das Escolas e
Universidades Particulares; o Aumento das Passagens de
ônibus e trem; o Aumento dos Combustíveis; a
Flexibilização, Terceirização, Precarização e o
Desemprego; o Banco de Horas; o Trabalho Noturno,
Feriados e Domingo sem Hora Extra e sem acréscimos.
Foi decidida intensificar a campanha de denuncias e a
data do Primeiro de Maio para realizar eventos
unificados de Combate.
b) "A educação da submissão, a falta dos laboratórios
de disciplinas e de reforço escolar, a falta de
material didático gratuito no ensino médio, a ditadura
das diretoras na organização dos pais e alunos e na
privatização do espaço público, o sucateamento das
Escolas pelo governo, a discriminação das cotas na
Universidade fazem parte da política de transformação
da educação em mercadoria como forma de justificar a
dominação de classe na sociedade capitalista."; pelo
Sindicato de Artes e Ofícios Vários de Porto Alegre –
COB/AIT
Onde foram denunciadas as Práticas Capitalistas na
Educação como a Imposição da Implantação do Ensino
Religioso nas Escolas (prevista na LDB desde o ano
2000), que levaram a realização de Concursos Públicos
para suprir mais essa nova demanda de “professores”
que afora não agregar nada em termos da Qualidade do
Ensino contribuem para a sua deterioração através da
diminuição das aulas de português, matemática,
história e geografia. Sem contar que o custo dos
salários desses novos professores de “religião”, por
injustificável privilégio, é o dobro daqueles que já
estão na rede escolar.
Foi proposto que nos meses de março e abril se
realizassem, nos lugares onde fossem possíveis
denuncias e eventos com datas unificadas de Combate. E
para o mês de outubro, em local a ser confirmado, um
evento Continental de Pedagogia Libertaria abordando o
tema das Escolas Livres e os Sindicatos
Revolucionários.
Palestra:
"A Resistência contra a Construção do Muro que separam
israelenses e palestinos (Punks israelenses)".
Onde foi denunciada a agressão do Estado de Israel
contra a Luta de israelenses e palestinos em oposição
a Construção de um muro na “Linha Verde” (o muro da
segregação).
Verdurada (show de protesto):
Show de protesto estimulando a luta com as bandas
XamorX, Convictus, Coeso, Diatribe, No Rest e Ñorairö.
No final do show foi servida uma feijoada totalmente
vegetariana (vegan) oferecida pelos Coletivo Anarko
Vegan e Vida Vegan.
Ações de rua:
Colagem nos principais pontos de Porto Alegre,
Canoas, Gravataí, Cachoeirinha, Viamão e Nova Santa
Rita das denúncias contidas no jornal mural "A Voz do
Trabalhador" edição janeiro de 2005.
Avaliação Final:
As Jornadas Libertárias de Protesto de 2005 em Porto
Alegre, na sua intenção de desmascarar as verdadeiras
intenções do FSM em prol do trabalhador que é a
principal vitima do sistema alcançaram seus objetivos
graças a solidariedade e a Ação Direta dos
participantes e as iniciativas dos organizados que
apesar da falta de recursos que caracterizam a
situação do povo brasileiro conseguiram apesar dos
boicotes que vão desde a destruição dos cartazes de A
Voz dos Trabalhadores, da cassação do número do
Telefone divulgado para contatos até o corte do
fornecimento de energia a sede da Associação
Beneficente “Bandejão Popular” afetando a alimentação
dos Trabalhadores Sem Teto (Moradores de Rua) que ali
fazem sua única alimentação diária.
Ao final foi agregado a esta declaração a denuncia de
uma Trabalhadora Sem Teto, que nos permitiu estender a
todos a visualização da hipocrisia dessa burguesia que
aqui se reuniu para falar sobre sua “preocupação” com
os pobres. Os Trabalhadores Sem Teto foram obrigados a
dormirem na rua, justamente devido a necessidade do
aumento do policiamento, no dia 29/01, em outras áreas
da cidade o que ocasionou o fechamento do albergue
noturno da rua Comendador Azevedo. Já que a Assistente
Social responsável, sem guardas, não atende a
população. Essa é a cidade de Porto Alegre que
reivindicam como a capital dos Direitos Humanos e a
Cidade da Melhor Qualidade de Vida.
Só a união, a organização autônoma dos Trabalhadores e
a Greve Geral Revolucionária podem destruir o
capitalismo!
---------------------------------------------------
Organização:
Comitê Libertário Contra a Carestia
Centro Cultural e Artístico de Porto Alegre
Movimento Libertário Brasileiro – Federação Anarkista
do Rio Grande do Sul
Sindivários – Sindicato de Artes e Ofícios Vários de
Porto Alegre – COB- ACAT/AIT
FORGS/FOSP - Movimento de Reativação da Confederação
Operária Brasileira
Apoios:
Coletivo Anarko-Vegan
Resistência AntiFashion
Vida Vegan
Contatos: Caixa Postal 10563 Porto Alegre Cep.
90010-970 RS (Brasil)
E-mail:
forgscob@yahoo.com.br
fospcobait@yahoo.co.uk
rsbandeirapreta@yahoo.com.br




*******
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
******
INFO: http://ainfos.ca/org http://ainfos.ca/org/faq.html
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
ASSINATURA: envie correio para lists@ainfos.ca com a frase no corpo
da mensagem "subscribe (ou unsubscribe) nome da lista seu@enderço".

Indicação completa de listas em:http://www.ainfos.ca/options.html



A-Infos Information Center