A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
{Info on A-Infos}

(pt) [Brasil]_1º_MAIO_DE_PROTESTO_E_LUTA

From "profosp" <profosp@bol.com.br>
Date Fri, 2 May 2003 22:01:08 +0200 (CEST)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
http://www.ainfos.ca/
http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

SINDICALISTAS REVOLUCIONÁRIOS PAULISTAS LEMBRAM OS 117
ANOS DE LUTA PELA REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO COMO
LIÇÃO PARA A LUTA HOJE

Como ponto culminante das campanhas levadas pelo
Movimento pela Reorganização da Confederação Operária
Brasileira (COB-AIT) os anarco-sindicalistas de São
Paulo realizaram vários comícios relâmpagos em diversos
pontos da Grande São Paulo e interior do Estado.

Dentro das campanhas PELA REDUÇÃO DA JORNADA DE
TRABALHO, como forma de combater o desemprego; POR
AUMENTO SALARIAL DE 54% PARA TODOS OS TRABALHADORES,
como forma de combater o arrocho salarial; CONTRA O
IMPOSTO SINDICAL, PELA LIBERDADE DE ORGANIZAÇÃO SINDICAL
e PELA RECONSTRUÇÃO DA COB-AIT os ativistas ligados ao
Núcleo PROFOSP/COB-ACAT/AIT optaram por ações
descentalizadas realizadas em diversos pontos de
concentração popular e operária. Precedidas por ampla
pixação e colagem de cartazes promovemos mini-comícios e
panfletagens em praças e terminais de transporte urbano
em todas as regiões da cidade e em algumas cidades do
interior e do litoral, tendo por base grupos de dois a
cinco ativistas em cada região, que se incumbiam de
passar por alguns pontos em rodízio. Em alguns deles
chegando a reunir cerca de 50 pessoas, onde eram feitos
discursos rápidos e se permitia a livre manifestação dos
passantes - em geral se falava contra as medidas anti-
proletárias do governo do Partido dos Trabalhadores e
contra as centrais sindicais oficiais. Em geral não
houveram problemas com a polícia, mas a ação de
sindicalistas ligados a partidos políticos e skinheads -
buscando conturbar os comícios - chegou a levar a
interrupção de alguns devido a falta de estrutura de
segurança.

Amigos e simpatizantes contribuíram com essas
atividades, tanto na capital quanto no interior. Em
todas foi amplamente distribuído o MANIFESTO DE 1º DE
MAIO DO MOVIMENTO PELA REORGANIZAÇÃO DA COB-AIT que
reproduzimos abaixo:

1º MAIO 2003, DIA DE PROTESTO
CONTRA O CAPITALISMO SUAS GUERRAS E O GENOCÍDIO SOCIAL:
BOICOTE, GREVE GERAL E REVOLUÇÃO SOCIAL!

O 1º de maio é um símbolo de luta contra a opressão e a
exploração. A celebração universal desta data relembra
os crimes perpetrados pelos patrões defensores do
liberalismo no mundo capitalista.

Histórico: 117 anos da “Greve Geral Até a Conquista das
8 hs de Trabalho’

A declaração da Associação Internacional dos
Trabalhadores (AIT) em seu primeiro Congresso (Suíça
1866) de que “a redução das horas de trabalho é o
primeiro passo da emancipação operária”, e a decisão do
quarto Congresso da Federação de Agrupamentos do
Comércio e Uniões dos Trabalhadores dos EUA (Chicago,
1884), de “proclamar uma greve geral até a conquista das
8h de trabalho” para o 1º de maio de 1886 foram os
marcos da primeira etapa pela revolução social.
Reivindicavam melhores condições de vida, através da
redução da jornada de trabalho, inicialmente das 16h
para as 8h diárias (48 semanais) que continua até hoje
quando se luta pelas: 6h diárias (30 semanais) sem
redução salarial e por melhores condições de trabalho
entre elas as férias pagas em dobro (30 dias); a
conquista do salário mínimo real a necessidade das
famílias; a meia jornada para os estudantes; o direito
do acesso a educação pública e gratuita; a luta pela
aposentadoria com salário integral, a creche nas
empresas, a assistência médica e hospitalar gratuita; a
igualdade de direitos e a justiça para todos os
trabalhadores sejam homens, mulheres ou crianças (o
trabalho infantil proibido que os patrões utilizavam
para aumentar seus lucros).

Naquela data 340 mil trabalhadores revoltados com a
exploração dos patrões decidiram recuperar através da
AÇÃO DIRETA, o que lhes pertencia. No quarto dia de
paralisação pacífica, durante uma manifestação, na praça
Haymarket, a polícia foi acionada. Atacou a multidão com
armas, bombas e cassetetes, mais de 100 mortos e
feridos. Oito militantes da organização sindicalista
revolucionária, que utilizavam a palavra no ato foram
presos, sem provas, culpados e setenciados. Os
militantes operários anarkistas: Parsons, Fischer, Engel
e Spies foram enforcados publicamente; Ling (enforcado
na cela); Shwab e Fielden (prisão perpétua); e Neebe (15
anos de prisão). Anos mais tarde os três que escaparam a
execução foram libertados e declarados inocentes, tal
como os cinco enforcados.

Mesmo perante tanta truculência, a insistência das
reivindicações dos sindicatos, somada a pressão e ao
clamor popular mundial e local, levaram os patrões a
ceder. Foi a primeira grande vitória dos trabalhadores
na conquista dos seus direitos. Essa conquista deu-se
primeiro na Europa e nos Estados Unidos, chegando à
América Latina no início do século passado. No Brasil se
deu através da luta dos sindicatos livres e Federações
Operárias, filiados a Confederação Operária Brasileira
(COB), e de uma série de greves, boicotes e
manifestações que culminaram com uma “Greve Geral Até a
Conquista” que possibilitou alcançar a jornada de 8 hs e
os direitos trabalhistas no ano de 1917.

HOJE: PATRÕES NEOLIBERAIS DESTROEM NOSSAS
CONQUISTAS

As guerras de hegemonia do capitalismo,
financiadas pelo genocídio social dos povos e dos
trabalhadores do mundo através das políticas do Banco
Mundial e do FMI - precedidas pela destruição dos
movimentos e organizações sindicalistas revolucionárias
e apoiadas pelos partidos políticos - levaram a um
crescimento dos índices de mortalidade associados a:
miséria; o fechamento de empresas por fusões,
privatizações e a perda dos direitos trabalhistas. A par
de gerar lucros fabulosos para as grandes corporações
capitalistas aumentou o abismo entre ricos e pobres.
Aumentaram a mobilidade dos investidores e a
terceirização do trabalho no mundo inteiro com uma
ausência absoluta de obrigações para com a natureza, os
empregados, os velhos, os doentes, os desempregados, os
jovens e as comunidades.

No Brasil, um partido de oposição agora no
Poder, faz o jogo dessa política internacional
promovendo o fim da legislação social e dos direitos
trabalhistas. Através da privatização da saúde com o
sucateamento dos serviços públicos, agora acenam com a
privatização da previdência e a ”reforma” da legislação
trabalhista, nome dado a destruição das conquistas
proletárias e sociais.

É neste contexto de enfrentamento anti-
neoliberal que a AIT (Associação Internacional dos
Trabalhadores) tem como princípio construir sua
organização através da Ação Direta, do Federalismo e da
Solidariedade Internacional do proletariado. É por isso
que luta pela coletivização dos meios de produção e pela
distribuição da riqueza social, contra o Estado, o
capitalismo e a farsa partidária, e contra todos os
preconceitos raciais, sociais, sexuais e ou religiosos.

- NÃO AO SINDICALISMO ATRELADO AO ESTADO! NÃO AO IMPOSTO
SINDICAL!
- PELA JORNADA DE SEIS HORAS DE TRABALHO, 30 hs SEMANAIS
SEM REDUÇÃO SALARIAL!
- 54%DE AUMENTO PARA TODOS OS TRABALHADORES
(desvalorização do real frente ao Dólar em 2002)!
- SALÁRIO MÍNIMO DE R$ 1400,00 (Baseado na definição
dada pela constituição de acordo com cálculos do DIEESE)!
- PELA APOSENTADORIA INTEGRAL PARA TODOS(NÃO A
PRIVATIZAÇÃO DA PREVIDÈNCIA)!
- PELO SINDICALISMO REVOLUCIONÁRIO! PELA RECONSTRUÇÃO DA
CONFEDERAÇÃO OPERÁRIA BRASILEIRA!
- PELA RECONSTRUÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CONTINENTAL AMERICANA
DE TRABALHADORES!
- VIVA A A.I.T.! (CONTRA A GLOBALIZAÇÃO DO CAPITAL
INTERNACIONALISMO PROLETÁRIO!)

Façamos deste 1º de maio um manifesto contra tudo que
nos oprime. Protestemos contra todas as misérias, o
arrocho salarial e as pretendidas reformas. Precisamos
unir nossas forças boicotando todas as farsas, para
protestar e lutarmos juntos por nosso direito de viver
numa sociedade de iguais e livres, sem opressão ou
exploração!


Movimento Pela Reconstrução da Confederação Operária
Brasileira (C.O.B.):
SINDIVÁRIOS de Porto Alegre/Rio Grande do Sul
FEDERAÇÃO OPERÁRIA DO RIO GRANDE DO SUL (FORGS/COB-
ACAT/AIT – Seção da AIT no Brasil)
Núcleo Pró-Federação Operária de São Paulo (PROFOSP/COB-
ACAT/AIT)
Amigos da COB/AIT de Sergipe

Apoio:
O COLETIVO LIBERTÁRIO/SP
FEDERAÇÃO ANARQUISTA DO RIO GRANDE DO SUL




*******
********
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas

******
ASSINATURAS: lists@ainfos.ca
RESPONDER: a-infos-d@ainfos.ca
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
WWW: http://www.ainfos.ca/org
INFO: http://www.ainfos.ca/org

Para receber a-infos numa língua apenas envie para lists@ainfos.ca
a mensagem seguinte:
unsubscribe a-infos
subscribe a-infos-X
onde X= pt, en, ca, de, fr, etc. (i.e. o código de idioma)

A-Infos Information Center