A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) União Popular Anarquista – UNIPA: CARTA AOS REVOLUCIONÁRIOS ANARQUISTAS

From a-infos-pt@ainfos.ca
Date Mon, 30 Aug 2004 18:06:59 +0200 (CEST)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
http://ainfos.ca/ http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

[de galiza.indymedia.org ]
Em primeiro lugar queremos deixar claro que esta carta é um documento
público, no qual explicitamos uma série de questões sobre as quais
consideramos relevante nos posicionarmos. Porém, como o próprio título do
documento indica, temos a preocupação de direcionar esta discussão com um
certo privilegiamento aos revolucionários anarquistas. Longe de nós,
acreditar ou defender que a definição de revolucionário anarquista esteja
clara e inequivocamente estabelecida na sociedade em geral e no campo da
esquerda em particular, por isto, entendemos que devemos iniciar com a
clarificação do que entendemos como revolucionários anarquistas, ou seja,
para quem estamos nos dirigindo prioritariamente com este documento.Por revolucionários anarquistas entendemos aqueles homens e aquelas
mulheres que, partindo de uma indignação contra a opressão, a injustiça e
o sofrimento ao qual são submetidas as massas populares pela organização
política e econômica da sociedade capitalista, devotam-se a trabalhar
ativamente pela transformação radical desta situação.Conhecendo o fato de que a sociedade capitalista, com todas as suas
iniqüidades, é energicamente defendida pela classe econômica e
politicamente privilegiada, a qual faz uso de todos os mecanismo legais e
ilegais de força para garantir a sua dominação, estes homens e mulheres
amantes da justiça e da igualdade humana se fazem revolucionários, ou
seja, passam a trabalhar e lutar pela destruição da estrutura de poder da
classe dominante, construindo o poder das massas populares, única maneira
de garantir a transformação desta sociedade.Não buscando outro objetivo senão a libertação dos explorados e oprimidos
em uma sociedade onde os direitos e os deveres sejam iguais para todos,
pois ao longo dos séculos todas as justificativas para a desigualdade e a
opressão entre as pessoas foram demolidas pela razão humana, estes mesmos
homens e mulheres tornados revolucionários não estão dispostos a aceitar
nenhum outro fundamento para a organização social que não aquele de uma
sociedade de trabalhadores livres, possibilitada pela igualdade real e
pela solidariedade prática entre os seres humanos, e assim tornam-se, além
de revolucionários, anarquistas.Desta maneira fica claro que nos dirigimos prioritariamente neste
documento àqueles companheiros e companheiras anônimas – ou não - que,
lado a lado, com os mais diversos segmentos populares explorados e
oprimidos pelo capitalismo buscam construir com base na luta e na
organização as condições para a transformação revolucionária deste mundo
de injustiça em uma sociedade livre e igualitária. Sabemos que vários
outros tipos de pessoa também reivindicam para si o título de
revolucionários anarquistas, entre eles temos os caluniadores
irresponsáveis, os ociosos pedantes, os reacionários disfarçados e os
oportunistas incuráveis. Estes a história já desmascarou – basta querer
enxergar – e ela saberá deles se encarregar no futuro. Quanto a nós, nunca
terão nossa tolerância ou nossa complacência.



O bakuninismo: por quê?


Muito tem se escrito e falado ultimamente a respeito do quanto seria
imprópria a postura de nossa Organização ao assumir o bakuninismo enquanto
eixo fundamental de nossa formulação teórica, e de nossa definição
programática e estratégica. Infelizmente, a imensa maioria das críticas e
ataques à nossa posição, por um lado, não se revestem do mínimo de
maturidade resumindo-se a um amontoado de manifestações tão histéricas
quanto vazias, e por outro lado, outro imenso volume de críticas e
ataques, ao buscar seus fundamentos, colocam-se tão claramente no plano do
pensamento liberal da burguesia, que do nosso ponto de vista
desmoralizam-se e esterilizam-se por si próprias. No entanto, há também o
questionamento lúcido e a crítica responsável, embora extremamente
minoritária.Apesar de já havermos deixado claros os fundamentos do bakuninismo em
outros documentos anteriores, entendemos ser agora importante esclarecer o
porque de assumirmos o bakuninismo e como a ele chegamos. Se por um lado,
historicamente, cita-se muito Bakunin, sua prática e sua obra, no interior
daquilo que convencionou-se – não por nós – chamar de “campo libertário”
ou “movimento anarquista” , pouquíssimo se investigou, pesquisou e estudo
a sério a seu respeito ao longo das décadas, o que tem por conseqüência o
fato de pouco se conhecer a seu respeito. No entanto, mesmo havendo
pouquíssimo conhecimento a respeito de Bakunin e do bakuninismo no
interior do chamado “movimento anarquista”, não faltam aí afirmações
categóricas e definitivas sobre nossa postura com relação a este tema.
Saindo do campo das acusações fáceis e irresponsáveis, queremos deixar
claro o modo pelo qual chegamos à compreensão que hoje temos sobre esta
questão.O século XX foi um período importantíssimo para todos aqueles envolvidos
de uma maneira ou de outra no campo das lutas sociais do proletariado e no
campo do pensamento socialista. Pela primeira vez na história deu-se a
vitória, não de uma, mas de várias revoluções proletárias contra a
dominação burguesa capitalista ao redor do mundo: Rússia, China, Cuba,
Vietnã entre outras. Não faltaram também derrotas. Pela primeira vez desde
a fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores em 1864, a
disputa no campo do socialismo entre anarquistas (socialistas
revolucionários) e marxistas (comunistas) deslocou-se completamente a
favor dos segundos.Responsáveis pela supremacia marxista foram: os próprios marxistas, por um
lado, ao demonstrar êxito em ganhar as massas para seu programa nas
situações revolucionárias que se apresentaram, e por outro lado, foi
também responsável por este fenômeno, o estabelecimento do ambiente de
licenciosidade e diletantismo no âmbito do “movimento anarquista” quando
do abandono das premissas revolucionárias fundadas por Bakunin, que teve
por conseqüência a quase completa esterilização deste “anarquismo” para as
lutas revolucionárias do proletariado, que só não foi completa graças aos
esforços dos resolutos revolucionários anarquistas que recusaram-se a se
deixar tragar pelo ambiente sufocante da capitulação, mas disto já falamos
em outros documentos.Aos revolucionários anarquistas ao longo do século XX foram terríveis as
experiências de assistir a derrota da Makhnovitschina, e com ela do
socialismo de conselhos, no processo revolucionário russo que conduziu a
triunfante vitória do burocratismo estatal. Mais terrível ainda foi
testemunhar a vergonhosa capitulação da CNT-FAI na guerra civil espanhola,
ao trair o proletariado e cerrar fileiras junto à burguesia republicana e
aos contra-revolucionários stalinistas, entregando assim o poder ao
Inimigo de Classe. À conseqüente desmoralização de tudo o que se
relacionava a idéia de anarquismo no campo da esquerda revolucionária foi
necessário opor vigorosa e contundente ação criadora por parte dos
revolucionários anarquistas, cada vez mais minoritários no interior do
cada vez mais decrépito e acomodado “movimento anarquista”.A preocupação com uma clarificação dos aspectos teóricos da ideologia
revolucionária anarquista que pudesse conduzir a uma coerente e eficaz
definição programática e estratégica para a ação política foi central ao
longo do século XX para aqueles que, ainda que instintivamente, viam no
anarquismo a alternativa capaz de levar os trabalhadores à sua libertação
definitiva. Grupos e organizações como o Dielo Truda (1927-1937), os
Amigos de Durruti (1937-1939) e a Federação Anarquista Uruguaia histórica
(1964-1976) realizaram nestes respectivos períodos uma intensa produção
teórica que buscou caminhar no sentido da resolução destas questões.Assim como as experiências acima citadas, também a UNIPA é fruto de um
processo político de lutas, processo este levado a cabo por
revolucionários anarquistas há aproximadamente uma década no contexto da
luta de classes travada no Brasil. Nos posicionamos enquanto herdeiros
diretos destas experiências do passado e, assim, encaramos como um dever a
retomada e o aprofundamento das tarefas assumidas por estes camaradas,
entre elas, a clarificação teórica e a conseqüente definição programática
e estratégica para a ação política dos revolucionários anarquistas. Assim
sendo, o estudo sério e a pesquisa atenta tem sido grandes preocupações
que a UNIPA, enquanto organização política revolucionária, tem se
colocado, lado a lado, com o trabalho diário no interior das lutas de
massa. Compartilhamos da compreensão dos Amigos de Durruti que afirmavam
que: “sem teoria revolucionária não há revolução”, e a constatação do fato
de que no interior do campo revolucionário anarquista não se manuseia,
efetivamente, uma teoria revolucionária clara e bem definida é notória.O estudo e a pesquisa criaram as condições para que hoje, após intensas e
prolongadas discussões, a UNIPA possa afirmar categoricamente que manuseia
e instrumentaliza a teoria dos revolucionários anarquistas: o bakuninismo.
A adoção do bakuninismo como eixo de nossas formulações teóricas,
programáticas e estratégicas, não é nenhuma espécie de capricho ou
excentricidade, é fruto de um longo e intenso processo de estudo e
pesquisa orientado no sentido de dotar os revolucionários anarquistas de
um marco teórico preciso e coerente que possa nos dar condições de
intervir na luta de classes com um programa e uma estratégia claramente
ancoradas em uma precisa e coerente interpretação da realidade. Fazemos
coro com históricos companheiros como Nestor Makhno, Jaime Balius e
Gerardo Gatti no sentido de afirmar que a clareza e a coerência teórica
são requisitos indispensáveis para qualquer ideologia revolucionária que
pretenda contribuir para uma decisiva vitória do proletariado na luta
contra seus inimigos.

De “dogmatismos” e “sectarismos”– Nossa posição e nossos argumentos.

Queremos deixar claro que temos como indispensável para qualquer
organização política revolucionária, portar uma teoria – um sistema de
conceitos – capaz de dar conta de uma adequada e coerente compreensão da
realidade e que funcione como base fundamental de um determinado programa
e de uma precisa estratégia. Toda organização política revolucionária
socialista deve estar pronta para analisar a realidade onde atua, avaliar
as correlações de força no campo da luta de classes, conhecer os diversos
sujeitos sociais, seu potencial revolucionário e a dinâmica de sua prática
concreta, além de ser capaz de elaborar um programa claro que expresse
seus objetivos finalistas e que possa servir de horizonte para a luta das
massas populares. Para tudo isto é imprescindível a existência de um
conjunto coerentemente articulado de conceitos que sirvam como ferramentas
deste trabalho intelectual, ou seja, é imprescindível a existência de uma
teoria revolucionária.A UNIPA, como já afirmamos, ancora o desenvolvimento de sua produção
teórica sobre alicerces e sobre um método formulado por Mikhail Bakunin, o
grande revolucionário russo fundador do anarquismo. O pensamento de
Bakunin, extremamente mais profundo e vasto do que costuma se supor, não
só nos fornece os alicerces e o método para nossa produção teórica, como,
avança bastante no apontamento de uma diretriz programática e estratégica
para a ação política dos revolucionários anarquistas – tais como ele mesmo
foi. Antes de mais nada, é preciso afirmar que o método e os alicerces
teóricos de Bakunin estão íntima e indissociavelmente vinculados com sua
discussão programática e estratégica, como também não poderia deixar de
ser, já que esta produção teórica se realizou com um fim voltado à
aplicação prática e não a serviço da diletância ociosa.Entre aqueles que atacam a orientação bakuninista de nossa Organização, e
ainda assim reivindicam para si o anarquismo, podemos distinguir dois
grupos fundamentais. O primeiro, composto em sua grande maioria por
personalidades extravagantes e idiossincráticas, pouco preocupadas com o
desenvolvimento real da luta de classes e tendo em seu “anarquismo”
basicamente um adorno para uma determinada prática comportamental e
retórica, lança ataques contra a necessidade de uma definição teórica,
acusa a afirmação desta necessidade como uma afirmação “dogmática”, já
que, para este grupo, o “anarquismo” deve ser o reino das sensações, dos
impulsos sensuais e da “libertação pessoal”. Por seu próprio caráter não
nos deteremos no debate com este grupo, apartado por si próprio de toda e
qualquer referência no proletariado e no socialismo, inclusive – em alguns
casos – a ambos se opondo vigorosamente, constituindo-se em francos
reacionários, e por isso, inimigos do anarquismo.O segundo grupo, é composto por indivíduos, coletivos e organizações que
buscam de uma ou outra maneira construir uma ligação com a classe
trabalhadora e suas lutas, e ainda reconhecem a necessidade de construção
de uma definição teórica. Este grupo, mesmo sendo alvo de aberta
hostilidade por parte dos setores liberais travestidos de anarquistas que
infestam o chamado “campo libertário”, assume para si a tarefa de
salvaguardar e defender, até o último esforço se for necessário, a
“unidade” e a “harmonia” na “diversidade” do fantasmagórico “movimento
anarquista”, lançando-se vigorosamente contra a nossa adoção do
bakuninismo e contra o fato de não reconhecermos como anarquismo certos
setores deste “movimento anarquista”.Este mito do “movimento anarquista” construído ao longo das décadas como
resultado do progressivo abandono dos pressupostos estabelecidos por
Bakunin - e sistematizado teoricamente por Volin e Sebastien Faure na
década de 1920 - tornou possível que “anarquistas” pregassem a Revolução
Social enquanto saudavam um Kropotkin que defendia o Czar e,
posteriormente,o governo de Kerenski. Tornou possível que a experiência de
lutas e o projeto organizativo do revolucionário anarquista que mais
firmemente combateu a ditadura bolchevique na Revolução Russa – Nestor
Makhno - fosse descartada e amaldiçoada pela maioria dos “anarquistas”
como algo demasiadamente... bolchevique. Tornou possível também que
“anarquistas” que brandiam contra o Estado e pela liberdade popular,
cerrassem fileiras em defesa da política ministerialista burguesa da
CNT-FAI durante a Guerra Civil Espanhola, e ainda acusassem os que a isto
se opunham – tais como os Amigos de Durruti – de “jacobinos” e
“trotskistas”.O mito do “movimento anarquista”, que seria “diverso” e “plural” na sua
unidade é um dogma cristalizado pela tradição e que não é capaz de
resistir a mais simples contestação racional, como vem demonstrando a
irada e fanática reação de seus defensores aos nossos argumentos. Aos que
nos acusam de “dogmáticos” e “sectários” por não rezarmos o catecismo do
“movimento anarquista” e não reconhecer aí mais do que um amontoado
artificial de expressões ideológicas e políticas tão díspares quanto
contraditórias, lançamos um desafio: se não podemos definir o que é ou não
anarquismo com base em uma referência histórica concreta –Bakunin e o
bakuninismo – e devemos ter por dado inquestionável da realidade a
auto-enunciação, então estamos todos obrigados a ver, por exemplo, nas
imperialistas e agressoras Tropas de Paz da ONU, os paladinos da paz entre
os seres humanos, já que assim eles se auto-enunciam. Visto desta maneira
o argumento de nossos acusadores revela-se em todo seu absurdo caráter
dogmático, já que a crítica e análise dos dados auto-enunciados da
realidade é automaticamente tachada de autoritária e descartada como
...”sectarismo”.Gostaríamos de propor um outro desafio aos opositores do bakuninismo que
adotamos enquanto referencial teórico e político: se a adoção do
bakuninismo é uma opção “sectária” que ignoraria outras “legítimas”
expressões teóricas do “movimento anarquista” tais como o pensamento de
Piotr Kropotkin, propomos que se arrisquem a utilizar o método e a base
teórica evolucionista biológica de Kropotkin para a análise da realidade
social e lancem-se voluntariamente no ridículo e no descrédito absoluto. O
ecletismo teórico, determinado pela necessidade política de salvaguardar a
sacrossanta “unidade” e “harmonia” no “movimento anarquista”, é estéril e
confusionista, visto que aqueles que o defendem retoricamente têm sido
incapazes de produzir qualquer reflexão teórica, ou tem servido-se do
marxismo enquanto referencial, ao mesmo tempo que condenam a firmeza de
nossa defesa do bakuninismo.Nós, que somos revolucionários, entendemos que defender uma posição é
exatamente nosso traço característico e, além do mais, nosso dever, caso
contrário, poderíamos defender o capitalismo ou o socialismo dependendo da
circunstância ou do debatedor, oportunismo que combatemos com veemência.
Temos nossa posição e nos apoiamos em argumentos, que são públicos, e os
quais estão expostos à crítica e à refutação. Aqueles que entendem que nos
equivocamos devem, por sua vez, igualmente munir-se de argumentos e
confrontá-los com os nossos, caso contrário, se manterão no limite da
gritaria estéril exigindo que retiremos nossos argumentos em nome da
“unidade” no interior do chamado “movimento anarquista”. A isto
respondemos com um categórico NÃO, pois nosso dever é para com o
proletariado e sua libertação e não com o conforto existencial daqueles
que querem desfrutar das relações pessoais disponíveis no interior do
“Clube Libertário”, tão harmônico e unido quanto inútil para a luta dos
trabalhadores.Esperamos poder haver esclarecido nossa posição em relação aos ataques que
se seguiram à publicação de vários de nossos documentos teóricos e
políticos, e nos mantemos abertos à discussão. Aos camaradas
revolucionários anarquistas: ergamos a cabeça! É o momento de assumir a
responsabilidade junto à nossa classe e não esmorecer frente aos
obstáculos no caminho. Devemos manter a firmeza ideológica em um ambiente
hostil determinado pela supremacia arrasadora da burguesia na correlação
de forças entre as classes em luta. Saibamos honrar as iniciativas
heróicas do passado tais como aquelas de Bakunin, da Aliança, do Dielo
Truda, dos Amigos de Durruti e da FAU histórica e não nos deixemos
arrastar para a lama do conformismo e da covardia. O futuro será do
socialismo e da liberdade, cumpramos com nosso dever.
Saudações revolucionárias!

UNIPA – União Popular Anarquista. Rio de Janeiro, agosto de 2004.




*******
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
******
INFO: http://ainfos.ca/org http://ainfos.ca/org/faq.html
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
ASSINATURA: envie correio para lists@ainfos.ca com a frase no corpo
da mensagem "subscribe (ou unsubscribe) nome da lista seu@enderço".

Indicação completa de listas em:http://www.ainfos.ca/options.html


A-Infos Information Center