A - I n f o s
a multi-lingual news service by, for, and about anarchists **

News in all languages
Last 40 posts (Homepage) Last two weeks' posts

The last 100 posts, according to language
Castellano_ Català_ Deutsch_ Nederlands_ English_ Français_ Italiano_ Polski_ Português_ Russkyi_ Suomi_ Svenska_ Türkçe_ The.Supplement
{Info on A-Infos}

(pt) Porto, Bicicletada: a_primeira_grande_pedalada_para_acabar_com_ a_ditadura_dos_automóveis

From "Diana Dias" <tofuas@hotmail.com>
Date Wed, 2 Jul 2003 20:42:23 +0200 (CEST)


______________________________________________________
A - I N F O S S e r v i ç o de N o t í c i a s
http://www.ainfos.ca/
http://ainfos.ca/index24.html
________________________________________________

http://www.bicicletada.org/
http://www.bicicletada.org/pt/porto
bicicletada_porto-subscribe@yahoogroups.com

SÁBADO 12 DE JULHO- 10H
ENTRADA PRINCIPAL DO PARQUE DA CIDADE

BICICLETADA

Um dos paradigmas mais enraizados na nossa sociedade é o do
individualismo. Nesse sentido, possuir um veículo automóvel próprio é
considerado como um sinal de emancipação e de afirmação do indivíuo.
Também com base nesse paradigma, em Portugal, a quase totalidade das
políicas de (i)mobilidade urbana e viáia, energéicas, econóicas, etc.,são
concebidas em função dos veíulos automóveis, sobretudo dos privados.

Existe, simultaneamente, um modelo energético baseado no consumo de um
recurso não renováel - o petróleo - com impactos brutais inerentes à sua
extracção, transporte e utilização. Sendo que, actualmente, essa políica
energéica é um dos mais sérios obstáculos à implementação de modelos de
desenvolvimento, verdadeiramente, sustentáveis.

Ao nível do planeamento e implementação das mais diversas políicas,
provavelmente devido ao poder cada vez maior de determinados interesses
económicos a ele associados, o automóvel é tido como a única alternativa
credível:

constróem-se mais estradas porque há mais carros, por um lado, e há ainda
cada vez mais carros porque há mais estradas, pelo outro, entre outros
incentivos constantes à utilização dos veículos automóveis. É este ciclo
vicioso infernal que nos querem impingir, sem que tenha havido até ao
momento (salvo muito raras excepções) vontade política, e visão
suficiente, para romper com ele.Temos de ser nós.

A circulação automóvel (sobretudo numa ótica privada, em que os próprios
transportes públicos tornam-se menos atractivos por força da ausência de
políticas sérias de investimento no transporte público) cresce de forma
insustentável (sendo que a construção de mais estruturas viárias só
agudiza esta situação já de si caótica) e possui impactos ambientais,
sociais e humanos, nomeadamente ao níel da prória saúe púlica,
verdadeiramente incalculáveis.

A emissão de gases poluentes é uma das principais ameaças ambientais
(sendo que determinadas substâncias infiltram-se, por exemplo, nas
cadeias alimentares), o trafego rodoviáio no interior das cidades
constitui um dos principais factores da deterioração da qualidade de vida
urbana (com poluição sonora, poluição atmosféica, produção de resíduos
pesados como os de segurança púlica (com um elevado e inaceitáel número
de acidentes, nomeadamente atropelamento de peões e ciclistas).

Entretanto, os meios de transporte verdadeiramente ecológicos, que pelas
suas caracteríticas poderiam resolver muitas dos problemas de mobilidade,
principalmente se conjugados com um rede de transportes públicos
verdadeiramente eficiente (e para isso bastaria, alé de uma certa coragem
política, canalizar os investimentos nessa direcção) são completamente
desconsiderados e nunca encarados, ao contráiro do que sucede já em
diversos países desenvolvidos, de uma forma séria.

A "Bicicletada" éum movimento de todos os
cidadãos inconformados com esta situação, particularmente de todos
aqueles que, sensibilizados para a utilização de formas de deslocação
ecológicas e saudáveis, se vê ostracizados por políticas sistemáticas de
discriminação. É um novo paradigma cultural e social - em profunda
ruptura com a situação insustentáel que se vem prolongando estupidamente
- que se pretende inaugurar, e iniciar uma revolução pacífica e
pedagógica profundamente vinculada aos princípios ecológicos.


O objectivo primordial é juntar todos os cidadãos numa marcha de
bicicletas com uma forte componente reivindicativa e, atravé de uma
utilização das vias e ruas concebidas só a pensar nos automóeis,
transmitir uma mensagem pedagógica e exigir que as políticas de
mobilidade sejam susceptíveis de criar condições cada vez mais vantajosas
para a utilização dos transportes púlicos e dos meios de deslocação
ecológicos (bicicletas, patins, pedonismo, etc.). Este tipo de polícicas
existe já com enorme sucesso e efeitos práicos extremamente positivos, em
alguns dos países mais desenvolvidos da Europa.

A "Bicicletada" éum passeio reivindicativo, no qual os seus participantes
se juntam com o intuito de, de forma positiva e construtiva, manifestar a
determinaço colectiva de mudar e exigir os direitos de todos os cidadãs
que se viram desapropriados pela "ditadura" do automóel (as cidades e as
vias portuguesas estão concebidas de uma forma em que o peão e o ciclista,
refém do tráfego rodoviáio). É também a celebração de uma nova ordemecológica e a afirmação de uma filosofia de vida.

Ainda que sendo um movimento informal - onde não existe uma estrutura
rígida nem a vinculação a qualquer associação, mas sim um nível de
responsabilização e solidariedade elevada entre todos os membros que nele
participam - a "Bicicletada", que émuito mais que um mero passeio de
cicloturismo, move-se, através de acções bem definidas, por princíios e
propósitos bem concretos e não tão utóicos como nos querem fazer
acreditar. Princípios e propósitos para os quais qualquer um/uma que com
eles se identifique pode subscrever e defender, bastando para isso começar
desde já a participar no movimento.
Pretende-se praticar a acção directa através de atitudes construtivas,
pacíticas e pedagóicas, alicerçadas numa enorme determinação de nos
inconformarmos com uma sociedade onde, as instâcias de poder cada vez
mais autistas, pretendem "alienar" a nossa vontade de viver num mundo
mais justo, igualitário e em que o ser humano possa, finalmente, viver em
profundo respeito com a natureza e com todos os outros seres, que, tal
como ele, dela fazem parte. Começando com pequenas grandes revoluções tão
simples como a forma como nos deslocámos.

Este e-mail é um convite para que possas juntar-te, também, ao movimento
"Bicicletada" e ao grupo de pessoas que se reune e trabalha já em função
dos seus princíios.

Foi já criado um grupo de discussão, para nos organizarmos, planear e
discutir estratégias. Para aderires basta enviares um e-mail em branco
para:

bicicletada_porto-subscribe@yahoogroups.com

Podes també ver a página do movimento "Bicicletada" que se iniciou, com
bastante dinamismo e resultados muito positivos até ao momento, no Brasil
e começa agora a dar as primeiras pedaladas em Portugal.

http://www.bicicletada.org/

E este é o link para a páina da "Bicicletada" do Porto:

http://www.bicicletada.org/pt/porto

Esta é a páina do "Critical Mass", o movimento que serve de inspiração
à"Bicicletada"

http://criticalmassrides.inf

Entretanto fica já a saber que dia 12 DE JULHO, à 10H00, está já agendada
a próxima "Bicicletada" na cidade do Porto, com concentração prevista na
entrada principal do Parque da Cidade (junto do Parque de Estacionamento
na Av. da Boavista).

Aparece.

Vamos então pedalar por um mundo melhor, a começar na nossa cidade!


SÁBADO 12 DE JULHO 10H
ENTRADA PRINCIPAL DO PARQUE DA CIDADE




*******
********
****** Serviço de Notícias A-Infos *****
Notícias sobre e de interesse para anarquistas

******
ASSINATURAS: lists@ainfos.ca
RESPONDER: a-infos-d@ainfos.ca
AJUDA: a-infos-org@ainfos.ca
WWW: http://www.ainfos.ca/org
INFO: http://www.ainfos.ca/org

Para receber a-infos numa língua apenas envie para lists@ainfos.ca
a mensagem seguinte:
unsubscribe a-infos
subscribe a-infos-X
onde X= pt, en, ca, de, fr, etc. (i.e. o código de idioma)

A-Infos Information Center