A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
First few lines of all posts of last 24 hours || of past 30 days | of 2002 | of 2003 | of 2004

Syndication Of A-Infos - including RDF | How to Syndicate A-Infos
Subscribe to the a-infos newsgroups
{Info on A-Infos}

(pt) Brasil, Santos (SP): Rompendo o silêncio!

From owner-anarqlat@webmail.rect.ucv.ve
Date Thu, 12 Aug 2004 23:33:26 +0200 (CEST)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
http://ainfos.ca/ http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

[de moésio reboucas]
Basta! Rompendo o silêncio cerca de 200 pessoas atuaram no "Dia da
Bronca", na noite desta terça-feira, 11 de agosto, na frienta, tranqüila
e cada vez mais "moderna" cidade litorânea de Santos (SP).
O ato teve início por volta das 18 horas, na Praça da Independência, com
os manifestantes portando faixas contra o modelo neoliberal, que vem
matando e provocando tanta exclusão social não só na Baixada Santista,
mas em todas as partes do planeta, também distribuindo panfletos
explicativos sobre a crise social do país, contra a ALCA, FMI, Banco
Mundial, o salário mínimo, o imperialismo terrorista de Bush, as
guerras, as agressões ao meio ambiente, ao pensamento único!

Ao mesmo tempo anarquistas da Rede Libertária da Baixada Santista
distribuíam seu jornal, Pétala Negra, para a população. E artistas de
rua realizavam performances e pirotecnia. E ainda muita música de Clara
Nunes e Raul Seixas, do carro de som descolado pelos manifestantes.

Durante todo o ato o microfone esteve aberto para quem quisesse passar
sua bronca. A mais curiosa foi quando um compa pegou o microfone, se
travestiu de jogador de futebol e disse: "estamos aqui bem preparados
técnica, física, e psicologicamente para enfrentar a ALCA." Noutro
momento um estudante universitário gritava: "pagar buzão? tô fora! passe
livre agora!!!"

Por volta das 19 horas os manifestantes saíram em passeata, com a
"simpática" companhia da polícia militar, um caixão, cruzes, gente
fantasiada, até a Universidade Católica de Santos (UNISANTOS), e com a
canção "Cantos das Três Raças" de fundo entoada com alma e emoção por um
compa, e aos gritos de "nem pátria nem patrão", "alcaralho", "o
capitalismo mata, matemos o capitalismo", e fogos de artifício para
romper o silêncio, todos os silêncios, o silêncio que nos querem
impingir os poderosos, e o silêncio que vem de nós mesmos, pela nossa
apatia e covardia de levantar a voz e os punhos aos poderosos. Basta de
medo!

Em frente à universidade os manifestantes denunciaram a reforma
universitária que o governo Lula está tentando empurrar goela abaixo dos
estudantes, os abusos das mensalidades, à ignorância dos professores, o
aparelhamento das entidades estudantis, por universidades públicas na
região, e, por fim, queimaram um boneco que caracterizava a reitora da
"f(p)ilantrópica" UNISANTOS.

Depois dessa "bronca" a passeata continuou pelas ruas de Santos, parando
o transito, mas sacudindo corações e mentes, até o supermercado Extra,
onde desta vez quem ardeu nas chamas do "inferno" foi um boneco do
senhor Bush, ao som de um batuque dum "preto velho" e roda de fogo. Em
seguida, lá pelas 21 horas, o encerramento do ato com muita música e
dança livre em praça pública.

E como o tempo não pára, proximamente voltaremos a gritar: Basta!
Voltaremos a romper o silêncio!!! Voltaremos a contar a NOSSA história,
sem intérpretes. Voltaremos a mostrar a nossa alegria na luta! A luta
continua... nas fábricas, nos lares, nas escolas, nas ruas... o tempo
não pára!

<http://graphics.hotmail.com/greypixel.gif>
agência de notícias anarquistas-ana

"Canto das Três Raças"

Ninguém ouviu um soluçar de dor
No canto do Brasil.
Um lamento triste sempre ecoou
Desde que o índio guerreiro
Foi pro cativeiro e de lá cantou.
Negro entoou um canto de revolta pelos ares
No Quilombo dos Palmares, onde se refugiou.
Fora a luta dos inconfidentes
Pela quebra das correntes.
Nada adiantou.
E de guerra em paz, de paz em guerra,
Todo o povo dessa terra
Quando pode cantar,
Canta de dor.
E ecoa noite e dia: é ensurdecedor.
Ai, mas que agonia
O canto do trabalhador...
Esse canto que devia ser um canto de alegria
Soa apenas como um soluçar de dor
<http://graphics.hotmail.com/greypixel.gif>




*******
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas
******
INFO: http://ainfos.ca/org http://ainfos.ca/org/faq.html
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
ASSINATURA: envie correio para lists@ainfos.ca com a frase no corpo
da mensagem "subscribe (ou unsubscribe) nome da lista seu@enderço".

Indicação completa de listas em:http://www.ainfos.ca/options.html


A-Infos Information Center