A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) [MEDIA, Brasil] DOCES BÁRBAROS

From a-infos-pt@ainfos.ca
Date Tue, 16 Nov 2004 17:05:45 +0100 (CET)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
http://ainfos.ca/ http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

Folha de S. Paulo
São Paulo, domingo, 14 de novembro de 2004
CINCO TÍTULOS RECÉM-LANÇADOS NO BRASIL APONTAM PARA UM RENASCIMENTO DE
TEXTOS DE INSPIRAÇÃO LIBERTÁRIA, SOBRETUDO ANARQUISTAS, E RECOLOCAM EM
DISCUSSÃO SUA DURA POLÊMICA COM OS MARXISTAS
DOCES BÁRBAROS
Ricardo Antunes
especial para a Folha
Quando principiou o século 21? Em 1989, com o fim da União Soviética e
a proliferação da apologética de Fukuyama e seu imaginário "fim da
história"? Ou em 11 de setembro de 2001, com a destruição das Torres
Gêmeas, que aflorou a vulnerabilidade do império que parecia tão
inviolável? Ou foi em 1994, com a explosão zapatista, no mesmo momento
em que um conhecido (ex)intelectual mexicano afirmava que finalmente
adentrávamos na era da "utopia desarmada"? Ou ainda em 1999, com a
célebre "batalha de Seattle", nos EUA, que sacudiu o coração nacional
de um mundo já tão transnacional?
Se é difícil datar o início do novo milênio, é possível perceber que
ele se inicia sob a fibrilação amplificada do tecido social, sob a pulsão
acentuada das rebeldias estampadas nos novos (e velhos) movimentos
sociais, mais ou menos vinculados às forças sociais, ao trabalho,
aflorando seus laços relacionais com as questões étnicas, ecológicas,
de gênero e geracionais.
Os exemplos são abundantes: a explosão dos "piqueteros" na Argentina,
a rebelião social na Bolívia, a resistência popular na Venezuela, as
greves que sacodem os países do Norte, as confrontações operárias e
estudantis que assustam o mundo asiático, a resistência incansável do
povo palestino. Se nossa geração cresceu aprendendo que um dia o mundo
seria espelhado no "american way of life", o que hoje se percebe, no
fulgor da reeleição protofascista de George W. Bush, é o esparramar de
um sentimento "antinorte-americano", tão global quanto as mercadorias
"made in USA".
Esse cenário estaria indicando um revival do anarquismo?
Se não estamos às vésperas de seu renascimento, estamos presenciando
um salutar retorno da literatura de inspiração libertária, com toda a gama
diferenciada presente no seio desse movimento, que experimentou omutualismo de [Pierre-Joseph] Proudhon [1809-1865], o anarquismo
coletivista de [Mikhail] Bakunin [1814-1876], passando por [Peter]
Kropotkin [1842-1921], [Errico] Malatesta [1853-1932], pelo
anarco-sindicalismo, dentre outras variantes libertárias.

Veja-se o exemplo do livro "História do Movimento Operário
Revolucionário", coletânea (originalmente publicada na França em 2001)
que percorre diversos momentos da presença do sindicalismo
revolucionário, de que foram exemplo, no início do século 20, a CGT
francesa [Confédération Générale du Travail - Confederação Geral do
Trabalho], a Fora argentina [Federación Obrera Regional Argentina
-Federação Regional do Trabalho da Argentina], os IWW nos EUA
[Industrial Workers of the World -Trabalhadores Industriais do Mundo],
a USI na Itália [Unione Sindicale Italiana - União Sindical Italiana]
ou ainda os diferentes experimentos ocorridos na Alemanha, Rússia,
México, Peru, Uruguai, Japão e Brasil

A polêmica com os marxistas é (quase) sempre áspera. Ilustre-se com o
curioso exemplo do Japão, que, na "epiderme", se assemelha ao caso
brasileiro: "Um certo extremismo anarquista, mais ou menos organizado,
mas amiúde estéril, conduziu militantes a juntarem-se ao PCJ [Partido
Comunista Japonês] quando da sua criação, em 1922, embora muitos deles
se retirem, em seguida. Muito tarde; o mal está feito. Os militantes
anarquistas ou influenciados pelo anarquismo forneceram ao primeiro PCJ
sua base operária, sem a qual ele só teria sido composto por
intelectuais mais ou menos desclassificados" (pág. 260). Sabemos que,
no caso do PCB, nascido também em 1922, dentre seus nove delegados
fundadores, somente um, o socialista Manuel Cendón, não tinha um
passado anarco-sindicalismo. E contava com dois intelectuais humanistas
nada "desclassificados", como Astrojildo Pereira e Cristiano Cordeiro.
Os textos de Colombo (Argentina), Antonioli e Venza (Itália), F. Madri
(Espanha ), Portis (EUA), Pelletier (Japão), De Jong (sobre a AIT), F.
Mintz (Espanha), Colson(França), Samis (Brasil), Lorry (indicação
bibliográfica) oferecem um panorama amplo dos embates anarquistas.Textos por certo engajados, olhando e refletindo sobre o passado, mas
com uma (talvez tênue e mesmo nostálgica) esperança de um "revival"
anarquista. Se a polêmica entre anarquistas e marxistas,
particularmente em torno da Associação Internacional dos Trabalhadores,
criada em 1864, está presente ao longo de vários capítulos do livro
citado, ela retorna em "Autoritarismo e Anarquismo", que traz artigos
escritos por Errico Malatesta. Sabemos que a questão da abolição do
Estado, a negação visceral da ação política, a recusa peremptória dos
partidos, a negação da luta no âmbito eleitoral e parlamentar, as
reservas quanto às formas de organização (e seus riscos de
centralização) são os pontos nodais da controvérsia entre as duas das
mais importantes variantes do movimento operário. Em sua polêmica,
Malatesta é direto: "Os socialistas são autoritários, os anarquistas
são libertários" (pág. 97). Talvez valesse a pena rememorar um belo
artigo ("Marx/ Bakunin"), do saudoso [sociólogo] Maurício Tragtenberg
[1929-1998], espírito herético e heterodoxo, ao afirmar a atualidade do
debate entre anarquistas e marxistas, "desde que não se limitasse à
oposição "a-histórica" entre autoritarismo e liberdade somente". Fica o
registro.
Melhor a derrota
Se Malatesta não é exceção, na dura polêmica travada por anarquistas e
comunistas, seu senso de liberdade transparece neste forte libelo: "Se,
para vencer, tivéssemos de construir cadafalsos nas praças públicas, eu
preferiria ser derrotado" (pág. 51). E esse é o tema de outro livreto
libertário, "Nada É Sagrado, Tudo Pode Ser Dito", do belga Raoul
Vaneigem, colaborador de Guy Debord. Para Vaneigem "nada é sagrado.
Toda pessoa tem o direito de exprimir e de professar, a título pessoal,
qualquer opinião, qualquer ideologia, qualquer religião" (pág. 22).
Panfleto provocador, ataca os donos da "mass media", guiados pelo
"espírito de comércio", cuja ação se converte freqüentemente numa "arte
de ocultar o essencial e manejar, por meio do choque emocional, a
insistência patética e os efeitos de repetição, territórios de sombras
e de silêncios em que rumores e suspeitas se confundem" (pág. 18).

Sendo um valor humano essencial, a liberdade de expressão deve
contemplar o direito de externar também o "desumano", mesmo quando eivado
de racismo, xenofobia, sadismo, discriminações sexistas etc. (pág. 29).
Mas a pergunta que fica é: o que fazer quando a "liberdade total" permite
inclusive aos "nazi" vociferar as suas diatribes contra a humanidade?
Aqui, Vaneigem parece seguir numa vaga mais liberal que libertária. É na
linhagem de um comunismo heterodoxo e libertário que se insere o livro
de Negri e Hardt, com o sugestivo título "O Trabalho de Dioniso". O
labor, o Estado, as leis e o direito, o comunismo, o sujeito, a
multidão, o neoliberalismo, a violência, a ontologia, o socialismo
real, o reformismo e o comunismo jurídicos -são várias as temáticas
presentes neste livro. Seu eixo central: reiterar o papel fundante do
trabalho vivo. Este não apenas nega a sua abstração no processo de
valorização capitalista mas faz aflorar a autovalorização do trabalho
humano, "afirmação da própria vida" e, enquanto tal, exercício de
subjetividade, "pré-requisito do comunismo".

Da fábrica à sociedade

Remetendo a discussão do trabalho para a esfera do valor e da produção
social da riqueza, os autores procuram compreender, então, a ampliação
do seu espaço, seu salto da "fábrica para a sociedade". A fábrica,
acrescentam, não pode mais ser concebida como o espaço paradigmático do
trabalho, que se amplificou para toda a sociedade. O que sempre, segundo
os autores, nos leva a um paradoxo: mesmo onde a teoria não enxerga o
trabalho, ele se tornou a substância comum, o "mundo torna-se trabalho".
É aí, então, que Hardt e Negri avançam para sua exploração analítica
mais ousada: estamos sob a vigência do trabalho imaterial, "altamente
científico, afetivo, cooperativo", cuja relação passa a ser fortemente
permeada pela função social junto da comunidade (pág. 29). Do que
decorre que o trabalho vivo, em sua modalidade contemporânea, "tende
para a completa imaterialidade" (pág. 41).

Brotam algumas perguntas:

1) não estarão os autores cometendo risco similar àquele presente no
livro "Império" [ed. Record]: tomar uma tendência e a ela conferir
prevalência? Ou, de outro modo, o trabalho imaterial poderá se sobrepor
à dimensão corpórea, material do labor, quando se toma a totalidade do
trabalho social, em que, vale lembrar, a maioria da humanidade que
labora vive no chamado "Terceiro Mundo"?

2) Estamos mais próximos do "trabalho do afeto" ou diante do mundo do
trabalho-"desafeto"?


3) Se a tendência à "completa imaterialidade" se efetivasse, onde
poderíamos encontrar o chão social capaz de desmantelar a dura ordem
material? Seria na multidão [título do mais novo livro de Hardt e
Negri]?

"Estamos Vencendo (A Resistência Global no Brasil)", com texto de Pablo
Ortellado e fotos de André Ryoki, estampa nossa juventude rebelde que
trocou faz pouco tempo as visitas coisificadas aos McDonald's pela sua
rejeição visceral por meio de ações estruturadas em rede, sintonizadas
com a luta da Ação Global dos Povos, contra os organismos bilaterais e
multilaterais -como Organização Mundial do Comércio, Fundo Monetário
Internacional, Banco Mundial-, que, aliás, causam muito mais que simples
efeitos colaterais.

A autonomia dos movimentos, seu sentimento anticapitalista, seus
embates contra a "mercadorização" do mundo são apresentados junto com uma
irreverência forte que só a juventude consegue imprimir e que foram tão
bem capturadas pela máquina de Ryoki.

Roteiro do capital

Além do belo material iconográfico, o livro (em cuidadosa edição) traz
uma cronologia dos acontecimentos desde a "batalha de Seattle", além de
panfletos utilizados nos embates, como o sarcástico "Conheça o Capital -
City Tour pela Cidade de São Paulo", começando pela Bolsa de Valores,
Banco de Boston, shopping Light, McDonald's, cemitério da Consolação,
avenida Paulista e, finalmente, o Consulado dos EUA. Aqui há,
certamente, algo da verve e ironia dos antigos movimentos
libertários...

O século 21 não parece comportar um "revival" do anarquismo. E nem do
nefasto "socialismo real", que, sob a batuta de Stálin, também feneceu
no curto século 20. Mas, despidas de suas formulações mais dogmáticas,
as duas mais importantes vertentes emancipatórias que marcaram os dois
últimos séculos, certamente têm algo (ou muito) a dizer. Tomara que
elas se reencontrem, mais livres e mais generosas, neste atormentado
limiar do século 21.

Ricardo Antunes é professor titular de sociologia do trabalho na
Universidade Estadual de Campinas. É autor de "Os Sentidos do Trabalho"
(Boitempo) e "Adeus ao Trabalho?" (Cortez).

História do Movimento Operário Revolucionário
360 págs. R$ 56,00 Vários autores. Tradução de Plínio Augusto Coêlho.
Ed.Imaginário (r. Ciro Costa, 94, conjunto 1, Perdizes, CEP 05007-060, São
Paulo, SP, tel. 0/xx/11/3864-3242).

Autoritarismo e Anarquismo
104 págs., R$ 15,00 de Errico Malatesta. Tradução de Plínio Augusto
Coêlho. Ed. Imaginário.

Nada É Sagrado, Tudo Pode Ser Dito
104 págs., R$ 10,00 de Raoul Vaneigem. Tradução de Marcos Marcionilo.
Ed. Parábola (r. Clemente Pereira, 327, Ipiranga, CEP 04216-060, São Paulo,
SP, tel. 0/xx/ 11/6914-4932).

O Trabalho de Dioniso
228 págs., R$ 22,00 de Antonio Negri e Michael Hardt. Ed. da
Universidade
Federal de Juiz de Fora (r. Benjamim Constant, 790, CEP 36015-400,
prédio da reitoria, Juiz de Fora, MG, tel. 0/ xx/32/ 3229-3992).

Estamos Vencendo - Resistência Global no Brasil
176 págs., R$ 25,00 de Pablo Ortellado e André Ryoki. Ed. Conrad (r.
Simão Dias da Fonseca, 93, CEP 01539-020, SP, tel. 0/xx/11/ 3346-6088).




*******
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
******
INFO: http://ainfos.ca/org http://ainfos.ca/org/faq.html
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
ASSINATURA: envie correio para lists@ainfos.ca com a frase no corpo
da mensagem "subscribe (ou unsubscribe) nome da lista seu@enderço".

Indicação completa de listas em:http://www.ainfos.ca/options.html


A-Infos Information Center