A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
{Info on A-Infos}

(pt) ACAMPAMENTO DOS PETROLEIROS DEMITIDOS NO RIO - Por Coletivo Domingos Passos

From a-infos-pt@ainfos.ca
Date Thu, 15 May 2003 06:03:23 +0200 (CEST)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
http://www.ainfos.ca/
http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

PETROLEIROS: ANISTIA JÁ

Há anos os petroleiros – como várias outras categorias – vêm lutando por
melhorias trabalhistas no Brasil. No caso específico dos trabalhadores da
Petrobrás, tem-se batalhado contra a privatização, por aumento salarial,
fim dos acidentes, redução da jornada de trabalho, igualdade de direitos
entre trabalhadores efetivos e terceirizados, etc.Durante a autoritária era FHC, muitos petroleiros que estavam combatendo
por reivindicações justas acabaram demitidos por motivos puramente
políticos.Nós, Anarquistas, nunca nutrimos ilusões sobre governos se dizem “de
esquerda”. Até hoje todas as conquistas trabalhistas foram obtidas pela
mobilização direta dos trabalhadores. Nada foi dado de presente pelos
governos, só opressão e violência.Não podemos ficar parados esperando a boa vontade das autoridades em
reintegrar nossos companheiros petroleiros.Agora, como sempre, é hora de lutar. E nossa arma é a ação direta dos
trabalhadores e estudantes em solidariedade aos companheiros petroleiros.Protestos, passeatas e principalmente a greve são legítimos nessa luta.
Mas o principal para nós nesse momento é fortalecer a ocupação à porta do
EDISE (prédio da Petrobrás, Avenida Chile 65, Centro, Rio de Janeiro,
RJ)desde 2 de Maio.
ANISTIA JÁ! PELA IMEDIATA REINTEGRAÇÃO DOS COMPANHEIROS PETROLEIROS! PELO
FIM DAS PUNIÇÕES POLÍTICAS!
Contados:

Círculo de Estudos Libertários Ideal Peres – CELIP: www.celip.cjb.net. Cx
Postal: 14.576 CEP: 22412-970. Rio/RJBiblioteca Social Fábio Luz - sábados de 9:00 às 16:00. Rua Torres Homem,
790. Tel: 9397-1941Coletivo de Estudos Anarquistas Domingos Passos –
www.nodo50.org/insurgentes. Cx Postal: 100670 CEP: 24001-970 Niterói/RJJornal da Resistência – Cx Postal: 101089 CEP:24310-970 Rio/RJ


RETROSPECTIVA – O Findar da história de luta da CUT inicia-se com o avanço
do PT rumo a Brasília.
Jornal da Resistência

1978 – 1a. Greve geral de toda a categoria metalúrgica após 1964.
Oposição (comissões de fábrica) lideraram a greve dos “Braços Cruzados,
Máquinas Paradas”.
1980 – Grande Greve do ABC, surge Lula como liderança nacional no ato do
1o. de Maio.
1983 – Greve dos petroleiros com paralização das principais refinarias de
petróleo brasileiras. Demissões em São Paulo, Bahia e no Rio de Janeiro –
totalizando 317 demitidos – inclusive a companheira Fabíola da Câmara
(Futura editora do JR). Surge Jacob Bittar de Paulínia como a grande
liderança petroleira.
Greve geral no Brasil.

O Surgente aparece como oposição petroleira organizada no Rio de Janeiro.

Jorge Eduardo e Tavares são delegados petroleiros do Rio no 1o. Congresso
Nacional que funda a Central Única dos Trabalhadores. Lula é a grande
referência ao lado de Jacob Bittar. Jair Meneguelli é eleito o 1o.
presidente da CUT. Hoje Jair é deputado federal. Bittar foi prefeito de
Campinas.
1984 – Grande acidente de Enchova que deixa 37 mortos e 19 feridos.

Inicia-se a campanha de filiação a Associação dos Petroleiros de Macaé
(ADTIEP) com o apoio total dos embarcados.
A Associação surgida das comissões de plataformas elegem Rogério Madureira
e Luiz Ernesto Tavares seus representantes.
Jorge Eduardo (Surgente) e Tavares (Associação) organizam as famílias das
vítimas de Enchova para esclarecer os verdadeiros motivos do acidente.
Empresa reconhece sua culpabilidade pelo acidente. Após anos as famílias
saem vitoriosas na Justiça.
1986 – Comissões de Plataformas e a Associação lançam a luta pelo 7x14
(redução da jornada) e organizam a CIPA em Macaé.
1988 – Deflagrada a 1a. Greve de Ocupação com parada e controle da
produção nas plataformas.
1989 – A luta de 7x14 é agora impulsionada pelo SINDIPETRO-NF, não
oficial, continuação da Associação. Tavares, mesmo demitido é o
coordenador do SINDIPETRO-NF.
SINDIPETRO-RJ mesmo após plebiscito nas plataformas que maciçamente
escolhem as reduções de jornada de 1x2 (10x20 e 7x14) acorda com a
Petrobrás a Jornada 14x21.
Lula (que assume sua ideologia socialista) perde a eleição para Collor. PT
e CUT começam a mudar ideologicamente e as greves são progressivamente
substituídas pela ação parlamentarista ou Jurídica.
Alguns membros do NF (não oficial) participam da chapa de oposição do
SINDIPETRO-RJ e ganham o sindicato.
Collor e seus representantes na Petrobrás, demitem petroleiros, entre eles
militantes como Eilton, Tavares e Jorjão que não participavam da direção
do SINDIPETRO-RJ.
1991 – nova Greve de Ocupação com Parada e Controle de Produção na Bacia
de Campos. A empresa demite diretores do SINDIPETRO-RJ egressos do
SINDIPETRO-NF (não oficial), Mario e Tereza entre outros.
1992 – Ocupação do EDISE. Entre algumas dezenas de militantes estão Mário,
Eilton, Jorjão e Tavares que permaneceram 45 dias confinados na sede
(EDISE) da Petrobrás.
Comando Nacional de Petroleiros que já tinha acordado a readmissão e não
reintegração sai desgastado do episódio e transforma-se em Federação Única
dos Petroleiros.
1993 – Demitidos continuam mobilizados e são reintegrados já no Governo
Itamar.
O Jornal da Resistência é o jornal dos demitidos.

1994 – Greve de Ocupação com Parada de Produção na Bacia de Campos. Esta
greve soma-se às outras greves sem parada de produção no restante do país.
Fruto da greve: Tavares, Otto, Mario, Tereza e quase todos os diretores de
sindicatos demitidos são reintegrados pela Anistia do Governo Itamar. Na
negociação excluíram os companheiros de Minas Gerais.
1995 – Greve de Ocupação com Parada de Produção na Bacia de Campos e a
forte adesão da Refinaria de Cubatão, que foi o grande destaque da Greve.
Vicentinho, interlocutor do PT/CUT negocia o fim da greve com FHC.
Vicentinho depois, elege-se deputado Federal. Resultado: centenas de
demissões e punições. Tavares e Otto recém anistiados também são
demitidos.
1996 em diante – Nenhuma greve é realizada. A FUP somente negocia com
empresa/governo menos perdas para os petroleiros.
2001 – Retomada a Greve de Ocupação com Parada de Produção. A impotência
dos negociadores foi salva pelas comissões de Plataformas da Bacia de
Campos que novamente organizaram a greve.
O MST é criticado por Lula no caso da invasão da fazenda de FHC. Diante da
mídia, Lula declara e afirma: PT deu sustentação ao Governo FHC contendo
os movimentos sociais e grevistas.
FHC agradeceu. Foi assim que o PT de Lula conseguiu o apoio das elites,
vencendo as eleições.
2002 – Lula quer o pacto, que como socialista e grevista, repudiava.

Paulinho, presidente da Força Sindical que ironicamente se declarou contra
o pacto: “Sou contra os trabalhadores perderam mais do que perderam.”
Invertem-se os papéis das centrais burocráticas?
2003 – O PT vai apertar os cintos dos trabalhadores com o pacto? Será uma
possível volta do getulismo, com sindicatos ainda mais atrelados ao
governo?

Email:: insurgentes@nodo50.org
URL:: http://www.nodo50.org/insurgentes






*******
********
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas

******
ASSINATURAS: lists@ainfos.ca
RESPONDER: a-infos-d@ainfos.ca
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
WWW: http://www.ainfos.ca/org
INFO: http://www.ainfos.ca/org

Para receber a-infos numa língua apenas envie para lists@ainfos.ca
a mensagem seguinte:
unsubscribe a-infos
subscribe a-infos-X
onde X= pt, en, ca, de, fr, etc. (i.e. o código de idioma)

A-Infos Information Center